Há sushi e sushi

as muitas barretadas que tenho apanhado em restaurantes de cozinha japonesa ao longo dos anos têm contribuído para a minha falta de entusiasmo em experimentar sítios novos. sempre que caio na asneira o faço, e já sabendo o que a casa gasta, ponho as expectativas bem lá no fundo. antes surpreendida que desiludida.

 

...e ainda assim fico verdadeiramente impressionada como alguns conseguem transpor a minha já baixa fasquia e revelarem-se mais maus do que ia preparada para tolerar. como uma experiência que tivemos recentemente.

 

vou omitir o nome da casa porque não me apetece confusões, mas é o exemplo perfeito para ilustrar as primeiras linhas deste post. digo apenas que se trata de um espaço com um estilo muito in, decoração sóbria e elegante, empregados de mesa fardados de preto da cabeça aos pés, generosa colecção de garrafas de gin no bar, música lounge, fashion tv a passar.. the works!

 

pelas fotos, comentários de clientes e pontuação que têm na página do facebook, parecia seguro arriscar e descobrir se servia para nos poupar umas idas a algés quando a gulodice aperta em ocasiões impróprias.

 

não ia com grande fé e cedo apercebi-me que se calhar devíamos ter jantado em casa, que tinha lá meia farinheira no frigorífico, à espera de ser combinada com uns ovinhos à maneira. tal e qual como ir ao supermercado com fome, a preguiça em fazer o jantar por vezes também nos leva a tomar más decisões lol

 

tenho a dizer que a experiência foi consistente do principio ao fim. começou logo pela ementa. no fim de uma lista pouco variada onde era tudo mais-do-mesmo, eis que os meu olhos encalharam na mais tradicional das especialidades japonesas:

 

picanha...

 

(é para quem não gosta de peixe cru ter uma alternativa, isa maria, não impliques com esses detalhes, mulher)

 

enfim.. pedido feito, eis chega um amuse-bouche que nos deixou incrédulos com o nível de sofisticação:

 

palitos de cenoura crua acompanhados por maionese de alho...

 

OK... se a cena da picanha fez soar algumas sirenes, a da cenoura disparou o alarme central... só não disparamos nós do restaurante porque não somos de fazer isso.

 

entretanto uma taça de sopa miso materializa-se debaixo das minhas narinas.. BLISS (amo sopa miso, é daquelas coisas que me aquecem o corpo e a alma)!

 

ah, sopa miso é aquela base, não há como enganar. ah ah ah i wish.. nem no pior dos restaurantes pseudo-japoneses que tive o (des)prazer de frequentar me serviram uma sopa tão meh. não que tivesse mau sabor ou estivesse estupidamente salgada, mas... salsa em vez de alho francês e/ou cebolinho? are you fucking kidding me??

 

o prato principal, um combinado de sushi-sashimi, nem por isso tardou a aparecer. a apresentação não estava era nada de especial mas já tive muito pior. o peixe é que.. bem.. ressequido e sem sabor nenhum. o meu paladar não conseguia distinguir se estava a comer salmão ou atum ou outra coisa qualquer, só lá ia pela textura (bom.. ao menos não me deu vómitos, como naquela que ficou conhecida pel'a mais vil refeição de sushi de sempre, em que tive que parar de meter comida na boca, sob a ameaça do estômago devolver ao mundo tudo o que tinha dentro). os uramakis (sushi invertido) davam dó de tão miseráveis que eram. minúsculos e tão mal amanhaditos, pobrezitos. tinha o telemovel em cima da mesa mas nem uma fotografia me apeteceu a tirar..

 

e provavelmente a coisa só não ficou pior porque nesta altura já só queríamos dar à sola :P

 

mas conta lá, ao menos safou-se o chá verde que pediste para acompanhar a refeição, certo?

 

epá, até nisso conseguiram enfiar a pata na poça. vinha morno.. MORNO, e tão concentrado que roçava o intragável.. acho que nunca bebi um chá verde japonês tão mal preparado.. às vezes tenho realmente pena de não ser uma daquelas pessoas com tomates para mandar as coisas para trás..

 

o ambiente é bastante agradável e o atendimento foi bom, mas falhou redondamente em tudo o resto.. e caro.. aliás... caríssimo para o que nos foi servido. sou levada a crer que, ou tivemos azar no dia em que escolhemos ir lá, ou nas pessoas a quem calhou o nosso pedido, ou um qualquer acidente cósmico que ocorreu naquele momento, não encontro explicação. anyway, não tenho vontade de voltar a arriscar, ficou automaticamente banido do nosso roteiro gastronómico.

6 de Dezembro de 2014, às 02:07link do post comentar ver comentários (4)(1)

Ele há ideias mesmo fixes!

não me importava de ter umas quantas na parede da sala :D

 

 

daqui!

Amor é…

…ele não se importar de partilhar a internet do telemóvel por wi-fi, depois de tu teres estoirado o teu plano de dados de dados sem querer :D

 

funny story! aproveitei a tarde, que estava tão bonita e agradável para ir bater umas chapas com o meu telemóvel novo. praí uma hora depois, aparece-me um aviso de que estou prestes a atingir o limite mensal de dados…..OI? 

 

quando vi a utilização de dados, estava lá à cabeça, e em toda a sua gloria, a app do flickr...

 

com 740MB transferidos...

 

...por rede móvel!

 

EEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEK

 

o raio da app estava a correr em background, mea culpa, que estive a ver umas fotos horas antes. não seria de todo grave.. se ela não estivesse entretida a sincronizar com o serviço todas as fotos que eu ia tirando.. fotos essas sem compressão nenhuma, algumas com 20MB de tamanho. e não foram poucas. que desperdício do caneco..

 

ao investigar o sucedido, percebi logo onde é que a coisa tinha falhado. quando se entra pela primeira vez, a app mostra um ecrã com as opções da sincronização automática, que trazem por omissão "SIM" e por "Wi-fi e rede móvel".. e eu não liguei nenhuma aquilo e segui em frente sem alterar nada HA HA HA já foste…

 

…vá lá que o mês acaba amanhã!

30 de Novembro de 2014, às 02:34link do post comentar ver comentários (2)

The Hundred-Foot Journey

outro daqueles que merece ficar registado. uma deliciosa e envolvente mistura de romance e foodporn, aconselhável a quem gosta de comida indiana e tem o coração mole.. tipo o meu homem, que levou o filme todo a enxugar os olhos à manga do robe :D

 

por coincidência, é o segundo filme do mesmo realizador que vimos no espaço de semanas. o primeiro não é tão bonito mas é igualmente enternecedor.. e tem a emily blunt :)

A new hope

habemus naves oldskool com aspecto de sucata em vez de supositórios polidinhos, mas não sei se aprovo o revamp ao uniforme dos stormtroopers.. logo se vê quando o teaser se transformar num trailer. 
as expectativas estão devidamente controladas para evitar desgostos.. vai ser um looongo ano

 

 

(ou talvez não)

28 de Novembro de 2014, às 23:06link do post comentar

Mais outro mês que se vai...

sem eu dar por ele.. não abrandes que não é preciso :P

    28 de Novembro de 2014, às 22:58link do post comentar

    First world problems...

    vou ver o interstellar por descargo de consciência. não quero deixar escapar a oportunidade de ver no grande ecrã um filme do meu género favorito.. antes chateada que arrependida, é o que eu costumo a dizer nestes casos.

     

    resta a dúvida se vou conseguir sobreviver sem grandes mazelas a outro mais-do-que-certo peido mental do nolan (espero estar redondamente enganada, acreditem), que ainda por cima traz o mcconaughey a reboque.. e eu não. posso. com. o. homem! três horas a levar com ele na tromba vai ser o maior frete do ano..

     

    volta dicaprio, tás perdoado :P

     

    [edit] vá, o filme até tá fixe. vê-se bem, compreende-se bem (apesar do paleio científico todo), é bonito.. e o mcconaughey conteve-se nos assobios lol 

    Massada de peixe

    txé.. há praí um ano que não botava uma receita aqui O.o

     

    tenho andado muito preguiçosa para fazer comida, é o que é.. o homem é quem tem andado mais activo pelos tachos, eu limito-me a preparar sopa, que me demora cinco minutos e depois estou de volta ao sofá he he he

     

    mas ontem à noite fiz um esforço e documentei a preparação da janta. não é nada de finório, até porque não vejo o foodnetwork há meses (a box está desligada desde agosto!) e não tenho tido grandes inspirações culinárias.

    é um prato recorrente aqui no nosso estabelecimento privado, especialmente quando o tempo começa a arrefecer, que é quando estas comidas de conforto sabem melhor. além disso, é muito simples e rápido de preparar e uma excelente forma de utilizar sobras que andem perdidas no frigorifico e no congelador.

     

    muitas formas de fazer massada de peixe existirão, esta é a minha!

     

    para duas pessoas:

     

    (as quantidades são quase todas a olhómetro, uma das poucas coisas boas dos 35 - uma pessoa às tantas aprende a fazer as coisas sem pensar muito nelas, mas é mais ou menos isto)

     

     

    - uns lombos de pescada (ou outro peixe qualquer que esteja a "cozer" dentro do congelador) e uns camarões que tenham sobrado de uma patuscada qualquer;

    - massa dos cotovelos (no pacote costuma vir indicado a dose individual);

    - uma cebola média;

    - dois dentes de alho;

    - 1/2 pimento;

    - praí umas 5 ou 6 colheres de sopa de polpa de tomate;

    - um cálice de vinho branco;

    - azeite qb, para o refogado;

    - 1 colher de sopa de creme de marisco;

    - 1 folha de louro;

    - um ramo de salsa;

    - sal e pimenta moída (ou piri-piri.. ou ambos) qb;

     

    primeiro ponho o peixe e o camarão (ainda congelados) a cozer em água temperada de sal (não convém usar muito btw). 5 minutos depois de levantar fervura, tiro o peixe e reservo a água da cozedura.

     

    num tacho ao lado começo o refogado. aqueço o azeite juntamente com o piri-piri, a folha de louro e a pimenta, para os óleos libertados pelas especiarias aromatizarem o azeite. depois junto a cebola e o alho picados finamente.

     

     

    quando a cebola fica translúcida, adiciono o pimento previamente cortado em tiras finas.. depois o tomate.. depois o vinho.. depois um bocado da salsa, picada.. e por último, a sopa de marisco (em pó), mexendo sempre. com a ajuda de um coador, transfiro a água da cozedura do peixe para o tacho e deixo apurar durante uns minutos.

     

     

    depois junto a massa e adiciono água quente (para mão interromper a cozedura) suficiente para a quantidade de massa. entretanto descasco parte dos camarões e lasco o peixe, que serão adicionados ao tacho nos momentos finais, antes da massa ficar cozida no ponto. 

     

    um minuto ou dois antes de desligar o lume, rectifico os temperos (com cuidado para nao queimar a língua lol) e tá feito!

     

     

    maravilha, o estômago até bate palmas.. e a boca também por causa da malagueta - os sacrifícios que uma pessoa faz por amor :D

    Pior do que fazer 35 anos...

    ...é fazer 35 anos no dia em que a hora atrasa. PQP, ODEIO o horário de inverno!! XP

     

    (btw, este post sofreu com a mudança da hora, demorou 59 minutos até aparecer publicado lol)

    Frank

    outro pedaço de puro entretenimento hipster, bastante agradável de se ver que o homem desencantou (e que por acaso está também no cinema). conta-nos a história de um zé-ninguém com aspirações de músico, que um dia conhece uma banda composta por malta alucinada.

    após uma breve actuação com a tal banda, acaba por ser convidado a colaborar no próximo álbum e vai-se isolar juntamente com o excêntrico grupo, no meio de nenhures. 

     

    é uma mistura caótica de comédia e drama, ao som de música psicadélica bem marada, que nos faz rir e que nos deixa comovidos. está belissimamente escrito e filmado.. e porque não, cantado - já que foram os próprios actores que produziram grande parte da banda sonora :)

     

    não sabia nada sobre o filme e consegui resistir ao impulso de pegar no aparelho mais próximo de mim que estivesse ligado à internet, para saber quem era a pessoa que passou 98% do filme com uma sinistra cabeça de papel em cima dos ombros, e cujo timbre de voz roça no do jim morrisson, e por vezes também no do beck. quando a revelação se sucedeu, só não caí de cú porque estava sentada no sofá lolão

     

    …e é por isso mesmo que não linko nada. se estiverem interessados em ver o filme, aconselho a deixem-se surpreender como eu. o nome dos actores não aparece nos créditos iniciais, btw.

    25 de Outubro de 2014, às 00:44link do post comentar

    'Le me

    tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

    no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

    offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

    101 coisas em 1001 dias - parte III

    faltam 33% done

    'Le liwl

    era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 15 de janeiro, no longínquo ano de 2003.

    muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora.
    a versão actual levou tempo a cozinhar mas ficou awesome toda cheia de modernices: web fonts, svgs, media queries, e css3. aviso já que os browsers antigos não vão achar piada nenhuma :D

    para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #10 #9 #8 #6 #5

    follow us in feedly   Follow on Bloglovin