Já não se fazem como antigamente..

ainda no processo de decidir se gosto ou não deste revamp minimalista que as armaduras dos stormtrooper levaram.. need MOAR details :D


o homem acha que têm um ar cheap..

Abril é parecido comigo..

não tem meio termo.. num dia atira-nos um espectacular dia de verão, no outro manda-nos directos pró meio do outono :P

porcaria de mês..

    14 de Abril de 2015, às 13:18link do post comentar ver comentários (8)(1)

    Trilho dos Pescadores // Praia do Telheiro

    para além das 4 etapas, o trilho dos pescadores tem 5 circuitos complementares: praia de odeceixe, praia da amoreira, ponta da atalaia, pontal da carrapateira e praia do telheiro.

    o de odeceixe e da carrapateira para já ficam de fora, pois já fizemos caminhadas por lá (aqui e aqui), onde parte do trilho passa, mas os restantes são para serem feitos. ainda por cima ficam todos a cerca de 30 minutos de casa, não há desculpas!!

    vai daí que aproveitamos o fim-de-semana comprido de páscoa, que meteu o habitual salto à terrinha para ir à feira do folar de barão de s. joão, para encaixar o circuito da praia do telheiro. desta vez não fomos sozinhos, a sis alinhou na passeata :)

    Untitled

    Untitled

    vivi naquela zona alguns 12 anos (também devia contar como terrinha lol), batíamos aquilo tudo para ir à praia, à pesca e ao marisco, e mesmo assim, havia ali paisagens que não me lembro de alguma vez as ter visto.. fosga-se, o que uma pessoa perde por andar de carro em vez de dar à sola :P

    behold, os paredões mais altos da costa vicentina, alguns com cerca de 100m de altura. a minha paixão por falésias foi parida nestes recantos, há muitos e muitos anos atrás.

    Untitled

    costumávamos frequentar a praia da ponta ruiva, mas estupidamente ainda não conhecia a do telheiro.. de pensar que me fartei de recomendá-la e dar indicações aos cámones de como chegar lá..

    é que o trilho que liga estas duas praias, é simplesmente deslumbrante. passa por umas formações rochosas altamente maradas.. às vezes penso que devia ter ido para geóloga, adorava saber interpretar as obras de arte da natureza.

    Untitled

    Untitled

    fizemos um percurso circular, que passou pelo caminho histórico e também pela via algarviana que pelas minhas contas somou cerca de 15km, as pilhas do GPS quinaram a meio do passeio, por isso não ficou totalmente registado.

    Untitled

    o dia estava bom para caminhar, mas como é apanágio do cabo de s. vicente num momento está sol, no outro está tudo inundado em nuvens e vento.. se bem que as nuvens ali são sempre um espectáculo do outro mundo.

    end of the world

    (a quantidade parva de selfie sticks por aqui.. over 9000!!)


    recomendo o passeio, apesar de ser um bocado puxado e parte dele estar marcado apenas com mariolas, faz-se bem. atenção é à meteorologia, que pode enganar.

    (e sim, desta vez calcei os sapatos e não as botas lol aprendi a minha lição :D)

    O mundo deve tar pa acabar… III

    quem diria que havia de chegar o dia em que eu ia ouvir tame impala até cair pró lado.. srly isa, uma banda hipster?? o meu cérebro adora pregar-me partidas, tá visto..

    o rastilho pegou nesta, mas esta tira-me do sério, e esta também, e esta ainda mais ♥

    8 de Abril de 2015, às 22:39link do post comentar ver comentários (3)

    Então Isa, que tal essa Páscoa?

    deliciosa!! 



    tenho stock na arca frigorifica até junho muahahaha

    7 de Abril de 2015, às 00:37link do post comentar ver comentários (7)

    Trilho dos Pescadores // dia 5

    odeceixe > azenha do mar

    ...e como eu não gosto de assuntos inacabados e 8km, para quem já tinha andado 80 não eram nada. e porque estávamos frescos, e felizes, e encharcados de adrenalina.. PQP, se não íamos terminar a nossa missão!!

    combinei com os meus pais & sis para nos irem buscar a azenha em vez de odeceixe. assim nós acabávamos o trilho, e de seguida comemorávamos todos com uma bela arrozada de marisco, que por acaso já estava prometida há uns meses. era win-win!

    deixámos o moinho depois de um belo pequeno-almoço e dois dedos de conversa com as nossas vizinhas suecas. bora lá terminar isto!

    Untitled

    Untitled

    o windguru estava dar chuva a partir das 3 da tarde, mas a essa hora, já lá teríamos chegado, se caminhássemos a bom ritmo. e foi o único dia em que se enganou.

    fomos sempre acompanhados pelo, sol. chuva, nem vê-la, apesar nas nuvens com ar ameaçador lá ao fundo no horizonte. encontramos montes de gente pelo trilho fora, pareciam caracóis a sair debaixo das pedras depois de uma valente carga d’água.

    Untitled

    foi o dia que apanhamos mais pessoal pelo trilho. o homem ia continuando o seu recenseamento. de onde são, estão a gostar, onde vão ficar, dicas para comer, etc.
    não apanhamos um único tuga naqueles 5 dias. fartura de alemães, suecos, noruegueses, ingleses e até um casal de australianos. tudo pessoal super bem-disposto, contente por estar ali naquelas paragens e a adorar o passeio. tal como nós.

    "what about you, where are you from?"
    "we're from portugal"
    a expressão deles quando se apercebiam era impagável lol

    quando alcançamos a azenha novamente eu era uma gaja feliz!
    tinha conseguido terminar aquela provação sem ter desistido de nenhuma das etapas, como me apetecia quase todas as manhãs. pode parecer ridículo porque 88km em 5 dias seguidos não é nada de especial para quem faz caminhada ou mesmo corrida à séria. mas para quem não está habituado, é uma brutalidade.

    Untitled

    e ainda assim, a minha vontade naquele momento era continuar por ali a cima e voltar a reviver todas aquelas etapas, cada uma mais dolorosa quem a seguinte, mas com um sorriso estúpido na cara só por estar ali.

    é que passar dias inteiros simplesmente a caminhar é uma terapia como deve haver poucas, sentimo-nos parte da natureza, e o estado de paz e calma interior que isso proporciona. não se pensa em nada realmente, só naquilo que os nossos olhos estão a ver, os sons que ouvimos, e nos cheiros que nos entram pelo nariz.

    e o ar puro..

    esta experiência foi das mais fisicamente exigentes e ao mesmo tempo, das mais gratificantes que alguma vez tive. descobri que a força de vontade é uma algo muito poderoso e faz-nos alcançar o que parece impossível, quando parece impossível. é só meter a mente nisso.

    o corpo é de facto uma máquina incrível. as pernas não paravam, apesar de por vezes achar que já não aguentava dar outro passo em frente. como é que eu conseguia continuar a mover-me era um fenómeno que me ultrapassava.

    Untitled


    fiz-nos prometer ali mesmo que havíamos de repetir o trilho, e aproveitar para poder meter em prática tudo aquilo que ele nos ensinou.

    pareço um disco riscado por estar sempre a dizer isto, deve ser porque tenho esperança que algum dia dê ouvidos a mim mesma:

    tenho que fazer um esforço para me mexer durante todo o ano, sem pausas nem desculpas!

    saltar do sofá para estas coisas é demasiado agressivo, mas não consigo evitá-lo, devo ser masoquista lol

    Fan service

    então e aquela cena dada de bandeja no último episódio do the flash, com o mark hamill? a atentecipação histérica que foi cá em casa, os dois aos gritos:

    "o gajo vai dizer, O GAJO VAI DIZER!!!"

    "NÃOOOOOOO BAHAHAHAHAHHAHA"

    zomg, que fartote, nem os próprios actores conseguiam parar de rir com aquilo :D

    tão bom!!!

    2 de Abril de 2015, às 11:21link do post comentar ver comentários (2)

    Trilho dos Pescadores // dia 4

    zambujeira do mar > odeceixe azenha do mar

    dói-me os pés, dói-me músculos nas pernas que não sabia que os tinha.. mas quero tanto continuaaaaaaaaar. vá lá corpinho, deixa-me terminar, estou tão perto do fim que até lhe consigo sentir o sabor!!

    saímos da cama as 11 da manhã. o descanso estava a saber demasiado bem, mas a hora do check out aproximava-se.

    tomamos o pequeno-almoço na pastelaria ao lado do alojamento e depois estivemos uns minutos sentados num banco de jardim, a absorver os raios de sol que iam espreitando por entre as nuvens. gosto *tanto* daquele sítio, tem uma luz tão bonita. e no inverno, com poucos turistas e pouca confusão está-se mesmo bem

    ainda sem saber bem como ia ser a nossa vida, mais uma vez consultei os horários dos autocarros.. um bocado a contragosto, não era realmente aquilo que eu queria. o homem à rasca do joelho, e eu mal dos tendões, mas naquele momento doía-me mais a alma que outra coisa qualquer.. saber-me ali tão próxima de cumprir o meu desafio, e a ideia de ter que parar por ali simplesmente não encaixava...

    o dia estava agradável, haviam praias e paisagens lindas à espera da nossa visita. e a azenha ficava a meio do caminho.. opá.. opá..

    eeeeeeeeeee cá vamos nós!!

    alteirinhos

    seguimos a um ritmo confortável (que é como quem diz, demasiado lento para conseguirmos chegar a odeceixe naquele dia), mas como o gráfico de elevação daquela etapa era um bocado intimidante, com várias subidas e descidas bastante íngremes, não podíamos facilitar. se não, tínhamos que desistir antes de chegar a azenha, no brejão.

    lá fomos, todos felizes todos contentes, pelas falésias, dunas, e mata fora. e praias, muitas praias!

    zambujeira,

    até ao meu regresso

    alteirinhos,

    alteirinhos

    carvalhal da rocha,

    carvalhal

    carvalhal

    machado,

    machado

    amália,

    amália

    o mar andou a fazer das suas e as praias estavam desareadas ou com com pouca areia. esperemos que até ao verão, o mar a traga de volta.

    destas todas só não conhecíamos a da amália. sabíamos que não era de fácil acesso e não demorou muito constatarmos isso mesmo. e depois da vereda, as dezenas de degraus até lá abaixo à praia? dasssse... vá lá que não tivemos que descer aquilo tudo...

    Untitled

    amália

    o percurso entre a praia do machado até à azenha é dos mais desafiantes de todo o trilho. muito desnível, muitos riachos, lama, vegetação cerrada. acho que foi a única parte em que dei graças por ter botas e não sapatos lol ora enfiava as patas na lama, ora num riacho para tirar a lama. andei nesta vida durante uns quantos kms.

    Untitled

    Untitled

    demorámos quase 5 horas a chegar à azenha, já mal conseguia andar e estava pronta para enfardar mais marisco.. por causa do desgaste das articulações.. isso :D

    o marido interceptou o casal que vinha atrás de nós desde a amália. os únicos que vimos naquele dia, provavelmente por já termos começado tão tarde. àquela hora já devia estar tudo em odeceixe a descansar a pernas numa esplanada qualquer.

    ele era alemão, ela sueca. vinham com alojamento próprio às costas, portanto ainda iam mais na calmas que nós. dormir no meio das dunas, isso sim, é liberdade. mas não os invejo.. a não ser que trouxesse um sherpa atrás para me carregar com a tralha toda lol

    trazíamos quase 80km acumulados nas pernas, se a coisa morresse por ali, já não era mau de todo. significava que tínhamos concluído praí 90% do trilho. os 8 que faltavam para terminar, podiam ficar para outra ocasião.. uma pena, mas não dava para mais.

    havia um autocarro para odeceixe dali a pouco, mas enquanto estávamos à espera, ofereceram-nos boleia para o nosso destino. fixe!

    e mal chegámos a odeceixe, quem é que se cruza connosco? as nossas "vizinhas" suecas! estavam outra vez alojadas no mesmo sitio que nós he he he

    o sítio que escolhemos para a última pernoita foi em jeito de recompensa pelo desafio, as casas do moinho. descobrimos aquela preciosidade há uns anos atrás, num passeio nocturno e estávamos desde então à espera de uma desculpa para ficar lá. e esta era perfeita!

    não ficámos desiludidos, não senhora!

    Untitled

    Untitled

    dos quartos de hotel (ou B&B neste caso) mais bonitos e confortáveis onde já dormi, sem dúvida!

    como tínhamos almoçado tarde, fomos só morder qualquer coisa a um dos poucos sítios que estavam abertos na vila, um snack-bar com um ar ecléctico, mas bastante acolhedor..

    e estava a passar the doors (esta banda tem um efeito muito estranho em mim e o ambiente era perfeito para ouvi-los).. e a tosta de queijo com tomate e oregãos estava deliciosa… e no rescaldo de 4 dias a passar as passas do al..entejo, onde tudo tinha acabado por correr da melhor forma possível, e por toda a beleza dos sítios por onde passámos, e a simpatia das pessoas com quem nos cruzámos… não consegui conter uma lágrimazinha de emoção :')

     

    caminhar para o dia 5 >

    Engraçadinho

    a tua primeira opção de autocarro só passa dali a 17 minutos. a segunda opção, a 12 minutos. a terceira, a 4 minutos. não gostas, mas segues nessa para não perderes mais tempo. chegas à estação de metro, comboio parado, carruagens a abarrotar. linha interrompida por motivos alheios, previsão de restabelecimento do serviço dali a 15 minutos. desistes e vais ver se tens autocarros. entretanto ouves o metro a arrancar. PQP. perdes um possível autocarro que estava a sair naquele momento, o próximo é só dali a 8 minutos. sobes e vês o horário dos comboios, parte um dali a 3 minutos, boa. enganas-te com o número da linha, o comboio está do outro lado da plataforma. desces. corres. sobes. o comboio parte sem ti. voltas novamente ao metro, que entretanto já esta a funcionar.

    a tua reacção perante este imbróglio épico? ris-te à parva, claro. é o universo a pregar-te uma partida de 1 abril, não há outra explicação!

    Para variar

    IRS entregue no primeiro dia, em vez do último \m/

    1 de Abril de 2015, às 00:47link do post comentar ver comentários (5)

    'Le me

    tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

    no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

    offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

    101 coisas em 1001 dias - parte III

    faltam 45% done

    'Le liwl

    era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 15 de janeiro, no longínquo ano de 2003.

    muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora.
    a versão actual levou tempo a cozinhar mas ficou awesome toda cheia de modernices: web fonts, svgs, media queries, e css3. aviso já que os browsers antigos não vão achar piada nenhuma :D

    para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #10 #9 #8 #6 #5


    follow us in feedly   Follow on Bloglovin