Cabo Sardão

estávamos em frente à praia dos alteirinhos, naquele frio, mas fantástico final de tarde. o sol não ia demorar muito a desaparecer sob a imensidão do azul escurecido do oceano.

joguei a mão ao bolso das calças e puxei o telemóvel, para consultar a app da meteorologia. o sol põe-se daqui a meia-hora. "temos 20 minutos para chegar ao cabo sardão", disse ao homem.

queria ver o sol a por-se no cabo sardão, cenário das falésias mais imponentes daquela zona da costa alentejana. se o ocaso fosse tão bonito como o do dia anterior, na azenha do mar, i was in for a treat.

chegamos lá mesmo a tempo. estacionei o carro perto do farol e arranquei pelo passadiço de madeira, até à beirinha da falésia. a tarde estava cada vez mais fria, à medida que o sol se afundava cada vez mais no horizonte. as cores tórridas do entardecer faziam um contraste interessante com a temperatura gélida do ar.

na pressa de não querer perder o momento, nem esperei pelo homem, que estava a levar o seu tempo a equipar-se para enfrentar o frio. quando finalmente se juntou a mim, entregou-me a máquina fotográfica, e também as luvas e o gorro. quem tem um homem destes, tem tudo. quase perdia o pôr do sol porque decidiu ir vasculhar a bagagem de fim-de-semana, à procura dos agasalhos de inverno.

lá em cima, as aves marinhas deslizavam preguiçosamente pelo céu, imunes ao ar gélido. lá em baixo, as ondas despenhavam-se contra os rochedos, ecoando pelas paredes escarpadas. não fazia vento, apenas corria uma brisa leve, carregada do cheiro salgado da maresia.

adoro ver o pôr do sol no mar. aliás, adoro o pôr do sol seja onde for, mas junto ao mar tem um sabor diferente. há qualquer coisa de mágico em vê-lo desaparecer lentamente na água, como se fosse ferver o oceano...

cabo sardão cabo sardão cabo sardão farol cabo sardão

já vi o pôr do sol centenas de vezes. é um dos meus espectáculos da natureza favoritos. nunca é igual, nunca cansa. é sempre um momento especial, que gosto de apreciar em silêncio.

Enigma da banheira

queriamos aproveitar o primeiro fim-de-semana comprido de dezembro pró relax. faz dois meses que não vamos para fora do quintal, e nem sequer comemorámos os aniversário de outubro como mandam as regras. a localização não interessava, apenas o hotel. para além de ter bom aspecto e não nos levar à falência, tinha que preencher dois requisitos obrigatórios:

1. ter spa
2. ter banheira (bonus points se fosse no quarto)

começamos pelo norte e fomos descendo, mas talvez por ser um bocado em cima da hora, não estávamos a encontrar nada que nos aguçasse o apetite. às tantas chegámos à conclusão que o melhor era irmos para um dos nossos habituais.

google, mostra-me imagens da banheira da suite do hotel xpto.

não mostrou, raio da única banheira daquele hotel parece ser um segredo mais bem guardado que o de fátima, bah! mas no meio de tanta foto de banheira, estava lá uma que chamou a atenção. eh lá, ondé isto? são teotónio, a sério? não sabia de nenhum hotel com spa por aquelas bandas. pera lá, acho que já passei por cima deste hotel ali no booking..

não seria a zona mais imediata, mas why not? não chegamos a ir para lá este ano, há 8 anos que as nossas férias ou fins-de-semana de verão passam sempre por lá, portanto estávamos em falta.

tão, vai-se a ver, o enigma nature & water hotel não tinha uma, mas sim duas suites com banheira no quarto. e estavam ambas disponíveis. a questão agora era acertar em qual das suites reservar, para ficarmos com aquela que tinha a banheira com a melhor localização... e depois havia uma terceira, cuja banheira não ficava no quarto, mas a vista era qualquer coisa... bom, na verdade não foi preciso pensar muito :D

not gonna lie, a brincadeira não saiu barata.. mas por zeus, as fotos não lhe faziam justiça (nem as minhas vão fazer).. tive a mesma sensação que na penthouse em tróia, não quero dormir para não perder um segundo disto.

A-D-O-R-E-I a suite. não só tinha uma vista brutal e parecia maior que o nosso apartamento, como estava super quentinha e super confortável, estava bem equipada, a casa de banho era ENORME, e a minha banheira prometida superou todas as expectativas. só lhe faltava acesso directo ao spa, que ficava mesmo por baixo do quarto hi hi hi

quarto quarto banheira banheira quarto

se pudesse, mudava-me para lá sem pensar duas vezes. oh yeah!

abanquei no sofá, em frente à janelona e declarei aquele pedaço o meu reino. passei lá umas horas valentes!

sala chillin

fun fact: haviam duas tv's na suite, uma na sala, e outra perto da cama. não chegámos a ligar nenhuma delas.

a vantagem de estar numa zona que conhecemos tão bem como as costas da mão, é que não andávamos malucos por ir explorá-la. ok, os dias estavam brutais (apesar de gelados) e demos as voltinhas da praxe, mas deu para descansar e conseguimos aproveitar o hotel ao máximo.

ah e verdade, tínhamos um terraço muito fixe, com uma vista impecável, e que ainda proporcionou uma tarde bastante interessante lol

terraço

tivemos uma sorte tremenda com a lua, quase cheia e incrivelmente luminosa. a luz prateada do luar banhava a paisagem de tal forma, que não resisti a fazer umas longas exposições, na tentativa de guardar uma recordação daquele cenário mágico. tiveram que acontecer dentro de casa, porque estava 1ºC na rua aquela hora brrrrrr...


luar sala banheira

a banheirada ao luar pode não ter sido tão épica como no jacuzzi da penthouse, mas não se ficou nada atrás. 

deixaram-nos fazer late check out, o que nos deu duas horinhas extra para nos despedirmos daquela delícia. ainda assim custou... é para repetir, sem sombra de dúvida.

quarto

no geral, gostamos bastante do hotel. não é muito grande, está desenhado em linhas contemporâneas, em socalcos, a acompanhar o declive da encosta. está numa localização genial, tem uma vista do caraças para a serra de monchique, e é super calmo. o spa é pequeno, mas muito maneirinho, e o pequeno-almoço não é mau. apesar de ser recente, já vai pedindo alguma manutenção, espero que estejam atentos às sugestões que a malta deixa, só têm a ganhar com isso :)

Se ele não fosse assim... XXVI

o homem leva o seu treino tão a sério, que até fica fechado no ginásio!

it's true what they say, há uma primeira vez na vida para tudo muhahahah nada que não ficasse resolvido com um telefonema para a empresa de segurança. minutos depois, estava em liberdade. 

ainda assim fez planos de contingência, caso ficasse lá fechado a noite toda :D

9 de Dezembro de 2017, às 21:29link do post comentar

Sabes que estás a ficar velha quando... III

a tua tolerância para temperaturas "extremas" parece reduzir a cada ano que passa. 

acima de 36ºC começa a tornar-se insuportável, com direito a tonturas, quebras de tensão, e dores de cabeça (nem sei como aguento 10 minutos no banho turco ou numa sauna lol). isto é uma tragédia para uma pessoa que adora calor XP

acima de 32ºC já começo a ficar mole.

o sweet spot parece estar algures entre os 24-26ºC, depende da quantidade de roupa que tiver em cima. menos, já começa a custar.

abaixo de 16ºC os músculos começam a ficar todos contraídos, especialmente os das costas, o que me provoca dores de cabeça horrorosas ao fim de poucas horas.

abaixo de 12ºC começa a tornar-se fisicamente doloroso.

abaixo de 4ºC começa a tornar-se insuportável.

é triste...

ainda por cima, este ano o inverno chegou mais cedo, crl pró frio :P

 

7 de Dezembro de 2017, às 19:00link do post comentar ver comentários (9)

Loop do dia XI

rest, o último álbum da charlotte gainsbourg, instalou-se no ouvido à primeira!

transpira a toque francês, a fazer lembrar air, e uma versão muito suave de daft punk e justice - ou não tivesse sido produzido por tipos que andaram todos na mesma escola. um verdadeiro manjar para quem gosta destas bandas.

é rico em substância, e está confeccionado com muita mestria e requinte. tem uma melodia hipnotizante. urgente, dramática, melancólica, e ao mesmo tempo delicada e etérea. não sei francês suficiente para perceber a profundidade das letras, mas a voz da charlotte é encantadora e embala-nos do princípio ao fim.

das suas onze músicas, estou indecisa entre cinco sobre qual gosto mais: kate, deadly valentine, sylvia says, songbird in a cage, ou les crocodiles... tá difícil de decidir... até lá vou ouvindo em loop :D

6 de Dezembro de 2017, às 18:00link do post comentar

Deve ser para tirar a barriga de misérias

2018 vai-me estourar o orçamento todo só em concertos.. já tenho dois comprados com sete meses de antecedência, e acabou de aparecer outro.. FFFUUUUUUU!!!

5 de Dezembro de 2017, às 20:10link do post comentar ver comentários (3)(1)

Isa vai ao ginásio: 6 meses!!!

na verdade, se fizesse a conta a 10 treinos por mês, não seriam 6 meses, seriam quase 4. ali entre julho e agosto, entre férias e trabalho, estive um mês sem lá meter o coiro, e tem havido demasiadas semanas apenas com um treino. é melhor que nada.

bom.. 6 meses. 37 treinos. 16 treinos com PT.

de facto, há uma diferença brutal entre fazer treinos por conta própria, ou ter alguém que percebe do assunto a torturar-nos orientar-nos na direcção certa. desde há um mês para cá que começamos a combinar os treinos, e em vez de 30mn cada um, fazemos 1 hora em simultâneo. é super, super puxado. já tenho levado quase uma semana a recuperar totalmente do treino, mesmo dando-lhe a sério nos alongamentos.

os alongamentos passaram de 20 minutos para 1 hora, e tornaram-se muito inspirados em posturas e fluxos de yoga. depois da minha descoberta, começamos a explorar e a descobrir montes de posturas que esticam deliciosamente os músculos, e fomos integrando várias na rotina. foi pegando tão bem, que eventualmente aproveitamos que o nosso plano inclui aulas de grupo, para experimentar uma aula de yoga. hoje fomos à terceira. fun fact: inauguramos o ginásio com uma aula de pilates, celebramos os 6 meses com uma de yoga :D

tenho notado *muitas* melhorias, não só a nível do pescoço e ombros, como a musculatura tá mais rija, tenho mais flexibilidade e não me sinto tão emperrada (noto especialmente ao levantar-me da cama ou do sofá ou a sair do carro), e a postura melhorou anos-luz (ando maravilhada com ela, nunca tive uma postura tão boa).


o pulmão está um bocado atrasado porque o cárdio tem ficado para segundo plano. a PT mete algum cárdio, mas foca-se muito mais no core e força. nos dias restantes, era suposto dar-lhe no cárdio, o que não está a acontecer porque eu não ponho lá os pés com a frequência que devia.. mas agora com a desculpa de ir às aulas de yoga, pode ser que o ritmo das 3x por semana volte \m/

"Kanji é mais fácil"

eis algo que a professora de japonês está sempre a dizer nas aulas, e que é sempre motivo de risota (daquela nervosa, que a gente sabe bem que o dia vai chegar lol).

a verdade é que quando me ponho a decifrar textos em japonês, começo seriamente a acreditar nela..

é que é mesmo : /

15 de Novembro de 2017, às 23:05link do post comentar

Web Summit 2017

este ano conseguiu ser ainda mais intenso. muito mais talks para ver, muitas startups para stalkar, e muito mais pessoas para contornar nas piscinas entre pavilhões.

havia mais um pavilhão, os palcos eram maiores e tinham mais espaço para sentar pessoas, o espaço estava muito bem decorado, o som estava bom (melhor que no ano passado, vá), os galões da delta à borla continuam a salvar vidas. a parte de haver controlo de segurança para entrar, por um lado era fixe, por outro provocava umas filas horrorosas. a comida continua a ser o calcanhar de aquiles. muito cara e nada de especial.

web summitweb summit

das cerca de 60 talks que me interessavam, consegui assistir a 18 completas, apanhei umas quantas a meio ou quase a terminar, e desisti de algumas que afinal não eram nada daquilo que prometiam. nos próximos tempos vou andar ocupadinha a ver as que me escaparam.

apanhei alguma treta, mas também apanhei muita coisa brutalmente esclarecedora. o desafio que levei para este web summit foi totalmente superado. três dias daquilo e vim de lá a espumar. e com muito para escrever.

vi talks na sua maioria relacionadas com a indústria dos média, mas também sobre marketing, AI e machine learning, blockchain, cryptocurrency, sociedade e privacidade, e startups.

deu para perceber que a nossa privacidade está em risco, que as plataformas sociais e os googles da vida já sabem mais sobre nós, que nós próprios, e que é urgente regulamentar muito bem a forma como as empresas recolhem, armazenam e utilizam os nossos dados.

que as nossas vidas hoje em dia são totalmente regidas (e manipuladas) por algoritmos e que nem sempre é pela positiva. nunca ouvi a palavra algoritmo repetida tanta vez na vida - and mark my words, num futuro não muito distante, todos os males do mundo vão ser atribuídos aos algoritmos...

das mais interessantes - e assustadoras que vi, foram dadas pelo director digital da campanha do trump, que explica como foi possível ganhar as eleições através das redes sociais, um feito sem precedentes na nossa história, e que ensina muito sobre a vulnerabilidade das pessoas nas redes sociais e a facilidade como são manipuladas.

acho sinceramente, que qualquer pessoa que se preocupe minimamente com a sociedade e o rumo que o mundo está a levar, devia ver algumas destas talks.

deu para perceber que existe muita tecnologia emergente a trabalhar no sentido de concertar o mundo ou pelo menos tentar remediar o estrago que andamos a fazer desde há vários anos - mas que não há tecnologia no mundo que seja capaz de alterar as coisas menos positivas da natureza humana, e que devíamos focar-nos também nisso.

unicorns

e pró ano espero novamente estar por lá!

11 de Novembro de 2017, às 00:12link do post comentar

Jovem que vais ao Web Summit

se vais lá pela primeira vez, achei que gostasses de levar umas dicas na bagagem, para que possas tirar o melhor proveito daquela que é considerada a maior conferência sobre tecnologia do mundo. e não, não estão a exagerar, aquilo é mesmo insano!

então,

- se possível, regista-te logo no primeiro dia (segunda, dia 6);

- vai cedo (e sai cedo), para evitares confusão nos transportes públicos;

- vais andar muito, e estar muito tempo em pé, leva roupa e calçado confortável;

- tenta decorar em que pavilhões ficam os palcos, vais ter que fazer muitas piscinas entre eles. atenção que há palcos que mudam de nome todos os dias;

- mantém-te hidratado/a, anda sempre com uma garrafa de água contigo;

- não esperes por estar aflitinho/a para ir ao wc, se não arriscas um acidente enquanto esperas na fila para chegar à sanita;

- leva dinheiro na carteira, que as caixas de multibanco fazem filas gigantescas;

- tenta não almoçar a horas normais, se não vais apanhar filas incríveis para comer, e uma enorme javardice nas mesas;

- não tenhas receio de falar com pessoas, é para isso que este evento existe, é para isso que as pessoas lá vão;

- faz o trabalho de casa: consulta do directório de participantes / startups, assinala pessoas com quem queres falar;

- se ires expôr a tua startup, vais ter que dar folga a toda e qualquer timidez que tenhas, e transformar-te num tubarão de RP, sorri;

- atenta nos meetups que acontecem ao final do dia, são óptimas formas e conheceres pessoas com os mesmos interesses. prepara-te para palmilhar muito pelas ruas do coração de lisboa;

- escolher talks no web summit pode ser um exercício *muito* ingrato, pois existem várias a decorrer em simultâneo, e às tantas ficamos sem saber a quais assistir. tem em conta que a maioria das talks têm uma duração curta (~20 minutos) e mal riscam a superfície, cumprindo o propósito de dar um overview sobre assunto, de expandir horizontes, mas sem entrar em detalhes específicos, logo não ensinam por aí além. arrisca sair da tua zona de conforto, foca-te naquelas sobre temas relevantes, dos quais não tenhas grandes conhecimentos. as outras podes sempre vê-las mais tarde.

- utiliza a app do evento para marcares todas as talks que te interessam. não te importes que algumas se sobreponham, convém teres talks de backup caso aquelas que decidas ver esgotem ou não revelem grande interesse

por fim, também podes ler sobre a minha experiência no ano passado :)


vemo-nos por lá!

31 de Outubro de 2017, às 10:00link do post comentar ver comentários (3)(3)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly