Love is in the air

não haja dúvida que as árvores e as demais plantas escolheram uma forma de reprodução muito engenhosa: servir-se do vento para transportar a sua semente de umas prás outras, uma vez que não podem sair do lugar onde foram nascer para tratar desse assunto.

chega primavera e a atmosfera torna-se palco de um intenso bacanal*, com pólen a ser lançado em quantidades massivas por esses céus fora, que à deriva vai bailando até encontrar uma parceira desejosa de recebe-lo no seu seio :D

só que entretanto, boa parte dele é aspirado por narizes insuspeitos..

e começa o drama sazonal de muitos humanos e do seu sistema imunitário coninhas.. olhos inchados, comichões onde nenhuma unha alcança, espirros à parva, doses industriais de gosma.. passar abril e maio nisto não é fixe. não. é. fixe!

eu, que enquanto vivi no campo não sofria nem sequer alguma vez me preocupei com essa coisa dos pólenes, foi preciso vir pra cidade para começar a ficar afectada por essa moléstia.. e agora quando vou pró campo, volto toda desgraçada, com a cara feita num oito. e depois chego a casa ainda tenho o gato.. cabrona de sorte.

* existe outra palavra, também começada pela mesma letra, que era mais adequada para o caso.. mas eu não quero ferir susceptibilidades muhahahaha

Kingsman, the secret service

passou-nos despercebido, este filme. não me recordo de ter ouvido falar dele, nem tão pouco de vê-lo em cartaz. mas ontem estivemos entretidos a vê-lo e acabou por ser uma daquelas surpresas bastante agradáveis.


é uma espécie de homenagem aos james bond old skool, com inúmeras referências ao estilo do espião clássico inglês ultra-cavalheiro, mas actualizado aos dias de hoje. e vindo dos mesmos gajos do kick-ass, dá para ter uma ideia do tipo de violência gratuita misturada com comédia absurda que nos é servido durante duas horas.

desfile de estrelas, umas cenas de porradaria à maneira (ainda que tenham sido bastante contidos na sangria), e muito humor e classe. é previsível mas não deixa de surpreender.. e mais spoilers não quero fazer!

se tal como eu não sabiam da sua existência, ide fazer o favor à vossa pessoa de ver esta pérola :)

25 de Maio de 2015, às 00:25link do post comentar ver comentários (3)

Dramas da estrada

aconteceu-me presenciar duas vezes no espaço de um mês algo ainda inédito para mim: um pneu a rebentar em andamento.

daquelas cenas que até os não crentes rezam aos satinhos que não lhes suceda..

da primeira vez foi no autocarro e não vi, senti. ia sentada precisamente por cima dele. apanhei um cagaço do caraças, acho que fiquei sem pulso durante segundos.. aquela porra fez um estardalhaço ensurdecedor e soltou-se uma nuvem de fumo, enquanto pedaços de borracha retorcida voavam por todo o lado.
felizmente não aconteceu nada de grave e o mais chato nem foi o susto, foi ter que sair do autocarro e esperar pelo próximo.

hoje vinha ali monsanto acima pela A5, quando rebentou um dos pneus traseiros do reboque que seguia à minha frente. novamente sem stresses, até fiquei com a ideia de que aquilo é capaz de ser mais perigoso para um carro que tenha o azar ir ao lado do que para o próprio, por causa da onda de choque e dos estilhaços de borracha a serem projectados a alta velocidade..

como não há duas sem três, isto deixou-me logo com a sensação que a próxima vai-me calhar a mim, e que aquilo foi um aviso para me ir preparando... EEEEEEEK!!

24 de Maio de 2015, às 00:27link do post comentar ver comentários (2)

Grrrrrrrrrrrrrrr

todos os anos por esta altura, o drama repete-se: não há t-shirts nerds de jeito pa gaja!

porquê que raio não há simplesmente as mesmas estampas para ambos os sexos? a secção de mulher é deprimente, só cenas apitalhadas über lame.. querem ver que não podemos gostar das mesmas merdas, da mesma maneira? OPÁ!!

18 de Maio de 2015, às 21:51link do post comentar ver comentários (11)(1)

Constatações XI

o problema de ter passado os últimos anos a simplificar, optimizar, e especialmente a relativizar tudo e mais alguma coisa na minha vida para não ter chatices, é que isso acaba por tornar-me os dias um bocado tediosos. tipo, no pasa nada.. bah!

    18 de Maio de 2015, às 21:17link do post comentar(2)

    My my, Maio

    ...estamos on fire, sim senhora!

    os três primeiros fins-de-semana foram sempre a abrir, tás a caminho de ser o melhor maio de todo o sempre \m/

       


    e se isto é o preludio do verão, este ano vai ser a loucura total :D 

    Estereodramas

    o homem pode ver o vestido azul e preto, mas por mais horas que passe a olhar para esta imagem, não consegue ver os pinguins a brincar alegremente no gelo :D

     
    e por aí, conseguem ver pinguins?

    Isa, you have failed this post

    "you know, I've been meaning to tell you, it really weirds me out to no end the way you refer to yourself in the third person like that" :D

    tão, a modos que andei meio hibernada durante três semanas, por culpa de uma inesperada maratona de arrow.

    já tinha visto os cameos do bicho no flash, mas nunca lhe tinha prestado grande atenção. tipo, um robin hood dos tempos modernos, a stalkar os mauzões com arco e flecha. c'mon, que coisa mais saloia!

    mas chegou o dia em que descobri que o flash é um spin off da série em questão e a curiosidade aumentou o suficiente (ou então foi mesmo saber que o brandon routh entrava nela) e achei que não me matava ver uns quantos episódios.

    ai mãezinha, o que é que eu fui fazer..

    fiquei agarradíssima desde o piloto. render-me tão cedo a uma série não é muito habitual, costumo precisar de uns quantos (e bons) episódios antes de declarar-lhe o meu amor incondicional. acho que tal coisa não acontecia desde o chuck :D

    pelo meio, ainda tive um crash course sobre o universo dos comics da DC, gosto de ter bases para perceber aquilo que estou a ver, e especialmente para aperceber-me das patifarias que os argumentistas fazem nas adaptações para o ecrã.

    o ambiente geral é muito dark knight (que amo do fundo da minha alma.. mas só os dois primeiros, o último faz-me desejar ter um chilique que mo apagasse da memória :P), sombrio e decadente. a montagem está excelente e a banda sonora ajuda a compor o cenário ideal para vigilantes e vilões desfilarem. quase parece uma extensão dos filmes do nolan. mais barata, vá!

    no que toca a personagens a coisa está equilibrada. entre os principais e os secundários, quase todos desempenham um papel fundamental na articulação da trama e fazem-no com muita credibilidade, especialmente aqueles que têm uma secret agenda. há muito mistério, drama pessoal, solidão e isolamento em torno deles todos.

    gosto muito, muito, do núcleo central ("team arrow"). existe uma química imensa entre as três personagens (e sem duvida entre os actores também), e formam uma equipa muito coesa e com uma dinâmica incrível, que faz toda a diferença na série.

    o herói tem duas facetas completamente distintas, e tenta a todo o custo mantê-las separadas. volta e meia sofre um deslize e é obrigado a revelar-se, e os tipos são artistas em tornar esses momentos bastante intensos. 

    é teimoso, obsessivo, meticuloso, e não vai parar enquanto não der a sua missão por terminada, custe o que custar. mas também muito carinhoso e protector da família e amigos.

    apesar do ar de durão, tem sempre uma postura muito serena, até nos momentos de maior tensão. transborda confiança e tem um olhar tão penetrante que até dá arrepios hi hi hi. isso e o gajo a falar tira-me do sério, tem uma pronuncia fantástica, envolvente e melodiosa. also, aparenta estar em excelente forma física, benzó-deus :D'
    pena que às vezes também pareça um canastrão, mas a culpa não deve ser apenas do actor, a personagem dele às vezes tem assim uns momentos menos felizes..

    aliás, a eye candiness dificilmente passa despercebida. os produtores fazem questão de mostrar (muitas vezes) que têm ali actores muito saudáveis e robustos, ninguém fica mal na fotografia em tronco nú. normalmente nem costumo ficar muito entusiasmada com espécimens do sexo oposto, mas nesta série é impossível ficar indiferente à qualidade do material exposto :D

    agora.. se tivesse publicado este post no fim da primeira season, o tom ia ser completamente diferente (do tipo pita histérica). mas depois vi as restantes e por ter achado que ficaram aquém das expectativas criadas pela primeira, desci à terra.

    achei genial o enredo da primeira season, e bastante credível para uma narrativa sobre super-heróis. não há super-vilões nem poderes sobrenaturais, nem tecnologia avançada por aí além, apenas um gajo decidido a meter ordem na sua cidade pelas suas próprias mãos.

    fornece exactamente as doses de mistério que precisamos para ficar colados, e tem umas reviravoltas bru-tais.
    há um fio condutor entre todos os episódios, que nunca se quebra, e vai aumentando de intensidade à medida que a história avança. cada episódio tem vários sub-plots, que estão de alguma forma ligados ao principal, mas vão gradualmente desaparecendo quando o final se aproxima. às tantas mais parece que estamos a ver um filme cortado às postas.

    mas é uma série sobre super-heróis, e é preciso suspender a descrença, aceitar uns buracos aqui e ali.. 

    já a segunda acho que não começou tão bem. não segue a receita da anterior, parece desconjuntada e desesperadamente à procura do trilho. além disso, tem muito mais drama e traz um rol de personagens novos que acabam por se intrometer no núcleo central, o que não achei piada nenhuma.
    os episódios finais são bastante intensos, o que compensa um bocado pelos primeiros. o boss desta é mais hardcore e tremeu as fundações dos good guys.

    a terceira quase roça o desastre.. ainda mais trágica e depressiva que a anterior, com um argumento muito atabalhoado, nada convincente e cheio de plot holes, cada vez mais difíceis de engolir. querem contar muita coisa numa season só, e tudo acontece a uma velocidade furiosa.. ninguém tem tempo para respirar, nem nós nem os personagens. para muitas cenas, a única explicação possível é que descobriram o teleporte instantâneo (ou então andam às cavalitas do flash :D).
    salva-se por uns quantos detalhes e por um vilão que veio do passado para se tornar numa espécie de aliado. é provavelmente o melhor actor da série e tem uma linha que nos fez desmanchar a rir 


    "...and no offense, none of you are particularly good actors."

    (certeza absoluta que isto é uma private joke entre eles muhahaha)

    é nesta também que começam os crossovers com o flash, que dão um dinamismo porreiro a ambas as séries... mas também aumentam o número de oportunidades para meterem a pata na poça lol mas acho piada ver as duas séries em simultâneo, e as referências que eles fazem uns aos outros mesmo quando não há participações especiais.

    todas as seasons são pejadas de flashbacks sobre o passado da personagem principal e que vão servindo para explicar como é que o moço conhece certas pessoas e assuntos, adquire capacidades e como ganhou aqueles graffitis todos no corpo. tudo a conta-gotas, claro. os da primeira e segunda season comem-se, os da terceira achei penosos..

    outros elementos que gostei bastante, e que foram consistentes pelas temporadas todas (e espero que continuem na próximas):

    humor, no meio de tanto drama é sempre bem-vindo. há diálogos muito bem dispostos, punsone-liners, e encaixam piadas com estereótipos muita bem. não foram poucas as vezes que tivemos que voltar a trás para rever cenas porque não conseguíamos parar de rir.

    os argumentistas plantarem pequenos diálogos/detalhes aqui e ali, que no momento não fazem sentido nenhum, mas mais tarde vão eventualmente provar-se fundamentais para perceber ou interligar uma cena qualquer.

    alguns plot twists são do melhor, metem completamente a acção ao avesso e há cliffhangers muita marados. claro que quando se vê a série de tacada isso não é propriamente um problema :D

    referências em barda. acho isto valioso para estabelecer uma ponte entre a ficção e a realidade, e aproximar-nos mais do universo da série. muito fan service a alguns déjà vu.

    e claro, pancadaria de criar bicho.

    resumindo: é do mais puro entretenimento, e ainda faz um bom trabalho em arrancar-nos emoções variadas, e muitos suspiros.

    por falar em plot twists, também eu sofri alguns:

    aquele que foi o principal motivo para começar a ver a série (o routh) acabou por ser um presente envenenado.. foi o chuck all over again, nada bem-vindo.. o homem então, sempre que o via no ecrã quase que tinha um colapso nervoso muhahahah somos uns shippers do piorio, nós dois :D

    por causa duns vídeos de conferências e entrevistas que andei a ver sobre a série, fiquei fã do actor que interpreta um dos vilões. passou a ser uma das minhas personagens favoritas, acho-o adorável.. achar um vilão adorável, ondé que já se viu? isto não é normal lol

    e agora com licença que agora vou ver o season finale! espero não partir a tv..

    14 de Maio de 2015, às 23:32link do post comentar ver comentários (7)

    Loop do dia

    esta manhã, quando saí do metro estava a dar a cosmic supernatural do kid loco. não ouvia o álbum onde ela saiu há anos. levei o dia todo a compensar pelo tempo perdido ♥

    13 de Maio de 2015, às 22:19link do post comentar ver comentários (2)

    E esta, hem?

    uma destas noites tive que picar uma cebola para um refogado e lembrei-me de uma dica que aprendi nos comentários deste post: meter um palito na boca.
    não custa nada experimentar, né?

    e não é que não fiquei sequer com os olhos a arder.. what kind of sorcery is this??

    para confirmar se não estaria perante um espécimen rombo, chamei o homem à recepção e pedi-lhe para enfiar a cara no recipiente onde estava a cebola picada de fresco, a emanar furiosamente gases lacrimogéneos. for science!

    segundos depois, o homem estava com os olhos vermelhos e prestes a derramar água, e eu continuava enxuta, de palito ao canto na boca. brutal..

    aguardo com bastante expectativa pela minha próxima panela de molho de tomate, para desafiar este truque com meio-quilo de cebolas malinas. a ver se deixa de ser preciso construir uma arca para nos salvar do dilúvio de lágrimas. isso e as histórias tristes para justificar a choradeira :D

    UPDATE [18 maio 15]: 1kg (989gr para ser mais exacta) de cebolas foram descascadas, esquartejadas e transformadas quase em puré pela minha pessoa, enquanto segurava um palito nas beiças. tenho a dizer que senti os gases a fazerem-me cócegas no nariz, e que a dada altura as minhas vistas sentiram uma ligeira humidade, mas nada de saltos, choros ou qualquer vontade de espetar com um garfo nos olhos para atenuar a coçeira :D APROVADO!!

    12 de Maio de 2015, às 21:57link do post comentar ver comentários (2)(1)

    'Le me

    tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

    no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

    offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

    seguir-me nos blogs do sapo

    101 coisas em 1001 dias - parte III

    faltam 45% done

    'Le liwl

    era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 15 de janeiro, no longínquo ano de 2003.

    muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora.
    a versão actual levou tempo a cozinhar mas ficou awesome toda cheia de modernices: web fonts, svgs, media queries, e css3. aviso já que os browsers antigos não vão achar piada nenhuma :D

    para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #10 #9 #8 #6 #5

    follow us in feedly Bloglovin