Fim de semana alargado ou o maior post de sempre!

Há umas semanas atrás, e depois de ver que o cartaz do sudoeste me dava razões suficientes para aparecer por lá este ano, tirei dois dias de ferias (os meus primeiros dois dias de ferias "oficiais" desde que comecei a trabalhar hi hi hi) de modo a apanhar a sexta e ter a segunda para arrumar a tralha com calma e recarregar baterias. O marido fez o mesmo, marcou os mesmo dois dias.

Dia 0

Não queria sair de casa muito tarde, mas o marido só chegou a casa eram quase dez da noite :P Arrumamos a tralha, carregamos o carro, fomos à fnac buscar os bilhetes, jantamos, carregamos as últimas coisas, desligamos tudo, e ala que já se faz tarde. Fiz o marido prometer que desta vez não se ia deixar dormir no caminho, mas quando passamos pela estação de serviço de Palmela já ressonava.

Depois fui eu que comecei a ficar seriamente com sono. Tanto, que considerei parar na estação de serviço de Alcácer do Sal, mas quando passei por lá, despertei..por alguns kms, pois arrependi-me de não ter parado. Cheia de sono, saí na saída mais próxima e parei numa estação de serviço no cú de judas para dormir um bocado. Esta foi a primeira vez em seis anos que conduzo, que me vi obrigada a parar o carro para dormir, tal na era a pedra. Claro que o marido entretanto acordou e a seguir não parava quieto, que me estava sempre a acordar, o sacana....

Arraquei de lá por volta das 4.30 e nem sei, não faço a mínima ideia como é que consegui fazer o IP8 sem me espetar, porque ia a conduzir com um olho fechado e o outro semi-fechado. Vi-me obrigada a parar novamente, em Porto Covo, para dormir mais um bocado.

Dia 1

Acordamos por volta das sete e meia da manhã, voltados pó mar, com um frio desgraçado. Fizemo-nos à estrada e só paramos no parque de campismo. Chegamos lá por volta das oito e meia. Fizemos o check in e fomos logo à procura de poiso. A coisa tava complicada, o parque estava pejado de tendas..lá fomos andando, até encontrarmos um spot que nos agradasse. Não gosto lá muito dos parques assim tão crowded, ma é o que se arranja..

Tenda montada, carro descarregado, estava na hora de ir largar o "puto" à dos paizinhos, e buscar a mana e as calças festivaleiras (é um par de calças que me acompanha desde a minha primeira edição do festival hi hi hi). Eram quase dez da manhã.

Regressamos ao parque por volta das três, estivemos um bocado na piscina, depois fomos aos morfes. O marido foi o cozinheiro da tarde. Por volta das oito, abalamos para o festival. Eu já não ia lá muito bem, tinha uma ligeira dor de cabeça e não estava com a melhor das disposições que a noite exigia, e pior, não tinha levado drunfos pá carola..isto foi logo um mau presságio.

Chegamos ao recinto e fomos à procura do Paulo, para ver como era da mana, que grávida de sete meses, e com algumas complicações recentemente, todo o cuidado é pouco (ela estava como eu, não queria perder Prodigy por nada deste mundo). Como a malta tem destes conhecimentos fixes, conseguimos mete-la na régie, ficou lá com o Paulo, que estava a filmar os concertos, lugar privilegiado, portantos.

Fomos lá para a frente mal o Fonseca acabou o concerto, e vimos Goldfrapp na "3ª fila" nada mal. O concerto foi espectacular e ainda deu para sacar umas pics porque naquele concerto em especial, os seguranças não estavam tão conas com as fotos. Adorei o concerto, a Alison tem uma voz realmente espectacular, e cantou praticamente todas as minhas músicas favoritas. Era um concerto estreia (pra mim) e fiquei definitivamente fã.

Seguia-se The Prodigy, um concerto que eu andava morta para ver desde 1997, quando comecei a gostar da banda, já tinham cá estado antes mas não deu para ver e tinha ali a minha grande oportunidade e mais, estava agarrada à grade, ou seja, na puta da primeira fila!!!

Mas à medida que o tempo passava e a malta cada vez se chega mais para a frente e eu comecei a sentir-me encurralada, tinha apenas um espacinho minúsculo, e a malta a empurrar forte e feio, toda a gente ali na parte a frente a se agarrar a barreira como se a vida dependesse disso e eu a começar a ficar com medo de ser esmagada pela multidão, começo a sentir-me mal, enjoada, com falta de ar, tonta, com suores de todas as temperaturas, e sei lá que mais o quê que já não via nada pela frente...acho que foi uma mistura explosiva de uma quebra de tensão e de um ataque de pânico, acho que nunca me tinha sentido assim antes...a dois minutos do concerto começar tive que sair dali, ainda me vomitei toda pelo caminho..FODA-SE!!

Entrei para dentro da régie para me recompor mas saí e fiquei a ver o concerto em cima de uma grade. Aquela merda tava apinhadissima, voavam copos de cerveja e água por todo o lado, havia gente por cima da multidão e as ambulâncias parecia que não paravam de passar...os gajos tocaram músicas dos meus três álbuns favoritos, e eu não os vi na primeira linha, cujo lugar que tinha tão bem tinha sido defendido durante mais de meia-hora... FODA-SE, FODA-SE, FODA-SE!!! Acho que nunca mais me vou perdoar por aquele momento de fraqueza..se fosse agora, acho tinha vomitado lá, e via o concerto, esmagada ou não...e o marido também não me perdoa (embora não o admita directamente), que ficou todo fodido de ter que sair de lá...

Mas não ficou por aí..depois do concerto acabar, voltei a vomitar (pequeno momento de humor: eu a mandar as entranhas cá pra fora e o marido a dizer em alto e bom som: "Tás a ver? Eu não te avisei para não beberes tanta cerveja??"), tava acabada... De regresso ao parque teve que ser a mana a trazer o carro, porque eu já não dava uma pa caixa. Deixei-me dormir no banco de trás e só acordei no parque.

(Btw, vomitar (ou fazer de conta que) é a forma mais rápida para dispersar a multidão à nossa volta..tamos sempre a aprender!)

Dia 2

Acordamos por volta das dez e meia, tomamos o pikeno-almoço e tal e coisa e fomos prá praia da Amoreira. Não só porque era a que ficava mais perto do parque, como também uma das mais bonitas da zona.

Os paizinhos juntaram-se à "festa" umas horas depois e lá curtimos um grande dia de praia. O meu bronze soma e segue. Até a minha mãe tá admirada com a minha cor, eu que gostava tanto do meu tom pálido, e dum momento para o outro, dei em querer ficar tostada hi hi hi nunca tive tão escurinha em toda a minha vida, e o verão ainda não acabou hi hi hi

Não tavamos com muita pressa para ir para o recinto do festival, pois DaftPunk só começava quase às duas da manhã. Chegamos lá já devia ser quase meia-noite. Demos umas voltas e quando o concerto dos Madness tava quase para lá, fomo-nos metendo lá para a frente, pois Daft era para ver na primeira fila. Bem, a malta tava mesmo a curtir daquela banda, tava tudo doido..faziam cá um pozedo que nem se dava respirado. A sorte tava do nosso lado e uns italias que estavam a nossa frente, saíram assim que o concerto acabou e nos agarramo-nos logo à barreira.

A crew de Daft não deixo a malta ver os preparativos, correram uma cortina negra no palco e a expectativa era grande. Começaram uns minutos atrasados mas a malta perdoa. Ah concerto dum cabrão! Eu ia preparada para ouvir as músicas que conheço, e diga-se de passagem, e eles nem são dos meus grupos mais favoritos, só que eles misturaram aquilo tudo, aliado ao espectáculo visual, e o resultado foi brutal! Não tava a espera de curtir tanto do concerto! Mas quem curtiu mais foi o marido:

"Ó gaijo, atão ainda me dizes tu, que a tua banda favorita é AIR? Pó .)., já estive contigo em dois concertos de AIR e nunca vi tamanha felicidade estampada na tua cara..nem com os dois concertos juntos!!!" Pois é, o marido passou o concerto inteiro com um ar de graça, parecia que estava a perante o Senhor, e a sentir o seu "toque" divino LOL! Tava ali com um sorriso, uma felicidade tamanha, que eu até tava com ciumes...acho que nunca o vi tão contente/eufórico antes, o bacano curtiu MESMO aquilo!

DaftPunk deram mesmo um grande concerto e acho que toda a gente curtiu, e também estava apinhado. Não houve a mesma doidice que houve com Prodigy, estava muita gente chegada à frente, mas não foi a mesma selvajaria nem nada que se pareça..

Saí do meio da multidão uma beca esgotada, realmente acho que já não ando a aguentar estas vidas lá muito bem (se bem que eu saltei durante mais de uma hora sem parar, é a modos que compreensível lol)..saímos de lá eram quase três da manhã.

À entrada de S.Teotónio estava uma daquelas megas operações STOP que eu "adoro". Lá ficou a Isa toda contente que ia soprar o balãozinho outra vez, e desta, ia trazer tubo! hi hi hi Aproxima-se então o sr. agente da autoridade, já armado com o alcoolómetro, pede os documentos pessoais e pergunta se consumi bebidas alcoólicas. Eu ponho o meu melhor e mais orgulhoso sorriso e digo: "Só coca-cola e água..mas se quiser, posso fazer o teste!" ele olhou de esguelha pá carta e disse-me que não era preciso, desculpou-se pelo procedimento e mandou-me seguir viagem. Ohhhhhhhhh

Dia 3

Fomos novamente para a praia da Amoreira, desta vez para perto do rio. Tava um calor desgraçado, mas tava-se bem. Demos uma volta pela praia, fomos comer qualquer coisa ao restaurante, que eu ja estava esfaimada e morta por uma bebida gelada.

De volta ao parque, preparamo-nos e fomos para o ultimo dia de concerto, para assistir a Zero 7. Jantamos o tal do cachorro no Psicológico, que esse faz parte da tradição. Depois de jantados, fomos lá para a frente durante a parte final dum concerto duns espanhóis, chamados Macaco, para apanhar (claro) o lugar na primeira fila. Estava toda esperançosa que este concerto exorcizasse a memória do anterior, também ele naquele local dois anos antes, pois não tinha gostado, mas foi exactamente ao contrário. Cheguei à conclusão que não gosto de ver Zero 7 ao vivo. Suspeito que seja porque a ideia que tenho da banda quando oiço as musicas não corresponde aquilo que vejo em palco. Normalmente adoro ver as bandas que gosto em palco, com a excepção desta...despedimo-nos desta edição do sudoeste quando o concerto dos Xutos tava a começar. Este ano não saí de lá com a mesma sensação de nostalgia que saí em 2004, esse sim, um festival que arrebentou a escala e deixou muitas saudades, muitas mesmo...tantas que ainda andei com a pulseira durante quase uma semana, e a pena que senti ao corta-la..

Dia 4

Acordamos, tomamos o pikeno-almoço, começamos a arrumar a tralha. Thank God que estávamos ao pé dos balneários..com o calor que estava, estávamos sempre enfiados debaixo do duche frio, a ver se aguentávamos a coisa. Tava mesmo impossível! Tamos a ficar prós em armar e desarmar a tenda lol daqui a pouco passamos de pseudo-campistas-amadores, para campistas-amadores lololol!

Tralha arrumada, check out, rumo a Bensa-city, que íamos passar a segunda com os paizinhos, que até tinham preparado uma granda peixada pá malta. Depois andamos para lá a anhar e por volta das oito voltamos. O furas não estava muito chateado com a gente..só não gostou foi de voltar para casa, ficou bruto e agressivo..raio de bixo que gosta tanto da casa dos "avôs" :P

Cortei a pulseira à uma da manhã, com um misto de saudade, remorsos, e uma pontinha de desilusão, por aquilo não ter corrido da melhor forma..a expectativa era demasiado alta e o resultado não foi bem o que esperava..

Btw, consegui aguentar 4 dias sem net (e o parque tinha acesso lá num pczito) lol nem sequer pelo telele, pois a bateria esgotou-se no sábado à noite (tinha-o carregado por completo na quinta à noite e achei que não era preciso levar o carregador...biiiiig mistake, que este telele não tem nada a ver com o nokia, que quando é carregado, e aguenta uma semana completa :P)...

The last but not the least, por partes:

O parque da herdade do Serrão

Fica localizado perto de Aljezur, numa zona muito fixe, perto de três praias que gosto muito: Amoreira, Monte Clérigo, e Odeceixe (estas duas últimas, a malta costumava fazer campismo selvagem em tempos que já lá vão), e também bom para quem vai para o festival, fica a pouco mais de 20mn de distância, assim como quem quiser ir para os lados de Lagos.

Só lhe ponho um defeito: tem eucaliptos em vez de pinheiros...e eu detesto eucaliptos! O chão, em vez de ser de areia, é de terra batida e duro c´mòs cornos..de resto, está muita bem servido em termos de pontos de luz e balneários, tem quatro (mas mesmo assim, há filas desgraçadas à tarde, quando a malta vem da praia ou da piscina... mas também o parque estava cheio. A água nessas alturas também vem mais fria que quente, e podiam ser limpos mais vezes ao dia pelo menos nesta época, mas prontos, menos mal).

O marcadozito também é porreiro, também há peixe fresco, dia sim, dia não, a piscina é grande e é de borla, tem é pouco espaço para a malta estender a toalha. Também tem esteticista, artesanato, restaurante, tem uns assadores fixes, etc etc...Tem é poucos caixotes de lixo, mas then again, tamos no meio do verão..e a malta é mais que muita!

Não gostei tanto dele como o da Galé, mas ficou marcado como "um parque a voltar". Uma coisa fixe que começo a notar nesta vida de campista, é giro todos os dias ter vizinhos novos he he todos os dias sai um e entra outro, não há cá monotonias!

A praia da Amoreira Fica a uns 9km da vila de Aljezur, e a 3km do parque. É vigiada e tem um restaurante. É uma praia magnifica (como praticamente todas as outras da costa Vicentina), parece uma praia selvagem, tem um areal muito extenso, muita vegetação, muitas dunas e um rio. É muito apetecida pelos surfistas, e também já é bastante frequentada pelos veraneantes, mas há espaço suficiente para toda a gente. Tem umas formações rochosas muito interessantes e faz uns lagos fixes pós putos brincarem. A areia é um espectáculo, é fininha, não magoa, e as rochas, para além da paisagem incrível que proporcionam, estão cheias de marisco bom he he

O festival

É sem duvida, o maior festival de verão tuga. Esta foi a terceira vez que rumei à herdade da Casa Branca, impelida pelas bandas que a organização consegue lá juntar. É lá que tenho assistido à grande maioria dos concertos das minhas bandas favoritas, e por mais xunga que o festival se esteja a tornar, esse mérito, ninguém lho tira, e enquanto as minhas bandas continuarem a calçar lá, também eu calço, independentemente se gosto ou não do festival em si (sim, tenho tendências masoquistas).

O espaço começa a ser pouco para tanta afluência, e a faixa etária dominante tem baixado de ano para ano. Da primeira vez que la fui, em 2002, havia muita mistura, mas creio que a maioria situava-se acima dos 25, este ano, acho que a maioria era 20 para baixo, não seria esse o problema, se esta juventude de hoje se soubesse comportar, tivesse juízo nos cornos e não fizesse aquelas figuras hediondas que se via por todo o lado..mas que raio deu nesta malta? Vão para lá para curtir a música, ou para andarem para lá, a beber e fumar (e drogar-se) como se não houvesse amanhã? Toda a minha boa gente, de copo de 0,75l de cerveja (ou vinho) na mão...e esta moda recente do vinho, eu nunca vi tanto puto por metro quadrado com copos e garrafas de água de 1 1/2lt com vinho..é que é mesmo só para andarem completamente bêbados, nem interessa com o quê... Que merda de estilo de vida vem a ser este? Que tipo de prazer é que é possível obter com isto? A sério que não consigo compreender isso..Tipo, durante o concerto dos Daft, um puto que estava o nosso lado, que eu juro que não tinha mais do que 14 anos, que estava todo tão fodido, que nem se aguentava em pé, e as tantas teve que bazar, se não ainda perdia os sentidos alí, que o segurança andava sempre a dar-lhe nas orelhas... se fosse meu filho, ficava de castigo durante a próxima década! Aposto que houve menino que não botou mais nada no estômago durante aqueles quatro dias, se não cerveja e vinho :P

Ou outra, "muita gira", um bacanito com um ar chunga, aproxima-se de mim e da minha irmã (por acaso mencionei que ela está grávida!?!?!), a perguntar se alguma de nós tinha mortalhas...Tipo? Hello? O que é que está mal neste cenário?

E o pivete nauseabundo a bebida... e a mijo? Ficava enauseada logo à entrada, só com o cheiro das montanhas de copos com restos de bebida alí jogados no chão, os tapumes que envolviam o recinto, transformados em mijatórios, as montanhas de lixo, se aqueles CRLs da organização sabiam que ia haver enchente (devem ter visto pelo numero de bilhetes vendidos), porque carga de água não levaram para lá mais wcs portáteis, por mais merdosos que sejam, sempre evitam aquelas filas parvas, porque é que não espalharam baldes de lixo por todo o lado? Em vez disso, puseram a malta a andar a apanhar lixo pa trocar por bebidas ou andar na roda... Acho que nem quero falar mais nisso...tenho pena....este ano vim de lá um bocado desiludida com o cenário que encontrei. Limitei-me a chegar lá as horas de assistir aos concertos que queria ver, e bazava mal eles acabavam, nem sequer tinha vontade de ficar a assistir as outras bandas que não conhecia..

E não vale apena dizerem-me que "se não gostas, não ponhas lá os pés", porque gostar eu gosto, e bastante, apesar aquilo estar cada vez mais longe, de ser a minha "onda"..é uma tristeza, mas é verdade: existem algumas pessoas no mundo, incapazes de beber qualquer coisa que saiba remotamente a álcool, fumar seja o que for, e no entanto, gostam de assistir a concertos em altos berros e divertem-se à grande! Uma verdadeira aberração da natureza!

Não sei se para o ano alinhamos.. strage yet funny thing que eu só gosto do cartaz do festival do sudoeste ano-sim, ano-não..primeiro em 2002, depois em 2004, e agora em 2006...a ver vamos...E com o sudoeste, acho que este ano fechei a minha época de concertos. O marido quer ir ver Tool em Novembro, mas eu nisso não alinho ^^

Bem, as fotos deste fim-de-semana alargado estão no sitio do costume..

Corrijam-me se for mentira...esta é ou não é, a minha maior posta de sempre? LOL e porra, se levou tempo pa escrever :P