A culpa é da televisão!

Aí há umas noites, tava a ver uma série manhosa (....confesso que fui fã há uns anos atrás, não há que ter vergonha em admitir estas coisas lol), onde uma das protagonistas andava com problemas conjugais com o "marido", e de repente.... bateu-me!

Será que a realidade dos divórcios que se assiste hoje em dia, não poderá estar relacionada, ainda que indirectamente, com a tv e literatura?

Não muito antigamente, divórcios, era coisa rara e muito feia. Para evitar a humilhação, as mulheres ou homens ficavam casados mesmo que a relação fosse um inferno. Aguentavam tudo e mais alguma coisa em prol da família.
Entretanto, mudaram-se os tempos, mudaram-se as vontades, e hoje em dia, o casa e descasa é pão nosso de cada dia. Ainda há uns dias, ouvi nas noticias, umas percentagens sobre o numero de divórcios, pena que não recordar dos valores com exactidão, mas eram obscenos.. a tendência é qualquer coisa do tipo, a cada dois casórios, um dá pró torto..

Posto isto, as novelas, por exemplo, começaram há quê? 25-30 anos atrás? Não teria coincidido com o ponto de viragem das mentalidades?

Na ficção, não é hábito focar-se relações quase perfeitas, que muitos casais conseguem manter, porque, diga-se de passagem, não têm sumo, não são emocionantes nem provocam sentimentos contraditórios na audiências... resumindo, não vendem!
O que vende são os problemas, as cenas de ciúmes, as discussões, as mentiras, as traições, os affairs, as separações e as reconciliações...e disso estão as novelas cheias!
Veja-se o caso dos morangos com açúcar, onde num ano lectivo, os protagonistas começam a namorar e zangam-se, e arranjam outros parceiros, e depois deixam esses e voltam aos antigos..ou a típica cena de deixar o/a noivo/a pendurado/a no altar porque à ultima da hora se decidiu fugir com o/a homem/mulher dos seus sonhos..
Não terá isto um efeito "inspirador" nas pessoas? Não poderá quantidade de divórcios que se assiste hoje em dia, ter alguma coisa a ver com o facto de na ficção parecer tão vulgar, encorajando inconscientemente as pessoas a não lutar pelo bem-estar da relação e seguir o caminho que parece mais fácil ou apelativo? Tão cansadas, mudam-se, como quem muda..sei lá...de roupa?

Ok, agora a sério, isto foi apenas mais um "momento iluminado" dos meus, que por acaso me apeteceu a partilhar convosco. Eu sei bem que as coisas não são assim tão lineares, e devemos estar agradecidos pela liberdade que temos hoje em dia para fazer o que achamos ser melhor para nós..
Também sei que é preciso (sorte e) dedicação para que uma relação seja saudável, e existem momentos difíceis, que quando bem conduzidos, podem muito bem servir para cimentar ainda mais a relação, em vez de destrui-la. A dificuldade reside aí, no tacto que é necessário ter para conseguir isso... claro que isto é dito por alguém que nunca teve problemas conjugais, logo não tem grande voto na matéria, logo vai calar-se...agora!
    16 de Dezembro de 2006, às 02:39link do post comentar