Sushi overload!

como já tinha dado a entender ali mais abaixo, o restaurante escolhido para irmos comemorar o nosso 7º aniversário foi o aya de carnaxide. ainda não tinha estado naquele, e achei que a ocasião pedia mais que uma habitual ida ao koi.

não foi difícil encontra-lo (talvez porque tínhamos o mapa mais do que bem estudado he he). é um edifício grande, moderno, e com um belo de um estacionamento à porta. não é o local mais habitual para se encontrar um restaurante deste tipo, mas foi bem escolhido, porque entramos na A5 e em menos de nada estamos à porta, sem stresses.

entramos e ficamos impressionados com o interior. muito moderno, janelas enormes, decoração minimalista que lhe dá um ambiente muito sofisticado.. se bem que não consegui evitar de acha-lo um bocado "frio", especialmente a salinha que tinha reservado para estarmos mais à vontade.

não conheço restaurante japonês com uma ementa tão diversificada e tão japonesa como a do aya, é verdade! e a qualidade, variedade e frescura do peixe então nem se fala, assim como a apresentação dos pratos, que até dá pena desmancha-los. pedimos uma ponte de sushi-sashimi, aquilo trazia, à vontade, comida para três pessoas, e estava di-vi-nal. não levei a máquina fotográfica porque íamos numa de making out, mas não aguentei e tirei umas fotos podres com o iphone.
não conseguimos devora-la toda, até porque tínhamos estado de volta dumas entradinhas bem boas (pela primeira vez gostei de sopa miso). no fim sobraram 3 fatias de peixe, mas nem eu nem o marido aguentávamos mais. só de me lembrar deste repasto, começo logo a salivar!
 

ponte sushi

 

mas para mim, o aya continua a ser uma experiência agridoce, pois aquele que considerei o seu grande problema, mantém-se neste novo espaço: o atendimento. se já da outra vez que estivemos no das twin towers achei que o atendimento não estava à altura do restaurante, então desta, ainda achei mais. os empregados nem sequer nos sabiam explicar aquilo que estava na ementa. levavam tempo e eram muito vagos nas respostas, e em alguns casos, o domínio da língua portuguesa era muito mauzinho, pelo que preferimos não arriscar e manter-nos naquilo que conhecíamos. para além disso, e talvez por teremos ficado numa salinha, para faze-los chegar lá era o cabo dos trabalhos. uma cliente na salinha ao lado chegou a ter que ir lá fora buscar um empregado e dizer-lhe que "podemos estar um bocadinho escondidos, mas estamos aqui..." depois de ter esperado montes de tempo que alguém lá fosse tirar o pedido. para pedir bebidas o a sobremesa, tínhamos que ou ir lá fora ou estar ali à espreita que algum passasse por ali.. bom, mas pelo menos não esperamos muito tempo pela comida e isso é sempre agradavel.

não vou falar no preço porque a qualidade paga-se e quando uma pessoa vai ali, já sabe que vai desembolsar forte e feio. mas a experiência compensa!

continuo a achar que o koi tem a melhor relação qualidade/preço - atendimento/conforto. se é para um jantar romântico é a melhor opção, porque o atendimento é 5 estrelas e o ambiente é definitivamente muito acolhedor. agora, se o objectivo é degustar as iguarias da cozinha japonesa da forma mais japonesa possível, então o aya é definitivamente a opção.

 

adenda: ontem (1/10) voltamos ao aya, que o mariduxo quis comemorar o seu 29º aniversário lá, e a coisa correu bem melhor. ficamos na sala, junto à janela, muito mais agradavel que na salinha, e fomos antendidos por alguém que nos soube explicar tudo o que perguntamos. menos mal :)

29 de Setembro de 2008, às 20:31link do post comentar ver comentários (6)

O mundo podia ter acabado ontem à noite e ninguém dava por isso!

eram quatro e qualquer coisa da manhã. eu tava a editar fotos, sentadinha no sofá e o marido estava a dormir ao meu lado. entretanto ele acordou, e eu comecei a fazer um choradinho a ver se ele me fazia um leitinho com café, quando de repente oiço um estrondo seco, parecia que alguma coisa tinha caído no andar de cima ou no telhado. fico assustada e começo a perguntar ao marido se tinha ouvido e o que era aquilo, e seguem-se mais dois, que deram claramente para perceber que não vinham do prédio. pareciam explosões.
na rua, os alarmes dispararam. corro prás janelas. no lado de cacilhas, estava tudo normal, no lado de almada não havia luz. fora isso, não vi mais nada de anormal. não havia quase nuvens no céu, não podia ser ser trovoada, não vi fogo ou fumo, não vi movimentações estranhas, não vi pessoas na rua, e sem ser as sirenes dos alarmes, não se ouvia mais nada de anormal..

depois as luzes começaram a acender-se. as sirenes dos alarmes ainda soavam. e de repente almada voltou a ficar escura. e eu cada vez mais assustada. mas continuava a não ver nada de estranho. fiquei sentada na cama a olhar pra cidade.

dez minutos depois a cidade começa a apagar-se pela terceira vez, por secções, qual filme de hollywood. desta vez nem cacilhas escapou ao apagão, e por segundos a luz foi-se. passado alguns minutos reacenderam-se. na rua, notava-se um ligeiro aumento de movimentação de carros e pessoas, mas não de estranho. parecia que estava tudo normal. até que a ultima sirene calou-se.

as tantas fui dormir, ainda um bocado assustada, pois aquela historia tinha sido muito marada. hoje de manhã, procurei por notícias, e nada, parece que não aconteceu nada...só que eu não me consigo parar de me perguntar que raio foram aqueles estrondos, e porque raio a electricidade se foi abaixo três vezes às quatro da manhã, sem motivo aparente....

28 de Setembro de 2008, às 16:23link do post comentar ver comentários (13)

"A culpa foi da Apple!"

...ou até onde a curiosidade leva o Homem!

ontem fui semi-acordada por duas sms. a muito custo, levantei uma pálpebra e li-as:

"tenho a sensação que vou receber qualquer coisa tua aqui..será?"

 

"mor, se eu já tiver descoberto o que me vais oferecer...a culpa é da apple, ok?"

tentei dar corda aos neurónios para processar o que estava a ler e perguntei-me como é que ele tinha descoberto.. e como é que raio a apple tinha alguma coisa a ver com o assunto? entretanto recebo uma terceira sms:

"oh oh aí está ela lol não vou abrir agora..depois conto-te como descobri"

ou seja, o sacana descobriu a surpresa que eu andava secretamente a engendrar há um mês: uma tee personalizada com uma mensagem mui lamechas, entregue no trabalho dele.

à noite fomos jantar ao aya, e depois de estarmos completamente entupidos de peixe cru (é o que dá pedir um prato e não perguntar para quantas pessoas dá), ele contou-me como descobriu a minha surpresa, passo-a-passo:

"então ia pra actualizar uma app no iphone e o gajo disse-me para me ligar na itunes store porque havia um problema com o cartão de crédito... liguei-me e o itunes dizia que o cartão estava a ser recusado. achei estranho e fui ver os movimentos, não tivéssemos sido enrabados com o cartão. de facto tinha atingido o limite do plafond mas os movimentos pareciam-me todos normais, excepto um tal da spreadshirt.. como não sabia o que era isto, googlei!
vi que era um site de t-shirts, e para para te perguntar mas depois ocorreu-me, para tu não teres dito, podia ser uma surpresa."

até aqui tudo bem... não me preocupei na altura porque sei que não é habito ele consultar os movimentos do cartão. tive azar..

"cheguei ao site e pensei - hum, login? this shouldn't be hard... - tentei as combinações habituais, mas sem sucesso. então lembrei-me de ir xaretar na tua conta de gmail, - oh - lá estavam uns mails da spreadshirt, um com a encomenda, e outro com os dados do login. um copy/paste e em menos de nada tava a ver o resumo da encomenda, que tinha um thumbnail da t-shirt. a tua sorte é que era mesmo um thumbnail, não sabia ao certo o que vinha lá escrito."

e depois fui traída pelo meu próprio computador...

"hoje de manhã, ia a escrever um endereço no firefox, começado por C, e apareceram-me vários resultados dos CTT no histórico, tipo encomendas rápidas e coisas assim. tava-se mesmo a ver, que aquilo ia parar ao trabalho!"

ele jura a pés juntos que ficou duplamente contente - por ter recebido a prenda e por ter descoberto antes - mas eu preferia que ele tivesse sido apanhado de surpresa...da próxima vez já sei, tenho que ser extra-cuidadosa e não deixar rasto... e já tou aqui a ter umas ideias perversas muahahahah!!

(yep, nós sabemos todas as passwords e logins um do outro e estamos muito confortáveis com isso, não vale a pena fazerem conjecturas sobre o assunto)

SeteSeteSeteSeteSeteSeteSete

existe uma teoria relacionada com a astrologia que diz que a nossa vida é composta por ciclos de 7 anos. que ao fim de sete anos fecha-se um ciclo e inicia-se outro, cada um com características especiais, de acordo com as varias etapas da nossa vida.

vai daí, que muita gente diz que sete anos é uma idade crucial para uma relação, que, ou vai ou racha. volta e meia, chateio o marido com isso, e ontem à noite tava-se mesmo a ver que o assunto havia de vir à baila, ao que ele me respondeu, a gozar comigo, que "ainda agora tava a pensar nisso, que não tarda nada, vens-me com essa treta das relações acabarem aos 7 anos!"

ele às vezes não atina com as minhas teorias lol

sempre tive uma atracção muito forte pelo 7, é um número que me influência bastante, daí que dou extrema importância à data. portantos, podes esperar um ano muito histérico, ò marido, ainda por cima, que daqui por um mês, vou fechar o meu quarto ciclo de 7 anos. oh yé!

anyhoo...

estes sete anos não têm sido outra coisa se não felizes, os mais felizes da minha vida. porque cresci, porque realizei todos os meus projectos, porque te tive a ti sempre ao meu lado para me apoiares nesse percurso. sem ti, nada disto tinha sido possível!

e sim, sou chatarrona, e pedinchona, e tu vives para me satisfazer as vontades e para me dares mimos, e essas coisas todas, que eu ainda tou para descobrir porque é que as mereço muahahaha!

mas se é verdade que a cada sete anos se inicia um ciclo novo, então só consigo adivinhar que o próximo traga mais felicidade, pois estamos mesmo bem encaminhados hi hi hi

a ti, mor, pelos melhores 7 anos da minha vida!

26 de Setembro de 2008, às 15:38link do post comentar ver comentários (17)

E há um ano atrás...

...por esta hora, estava a furar a cartilagem da orelha para colocar lá um brincozinho todo pipi, só porque sim!

..e ao fim de um ano, ainda não tenho a certeza se esta merda já cicatrizou ou se me vai continuar a dar chatices. se não fosse pela paciência que o marido tem tido com isto, que volta e meia lá tem que me limpar e desinfectar o furo, acho que já o tinha deixado fechar...a ideia passou-me várias vezes pela cabeça, o problema é que não quero desistir, já que me deu um "certo" trabalho a faze-lo e a mantê-lo.. mas tem-me custado bastante, não só as dores que tenho quando aquilo infecta, ou quando roço ali com alguma coisa ou me tocam, como não conseguir dormir decentemente há um ano com a face direita na almofada.. não tem piada nenhuma, mas pronto, eu gosto daquilo...tanto, que desde há uns meses para cá tenho andado a pensar noutro...no nariz!

como se os problemas que tive com o outro não tivessem sido suficientes, tenho andado maluca com essa ideia, pois adoro ver um brilhantezinho na aba do nariz. só  tenho conseguido controlar-me devido ao que penso que pode vir a acontecer, quando por exemplo, tiver constipada e ter que me assoar constantemente e isso tornar-se numa tarefa impossível de tão dolorosa...e também não gosto de ver o furinho que fica no nariz quando temos que o tirar.. tenho que me agarrar a essas ideias, se não algum dia, quando dou por mim, estou numa cadeira com uma agulha espetada no nariz...

22 de Setembro de 2008, às 19:27link do post comentar ver comentários (25)

Querido verão...

sei que tínhamos planos, tu e eu, muitos, e nem metade foram concretizados, da minha parte, claro está, pois tu estiveste sempre disponível para mim. mas sabes bem, que às vezes acontecem imprevistos, imprevistos que nós não esperamos, e temos que adiar e remediar as coisas da melhor forma possível. sei que passaste horas plantado à minha espera, e que eu não apareci, não foi porque não quisesse, acredita. lamento do fundo do coração.

e agora tu vais partir, não há volta a dar, e eu vou ficar aqui, cheia de saudades tuas, ansiosa para que os meses passem rápido para te ter de volta novamente.

gostava de prometer que para o ano vai ser diferente, que vou ter todo o tempo do mundo para ti, mas não quero fazer promessas que poderei não cumprir....quando chegar a altura, oapenas o tempo o dirá.

até pró ano, querido verão!

* chuinf chuinf  *

22 de Setembro de 2008, às 16:29link do post comentar ver comentários (2)

Ora aqui está algo que eu já não fazia há uns bons 5 ou 6 anos...

...comprar um mangá! lol

..mas não é um manga qualquer! acho que nunca tinha ficado tão histérica em plena fnac, com um manga na mão, ainda por cima cor-de-rosa. nem sequer nos meus tempos áureos de fã de anime!

é que ainda por cima que é um manga "falsificado", porque os autores são americanos lol

a razão é simples, este manga para pitas, chamado peach fuzz ( ou em português, princesa pêssego), é nada mais nada menos que um manual encapotado sobre furas: comportamentos, cuidados básicos, educação, e todos os aspectos inertes a ter um furas. quem criou esta história tem e adora furas, porque está muito divertido e conciso. retrata mesmo o espirito da coisa!

 


 

é basicamente, a história de uma pita de 9 anos que arranjou uma furas com manias de realeza, e não faz a mínima ideia do que é ter um bixo destes. por acaso tá muito giro, e se as pitas pegam nisto, prevejo uma enchente nas lojas de animas a perguntar por furas...



já saíram mais dois volumes, vou ver se lhes ponho a mão em cima, a asa apenas tem o primeiro disponível, mas não vou esperar pelos outros, a amazon dá conta do recado!

21 de Setembro de 2008, às 20:15link do post comentar ver comentários (2)

Burro ou...especial?

hoje, enquanto tomava o pequeno-almoço, os meus ouvidos captaram a conversa da mesa ao lado. falava-se em tempos antigos vs tempos modernos. dizia um dos intervenientes:

"...hoje em dia as crianças na escola já não são burras, são crianças com necessidades educativas especiais..."

pus-me a pensar nisto. quando andava na escola, se não sabíamos a matéria, éramos burros mesmo. burros e preguiçosos, não havia cá necessidades educativas especiais para ninguém. mas hoje em dia, parece que existe uma  necessidade em esconder as coisas "más" por de trás destes termos politicamente correctos não-redutores, que servem, provavelmente, para evitar discriminações e transtornos a nivel social. o que eu gostava de saber é se isso realmente funciona, mas não é coisa que me tire o sono..

o mais engraçado nisto tudo, é que "necessidades educativas especiais" tanto serve para classificar burros como demasiado inteligentes...

complicadinhos, estes tempos modernos, hem!?

    20 de Setembro de 2008, às 22:32link do post comentar ver comentários (8)

    O regresso e a desilusão...

    SPOILER ALERT!

    sigo house desde o final de 2005, quando a série começou a ser emitida no fox. bastaram dois ou três episódios para me tornar fã incondicional, e desde então, que não tenho perdido um único episódio, e já os vi praticamente todos mais do que uma vez (graças à programação repetitiva do fox :P)..

    adorei as duas primeiras seasons, mas a terceira deixou-me com um sabor amargo na boca, a história do policia foi longe demais, assim como as rescisões em massa no final.

    a quarta foi diferente. já sabíamos que íamos ter caras novas e até foi divertido, pois tivemos grandes momentos de humor. acontece que devido a isso, tiraram de cena as outras personagens que eu tanto gostava. em vez de terem papeis à sua altura, não, foram postos completamente de parte, pelo menos duas delas, cujas aparições eram tão raras que me partia o coração. parecia que apenas estavam ali por piedade...levei os episódios todos na esperança que isso levasse uma volta, mas não, não me fizeram a vontade. fiquei desiludia com essa season, apesar do excelente final a que a que teve direito.

    a quinta já se sabia que ia começar com a amizade entre o house e o wilson tremida, mas bolas, podiam ter conciliado as coisas de uma forma melhozinha... quando se leva 4 meses à espera que uma série recomece, cria-se um certo nível de expectativa, ainda por cima, quando essa série já nos habituou a grandes finais e grandes recomeços. este foi de longe, um episódio genial..

    o house andou o episódio todo com a cabeça no ar, teve-se completamente nas tintas para a paciente, deixando-a entregue à equipa, que apesar de ser outra, tem exactamente o mesmo M.O. que a antiga, cada um tem uma ideia e não se sabem coordenar, parece que não sabem o que andam a fazer (tipo, se foi para isto, mais valia termos ficado com a outra, não?) e chega ao fim do episódio, olha pro decote da cuddy e *puf*, tem uma epifania: a paciente sofre de lepra. just like that. sem contra-argumentos, sem decisões arriscadas, sem terapias esquisitas...

    ainda por cima quando estamos fartos de saber que nem tudo o que ele diz ou faz está certo, e que, geralmente, o primeiro diagnostico que lhe vem à cabeça está errado...

    ...e não me venham falar de character development que o house amuado pelo wilson decidir que tem que se afastar só porque perdeu a namorada não lhe dá grande crédito... bem, ao menos o wilson meteu cá para fora aquilo que já devia ter metido desde a primeira season...

    a sério, esperava muito mais que isto... espero que os próximos episódios compensem...

    20 de Setembro de 2008, às 02:53link do post comentar ver comentários (8)

    Ainda sobre os ouriços..

    bom, é simples...sempre achei piada a ouriços, acho-os queridos e fofos, apesar dos espinhos. parte-me o coração quando os vejo esborrachados na estrada e atiro sempre um rol de impropérios ao autor/a do "crime", pois sempre tive a sensação que muita gente faz-lhes pontaria..

    acontece que uma noite destas, há coisa de três meses, vinha eu de regresso dos algavres, A2 acima, quando passo por cima de um ouriço, que me apareceu assim do nada. infelizmente, fui mesmo certeira. pobre animal. fiquei tão desgostosa que desatei num pranto que só parou quase uma hora depois...
    nunca tinha visto ouriços na AE, era mais comum vê-los nas nacionais, e muitas foram as vezes que diminui a velocidade para me desviar deles, mas dessa vez vinha mesmo rápido e nem o vi..

    desde então sou perseguida por estes bichos, não posso ver um que me lembro logo do que fiz ao outro coitado. sou perseguida pela culpa. até que hoje vi um video de um oiricito de estimação e achei tanta piada que achei que era capaz de ser giro ter um. o marido diz que ando à procura de redenção, e eu não me admirava nada lol. mas não devem ser grandes companhias, não me parece que interajam muito com os humanos ou mesmo outros bichos..

    mas seria incapaz de ter um selvagem, tinha que ser um criado em casa, como já vi que existem...agora, nem ele era capaz de achar piada ao furas, nem o furas a ele... paciência :(

    19 de Setembro de 2008, às 01:01link do post comentar ver comentários (2)

    'Le me

    tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

    no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

    offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

    bucket list

    'Le liwl

    era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

    muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

    seguir nos blogs do sapo

    Follow follow us in feedly