Agosto

passei um terço da minha vida a odiar-te com todas as minhas forças. mas na última década temo-nos dedicado a fazer as pazes, a enterrar o machado e a fumar o cachimbo da paz.. e acho que já é seguro dizer que te tornaste no meu segundo mês favorito do ano ♥

 

 

cá te espero!

31 de Agosto de 2013, às 22:09link do post comentar ver comentários (2)

Talk nerdy to me

ontem à hora da deita, o hóme ronronava, inspirado...

 

"...és a minha administradora de sistema ...estás na minha lista de sudoers …aliás tens root em mim, nem precisas de fazer sudo!"

 

sexy :D

29 de Agosto de 2013, às 13:08link do post comentar ver comentários (1)

In luv with mah Kindle II

o derradeiro teste com o kindelucho aconteceu agora nas férias. portou-se muito bem, tou definitivamente rendida ao formato \m/

 

here's why:

 

- ler na tenda é uma tarefa complicada. tou sempre às voltas, à procura de posição confortável, porque segurar um livro, forçá-lo a manter-se aberto e desfolhá-lo estando deitada e com pouco apoio na cabeça e pescoço é bastante incómodo. e quando mais volumoso, pior.. não imaginam o que sofri com este moço :P

portanto.. muito, muuuuuuito mais prático de segurar que um livro, fosga-se.. milhas! 

 

- é perfeito para ler às escuras. o nível de iluminação nunca passou da metade, mais brilho que aquilo, ofusca. mais a mais, poupa-se nas pilhas da lanterna e não se incomoda a pessoa ao lado :D

 

- numa semana, não dei pela bateria descer (3 - 4 horas de utilização diária em flight mode o.O)

 

- algo que não me tinha ocorrido: uma das características que apreciava nos livros era ver as páginas a sumirem-se, ainda que isso me causasse uma certa ansiedade tipo "quanto é que falta para terminar" e que por vezes me fazia ler compulsivamente. no kindle isso não acontece, vejo a percentagem no rodapé mas não "mexe" comigo, leio de forma mais calma :)

 

tem é que ser limpo porque está cheio de dedadas gordurosas he he he

24 de Agosto de 2013, às 19:14link do post comentar ver comentários (1)

Ronal Barbaren

não sou particularmente fã de filmes de animação em CGI, mas tive que ver este - por causa do poster muahahah!

 

é sem dúvida um filme que vocês não vão querer que os vossos filhos menores vejam.. aliás, nem vale a pena - duvido que alguém abaixo dos teens consiga ver humor nesta pérola :D 

 

curiosa para saber como é que a versão portuguesa lidou com as javardices todas da original, devem-lhe ter tirado a piada toda :P

 

and btw, os créditos finais são geniais!

24 de Agosto de 2013, às 14:14link do post comentar

So, this happened...

 

Untitled

 

ao fim de 22 dias, a serigaita finalmente decidiu dar uma oportunidade ao poleiro. entrou na alcofa, atirou os brinquedos todos para fora e… deitou-se!

24 de Agosto de 2013, às 13:38link do post comentar ver comentários (2)(2)

Episódios da vida no campismo I

apesar de ser uma actividade que adoro, compreendo perfeitamente porque razão só a palavra é suficiente para causar suores frios a muita gente.. não é coisa para todos os estômagos, especialmente em época de enchentes.

 

para começar, as vergonhas e os pudores têm que ficar em casa. num parque pejado de campistas, privacidade, nem que seja para dar um peidinho (não que eu tenha problemas em que os oiçam :D) é um conceito que pura e simplesmente, não existe.

 

(e se não conseguem ouvir alguém a mandar uma cagada ruidosa enquanto escovam os dentes, nem vale a pena sequer considerar a ideia, campismo não é para vocês muhahaha) 

 

a boa notícia é que só faz confusão ao principio, depois a malta habitua-se. juro lol

 

srly, ultrapassado o constrangimento inicial, torna-se numa experiência absolutamente libertadora :D por exemplo, uma das coisas que mais gozo me dá quando estou acampada, é pela manhã, quando saio da tenda e vou meio a cambalear em direcção aos balneários, ensonada e ofuscada pelo sol, apesar dos óculos escuros na tromba.

é ver-me a atravessar o parque em calças de pijama e t-shirt largueirona, toda desgrenhada e babada, com um ar completamente ressacado. ninguém liga um piço. pelo caminho cruzo-me com pessoas que ainda estão mais à vontade do que eu, que ainda me dou à chatice de vestir calças. mas agrada-me a naturalidade com que se anda pelo parque, só de t-shirt e cuecas ou em pelota pelos balneários e se passeiam rolos de papel higiénico caçados no sovaco.

 

also, podermos andar uma semana inteira sempre com a mesma roupa que ninguém liga :D

 

adiante!

 

tenho plena noção que acampar em pleno agosto é tramado - gente aos magotes, confusão, filas*, barulho, etc - ainda assim decidi arriscar. se se tornasse insuportável tinha bom remédio.

 

o parque eleito para estas férias foi o de s. miguel, a dois passos de odeceixe. a destacar, a sua localização, sombra fornecida por pinheiros, piso macio e sem grandes irregularidades, instalações porreiras, estacionamento exterior enorme, e o esquema de pulseiras à festival de música é de longe mais fixe que cartões de acesso. contudo tem alguns pontos menos positivos:

 

é barulhento.

 

fica situado paredes-meias com a N120, uma estrada bastante movimentada dia e noite. e apesar de não ser permitido levar animais, os cães da povoação ali perto encarregam-se de fornecer som ambiente 24 horas por dia.

mas imperdoável foi (é?) mesmo o horário para a recolha da reciclagem. amigos, oito da manhã não é uma boa hora para despejar o vidrão. puta que pariu!

 

é pequeno.

 

não consegue oferecer o isolamento que os campistas anti-sociais como nós procuram. a zona mais afastada da entrada é a zona favorita da malta que leva o carro atrás, algo que eu, para além de não compreender, não aprecio.. quanto muito, leva-se o carro para descarregar o material, depois vai para o estacionamento. suponho que o comodismo fala mais alto..

 

fora isso, é um excelente sitio para assentar e conhecer as redondezas. fica situado próximo de praias lindíssimas, falésias incríveis, restaurantes fabulosos e povo simpático.

 

os parques de campismo são como organismos vivos, sempre em constante metamorfose. como neste o check out é até ao meio-dia, todas as manhãs havia gente a arrumar a trouxa e todas tardes o espaço aparecia reconfigurado. nuns dias tínhamos mais espaço para respirar, noutros távamos cercados por tendas, praticamente coladas à nossa, apesar da regra dos dois metros. 

 

apanha-se todo o tipo de campistas nesta altura. desde os boa-onda aos que não sabem dar férias ao stress - acordávamos muitas vezes com a malta aos berros, entre adultos e crianças e o cagaçal produzido pela preparação do pequeno-almoço (respeito pelos que dormem na tenda ao lado, esquece lá isso..) assim como carros a circular. dormir até tarde é praticamente impossível.. da próxima levo tampões para os ouvidos.

 

e se há coisa que quase todo o campista curte é assadas. no nosso pedaço não faltavam fogareiros.. se me esquecia de tirar a toalha da corda antes de irmos para a praia, quando chegávamos à noitinha, para além de ter a toalha a cheirar a fumeiro, conseguia adivinhar qual tinha sido o jantar da vizinhança.

 

a hora de silêncio é respeitada e o parque mergulha numa tranquilidade (interrompida apenas pelos carros a jardar pela N120 e os cães a ladrar na vizinhaça) quase absoluta. quase… é quando começa a hora do ronco!

 

as nossas passeatas nocturnas pelo parque incluíam breves pausas para apreciar a diversidade sonora dos ressonares que brotavam das tendas. uns pareciam que estavam a serrar lenha, outros pareciam traineiras, outros cavalos a relinchar. aquilo tudo combinado, parecia uma orquestra. ainda proporcionaram umas barrigadas jeitosas de riso - mudo, claro! 

 

eventualmente o universo achou que já tínhamos gozado o suficiente e pregou-nos uma partida. numa das noites em que estávamos completamente cercados por tendas, foi um festival: três roncadores natos, um de cada lado da tenda, e muitos outros ao de longe, cujo ressonar ecoava pelo parque. ora, em termos de ruído, dormir numa tenda ou dormir ao relento é exactamente a mesma coisa. tão, nessa noite adormeci embalada pelo ressonar daquela gente toda. em uníssono, produziam uma sinfonia estranhamente.. agradável LOL

 

.. e por descobrir ficou o misterioso "shhhhhhh" que se ouvia volta e meia depois da meia-noite. perguntámos a um vigilante do parque, que nos disse ser uma coruja.. duvido muito, cá para mim é uma máquina de mandar calar o pessoal muhahahah

 

já recomendava o parque antes e agora depois de experimentar, continuo a recomendar. mas evitem a época alta de agosto, para terem uma estadia mais descontraída e desafogada :)

 

*as filas são a menor das preocupações, basta não utilizar as instalações na hora de maior afluência. por exemplo, pequeno-almoço, nunca antes das 10h, e banhos só depois das 23h (ou então de manhã). it works

 

btw..

 

ò senhores da decathlon, tenho uma sugestão vos para dar!

nesta altura os campings estão a abarrotar de tendas adquiridas nas vossas lojas, diria que 8 em cada 10 são quechua, na sua grande maioria seconds, que abri-las todàgente consegue, mas fechá-las é outra historia.. o meu homem ajudou praí meia-dúzia de clientes vossos.

seria bem lembrado, vocês botarem colaboradores nos parques, para ajudar/ensinar a malta a fechar o raio das tendas (tipo serviço de assistência pós-venda), que aquilo é deveras frustrante.. bem sei que não precisam de publicidade, que o material fala por si, mas seria um golpe de marketing brilhante, hem.. que tal?

Odeceixe, take II

tivemos quase, quase para repetir a dose do ano passado (aka a semana de férias mais surreal-ò-brutal de todo o sempre), mas como eu andava maluca para acampar e o hóme andava meio afanado das cruzes, decidimos não andar metidos em grandes reboliços. então tratei de assegurar um espacito para a nossa 3 segundos num parque que estava marcado como visita obrigatória desde a grand tour de 06 pelos campings do litoral alentejano - o de s. miguel. finalmente!! 

 

tralha no carro e siga pa bingo!

 

dia 0. descemos o sudoeste alentejano sempre acompanhados de nevoeiro. ia ali a rezar que aquilo não se intrometesse muito nas nossas ricas férias. em lagos (onde fomos deixar a serigaita) não havia sinais de nuvens, era só mesmo junto à costa oeste. então tracei um plano de contingência caso o sacana atrapalhasse nos dias que se seguiam.

 

para abrir as hostes, jantarada no nosso favorito em odeceixe e depois ala pró parque montar o arraial. como o espaço não nos era totalmente desconhecido, não foi difícil decidir onde assentar. apanhamos um spot à larga (na medida do possível, lol) e em menos de 10 minutos távamos alojados.

 

ai mãe, as saudades que tinha da minha tendinha \m/

 

dia 1. dia perfeito de praia. apesar de estar bastante frequentada, espaço é coisa que nunca falta naquele areal maravilhoso. este ano andámos mais afastados mas multidões, para não stressarmos com o stress dos outros :D

 

dia 2. o nevoeiro atacou em força. como sabia que a sul não havia vestígios de nuvens, siga prás praias da vila do bispo. íamos todos lampeiros para o barranco das canas, mas quando lá chegámos, fomos surpreendidos por uma besaranha tal, que nem o resguardo conseguimos espetar na areia. a ingrina tava igual e no zavial não havia sítio para parar o carro.. devia estar a rebentar pelas costuras. thanks, but no thanks.

 

vai daí, decidimos ir até ao amado, comer um hamburguer à do "van damme" e apreciar as paisagens (if you know what i mean :D)

 

nessa noite fomos grandiosamente trollados pelas forças misteriosas do cosmos.

 

saímos do amado por volta das seis e meia. pelo caminho informei o marido que tinha os químicos do cérebro todos faralhados por causa da falta de sol e necessitava de açúcar (hey, há desculpas piores muhahah), então sugeri que fossemos lanchar à mabi da zambujeira. entretanto tive que parar no parque para o homem ir.. hum.. tratar de um assunto.

 

porqueomaridolevouquarentaecincominutosacagar por razões que não interessam, eram 8 da noite quando finalmente nos sentámos para lanchar. depois de umas voltinhas pela vila, o hóme lembrou-se de irmos até à azenha do mar morder o ambiente (ie, curtir o restaurante sempre apinhado onde a malta espera e desespera para conseguir mesa). 

 

chegámos lá, e ele pergunta (assim na desportiva) se era possível jantar.. é que havia mesas vagas na sala. REPITO. havia mesas vagas no restaurante da azenha do mar às nove da noite - em agosto! 

a resposta foi um caloroso "podem entrar". só havia um problema.. 

 

"epá, mas ainda não temos fome.." 

 

a cozinha fechava às dez da noite mas para estarmos ali de seca à espera de apetite, desistimos.. e BAM! com essa decisão queimámos a única oportunidade que tivemos de apanhar uma overdose de marisco naquele sítio. oh well..

 

dali e fomos nas calmas para odeceixe. às dez da noite o chaparro estava excepcionalmente atafulhado e com um maralhal de gente à espera de mesa - é que nem à meia-noite aquilo se despachava, tal não era! 

antes que ficássemos sem jantar, decidimos ir ver o que é que se comia no parque. acabamos a noite a rapar um tacho de arroz de tamboril, que não estava mau de todo :D

 

dia 3. o nevoeiro não arredou pé, mas como estava quente e abafado fomos à mesma para odeceixe. apanhei um escaldão à antiga, nesse dia. parecia uma lagosta cozida.. é que o sol não se vê, mas tá lá, a morder como se nada fosse. o cão! 

 

dia 4. ..e o filha da puta do nevoeiro continuava a não dar tréguas. peguei na'gente e meti-nos na meia praia, numa zona nem por isso populada. não estou a exagerar ao dizer que estava um calor infernal. o sol ardia em todo o seu esplendor e soprava um vento tão quente que era impossível estar na toalha de papo pró ar. passamos o dia todo à beira mar ou dentro de água - not bad!

 

saímos às seis, para ir almochar (ie, almoçar à hora do lanche) à croissanteria 29 e depois de ir checkar a gata fomos para cima. nessa noite fomos conhecer aquele que é o restaurante mais afamado de odeceixe. não esperamos muito, nem houve complicações no serviço, mas foi a primeira e última vez que lá fomos. caro e.. meh!

 

dia 5. e finalmente o paneleiro do nevoeiro deu folga YAY! e que dia do crl em odeceixe. daqueles que uma pessoa sai da praia ao anoitecer, com a lágrimazinha ao canto do olho, de TÃO BOM que foi :D

 

Untitled

 

dia 6. altura de arrumar a tralha e fazer check out do parque. odeceixe prometia, mas lagos era o destino do dia. pelo caminho, decidi abastecer-me de batata-doce no mercado de aljezur - mesmo na fonte muhahahah se forem tão boas como prometem, da próxima vez que ir praquelas bandas, trago uma arroba :D'

 

depois de uma breve passagem pela terrinha, a tarde foi passada novamente na meia praia, desta vez com a companhia das sobrinhas. como já tão mais crescidas, em vez de se entreterem a comer areia, dedicam-se a chapinhar na água e a apanhar conchas, assim é mais fácil tomar conta delas he he he 

e como o pai fazia anos no dia seguinte, antecipamos o banquete de aniversário e nessa noite tivemos finalmente a nossa patuscada de marisco!

 

dia 7. no último dia de férias ainda fomos molhar os pés, mas já estava mais desagradável, por causa da ventania. demos a coisa por encerrada depois de enfardarmos umas bifanas na BP de Isaias \m/

bom.. enchi a barriga de praia, passeamos, curtimos, descansámos, e matámos as saudades dos nossos sítios favoritos. o campismo foi uma excelente opção (vem aí um post especial sobre isso :D) e o triângulo odeceixe - s. teotónio - zambujeira continua a render grandes momentos!

 

ah.. e já não pareço uma lula morta YAY

In luv with mah Kindle

olráite, olráite.. já estamos bem entrados no século XXI, estas coisas não deviam surpreender tanto, stillAMAZED I AM, if I do say so myself

 

a verdade é que não esperava uma experiência assim tão completa. namorei-o mas não liguei muito às suas funcionalidades, então tem sido surpresa atrás de surpresa :)

 

here's why:

 

- como foi comprado com a minha conta da amazon, já vinha registado e personalizado com os meus dados, bastou apenas confirmar que queria usar aquela conta, meter a password e *puf* estava pronto a ser usado. pode não parecer, mas faz toda a diferença;

 

- (já falei nisto mas) existem extensões para browsers que convertem e enviam automaticamente qualquer página ou excerto de texto para o kindle. se o wifi não estiver disponível no momento, recebe os ficheiros mal se apanhe na rede; 

 

- a amazon tem um serviço que converte ficheiros em pdf para o formato proprietário deles, basta enviar o(s) ficheiro(s) por email com "convert" no assunto, e esperar tranquilamente que o livro apareça no leitor;

 

- consegue abrir os pdfs mas não deixa alterar o tamanho do texto, no entanto faz pinch to zoom, como nos smartphones;

 

- tem um browser básico mas que desenrasca umas cenas (tipo, fazer login na página da ptwifi hehe); tem um modo de leitura que descarta as imagens das paginas e mostra o texto como se fosse um ebook. também dá para marcar favoritos e guarda histórico; 

 

- já trazia uma colecção valente de dicionários de várias línguas, incluindo o priberam (que uso no dia-a-dia);

 

- se no meio da leitura encontrarmos uma palavra cujo significado desconhecemos, basta fazer long press em cima dela, que ele mostra a definição no dicionário. como se isso não fosse fixe o suficiente, o gajo reconhece a língua do documento que estamos a ler e mostra o dicionário respectivo - wow, just... WOW;

 

- melhor ainda, podemos traduzir essa palavra, ou um pedaço de texto para outra língua qualquer \m/

 

- se tiver o wifi ligado, posso pesquisar directamente na wikipedia - oh boy, oh boy! (wikipedia junkie in da house :D)

 

- sabe sempre em que página deixamos o ebook ou documento e volta sempre lá sem ser preciso marcar nada;

 

a sério que tou mesmo satisfeita com isto, e ainda não comecei a explorar a loja e a comprar livros com ele he he he

3 de Agosto de 2013, às 00:35link do post comentar ver comentários (6)

Acho que vou rifar a gata III

hoje de manhã, a gatifonga apanhou um cagaço do caraças..

 

bateram à porta e quando o marido foi abrir, a gaja voou pro hall para ver o que se passava (ou então para sair mesmo, como é hábito) mas quando topa um caixote gigante a entrar casa adentro, teleportou-se instantaneamente para o buraco mais próximo!

nunca a tinha visto assim, tão assustada que nem se mexia. os poucos movimentos que a vi fazer durante vários minutos eram tão lentos que parecia que estava em slowmotion lol a vontade de rir que aquilo me deu :D

 

começámos a abrir a caixa, com uma gata nervosa a controlar-nos minuciosamente os movimentos, à distância. sai uma peça, depois sai, outra e mais outra. entretanto o nervosismo foi dando lugar à curiosidade e às tantas acabou por vir estorvar-nos a tarefa, como sempre que tentamos fazer seja o que for em casa. minutos depois, o conteúdo da caixa tava montado e revelado: uma mansão* prá madame!

 

"só" levou nove meses, mas finamente tem a sua própria caminha YAY

 

claro que, como é apanágio de mui nobre espécie, a macaca não quer saber da sua cama/arranhadeira nova, quer é o raio da caixa onde aquilo veio..

 

 

gatos, a deixar os donos deprimidos since, well.. ever!

* photoshopada mah podre, esta :P 

2 de Agosto de 2013, às 22:27link do post comentar ver comentários (1)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly