Coisas e cenas

esta até tem sido uma semana interessante no que toca a acontecimentos, mas tenho andado tão ocupada a encher a TV de baba que não me sobra tempo para muito mais. as minhas desculpas :D

30 de Abril de 2015, às 12:45link do post comentar ver comentários (7)

Sabes que estás a ficar velha quando...

corres meia duzia de metros para apanhar o autocarro e dás um jeito na anca :P

(e ficas manca duma perna, o que não vem mesmo nada a calhar)

29 de Abril de 2015, às 22:30link do post comentar ver comentários (8)(2)

Se provas faltassem.. II

long story short, entrámos no ikea para trazer uma chaise-longue, e saímos de lá com um sofá de 3 lugares. diferença pouca :D

numa outra ocasião já tínhamos carregado um sofá daqueles no carro, daí que estávamos confiantes quanto ao transporte do bicho.

só que.. não!

pelos vistos, o packaging do sofá mudou, e a embalagem principal não era grande, era monstruosa! nem que a gente fosse os dois sentados em cima do tejadilho, s’aquilo cabia tudo no carro. opá!

depois do espectáculo que demos no parque de estacionamento a tentar enfiar o rossio na betesga de todas as possibilidades esgotadas, decidimos que o melhor a fazer era esventrar a caixarrona e carregar o carro às peças. aquilo que não coubesse, ia numa segunda viagem.

problem solved e a lixarada ficou toda logo lá, #winwin

tão lá vai a isa pela estrada a fora, com a sua viatura cor de fogo carregada até às orelhas, a rezar não ser apanhada em alguma operação stop ou coisa do género.. e a rezar também que não falhasse em nenhuma das direcções.

um *pequeno* detalhe sobre a minha pessoa: posso ser muito boa condutora mas tenho um handicap fodido -  para memorizar um percurso que não seja ir a direito do ponto A ao ponto B, tenho que percorre-lo dezenas de vezes. dezenas!! não estou a brincar, é dramático. no percurso em questão já me enganei umas quantas vezes e pode ser muito chato..

o homem ficou apeado com as almofadonas do sofá no parque de estacionamento da loja, um bocado apoquentado por ver a sua dama partir em direcção ao desconhecido. às tantas decide enviar uma SMS fofinha:


anos.. anos de dedicação..

pois fiz o caminho sem problemas nenhuns! descarreguei o carro e fui de volta buscar o homem e o resto das coisas. dei com ele apreensivo. perguntei-lhe se estava chateado por ter ficado ali abandonado, ao que ele responde

"nah… vi-te foi a passar e achei que com mais um bocadinho de paciência tinha conseguido enfiar a merda toda no carro, eu incluído. podia ter feito um refactor…" e ias sentado em cima do capot, pois.

programadores e a mania das optimizações..

de regresso a casa, guess what? falhei uma das direcções! felizmente não foi aquela que me obriga a ir ao montijo dar meia volta ao cavalo.. mas naquele momento fez-se luz na minha cabeça: se calhar se não andasse sempre distraída na conversa com ele, conseguia aprender o caminho das coisas mais rapidamente.. e esta, hem?

btw, se alguém tiver necessitado de um kivik cinzento escuro, tenho um de dois lugares que posso dispensar :D

Se ele não fosse assim… XI

então o homem anda numa interminável demanda para encontrar um molho picante que seja o equilíbrio perfeito entre o saboroso e o insuportável. tem experimentado muita coisa mas ainda não chegou lá. 

há uns dias, depois de ter passado uma eternidade em frente à prateleira dos picantes no supermercado, e não encontrando nada que lhe agradasse, trouxe um tabasco verde. 

hoje ao jantar fartou-se de estrebuchar que aquilo é saboroso mas de picante não tem nada, que mal comprou e já o frasco vai a meio. queria tanto que aquilo lhe picasse que meteu o frasco à boca... meteu o frasco à boca!!

depois ainda me pergunta se acho que ele tem um problema..

"o qué que achas??"

22 de Abril de 2015, às 00:54link do post comentar ver comentários (9)(1)

Wir sind die roboter

tão ontem à noite lá fui eu redimir-me de um pecado que cometi há uns anos: perder um concerto dos kraftwerk no coliseu de lisboa.



já não vão para novos mas ainda dão no rabinho a muito músico que anda por aí. as remexidelas que ao longo dos anos têm vindo a fazer aos clássicos, tornam-nos tão actuais que (muitos deles) nem parece nasceram antes de mim.

mal os gajos arrancaram os sintetizadores, tive uma reacção completamente inesperada: as lágrimas começaram a escorrer-me cara abaixo com uma fúria, que estava difícil de controlá-las. nunca me tinha acontecido tal coisa num concerto.. tanta memória, taaaanta memória que aquilo me foi desenterrar, jazus.. tudo ali a vir ao de cima ao mesmo tempo, a atropelarem-se umas às outras. do concerto no sudoeste, de zurique, das viagens intermináveis por esse país fora, a caminho de sitios fantásticos e a ouvir os álbuns em loop no carro, entre outras coisas ainda mais repescadas.. fdx, a mente é tramada.. e a música faz-nos dar umas trips muita maradas pelo passado :D


durante duas horas e quase meia, o coliseu ficou imerso numa atmosfera sonora minimalista, grandiosa, cujos sons impunham tanto respeito como a postura austera (quase robótica) dos músicos que lhe davam vida.. rigorosos, mecânicos, gélidos, mas que ao serem harmoniosamente entrelaçados noutros mais delicados e melódicos fazem derreter os ouvidos e transportam-nos para outra dimensão. 

a setlist foi ligeiramente diferente da de zurique, com várias surpresas bem-vindas, como a neon lights ou a das model, e a surpresa da noite, a airwaves - que som tão brutal!!
pena que a autobahn continue excessivamente longa e repetitiva, que às tantas já não via a hora do carocha dar pisca para a direita, para o espectáculo continuar. o medley do tour de france também foi longo, mas não cansa minimamente. e no final - como de costume - a minha preciosa musique non stop, que soa até que os quatro se despeçam do público e abandonem o palco, um a um.

estava rodeada de uma multidão composta por uma admirável maioria de pessoal mais velho que eu, tudo a abanar o capacete e a urrar, assobiar, a bater as palmas e os pés no chão como se tivessem metade da idade, sem perder a energia nem o folgo. é essa a magia do techno dos kraftwerk. são intemporais.

e que venha o próximo, que eu não me canso destes cotas \m/

20 de Abril de 2015, às 23:14link do post comentar(1)

Quando a cabeça não tem juízo..

uma pessoa acha que não, mas a FDP idade não perdoa.. um fim-de-semana inteiro passado a carregar e descarregar, a montar e desmontar, mais limpezas e compras, e no fim disto tudo ainda meter um concerto em cima, é a receita para o desastre.. tou aqui que nem m'aguento XP

    20 de Abril de 2015, às 13:24link do post comentar ver comentários (1)

    Mudam-se os tempos...

    ainda no processo de decidir se gosto ou não deste revamp minimalista que as armaduras dos stormtrooper levaram.. need MOAR details :D


    o homem acha que têm um ar cheap..

    Abril é parecido comigo..

    não tem meio termo.. num dia atira-nos um espectacular dia de verão, no outro manda-nos directos pró meio do outono :P

    porcaria de mês..

      14 de Abril de 2015, às 13:18link do post comentar ver comentários (8)(2)

      Trilho dos Pescadores // Praia do Telheiro

      para além das 4 etapas, o trilho dos pescadores tem 5 circuitos complementares: praia de odeceixe, praia da amoreira, ponta da atalaia, pontal da carrapateira e praia do telheiro.

      o de odeceixe e da carrapateira para já ficam de fora, pois já fizemos caminhadas por lá (aqui e aqui), onde parte do trilho passa, mas os restantes são para serem feitos. ainda por cima ficam todos a cerca de 30 minutos de casa, não há desculpas!!

      vai daí que aproveitamos o fim-de-semana comprido de páscoa, que meteu o habitual salto à terrinha para ir à feira do folar de barão de s. joão, para encaixar o circuito da praia do telheiro. desta vez não fomos sozinhos, a sis alinhou na passeata :)

      Untitled

      Untitled

      vivi naquela zona alguns 12 anos (também devia contar como terrinha lol), batíamos aquilo tudo para ir à praia, à pesca e ao marisco, e mesmo assim, havia ali paisagens que não me lembro de alguma vez as ter visto.. fosga-se, o que uma pessoa perde por andar de carro em vez de dar à sola :P

      behold, os paredões mais altos da costa vicentina, alguns com cerca de 100m de altura. a minha paixão por falésias foi parida nestes recantos, há muitos e muitos anos atrás.

      Untitled

      costumávamos frequentar a praia da ponta ruiva, mas estupidamente ainda não conhecia a do telheiro.. de pensar que me fartei de recomendá-la e dar indicações aos cámones de como chegar lá..

      é que o trilho que liga estas duas praias, é simplesmente deslumbrante. passa por umas formações rochosas altamente maradas.. às vezes penso que devia ter ido para geóloga, adorava saber interpretar as obras de arte da natureza.

      Untitled

      Untitled

      fizemos um percurso circular, que passou pelo caminho histórico e também pela via algarviana que pelas minhas contas somou cerca de 15km, as pilhas do GPS quinaram a meio do passeio, por isso não ficou totalmente registado.

      Untitled

      o dia estava bom para caminhar, mas como é apanágio do cabo de s. vicente num momento está sol, no outro está tudo inundado em nuvens e vento.. se bem que as nuvens ali são sempre um espectáculo do outro mundo.

      end of the world

      (a quantidade parva de selfie sticks por aqui.. over 9000!!)


      recomendo o passeio, apesar de ser um bocado puxado e parte dele estar marcado apenas com mariolas, faz-se bem. atenção é à meteorologia, que pode enganar.

      (e sim, desta vez calcei os sapatos e não as botas lol aprendi a minha lição :D)

      'Le me

      tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

      no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

      offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

      bucket list

      'Le liwl

      era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

      muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

      seguir nos blogs do sapo

      Follow follow us in feedly