Férias - parte I

(segue uma posta brutal para desenjoar hi hi hi)

Quem já tem falado comigo sobre o parque de campismo da galé, sabe que eu conselho sempre a evitar o mês de agosto por causa da confusão que é, não que tenha lá estado, mas porque me também me disseram isso...ora, mas como nós somos uns grandes avessos (ou então gostamos mesmo daquele lugar), fomos-nos meter na boca do lobo, conscientes (achávamos nós) daquilo que nos esperava!

Chegamos lá por volta das seis da tarde. Como ainda estava um calor desgraçado, fomos um bocado à praia..tava-se mesmo bem, o marido aproveitou e fez uma corridinha de 3km junto ao mar. Saímos de lá já passavam das oito e fomos tratar de fazer o jantar. Desta vez, levamos tralha e alguns mantimentos para cozinhar, pois estávamos a contar com filas intermináveis no restaurante e no snack-bar... só não haviam filas intermináveis nenhumas, o que nos surpreendeu..estava tanto movimento como da última vez que lá tínhamos estado, a meio de julho..

Nessa noite ouvimos alguém dizer que o bar da praia abria depois da meia-noite e descemos lá abaixo para confirmar a informação. Ainda não estava aberto, mas estavam lá uns putos que nos disseram que o bar abria por volta da meia-noite e meia e fechava às quatro da manhã. Não ficamos à espera, claro, e subimos a comentar que era uma ideia genial, aproveitarem aquele sitio, afastado do parque, para a malta estar à vontade depois da hora de sossego, porque diga-se de passagem, para muitos , à meia-noite, a noite ainda é uma criança..

..só que passadas algumas horas de sono fui acordada por malta que vinha da praia e arrependi-me de ter achado a ideia genial...aquela movimentação de gente para cima e para baixo, muitos já bezanos, a falar em altos berros e a gritar uns com os outros arruinou-me a noite...isso e ter-me esquecido da MERDA DAS ALMOFADAS! Que porra de esquecimento..por alguma razão que a própria razão desconhece, não consigo dormir sem  ter a cabeça elevada, e a única coisa remotamente confortável era o saco cama que era suposto servir para nos taparmos, que ficou a servir de travesseiro...e pronto, rapei algum frio nessa noite, não foi pior porque tinha o pijama..

Bem, como resultado de uma noite mal dormida, na sexta acordamos cedo. Fomos à padaria buscar pãozinho para fazer sandochas para levar pá praia e fomos tomar o pequeno almoço.
Depois de um dia dedicado quase exclusivamente a trabalhar pro bronze com direito a uma curta e fracassada sessão de bodyboard, constatamos que a calmaria começou a dar lugar à confusão, e o parque estava a encher a olhos vistos. Agosto a bater em força!
Nessa noite voltei a ser acordada por gente que vinha da praia na maior das algazarras...tive quase para ir reclamar do barulho com os monitores que andavam na ronda mas achei que era o mesmo que nada...caguei, fui dar uma mija e voltei pa tenda..aquele ruído não é nada comparado com o barulho das obras do metro e eu suporto-o de bico calado...

No sábado seguiu-se outro grande dia de praia. Tal e qual como no dia anterior, estava tanto calor que só se estava bem dentro de água, fartei-me de tomar banho, coisa-rara-nunca-antes-vista, a água estava uma maravilha!
Ainda me fiz a umas marrecas jeitosas, mas isto de se estar quase um ano sem pegar na prancha é lixado, é ter que aprender de novo, e aquelas ondinhas molengas são uma maravilha para isso he he

À noite, depois de uma churrascada valente (levamos o "it-o" atrás) fomos comer a bela da fartura. Havia musica ao vivo (uma banda de covers muita manhosa) mas aquilo já era quase meia-noite e eles anunciaram que a festa prosseguia na praia...comecei logo a ver o caso mal-parado...
Entretanto marido apeteceu-lhe uma cola mas aquilo já passava da hora e os bares já estavam fechados. A única hipótese era mesmo o da praia, então lá descemos aquilo pela terceira vez nesse dia...

A meio da descida fomos interceptados por um bando de putos, que estavam a passar os transeuntes a pente-fino...
Então seguiu-se uma cena, no mínimo, caricata...um dos putos aponta-me a lanterna (a noite estava escura e a coisa só lá ia de lanterna) e depois aponta ao marido, eu não percebi bem a conversa entre eles, mas depois ele contou-me:

Puto 1 pergunta ao puto 2 enquanto este me inspecciona: "É mula, é mula?"
Puto 2 aponta o foco da lanterna po marido:  "Ah, caga caga, tem namorado..."

..e eu a pensar que eles estavam à procura de algum amigo ou coisa assim...não, andavam à caça de gajedo da forma mais descarada que alguma vez já testemunhei!
..mas espera...mula..? MULA??? É isto que a malta agora lhe deu para a chamar às miúdas??? Argh...

Bem, uma vez lá em baixo, ficamos surpreendidos ao ver a quantidade de gente que já por lá se amontoava em grupos espalhados pela areia, à espera que a festa começasse.
O bar lá abriu e o marido foi buscar uma bebida. Depois ficamos sentados ali à beira-mar a observar o fenómeno social que estava de decorrer: os grupos já se começavam a misturar, os putos que apanhamos no caminho andavam-se a fazer a todas as gajas que apanhavam pela frente sem grande sucesso (i wonder why...), havia gente metida dentro de água, e depois começa a festa: um par de colunas brutais e música ali a bombar em altos berros...comecei logo a ver a vida a andar para trás...mais uma noite que não ia conseguir dormir decentemente..
Resolvemos regressar à tenda porque já começava a ficar frescote, e pelo caminho tive a sensação de estar em pleno festival do sudoeste: noite, frio, muito "calor humano", pouca luz, música alta a ecoar pela "planície", o pessoal a dar "fogo à pedra", outros a dançarem de copo na mão, outros a cambalearem de um lado para o outro sem saber bem para onde ir....foi aí que me apercebi o porquê de estar tanta malta nova acampada no parque...pudera, aquilo é uma festa!!

Por incrível que pareça, apesar do barulho das ondas e da brisa a bater na copa dos pinheiros ter sido substituído por música de discoteca e gritaria, consegui adormecer sem acordar durante a noite..aliás, foi das três noites a que dormi melhor...nem sei se houve muito xinfrim durante a madrugada, mas deve ter havido, porque aquilo eram só garrafas e copos de plástico espalhados por todo o lado.. para além de barulhenta, a malta também é javarda e pelos vistos, ainda não aprendeu que não se jogam garrafas no mato...

..e como já vem sendo habitual desde que começamos a ir pá galé este ano, o domingo amanheceu foleiro!
Tomamos o pequeno almoço e entretanto as nuvens afastaram-se e deram lugar a um fim de manhã muito agradável e quente. Estive um bom bocado sentada na falésia a admirar a praia e o oceano. Parecia uma daquelas praias tropicais, a água estava com um cor linda, arrependi-me de não ter levado a maquina fotográfica, porque tinha tirado ali umas fotos espectaculares...
Como estava apetecível, pensei que não fazia mal nenhum fazermos uma prainha antes de nos irmos embora.

Não tínhamos muita pressa, andamos por ali a anhar e a arrumar as coisas aos poucos e lá descemos até à praia... e o sacana do dia pôs-se feio outra vez, ou seja, mal pus os pés na areia, as nuvens taparam o sol..até parece que é de propósito..grrrrrrrr!!

Não ficamos lá muito tempo porque comecei a ficar com frio, o marido ainda esteve um bocado na água, mas depois subimos para ir acertar as contas e bazar (sem antes comer um burger, claro!), quando estávamos a terminar, as nuvens desapareceram e o dia ficou bonito outra vez...é que é mesmo irritante pah!

Eram umas seis e meia quando chegamos a casa, tava tudo bem co furas, que tinha ficado com a casa por conta dele*, descarregamos, arrumamos, e fomos até ao forum ver as modas e um filmito :)

Veredicto:
Se forem campistas do mesmo género que nós, que gostamos de calmaria, de relax, de silêncio, então, agosto é mesmo um mês a evitar, ou pelo menos os fins-de-semana. Não havia recanto que não tivesse ocupado, e o barulho era uma constante..na noite de sexta e sábado, a zona do restaurante e snack-bar encheu completamente, era tanta, tanta gente, que uma pessoa custava a andar por lá, e as filas eram monstruosas..
Acho que os chuveiros perto do snack-bar são menos concorridos que os da zona das tendas, porque nunca esperei muito tempo, e apanhei sempre agua quente em todas as cabines. Não são tão bons como os outros, mas servem perfeitamente.
A padaria, a peixaria, o take-away, o bar da praia, a gelataria, e a barraca das farturas foram novidades para nós, que nos surpreenderam pela positiva.
Havia sempre montes de pó no ar e andava muita gente a queixar-se de alergias.
A parte menos boa é a enchente, mas como nós estávamos um bocado isolados, nem sempre dávamos pela confusão..

* o furas, tadito, teve que ficar sozinho em casa, mas como tem a sorte de ter uns donos que se preocupam muito com ele, ficou com a casa por conta dele..bem, menos a sala..barramos-lhe o acesso à sala (e ao sofá) e deixamos-lhe a cozinha, o quarto e a casa-de-banho para ele curtir à vontade, sem morrer assado pelo calor infernal que faz na cozinha nesta altura do ano..

...mas engraçado, que no parque, vi uma mulher que vinha da praia com um sacana dum coelho de estimação enrolado numa toalha...um coelho peludo...como é que o animal suporta aquelas temperaturas?? Também keru! : /