Gerês // dia 2

os planos para este dia eram percorrer a serra pelo lado sul e ir até à portela do homem, onde se inicia o trilho de uma caminhada (mina dos carris) pelo monte que eu queria *mesmo* fazer durante as férias.

 

assim que me fiz à estrada, cruzei-me com as primeiras (e por acaso, únicas) vaquinhas do dia.

 

aqui vou ter que fazer uma confissão.. depois dos encontos imediatos do dia anterior, aquilo tornou-se numa espécie de desporto radical: meter o carro no meio das vacas!

 

é tipo mergulho com tubarões, mas fora de água e com animais bem mais amistosos :D

 

passei por elas e parei o carro mais à frente, numa zona desafogada fora da estrada, e ficámos à espera que elas passassem por ali. venha daí a descarga de adrenalina!

 

não nos deixaram ficar mal. quando começaram a aproximar-se da jaula do carro, umas espreitavam curiosas, outras iam lá na vidinha delas sem ligar nenhuma ao obstáculo, e depois deixaram-se ficar por ali, mesmo à nossa frente. até que às tantas duas delas começaram a mugir. incialmente julguei que estivessem aborrecidas com a nossa presença mas depois apercebemo-nos que estavam a chamar pelo pastor, que tinha ficado para trás.

 

como nunca mais aparecia, elas por fim lá se decidiram a continuar monte abaixo. viémos sempre atrás delas, mantendo alguma distância, até que nos deixaram passar. adoráveis ♥

 

a estrada que liga paradelo à vila do gerês tem tanto de encanto (paisagens assombosas, vegetação, rios e ribeiras, aldeias típicas, etc) como de pesadelo.. curvas e mais curvas e curvas outra vez.. subidas e descidas vertiginosas, que dificultam imenso a condução. uma hora e tal daquilo e já estávamos a ficar tontos.

 

já tinha estado na vila do gerês há uma porrada de anos atrás.. 17 ou 18, e não me recorda se já na altura estava assim tão pejada de casas pelas encostas do vale ou se está ali muita construção nova. o centro pelo menos tem algumas novidades. como era dia de semana estava deserta.

 

demos umas voltinhas de reconhecimento até que às tantas a fome começou a apertar. decidimos almoçar no único restaurante que parecia estar aberto. como já não era cedo e não nos queriamos demorar pedimos um dos pratos do dia: vitela!

 

depois aproveitámos também para ir checkar a empresa de animação turistica local que eu queria fazer a subida aos carris com um guia (ou alguém que soubesse o que fazer caso nos metessemos em apuros :D)

 

o tipo da empresa não se mostrou particularmente excitado com o percurso que eu queria "ah e tal isso leva o dia todo, yada yada, o caminho é assim e assado, muita pedra solta, yada yada, requer outra logistica" ok ok, já percebi que não te queres meter nisso, então conta lá que mais coisas tens para se fazer na serra. 

sugeriu uma caminhada que levaria meio-dia, cerca de 8km em 4 horas. falou em duas ou três zonas até que os meus ouvidos captaram "pedra bela" e "cascata do arado".. 

 

"é essa mesmo que quero fazer!!" e não se fala mais nisso.

 

depois perguntámos pelos passeios de jipe pela serra e achamos que não fazia mal nenhum em experimentar, sempre se poupava uns anos de vida ao cascas. então ficou tudo marcado para sábado e seguimos caminho.

 

como eu estava mesmo feita aos carris, iniciamos o percurso para conhecer o cenário que nos esperava. não parecia nada agressivo e até se fazia bem. era sempre a subir, mas com pausas para recuperar o folego, pareceu-me que era na boa. três horas de caminhada até lácima (9km) nas calmas, descansar e aproveitar as vistas do ponto mais alto da serra e amealhar uns anos de vida, e depois regressar. como para baixo todos os santos ajudam, a coisa fazia-se em 6 ou 7 horas no total. not bad!

estradão dos carris

cerca de km e meio depois voltámos para trás e fomos curtir as cascatas do rio homem, uma das atrações locais.

rio homem

 

de regresso à base, quis ir por espanha. primeiro, porque ficava mais perto, segundo, nem pensar em voltar a meter o carro naquela estrada infernal. e siga pró estrangeiro!

 

o percurso por terras espanholas foi bastante agradavel. o ndrive, mesmo com os mapas desactualizados, levou-nos a bom porto.

btw, as aldeias pitorescas espanholas não são tão bonitas como as tugas hehehe

 

entrámos por tourém e fomos directos para a pitões. queriamos experimentar a comidinha do tal restaurante/café que já haviamos visitado. mas primeiro fomos tentar encontrar uma cache, mas acabámos por deixa-la da mão. já estava escuro e não sabiamos o local exacto, que a app do geochacing no iOS 3.1.3 deixou de funcionar..

 

como era dia de semana e não havia clientela que o justificasse, só haviam dois pratos na ementa.. adivinharam!

 

bacalhau e vitela.

 

nessa noite jantámos... vitela. FML!

7 de Abril de 2012, às 00:22link do post comentar