Gerês // dia 5

DIA DE CAMINHADA YAY

 

como combinado, às nove em ponto estávamos à porta da empresa de actividades, fresquinhos e prontos para palmilhar a serra. eis que a nós se junta o guia que nos ia fazer babysitting acompanhar o dia todo.

 

o percurso começava na pedra bela, um dos ex-líbris do gerês. subimos até lá de pick-up e antes de nos fazemos ao mato, ficámos uns minutos no miradouro a absorver a vista, que é qualquer coisa...  

 

passámos por sítios verdadeiramente belos. paisagens imensas que não cabem na vista, paisagens que nos inspiram e nos fazem sentir vivos e incrivelmente apaixonados pela natureza. apetece andar sem parar por aquela serra toda :D

Untitled 

 quando alcançámos o vale do teixeira, um sitio lindíssimo que acolhe o rio arado, fizemos uma pausa para descansar um bocadito e aproveitar para lanchar. tava a roer uma maçãzora quando ouvi uns uivos falsificados. olhei na direcção do som e comentei: 

 

"geocachers..."

 

não imaginava caminheiros em figuras daquelas.. nisto surge um par de mânfios no cume da montanha. não sei se foi por verem pessoal cá embaixo, mas ficaram excitados e desatam a esbracejar e a gritar "OI!....OOOOOOI!!".. enquanto se meteram a deslizar na nossa direcção. vinham tão desarvorados, que há um deles que tropeça e manda duas cambalhotas por cima de calhaus e arbustos. parecia uma cena à jackass. o desgraçado deve ter ficado mal-tratado, mas levantou-se rapidamente e continuou a correr encosta abaixo.

 

quando chegaram cá em baixo viram cumprimentar-nos, esbaforidos. eram de facto geocachers e não estavam sozinhos. no calor da coisa perderam-se da horda onde vinham e decidiram subir ao topo do monte para localizar os outros (ah poizé, telemóveis da montanha é para esquecer :D). os uivos estavam assim explicados.

 

mas a primeira coisa que reparei foi na farpela que ambos traziam: t-shirt e calções..

 

de calções no mato... excelente escolha :D

 

não era, portanto, de admirar o estado lastimoso em que tavam as pernas daquelas duas almas, todas esgaravatadas e ensanguentadas. fiquei na dúvida se seriam inexperientes naquelas lides.. quer dizer, eu própria já cometi essa proeza.. once!

 

entretanto o tal grupo começou a invadir no vale, não eram poucos.

vale da teixeira

 

ainda tínhamos uns quantos kms à nossa frente por isso não nos alongámos muito mais por ali. mas antes de seguirmos, o marido ainda se juntou ao grupo para assinar o logbook duma cache que eles encontraram. outra que saiu à borla!

 

o percurso terminou por volta da uma da tarde, na cascata do arado, outro dos ex-líbris da zona. o marido tentou tomar banho na cascata mas a água gelada desencorajou-o he he he
foi uma bela caminhada, curta (8km) mas com subidas e descidas generosas, ainda deu para esticar bem os músculos das pernas \m/

 

dali seguimos caminho na pick-up pela serra dentro até às cascatas do tahiti. o guia levou-nos por umas "estradas" que eu não me punha lá nem que a minha vida dependesse disso!! uma montanha russa comparada àquilo é uma voltinha num carrossel para putos. tive que escolher entre ser estrangulada pelo cinto de segurança ou andar às cabeçadas no tecto. como saí de lá sem nódoas negras permanece um mistério :D

 

a segunda metade do passeio começou às três da tarde. depois do almoço atacámos a outra parte do monte. o tipo levou-nos a dois miradouros espectaculares. não tinha coragem para meter o cascas na estrada que dá para um deles, só por isso, já valeu a pena o passeio de jipe.

por mim ficava ali sentada o resto do dia a observar aquele assombro... mas o passeio continuava.

a road with a view

 

dali seguimos para o campo do gerês, uma surpresa das boas que ficou logo marcada para uma visita mais demorada. mas o cascas não entra da aldeia, que quase tive um ataque cardíaco a atravessar aquelas ruas e nem sequer era eu que estava ao volante lol srsly, pensei que fossemos ficar ali enlatados..

 

passámos pela barragem de vilarinho das furnas, enorme e alimentada quase exclusivamente pelo rio homem. apesar do inverno seco, as ruínas da antiga aldeia ainda estavam submersas, não deu para ver. seguimos pela mata da albergaria, uma área do parque altamente protegida pela sua biodiversidade e fomos parar a espanha, aos baños, uma "piscina" de água quente...

 

AHHHHHH... então é por isso que estão sempre pessoas ali enfiadas, faça chuva ou faça sol.. e nós a pensar que os nossos manos ali do lado não regulavam bem.. realmente a água está *mesmo* a escaldar, custei a meter lá os pés!

 

...e pronto. d'os baños voltámos à vila do gerês. satisfeitíssimos pelo longo, mas excelente dia passado às voltas pela serra. 

13 de Abril de 2012, às 01:27link do post comentar