Adolescências

hoje durante o almoço, deixei fugir os ouvidos para a conversa de 3 jovenzinhas, que ocupavam a mesa ao lado.

 

o assunto era um completo cliché adolescente, amores não correspondidos, fraca auto-estima e outros dilemas associados.. uma delas estava mesmo desgostosa e as outras duas, apesar de viverem os mesmos dilemas, tentavam animá-la com os conselhos da praxe "tens que aprender a gostar de ti.. se não gostares de ti, quem gostará?" e coisas do género. e não eram feiinhas nem nada que se pareça.. miúdas absolutamente normais.

 

aquilo deixou-me a pensar.. man, que raio de problemazinhos que temos durante adolescência. é mesmo uma fase de merda, fazemos tempestades em copos de água por tudo e por nada, parece que temos o fim do mundo sempre à perna.. a altura mais fácil de sempre, em que já temos uma certa independência e sem ser os estudos, ainda não temos grandes responsabilidades, transformada numa batalha campal por causa das hormonas.

 

se bem que vivi essa fase de uma forma um bocado diferente.. sabia que era uma altura complicada da vida, o tempo custava a passar comó raio, a escola era uma treta, mas já tinha chatices e dilemas que me sobrassem e não me queria meter em sarilhos, por isso, fiquei sentada (literalmente).. à espera que essa fase passasse.

 

não tou a brincar lol não ajudava nada ser bicho do mato, não me conseguia integrar em grupinhos. nem dos tótós, ninguém queria nada com eles, nem dos marrões que só falavam da matéria e estavam sempre enfiados na biblioteca, nem das miúdas fixes, que passavam o santo dia a discutir rapazes, marcas e a dar para trás nas outras, nem daqueles que aproveitavam os intervalos para irem para o café ou fumar para trás do ginásio, muito menos dos que estavam sempre enfiados no campo de jogos... vai daí, arrastava o cú pelos bancos, de preferência ao sol. umas vezes tinha companhia outras não, a conversa era o que calhava, até porque aquilo que eu gostava realmente de conversar, poucos ligavam (música, cinema, etc).

 

teve as suas vantagens, não há vergonhas para carpir. nunca me meti em sarilhos, nunca fui rebelde sem causa, nunca andei na má vida, não fiz cenas aos meus pais, não fui bicicleta. a desvantagem é que foram alguns seis ou sete anos anos sem nada que valha a pena recordar, sem grandes emoções, sem grandes amizades, sem... bem... nada!

 

quando "voltei" à mesa, perguntei ao marido se também tinha tido aqueles dramas da tanga quando era adolescente.

 

"se pudesse viajar no tempo, voltava atrás e dava um enxerto de porrada em mim mesmo, por ser tão aborrecido" partiu-me a rir com a resposta!

"a sério" continuou "pouco saía e não era muito de alinhar com o pessoal, era só computador ou basket..." 

 

eu, mesmo que pudesse voltar atrás, acho que não mudava nada, pelo menos a esse respeito. a minha verdadeira "adolescência" começou aos 20, e foi muito boa :D

22 de Janeiro de 2013, às 22:01link do post comentar