Fenómenos meteorológicos marados

vento para mim é dá cá aquela palha.. vivi em sagres durante 10 anos, acho que não precisa dizer mais nada. além disso, lá o vento proporciona espectáculos magníficos, quando produz vagalhões massivos que se esborracham junto à falésia, projectando-se várias dezenas de metros para cima (tenho uma theme song para isso e tudo :D).

mas tempestades, tempestades à séria já é outra conversa. viver num 7º andar amplifica ligeiramente a experiência, e temos assistido a algumas bem poderosas por aqui, embora ultimamente tenha sido mais vendaval que outra coisa qualquer.

mas nem sempre gosto de tempestades.. nada me mete mais medo quando vou a conduzir como uma borrasca. 

a última que apanhei fez-me ganhar uns cabelos brancos.. na madrugada da noite de natal, atravessava eu um terço de portugal para fazer a ponte entre famílias, com uma tempestade no horizonte. cada vez mais próxima dela, rezava para que não se atravessasse no meu caminho, já era tarde e estava um bocado cansada para aquele tipo de encontros.. mas uns kms antes de cruzar a fronteira algarvia, a puta caiu-me em cima!

era daquelas bem ferozes, que mal se ouve o rugido do trovão, leva-se logo com o clarão na tromba, e uma chuvada de pedra que não deixava ver um cú à frente. era imobilizar o carro e esperar que amainasse para poder avançar. a passo de caracol mas a coisa lá se ia fazendo.. mas o que estava realmente a assustar-me não era a chuva e o granizo, mas sim os relâmpagos a cair ali ao lado e a iluminar tudo à volta, foi uma gritaria naquele carro que só visto..

às tantas afastamo-nos uma da outra e pude finalmente respirar de alivio.. mas não ganhei pró susto :P

23 de Janeiro de 2013, às 01:01link do post comentar