Odeceixe, take II

tivemos quase, quase para repetir a dose do ano passado (aka a semana de férias mais surreal-ò-brutal de todo o sempre), mas como eu andava maluca para acampar e o hóme andava meio afanado das cruzes, decidimos não andar metidos em grandes reboliços. então tratei de assegurar um espacito para a nossa 3 segundos num parque que estava marcado como visita obrigatória desde a grand tour de 06 pelos campings do litoral alentejano - o de s. miguel. finalmente!! 

 

tralha no carro e siga pa bingo!

 

dia 0. descemos o sudoeste alentejano sempre acompanhados de nevoeiro. ia ali a rezar que aquilo não se intrometesse muito nas nossas ricas férias. em lagos (onde fomos deixar a serigaita) não havia sinais de nuvens, era só mesmo junto à costa oeste. então tracei um plano de contingência caso o sacana atrapalhasse nos dias que se seguiam.

 

para abrir as hostes, jantarada no nosso favorito em odeceixe e depois ala pró parque montar o arraial. como o espaço não nos era totalmente desconhecido, não foi difícil decidir onde assentar. apanhamos um spot à larga (na medida do possível, lol) e em menos de 10 minutos távamos alojados.

 

ai mãe, as saudades que tinha da minha tendinha \m/

 

dia 1. dia perfeito de praia. apesar de estar bastante frequentada, espaço é coisa que nunca falta naquele areal maravilhoso. este ano andámos mais afastados mas multidões, para não stressarmos com o stress dos outros :D

 

dia 2. o nevoeiro atacou em força. como sabia que a sul não havia vestígios de nuvens, siga prás praias da vila do bispo. íamos todos lampeiros para o barranco das canas, mas quando lá chegámos, fomos surpreendidos por uma besaranha tal, que nem o resguardo conseguimos espetar na areia. a ingrina tava igual e no zavial não havia sítio para parar o carro.. devia estar a rebentar pelas costuras. thanks, but no thanks.

 

vai daí, decidimos ir até ao amado, comer um hamburguer à do "van damme" e apreciar as paisagens (if you know what i mean :D)

 

nessa noite fomos grandiosamente trollados pelas forças misteriosas do cosmos.

 

saímos do amado por volta das seis e meia. pelo caminho informei o marido que tinha os químicos do cérebro todos faralhados por causa da falta de sol e necessitava de açúcar (hey, há desculpas piores muhahah), então sugeri que fossemos lanchar à mabi da zambujeira. entretanto tive que parar no parque para o homem ir.. hum.. tratar de um assunto.

 

porqueomaridolevouquarentaecincominutosacagar por razões que não interessam, eram 8 da noite quando finalmente nos sentámos para lanchar. depois de umas voltinhas pela vila, o hóme lembrou-se de irmos até à azenha do mar morder o ambiente (ie, curtir o restaurante sempre apinhado onde a malta espera e desespera para conseguir mesa). 

 

chegámos lá, e ele pergunta (assim na desportiva) se era possível jantar.. é que havia mesas vagas na sala. REPITO. havia mesas vagas no restaurante da azenha do mar às nove da noite - em agosto! 

a resposta foi um caloroso "podem entrar". só havia um problema.. 

 

"epá, mas ainda não temos fome.." 

 

a cozinha fechava às dez da noite mas para estarmos ali de seca à espera de apetite, desistimos.. e BAM! com essa decisão queimámos a única oportunidade que tivemos de apanhar uma overdose de marisco naquele sítio. oh well..

 

dali e fomos nas calmas para odeceixe. às dez da noite o chaparro estava excepcionalmente atafulhado e com um maralhal de gente à espera de mesa - é que nem à meia-noite aquilo se despachava, tal não era! 

antes que ficássemos sem jantar, decidimos ir ver o que é que se comia no parque. acabamos a noite a rapar um tacho de arroz de tamboril, que não estava mau de todo :D

 

dia 3. o nevoeiro não arredou pé, mas como estava quente e abafado fomos à mesma para odeceixe. apanhei um escaldão à antiga, nesse dia. parecia uma lagosta cozida.. é que o sol não se vê, mas tá lá, a morder como se nada fosse. o cão! 

 

dia 4. ..e o filha da puta do nevoeiro continuava a não dar tréguas. peguei na'gente e meti-nos na meia praia, numa zona nem por isso populada. não estou a exagerar ao dizer que estava um calor infernal. o sol ardia em todo o seu esplendor e soprava um vento tão quente que era impossível estar na toalha de papo pró ar. passamos o dia todo à beira mar ou dentro de água - not bad!

 

saímos às seis, para ir almochar (ie, almoçar à hora do lanche) à croissanteria 29 e depois de ir checkar a gata fomos para cima. nessa noite fomos conhecer aquele que é o restaurante mais afamado de odeceixe. não esperamos muito, nem houve complicações no serviço, mas foi a primeira e última vez que lá fomos. caro e.. meh!

 

dia 5. e finalmente o paneleiro do nevoeiro deu folga YAY! e que dia do crl em odeceixe. daqueles que uma pessoa sai da praia ao anoitecer, com a lágrimazinha ao canto do olho, de TÃO BOM que foi :D

 

Untitled

 

dia 6. altura de arrumar a tralha e fazer check out do parque. odeceixe prometia, mas lagos era o destino do dia. pelo caminho, decidi abastecer-me de batata-doce no mercado de aljezur - mesmo na fonte muhahahah se forem tão boas como prometem, da próxima vez que ir praquelas bandas, trago uma arroba :D'

 

depois de uma breve passagem pela terrinha, a tarde foi passada novamente na meia praia, desta vez com a companhia das sobrinhas. como já tão mais crescidas, em vez de se entreterem a comer areia, dedicam-se a chapinhar na água e a apanhar conchas, assim é mais fácil tomar conta delas he he he 

e como o pai fazia anos no dia seguinte, antecipamos o banquete de aniversário e nessa noite tivemos finalmente a nossa patuscada de marisco!

 

dia 7. no último dia de férias ainda fomos molhar os pés, mas já estava mais desagradável, por causa da ventania. demos a coisa por encerrada depois de enfardarmos umas bifanas na BP de Isaias \m/

bom.. enchi a barriga de praia, passeamos, curtimos, descansámos, e matámos as saudades dos nossos sítios favoritos. o campismo foi uma excelente opção (vem aí um post especial sobre isso :D) e o triângulo odeceixe - s. teotónio - zambujeira continua a render grandes momentos!

 

ah.. e já não pareço uma lula morta YAY