Cabo Sardão

estávamos em frente à praia dos alteirinhos, naquele frio, mas fantástico final de tarde. o sol não ia demorar muito a desaparecer sob a imensidão do azul escurecido do oceano.

joguei a mão ao bolso das calças e puxei o telemóvel, para consultar a app da meteorologia. o sol põe-se daqui a meia-hora. "temos 20 minutos para chegar ao cabo sardão", disse ao homem.

queria ver o sol a por-se no cabo sardão, cenário das falésias mais imponentes daquela zona da costa alentejana. se o ocaso fosse tão bonito como o do dia anterior, na azenha do mar, i was in for a treat.

chegamos lá mesmo a tempo. estacionei o carro perto do farol e arranquei pelo passadiço de madeira, até à beirinha da falésia. a tarde estava cada vez mais fria, à medida que o sol se afundava cada vez mais no horizonte. as cores tórridas do entardecer faziam um contraste interessante com a temperatura gélida do ar.

na pressa de não querer perder o momento, nem esperei pelo homem, que estava a levar o seu tempo a equipar-se para enfrentar o frio. quando finalmente se juntou a mim, entregou-me a máquina fotográfica, e também as luvas e o gorro. quem tem um homem destes, tem tudo. quase perdia o pôr do sol porque decidiu ir vasculhar a bagagem de fim-de-semana, à procura dos agasalhos de inverno.

lá em cima, as aves marinhas deslizavam preguiçosamente pelo céu, imunes ao ar gélido. lá em baixo, as ondas despenhavam-se contra os rochedos, ecoando pelas paredes escarpadas. não fazia vento, apenas corria uma brisa leve, carregada do cheiro salgado da maresia.

adoro ver o pôr do sol no mar. aliás, adoro o pôr do sol seja onde for, mas junto ao mar tem um sabor diferente. há qualquer coisa de mágico em vê-lo desaparecer lentamente na água, como se fosse ferver o oceano...

cabo sardão cabo sardão cabo sardão farol cabo sardão

já vi o pôr do sol centenas de vezes. é um dos meus espectáculos da natureza favoritos. nunca é igual, nunca cansa. é sempre um momento especial, que gosto de apreciar em silêncio.