Campismo // parques

agora que já têm o material, está na hora de escolher o parque!

quando nos estreamos como campistas, não havia muita informação disponível na internet sobre parques. mas havia (e ainda há), um guia fantástico chamado roteiro campista, e que pode ser encontrado em qualquer lado (really.. lojas que vendam material de campismo, supermercados, livrarias, bombas de gasolina, e por aí fora).

felizmente, hoje em dia consegue-se saber tudo e mais alguma coisa online :D

em portugal existem mais de 200 parques de campismo, de norte a sul, este a oeste, e ilhas. é só escolher a zona do país que queremos visitar, e procurar pelos parques nas redondezas. existem parques para todos os gostos (inclusive naturistas), uns mais isolados, no meio da natureza, outros no meio das localidades. com mais ou menos infra-estruturas de apoio.

normalmente os parques permitem uma visita para conhecer as instalações, é só chegar à recepção e pedir. verificar o parque antes de assentar arraiais é sempre uma boa ideia, para evitar surpresas desagradáveis.

eis o que devemos inspeccionar, e os detalhes a ter em conta:

- aspecto geral: se o parque encontra-se bem tratado, sem lixo pelo chão, e as instalações e equipamentos disponíveis estão em boas condições, se tem manutenção frequente e adequada ao número de campistas, etc.

- tipo de chão da zona das tendas: terra batida pode ser desconfortável e difícil prender a tenda ao chão; areia pode ser problemático por causa do pó. chão em alcatrão é algo que não aconselho *de todo*.

- sombra decente: é muito importante que o parque seja bem arborizado. acreditem que a última coisa que vão querer na vossa vida é montar a tentar debaixo do sol escaldante..

- espaço para tendas: se existe muito espaço livre para plantar tendas, em zonas indiferenciadas, ou se são pequenos e o espaço está dividido por alvéolos, e as tendas ficam muito próximas umas das outras. 

- se existem fontes de ruído nas redondezas: isto é algo a ter seriamente em consideração, especialmente em parques pequenos, ou dentro das localidades. dormir dentro de uma tenda é o mesmo que dormir ao relento: ouve-se tudo.

- balneários e wc's: estado de conservação, limpeza geral e frequência com que são limpos, duches em condições, se existe água quente, e se a água quente é gratuita ou paga.

- infra-estruturas disponíveis: bar, restaurante, mercado, lavandaria, sala de convívio / jogos, posto de primeiros socorros, zonas para lavar loiças e roupa, etc.

- horários: das instalações (recepção, mercado, bar / restaurante, etc), hora de silêncio, hora de check-in / out.

alguns detalhes sobre o funcionamento dos parques:

geralmente encontram-se abertos o ano inteiro. tal como em hotelaria, também têm épocas (baixa / media / alta / muito alta) que influenciam o preço da estadia.

o preçário é um bocado complexo, pois cobram tudo em separado *: pessoas (adultos e crianças); tendas e toldos (preço por área ocupada); carro ou mota no interior do parque; electricidade; animais de estimação; acesso à piscina e outras actividades. atenção que alguns parques também cobram água quente, e visitas que venham passar o dia connosco. quando calculamos o preço da estadia, convém não deixar nenhuma parcela de fora para evitar surpresas. 

* excepção para os alvéolos (espaços demarcados), alguns parques incluem no preço 2 ou 4 pessoas, tenda, carro, e electricidade.

as melhores alturas para acampar são entre maio e junho, e depois em setembro. as temperaturas são amenas e não chove muito, os parques costumam estar vazios, e os preços são mais em conta. 

agosto é o mês mais caro para acampar, e não é raro darmos com o nariz numa placa a dizer que está com lotação esgotada. alguns parques aceitam reservas, e é uma forma de garantirmos um espacinho. contactar o parque antes de sairmos de casa para saber se há disponibilidade, pode poupar umas dores de cabeça.

nos parques existe uma regra sobre a distância mínima a que as tendas devem estar umas das outras, por razões de segurança. no pico da época alta é muito complicado respeitar.. mas devemos evitar sempre plantar as tendas muito próximas umas das outras. o equipamento de campismo é inflamável, e em caso de incêndio, arde muito rapidamente.

o horário de check-in e check-out varia de parque para parque. em muitos parques é possível entrar fora do horário de funcionamento da recepção. basta deixar um documento de identificação com o segurança, e fazer o check-in na manhã seguinte.

tão e campismo selvagem?

curto e grosso, é proibido fazer campismo selvagem em portugal. a única forma de fazê-lo de forma legal é se tivermos licença da câmara e autoridades, ou autorização do proprietário do terreno. fora dessas circunstâncias, se formos surpreendidos pelas autoridades, é uma questão de sorte. podemos escapar apenas com um aviso, como podemos ser obrigados a levantar o acampamento, e na pior das hipóteses, pagar uma coima.

para a malta que mesmo assim quiser arriscar, lembrem-se que não é uma forma muito segura de acampar. entre assaltos, vida selvagem, incêndios e whatnot, coisas podem correr mal... mas também pode ser uma experiência do caneco. sejam responsáveis, cuidado com as fogueiras (levem fogão portátil, se possível), e nada de deixar lixo espalhado ou destruir a natureza.

...next, sobreviver no campismo!

9 de Junho de 2017, às 10:00link do post comentar(1)