Cenas

em dezembro fui a uma consulta com um médico "novo", porque aquele que me seguia mudou-se para outras paragens. e das duas uma, ou ir ao médico com 37 anos não é o mesmo que ir com 30 e poucos, ou então calhou-me um médico mais hipocondríaco que eu..

foi a consulta de medicina geral mais longa que me lembro de ter, e perante as minhas queixas algo vagas, começa a passar um batalhão de exames: análises do costume, rx, ecografias várias, ecg, holter.. e uma endoscopia alta..

mal ouvi aquilo, até os pelinhos do cu se me eriçaram! lembrei-me imediatamente da experiência horrorosa que tive há uns anos, com esse exame.. não conseguia parar de tentar vomitar a sonda. foi tão violento que durou poucos minutos, foi enfiar o tubo e tirar, quase não serviu de nada ter passado por aquilo.. e cheira-me que podia ter sido perigoso. quando a provação terminou, o médico fitou-me com ar bastante sério e disse, "se voltar a repetir este exame, recomendo vivamente a pedir com anestesia." ai podes ter a certeza que não o repito esta merda acordada!! XP

e sem pensar, saltou-me da boca "endoscopia só faço com anestesia". e anestesia foi prescrita.

não sei como consegui fazer aquilo, mas consegui marcar os exames praticamente todos na mesma semana, em janeiro. foi uma semana em que todos os dias estive num hospital ou clínica. apenas a endoscopia ficou para a semana seguinte.

agora a parte gira (NOT!), nunca passei por uma anestesia geral, o máximo que levei foram anestesias locais. é seguro dizer que estava mil vezes (sem exagero) mais preocupada com a puta da anestesia, que com o exame em si. pesquisei o assunto pa crl, mas em lado algum encontrei que era preferível fazer sem anestesia. encontrei inclusive relatos que as pessoas tiveram que assinar um termo de responsabilidade para fazer aquilo acordadas. e que a anestesia usada neste tipo de exames não era nada do outro mundo.. não que aquilo me conseguisse acalmar os nervos.

já sabia que às custas disso, aquele dia ia ser completamente desperdiçado. estava marcada para o meio-dia e meio, mais as horas de recobro, e estava proibida de pegar no volante nas 24 horas seguintes, e tinha que ter alguém por perto. um transtorno do caraças, mas! fazer acordada não era opção. eu tenho gag reflex a escovar os dentes, for chrissake..

depois de uns minutos na sala de espera, fui chamada ao gabinete. roupinha out, batinha in, agora deita-te aqui confortável nesta caminha, e toma lá soro na veia. e o tempo ia passando. volta e meia passava alguém numa maca, mas a minha vez parecia nunca mais chegar, e eu sem telemóvel para me distrair.. e bem precisava, que a ansiedade estava a dar cabo de mim :P

por voltas das duas e meia aparece finalmente a anestesista conversar sobre o processo, e perante os meus receios, explicou-me que não iria receber anestesia geral, mas sim sedação profunda. e pouco depois, estava a ser levada para a sala do exame. encheram-me de ventosas, e fios ligados a uma maquineta, que revelou a minha taquicardia. a pulsação não descia abaixo dos 100BPM... para além daquele aparato todo, ainda tinha uma manga a tirar-me a pressão arterial a cada 5mn, e um tubo de oxigénio no nariz. alta cena.

às três e pouco aparece o médico, acompanhado por dois enfermeiros, e no mesmo momento, a anestesista junta-se a festa. todos à minha volta, a preparar-me para o exame. shit just got real.

nisto, a anestesista agarra-se ao cateter que tinha cravado na mão, e diz "é capaz de sentir um ardor". não senti absolutamente nada, e dois segundos depois perdi os sentidos. nunca imaginei que aquilo pegasse com tal rapidez. acordei 40mn depois, sem desconforto nenhum no estômago nem na garganta. era como se nada tivesse acontecido. sentia-me apenas zonza e muito sonolenta. deixaram-me dormitar mais uns minutos, e por volta das 4 da tarde trouxeram-me o "pequeno-almoço", não comia nada havia algumas 17 horas. entretanto o homem já estava lá fora à minha espera, a levar seca. 

quando finalmente consegui por-me de pé sem ver tudo à roda, vesti-me, apanhei o homem, e fui falar com o médico. disse-me que tinha sacado umas amostras para analisar, mas pareceu-lhe que tava tudo bem. fui para casa e aterrei no sofá o resto do dia. trouxe logo o relatório do exame, e vi que durou cerca de 15 minutos. deve ter sido um descanso para o médico, ter conseguido fazer o seu trabalho nas calmas, sem estar a lidar com uma pessoa ali, a contorcer-se toda em agonia. e sinceramente, aquele nervosismo todo não teve razão nenhuma de ser. correu tudo de forma impecável.

btw, kudos para todos os profissionais (médicos e enfermeiros) por quem passei, nos exames especiais da cuf descobertas. simpáticos, atenciosos, bem humorados, humanos e extremamente pacientes :D

ainda andei pelo menos uma semana em que não me sentia a 100%. não sei se foi da sedação, se do meu estimado sistema nervoso em overdrive durante tanto tempo. entretanto o relatório das biopsias (e a consulta de follow up na especialidade) confirma a observação do médico que fez o exame, tá tudo fixe, apenas uma gastrite crónica, que não precisa de grandes cuidados. nem sequer tenho aquela bactéria malina, o que até é de estranhar, dado às quantidades alarves de sushi que como lol

16 de Março de 2017, às 10:00link do post comentar(5)