Cenas

a minha capacidade para fazer conversa de circunstância é uma tragédia. podia dizer que está a piorar com a idade, mas a verdade é que já nem me esforço. é um daqueles detalhes da minha pessoa que já desisti de tentar dar a volta, mais vale aceitar que para certas coisas, simplesmente não funciono.

conheço os mecanismos do processo, mas se não tiver à-vontade com as pessoas, instala-se um desconforto que me baralha os circuitos todos, e a coisa descarrila com muita facilidade.

é um dos motivos que me faz evitar situações sociais. mas existem algumas situações que não dá para fugir, tipo quando vou ao cabeleireiro ou à esteticista. se fosse com frequência, o à-vontade era capaz de surgir naturalmente, e ao fim de algum tempo já conseguia entrar no ritmo da tagarelice. mas à cabeleireira, apesar de ser sempre a mesma pessoa que me corta o cabelo, a mim e ao homem, só lá ponho os pés uma vez por ano.. à esteticista vou mais vezes, mas calham-me sempre pessoas diferentes. elas até tentam puxar por mim, mas a coisa acaba sempre com silêncios constrangedores. desculpem lá, mas quando estou a ser torturada, a última coisa que tenho é humor para conversar.. admito que aquilo é um trabalho chato e a conversa distrai, e até faz parte.. mas para mim é muito complicado.

esta lengalenga toda porque hoje calhou-me uma esteticista espanhola, que parecia tão interessada em conversar quanto eu. podia ter feito um esforço para quebrar o gelo, assunto não faltava. ter-lhe-ia perguntado de onde vem, e há quanto tempo está cá, e se gosta do país, das pessoas, da comida, se pensa ficar muito tempo ou se é nómada e vai arranjando uns gigs pelo mundo fora..

podia, mas eu sou assim e não há nada a fazer ¯\_(ツ)_/¯

    5 de Maio de 2017, às 23:10link do post comentar