Lost in... Aldeias Históricas

aproveitamos o fim-de-semana esticado pelo 1 de maio para ir arejar as ideias. o destino foi o sul da beira interior, uma zona do país que ainda não conhecíamos.. e onde está a maior concentração de aldeias históricas.

depois de termos visitado piodão e linhares, duas das aldeias mais inacessíveis, estava na altura de adicionar mais uma quantas ao inventário. vai daí, dedicamos os três dias (tecnicamente dois, porque andamos cada vez mais preguiçosos para fazer render o tempo) a explorá-las nas calmas. a parte mais estranha destes três dias foi ficarmos antes dos túneis da gardunha. quando vamos para aquelas bandas, é sempre para ir para a serra da estrela, e desta vez só a vimos ao de longe. parecia uma cena pouco natural lol

acertamos em cheio na escolha do alojamento, uma casa de campo espectacular, tanto nas instalações, modernas e ainda a cheirar a novo, como na localização estratégica, perto de tudo que o planeávamos ver, perto da auto-estrada, e perto do fundão onde íamos encher o bandulho.

começamos as explorações no sábado à tarde, numa aldeia que ficava a menos de 4km do alojamento,

castelo novo foi o inicio perfeito. ali plantada na encosta abrigada da gardunha, com uma vista fantástica sobre a planície que iramos andar a bater no dia seguinte. estivemos lá ao entardecer. estava super calma, não se via vivalma nas ruas, mas pela quantidade de carros estacionados por aquelas ruelas estreitas, dava para perceber que estava com lotação esgotada.. não percebo porque é que deixam entrar carros nestas aldeias..
o que mais gostei aqui, foi termos subido até perto da fábrica do alardo, e ouvir a passarada no bosque ali ao lado. bliss...



idanha-a-velha foi provavelmente a que mais me decepcionou. até pode ter bastante património histórico, mas para passear, não é um sítio lá muito interessante.

monsanto foi a aldeia que mais gostei. para mim, superou piodão. a localização é incrível, na encosta soalheira de um cabeço que se ergue à bruta no meio da planície. a aldeia em si está bem preservada, e é realmente pitoresca. mas a jóia da coroa está a umas dezenas de metros acima, o castelo. chegar lá não é fácil, mas a estafa é totalmente recompensada.



as muralhas do castelo envolvem todo o topo, e tem uma vista 360º francamente obscena. concordamos ambos, que aquele foi o castelo mais fixe onde já metemos os pés até à data. also, o pôr-do-sol aqui deve ser do outro mundo.

sortelha também é muito interessante. pareceu-me ser a mais pequena e a menos habitada de todas as que já visitamos, parece quase um museu. aqui testemunhamos um episódio interessante, um gajo sem uma perna, de muletas, a correr a muralha como poucas gente com as duas lol 



castelo mendo foi a mais afastada. fica perto da fronteira com espanha (e graças a este facto, aproveitei para dar um pulinho até a fuentes de oñoro, para encher a pança do cascas, onde sucedeu um incidente com um besouro lol). do castelo não resta grande coisa, mas mais uma vez, constatamos que os nossos antepassados eram especialistas a escolher sítios muita porreiros para erguer condomínios privados. a vista, é qualquer coisa...



(a parte chata de ter ido abastecer a espanha, é que estávamos perigosamente perto de salamanca, e foi preciso um bocado de luta mental para não arrancar pela estrada fora, e ir até lá matar saudades he he he)

ainda estive vai-não-vai para ir até marialva e almeida, mas achei que era melhor deixar uma desculpa para ver as restantes, a norte da A25. por onde andámos, só falhou belmonte, não sei se terá tanto interesse (do ponto de vista pitoresco) como as outras. mas como fica a caminho de manteigas, um destes dias passamos por lá. não consegui perceber se fiz asneira em não checkar a serra da malcata. do que pesquisei, pareceu-me que é um bom sítio, mas para andar a pé, não de carro.

gostei muito de toda a paisagem envolvente dos sítios por onde passamos. e da luz! que luz maravilhosa tem tem toda aquela zona. e conduz-se muito bem por aquelas estradas. só tive pena do tempo me ter trocado as voltas, no domingo, quando estivemos a maior parte do tempo fora do carro, o dia estava ventoso e nublado. na segunda, que foi só quase conduzir, estava um dia de primavera do caraças.. PQP!

álbum completo no sítio do costume