Madeira // dia 6

para o sexto e último dia de passeio pela madeira, tava-me a preparar para ir fazer a levada do caldeirão verde.. mas a parte sul da ilha acordou muito mal disposta.. feia e molhada. se a sul estava assim, esquece lá a levada a norte..

acho que foi pirraça do universo… "tão quer dizer… andam praqui às voltas semana toda, a meter o bedelho em tudo quando é sitio e tão-se a preparar para se pirarem sem conhecer o funchal?? não perdem pela demora…" BAM! toma lá chuva na tola.

dêem-me um desconto, que eu não sou grande fã de cidades.. mas realmente, cidade era a única coisa adequada àquele tempo manhoso. começámos a volta no inicio da estrada monumental, passámos pela zona mais turística da cidade, o lido, e depois fomos para o centro. carro estacionado e siga o resto à pata. 

íamos a passar por uma rotunda improvisada por causa das obras na baixa do funchal, quando o homem levanta o braço e agarra numa pessoa que estava prestes a cruzar-se connosco..

..o nosso professor de matemática do primeiro ano de curso. WHOA!

bem qu'éu me andava a admirar de já andarmos por ali havia uma semana e ele ainda não tinha encontrado ninguém conhecido lol

e neste caso, de ambos! não víamos o homem há mais de 10 anos, sabíamos que ele era de lá, que o sotaque não enganava ninguém, mas daí a encontrá-lo casualmente na rua, durante as férias é que..

ficámos uns minutos à conversa. o costume.. trip down the memory lane, como é que a malta se estava a safar, o que é que andavam por ali a fazer, lamentar o tempo mau que nos tinha tramado os últimos dois dias, yada yada. muito fixe. só por aquele reencontro já valeu a pena o dia no funchal \m/

passeio retomado, quis ir andar no teleférico até ao monte, apesar de me ter assustado com o preço da viagem (ida e volta, 15€ por pessoa). mas vá.. oferece umas vistas do caraças sobre a cidade.

lá em cima, vimos o que havia para ver - sem pagar - .. é que 10€ (por pessoa) para entrar no jardim tropical, e alguns 14€ para teleférico do jardim botânico - 30€ se quiséssemos bilhete do jardim incluído - com *TANTO* mato para explorar naquela ilha? thanks but no thanks..

demos umas voltas lá por cima, vimos a estrangeirada a descer a estrada nos cestos, não andámos por que, a) confesso que achei uma forma de entretenimento um bocado lame e, b) é coisa para ficar em 25€ o casal, descer 2km estrada abaixo.. e depois ter de voltar a subi-los por causa do regresso ao teleférico..

descemos, andamos pela baixa, fizemos umas caches, comemos um prego no bolo do caco delicioso na tasca literária dona joana rabo-de-peixe (bem castiça, especialmente a decoração inteiror das portas dos wc's :D) e entre voltas e voltinhas pelas ruas, a tarde passou-se no instante.

 

tava na hora de ir à serra d’água para ir beber poncha, à taberna da poncha!

supostamente é onde se bebe a melhor poncha na madeira, se é verdade ou não, não sei, pode ser apenas mais um daqueles barretes que os roteiros tanto gostam de enfiar ao turista lol mas a tasca em si pareceu-me bastante genuína.

bom, a malta não é dada a estas coisas mas venha daí duas ponchas: uma tradicional e outra de maracujá!

poncha


sacanas das ponchas pá, roçam o intragável de tão fortes que são!! a de maracujá ainda escapava, agora a tradicional.. fosga-se! agressiva que fazia arder tudo à sua passagem.. só consegui dar um golito e fechei logo a loja. fico-me pelas brisas, essas sim, escorregam que é uma maravilha :D


...e como não podíamos deixar a ilha sem comer peixe espada preto, foi precisamente essa a última refeição que fizemos na madeira: peixe espada grelhado no espada preta, em câmara de lobos.