Mallorca // Cala Ratjada - Deià

se o dia anterior tinha sido ambicioso, este ia ser monstruoso..

acordámos numa ponta da ilha, e iríamos dormir quase no extremo oposto. foram quase 200km de estrada no terceiro dia de road trip.

pelo caminho tinha intenções de afogar o coiro em três praias. só que o vento decidiu dar o seu ar de graça, e o mar não estava grande coisa para ir a banhos. no fundo, foi a nossa sorte.. se não, não tínhamos chegado a deìa naquele dia. 

começamos por ir descobrir a cala agulla, ali nas costas de cala ratjada. é uma praia enorme, rodeada por uma mata de pinheiros, e abraçada por um cenário natural poderoso. fiquei cheia de pena por não a ter apanhado com o mar espelhado, deve ser ainda mais bonita.

cala agulla

cala mitjana está praticamente selvagem. paisagem quase intocada, não tem apoios, e chegar até lá é um desafio, principalmente para carrecos de cidade.. ia com o coração nas mãos, a benzer-me para que o fiesta sobrevivesse àquela provação sem grandes mazelas. depois de 1,3 excruciantes km's numa torrente de calhaus, eis que finalmente chegamos à praia. também ali o mar não estava para brincadeiras.. ainda assim, andava um grupo de idiotas corajosos a fazer placagens contra as ondas. não achamos esta cala nada de especial, gostei mais da paisagem até chegar lá.

dali seguia-se uma hora de estrada até à praia del muro. é uma zona muito bonita, mas está muito massacrada pelo turismo de massas. é a punta cana lá do sítio, cheia de resorts junto ao areal. 

como fica numa baía gigantesca, é mais abrigada e não estava tanta ondulação tanto como em agulla. claro que aproveitamos logo para ir tirar a barriga de misérias de água salgada morna.

playa del muroplaya del muro

e mais uma vez, foi um drama para sair lá de dentro. mas ainda tínhamos muito para ver e percorrer naquele dia.

a estrada de acesso ao cap formentor, a ponta mais a este de maiorca, não é aconselhável a pessoas com o coração fraco. para além de ser uma sucessão de curvas apertadas com pouca visibilidade, é estreita e uma boa parte da sua extensão é cavada na falésia, com o oceano a dizer "olá" a um braço de distância.. é também uma das estradas junto ao mar mais cénicas onde já conduzi, só que ia com os olhos de tal modo colados ao asfalto, que mal consegui apreciar o cenário.

os tomates que foram precisos para construir aquela estrada, fónix...

quando finalmente chegamos ao farol de formentor, havia fila. a fila era resultado de mais um exemplo de boa organização lá do sítio, para lidar com as hordas de turistas. porque o parque de estacionamento do farol é pequeno, havia uma pessoa a controlar a entrada. só entravam carros quando outros saíssem, e assim evitava-se o caos no pequeno estacionamento (que diga-se de passagem, podia ser perigoso). a parte fixe desta paragem forçada numa colina com uma certa inclinação, é que me levou a descobrir uma feature do fiesta que me agradou bastante: ponto de embraiagem assistido, meaning, quando largava a embraiagem, tinha uns segundos para acelerar, sem ter o stress de deixar o carro descair. vou mandar instalar isto no cascas :D

cap formentor

diz que o farol está situado a uma altura de 200 metros, a vista é impressionante. o tempo enevoado é que estragava um bocado a paisagem, o ambiente estava escuro e cinzentão.

de regresso passamos por duas calas que devíamos ter parado para visitar, cala figuera e cala formentor. mas já se estava a fazer tarde e ainda tinha pollença para ir descobrir, não queria perder mais tempo, até porque o mar agitado tira alguma piada à coisa.

podia ter parado no miradouro de es colomer, mas como estava apinhado, tinha que esperar que alguém saísse para eu estacionar. e não me apeteceu a esperar. não ajudou a tarde não estar nada de especial para vistas panorâmicas desafogadas. mas ficou marcado para regressar.

siga para pollença. pollença é uma cidade com uma dimensão considerável mas tem um centro histórico castiço, que vale a pena visitar. aproveitamos para tapear e depois fomos fazer aquilo que as pessoas vão lá fazer: subir os 365 degraus até el calvari, desfrutar da vista soberba sobre os arredores.

subida até el calvaridescida até pollença
de facto, o nome assenta muito bem.. é um calvário chegar até lá acima..

eis o que encontrei quando venci o último dos degraus,

chillin

descer foi mais fácil. todos os santos ajudam, já diziam os antigos :D

e agora.. uma hora sempre a direito por auto-estrada, ou uma e meia de curvas pela serra adentro? vou pela serra, sa'foda!

ainda bem que tomei esta decisão, se não mais tarde iria arrepender-me amargamente. a estrada que atravessa a serra tramuntana é uma das estradas de montanha mais deliciosas por onde já tive o prazer conduzir. não só está em excelentes condições, como é de facto muito agradável conduzir por lá, mesmo levando quase o dobro do tempo.

fizemos algumas paragens para apreciar a paisagem, que com a iluminação ténue do entardecer a reflectir naqueles maciços de calcário, criava assim uma atmosfera surreal.

serra tramuntanaserra tramuntana

chegamos a deìa ao anoitecer e fomos directos ao alojamento.

funny thing.. quando estivemos a marcar os alojamentos, à excepção do hotel da primeira noite que tinha realmente muito bom aspecto, não tínhamos fé nenhuma nos sítios que escolhemos para dormir. as opções não eram muitas, pois o nosso filtro na pesquisa do booking era agressivo: com pontuação acima de 8 e abaixo de 100€.. com tão poucos dias de antecedência não se esperavam milagres, mas tavamos naquela, "é só para dormir, por isso sa'foda!"

então, a caminho dos alojamentos, a conversa era sempre a mesma "será este o elo mais fraco dos alojamentos?", na expectativa de chegar lá e dar de caras com uma espelunca. falhou na segunda noite.. e falhou na terceira noite.. será que o barrete ia finalmente suceder na quarta noite?

a meio da estrada que atravessa deìa, o gps manda-me prá esquerda, por uma estrada íngreme, mal iluminada, e apertada que custava a passar um carro. "que raio de sitio para se abrir um hotel", barafustava eu, feita toupeira míope a tentar ver onde enfiava o carro. já transpirava por todos os lados..

eis que finalmente a estrada termina num pequeno parque de estacionamento. thank gawd, não queria mesmo deixar o carro a atravancar a passagem como encontrei tantos pelo caminho..

a dona antónia recebeu-nos com simpatia, mas notei ali alguma desconfiança.. parecia que lhes estávamos a invadir a propriedade, ou assim. ficou intrigada da vida dela pelos nossos cartões de cidadão não terem data de emissão. será que recebe poucos tugas ali? já tava a ver que nos recusava a estadia. anyway, formalidades tratadas, levou-nos ao nosso quarto, no segundo andar da rústica mansão, típica daquela zona, com uma decoração genuinamente kitsch. tinha todo o ar de quinta da família convertida a alojamento. e eu a pensar cá para mim, "é hoje! é hoje! ainda por cima não tem wc no quarto".

quando a dona antónia nos apresentou aos nossos aposentos para aquela noite, ia-me dando uma coisa má.. até dei gemido involuntário.. a janela estava aberta, e fomos brindados uma vista inacreditável, que açambarcava a colina onde a aldeia se erguia, e estendia-se até mar. PQP, que vista.. perdão pelo palavrão, mas não encontro melhor adjectivo.. do caralho. não conseguia fechar a boca. nem afastar-me da janela.

quarto era muito fixe. pequeno, mas confortável. nop, definitivamente este quarto não era o elo mais fraco, apesar de não ter wc. no entanto, tinha um lavatório com algumas amenities, e mesmo em frente à porta tinha um cubículo com uma sanita, e ao fundo do corredor, um wc com lavatório, bidé e uma banheira minúscula com duche.

instalados, bora lá ver se alguém ainda nos dá de comer. descemos a colina até à estrada principal, e checkamos os restaurantes, fomos a todos. como eram praticamente onze da noite, já nenhum estava a servir.. queres ver que vamos prá cama de barriga vazia?

até que fomos salvos pelo sa fonda.

não.. não tou a gozar (e ter usado a expressão várias vezes no post não é mera coincidência muhahaha). este bar, provavelmente dos poucos em deìa, com aspecto de tasco onde a noite morre, decoração tacanha, mas descontraído, cheio de pessoas às gargalhadas, música fixe, e copos a partir (quando estava para subir para o terraço que dá acesso ao bar, alguém deixou cair um copo na rua e ainda senti os vidros a bater-me nas calças). mas o que eu gostei mais foi mesmo do nome. totalmente apropriado ao ambiente da casa.

o bacano do bar preparou-nos umas tostadas, de queijo, presunto e atum, com azeitonas e pimentos, que estavam à maneira. mais tarde, vim a descobrir que aquele tasco com aspecto duvidoso costuma ser frequentado por celebridades musicais. naice!

nessa noite dormimos com a janela escancarada, nada de mosquitos, apenas o som das gargalhadas, dos copos e da música que emanava sa fonda. foi dos melhores quartos onde ficamos alojados na ilha.

foi naquela madrugada que o karma finalmente se manifestou. tava tudo a correr demasiado bem para o meu gosto. aquela moinha que me começou ao fim da tarde num dente desvitalizado, amadureceu numa dor de dentes intensa, que me fez acordar a meio da noite. nada que um brufen não resolvesse rapidamente.

to be continued...