Mallorca // Deià - PMI

acordar com esta paisagem a entrar-nos pelo quarto a dentro é indescritível...

deìa

uma pessoa até fica emocionada :')

o pequeno-almoço não era buffet e a dona antónia serviu-nos um banquete digno da realeza. tivemos que implorar-lhe para deixar de trazer comida, que nem a mesa, nem os nossos estômagos tinham espaço para mais. várias qualidades de pão, bolos, doces, enchidos, queijo, tortilha, fruta, café, leite, sumos.. estávamos sentados perto da janela, e a vista que tínhamos sobre deìa era quase tão obscena como a do quarto, dois andares acima.

depois do pequeno-almoço estivemos um bocadito à conversa com a senhora, que apesar de ter aquele ar desconfiado, era simpática e bem humorada. desbobinou bastante sobre as dores do turismo na ilha. isto porque ficamos impressionados como a forma como ela lidou com um casal de franceses finórios, que ficaram ultrajados por não haver croissants para o pequeno-almoço. o drama, a tragédia, o horror, ui..

não são poucas as vilas rústicas, de casas de pedra dourada, empilhadas majestosamente pelas encostas da serra tramuntana. cada uma mais bonita que a anterior.. mas deìa leva a taça.

deìadeìa

é destino de malta endinheirada, nota-se logo a diferença. é tudo muito boho-chic e cheio de charme, tudo impecavelmente arranjado, florido e bem-disposto. desde as ruas, às pessoas que por ali andavam.

umas centenas de metros colina abaixo está a cala deìa, outro daqueles recantos mágicos. apesar de não ter um grão de areia, a malta acomoda-se por cima das rochas e deixa estar por ali.

cala deìa cala deìacala deìa

aqui demos numa de nerds profissionais. fomos ao c'as patro march, um barraco tosco plantado à beirinha da água, que não só faz derreter o coração de tão amoroso que é, como serviu de cenário para uma das cenas do the night manager, aquela da jantarada, onde o loki apanhou um camaçal de porrada para conseguir infiltrar-se no gang do dr house (no dia anterior tentámos passar pela mansão, mas os acessos até lá estão interditos pelos militares... bah)

cala deìa

eis a lista de locais que falhamos neste dia, só porque eu quis fazer praia em vez de passar o dia a conduzir: sa calobra (o homem não me perdoa esta lol), fornalutx, soller, estellencs, andratx, e magaluf (já que era para conhecer, era para conhecer tudo!). basicamente era acabar de circular a ilha, mas passamos por valldemossa e fomos a direitos para ses covetes, onde começa (ou acaba) es trenc. não fiquei muito melindrada com esta decisão.. afinal precisamos de deixar razões para voltar, né? :D

mais a mais, quem é que consegue resistir a isto?

praia es trec

por volta das seis da tarde, depois de termos percorrido a praia de uma ponta à outra, de mamar meio abacaxi que me soube pela vida, e de enchermos o bandulho de água salgada, iniciamos lentamente a retirada.

estávamos cobertos de areia e salitre, e não ia ser fixe passar a noite e apanhar o avião assim.. até porque com o calor e humidade, não tardaríamos a ficar impróprios para consumo he he he

ora deixa cá ver onde é que se consegue tomar banho por aqui.. umas pesquisas superficiais sobre onde tomar um duche quente nas redondezas do aeroporto não se revelaram bem sucedidas, por isso tivemos que improvisar. tão a ver aqueles duches à entrada (ou saída) das praias? foi nesses mesmo, em can pastilla. granda banhoca, ao final de tarde, em plena avenida, frente à playa de palma \m/

banho tomado, roupa fresca vestida, e bagagem arrumada, estava na hora de ir atestar e devolver o fiesta à centauro. agora sem ride, metemos as mochilas às costas e aproveitamos a boleia do shuttle de volta para o aeroporto, onde iríamos apanhar um autocarro para palma

porque gastamos uma pipa de massa em mistelas para o sol, e eu não estava a achar piada à ideia de deitar aquilo tudo fora praticamente cheio, tinha como missão encontrar um posto dos correos aberto àquela hora, para enviar aquilo para portugal. e encontrei, no el corte inglés. 

tiramos a senha, e enquanto aguardávamos pela nossa vez, o homem inteirou-se do preçário. custava alguns 30€ mandar a encomenda, tarifa fixa FFFUUUUUU.. sendo que tínhamos cerca de 50€ em produtos, era uma decisão tramada.. o homem sugeriu que por aquele preço, às tantas mais valia pagar bagagem extra no avião..

...e eis que eu me lembro que vamos voltar num charter, a bagagem de porão está incluída.. FUCK YEAH!! cagamos prós correios, e fomos ver onde se petiscava em palma. calhamos num tasco de tapas muito, muito fixe.

não nos demoramos muito mais por palma pois estávamos cansados, as mochilas pesavam nas costas, e a minha cara estava cada vez mais inchada por causa do cabrão do dente. além disso, não estava a achar o centro nada de especial. então, por volta das onze da noite, recolhemos ao aeroporto.

aeroporto de palma de maiorca

(yet another) funny story.. quando estivemos a fazer as marcações, não encontramos nada no booking para a última noite, estava tudo esgotado dentro dos nossos parâmetros. no airbnb também não havia grande coisa, e levamos nega no único que tinha aspecto. e eu disse ao homem, "cum cacete, não vou pagar mais de 100€ para dormir 4 ou 5 horas.. o check-in começa às 5h45, arroxamos no aeroporto e tá a andar de mota". o homem aceitou a sugestão, meio incrédulo e a duvidar que eu fosse achar piada a coisa.. só que achei.. e muita!

admito.. estava excitadíssima por passar a noite no aeroporto (com todo o respeito às as pessoas que ficaram presas em aeroportos por razões), é uma experiência pela qual nunca tinha passado, e que acabou por ser bastante educativa. 

estava mais calor na rua do que no edifício, mas como havia sempre carros e autocarros a passar e a descarregar pessoas, era um bocado caótico (aquele aeroporto não fecha, e há gente a (des)embarcar pela noite dentro, que colosso). então fomos lá para dentro. estiquei a toalha de praia no chão, usei a mochila como almofada, botei os tampões nos ouvidos e cá vai disto. não éramos os únicos, e topei formas muito criativas de fazer uma cama improvisada. desde os bancos almofadados do costa coffee, àquele casal que tinha cada um, um colchão insuflável. que rica ideia.

mais giro foi quando eles se foram embora, e deixaram lá os colchões encostados a um canto. o homem acordou-me da minha cama improvisada do chão e perguntou-me se estava interessada em fazer um upgrade. e foi deitadinha neles passei as últimas duas horas. maravilha. o homem não dormiu, passou a noite toda a trocar mensagens pelo whatsapp, com a mãe e a sogra (a gozar comigo, pois claro). 

e sim, conseguimos enviar a mochila minúscula cheia de frascos de cenas para o porão. botamos aquilo tudo dentro dum saco de plástico, não fossem os malões com 20kg de bagagem esmagar a nossa pobre mochila, e aquilo começar a babar creme por todos os lados. era um risco, mas antes isso que largar 30€ (lol cheap bastards).

e porque o homem não dormiu, e eu passei pelas brasas no chão do aeroporto, no domingo andámos o dia todo com a sensação estranha de estar a viver um dia suuuuuper longo.

maiorca soube a pouco, preciso de outra dose para conseguir tirá-la do sistema : /

that's all folks!

álbum completo no sítio do costume