Mallorca // Lisboa - S'Arenal

levamos a manhã de terça na maior das calmas. na noite anterior tratámos logo de deixar tudo preparado para a viagem, que é como quem diz, enfiamos umas cenas para dentro das mochilas a rezar pelo melhor.

o embarque do voo começava às três da tarde. o plano era ir para o aeroporto com pelo menos uma hora de antecedência, para não acontecer aquelas correrias loucas do costume.

como ainda tínhamos algumas tarefas na checklist para aquela manhã, saltamos da cama pouco antes as nove. na agenda estava ir dar banho ao cascas, e logo de seguida, levá-lo à inspecção.. tadinho, desde o ano passado que já é obrigado a ir todos os anos, chuif.. carta verde, siga tomar o pequeno almoço. por fim, dar uma arrumadela à casa.

à uma e um quarto, com banho tomado e tudo pronto, o homem lembra-se que quer ir ao el corte inglés buscar uns calções que tinha visto no sábado passado, quando andamos a caça de roupa para o baptizado do sobrinho. eu, que às vezes acho que ainda sou mais maluca do que ele, achei que era na boa.

tão lá foi a isa a jardar - com todos os cuidados do mundo para evitar que algum acidente que mandasse as férias em maiorca prás urtigas, até ao centro da cidade. larguei-o a porta do ECI, e fiquei à espera dele, em modo de getaway driver. ele tinha 10mn cronometrados para comprar os calções.. aos 8mn comecei a ficar nervosa e a disparar mensagens. apareceu pouco depois, e lá voltei eu, agarrada ao volante tipo falcão, enquanto o pendura se esgueirava para dentro dos calções novos.

chegámos a casa às duas, mesmo em cima da hora limite de ir para o aeroporto. foi pegar nas mochilas, descer e mandar vir o uber. os cabrões dos ubers tavam meio baralhados, já tava a ver que tinha que chamar um táxi.. ainda bem que não foi preciso tomar medidas tão drásticas :D

por sorte, o controlo de segurança não tinha engarrafamentos caóticos, como temia. mas ainda não podia respirar de alivio... tava com um certo stress com atrasos, pois o voo de ida para maiorca fazia escala em madrid, e tínhamos apenas uma hora entre voos. chama-se a isto viver na ponta da navalha!

aproveitamos a espera para comprar uma bucha, eram quase três da tarde e ainda não tínhamos almoçado. bagel de salmão fumado com queijo filadélfia, nice!

surpreendentemente o voo número um do dia saiu a horas, num embraer da air europa que não inspirava grande confiança.. you get what you pay for, i guess lol. como de costume, a viagem até à capital espanhola foi super rápida. nem deu tempo a sacarmos do almoço.

mal o avião estacionou, tratei de testar a história do roaming. o apoio ao cliente garantiu-nos que não haviam custos adicionais. we'll see about that.. airplane mode off, activar roaming de dados e puf.. magia!!!

aproveitamos a pausa para comer, e nem deu tempo a encontrar uma casa de banho para dar uma mijinha, pois a fila para a porta de embarque para o voo número dois do dia começou a formar-se cedo. e em menos de nada estávamos novamente no ar, desta vez num boeing foleiroso, todo badalhoco.. man :P

a viagem para palma foi igualmente rápida, mal dei por ela. o avião voou preguiçosamente por cima de maiorca, como se estivesse a fazer um teaser daquilo que nos esperava nos próximos dias. pena a neblina no ar, que reflectia a ténue iluminação da tarde e ofuscava a paisagem.

à saída do aeroporto fui recebida com um poderoso bafo quente e húmido, que me trouxe punta cana à memória. o meu cabelo ia adorar aquele clima... NOT!!

agora era encontrar o transfer da centauro, no meio daquele oceano de autocarros e minibus que iam processando as centenas de pessoas que aterravam a cada cinco minutos da ilha. os moços têm a cena muito bem organizada.. impressive, most impressive.

encontrar o nosso transfer ainda demorou, porque não estava na zona que vinha indicada no email da reserva. mas lá o topamos e em menos de nada, estávamos num parque automóvel massivo ao lado do aeroporto, onde estão todas as rent-a-car menos xpto. o pequeno escritório da centauro estava apinhado, mas como escolhemos o pacote premium (ie, não tenho que largar mil euros de caução, e andar a conduzir com o coração nas mãos, com medo de riscar ou amassar o carro e ficar sem o guito), tínhamos uma fila exclusiva e fomos atendidos por um funcionário muito cordial. tudo tratado, siga pro carro. não era aquele que esperávamos (como contei no post de introdução), mas como cheirava a upgrade, não nos armamos em esquisitos.

o hotel ficava muito próximo dali, em s'arenal (aka, a zona dos alemães bêbados). decidimos que a primeira pernoita da viagem seria perto do aeroporto, porque atrasos e cenas podiam acontecer, e como pessoas idosas que estamos a ficar, achamos melhor jogar pelo seguro.

demorei mais tempo a encontrar estacionamento que a chegar lá... e ficamos logo com má impressão do sítio.. parecia um guetto. vá la que íamos passar pouquíssimo tempo ali :P

o hotel parecia estar em modo soft opening, ainda cheirava a obras, e tinha alguns acabamentos em falta e zonas a precisar de mobiliário. dava a sensação de ter sido um prédio de apartamentos convertido para hotel, mas no geral tinha muito bom aspecto. recebemos cada um uma pulseira que fazia as vezes de cartão de acesso ao quarto (genial, devo notar, especialmente para quem vai para lá com intenções de andar permanentemente bêbado), e fomos conhecer os nossos aposentos.

o quarto era espaçoso, a cama (roupa incluída) era super confortável, e tinha um terraço enorme. o wc, era pequeno, mas maneirinho. o único defeito que lhe encontrei, foi o a/c, que era algo ruidoso.

next, ir à procura de jantar. tripadvisor to the rescue.. ondé que se come tapas por aqui, crl??

atacamos logo o primeiro da lista, que ficava a meia dúzia de metros do hotel. um tasco barulhento, com uma decoração tacanha, a rebentar pelas costuras, e com fila à porta. só podíamos estar no sítio certo!

afinfamos umas tapas valentes. já devo ter dito por aqui mais do que uma vez que sou fã deste formato. pouca quantidade e em grande variedade (if it rhymes, it must be true muhahahha). mas.. escolher meia duzia de petiscos numa lista com 60 opções é um pesadelo :/

depois fomos dar uma volta pela à marginal, morder o ambiente do sítio. a noite estava quente, só se via juventude pelas ruas, alguns num estado de bezana já muito avançado, com confusão a condizer. bares, muitos bares, e as mercearias abertas até às tantas a vender álcool e snacks. por volta da uma, ainda desfasados da hora local, arrochamos na cama para só acordar no dia seguinte.

apesar da quantidade de coisas que podiam a ter corrido horrivelmente mal neste dia, não falhou nadinha... e eu fiquei à espera que o karma nos cobrasse o serviço.

to be continued...