Nas alturas

tão a ver aquelas situações que achamos que vão ser épicas, mas que acabam por ser tão épicas que ficamos com dificuldades em gerir a dimensão da coisa? assim estou eu, nas últimas 24 horas.

passei o fim-de-semana nas alturas, literal e virtualmente. aliás, acho que ainda lá estou, porque ainda não me consegui habituar à ideia que tive que descer. 

tudo começou com a ideia peregrina que um amigo teve, de fazer a festa de aniversário numa penthouse em tróia. a mim bastou-me ler "tróia" no chat do whatsapp para concordar logo. quando vi as fotos da casa sugerida, fiz uma pinguinha, aquilo tinha que acontecer!

é muito raro conseguirmos combinar algo tão em cima da hora, existem sempre incompatibilidades de agenda, e ainda por cima tão longe. mas como não ia haver outra oportunidade daquelas tão cedo, ia quem conseguisse. os planos foram ganhando forma durante a semana, e no sábado às quatro da tarde subimos até ao 16º andar, carregados de comida, bebida, gelo, e boa disposição.

o apartamento em si era minúsculo, mas a área de terraço - a parte que interessava para a festança, era duas vezes e meia maior. e a vista lá de cima era... indescritível. deixamos cair o queixo, esfregamos os olhos, ajustamos as retinas, repetimos vezes sem conta se aquilo era real, porque não parecia real. 













o resto da malta foi chegando ao longo da tarde, a patuscada foi-se preparando nas calmas, e ao por do sol demos inicio às hostilidades. a festança acabou por volta das duas da manhã, pois havia quem ainda tivesse que regressar à base nessa noite.

seriam quase três da manhã quando eu e o homem atacamos o jacuzzi. a noite estava fresca, mas os 35ºC da água estavam perfeitos. desligamos as luzes todas, até as do jacuzzi, e saltamos lá para dentro. e aqui lamento, mas não é possível descrever a sensação de estar uma hora de molho em água efervescente quentinha, num 16º andar, a céu aberto, iluminados apenas pela luz prateada da lua cheia, que pairava sobre as nossas cabeças...

e ficou ainda melhor quando desligamos também as bolhinhas... não é mesmo possivel...

e sair de lá? "isto não volta a acontecer tão cedo, pois não?" repetia eu, em modo disco riscado, enquanto ganhava coragem para deixar o caldinho. por mim tinha ficado lá dentro até ao nascer do sol, mas às tantas teve mesmo que ser, a pele já não estava a achar muita piada.

nessa noite nem sequer queria dormir.. dormir, essa monumental perda de tempo.. queria ficar acordada, para aproveitar cada segundo daquela penthouse obscena. o sono venceu-me por volta das 5 da manhã, mas às 7 estava a despertar, de propósito para ver o nascer do sol da janela do quarto, para adormecer pouco depois e voltar a acordar às 9. essa manhã dividiu-se entre o pequeno-almoço, o jacuzzi, e as espreguiçadeiras do terraço. 







entretanto chegou a hora de arrumarmos a tralha, e de nos despedirmos daquele que foi o mais perfeito dos cenários de fim-de-semana de sempre.. mas podia ser pior, o dia esta impecável e a praia estava lá em baixo a chamar por nós. teria sido criminoso desperdiçar aquele que provavelmente seria o último dia de praia do ano.

desconfio é que o design hotel ficou arruinado para mim.. nunca mais vou conseguir lá estar sem dizer, "fogo, isto comparado com a penthouse não é nada". meh! vá lá que têm o spa e os quartos a favor deles hi hi hi

20 de Setembro de 2016, às 00:41link do post comentar(2)