Navegadores de fim-de-semana

tão no domingo passado quis saber se ainda me aguentava de pé em cima duma prancha e como já tinha topado que em tróia havia disso, foi novamente o nosso destino de praia.

assentámos arraiais ao pé do tasco e ala que se faz tarde. o dia tava bom, não havia muito vento e ondulação nem vê-la. fixe!
a novidade foi pranchas rígidas ao invés de insufláveis como as do centro de lagos (e nem sequer nos apercebemos desse pormenor, só descobrimos mais tarde ao googlá-las). não gostei tanto, apesar de parecem ser mais fáceis de manobrar, não achei que tivessem tanta estabilidade..
o homem também ficou com a mesma opinião. boas noticias para nós, pois sa'gente se meter naquilo terão que ser insufláveis, por questões de logística.. não tou para andar a passear dois barrotes gigantescos amarrados ao tejadilho do cascas por esse país fora.

tão lá fomos os dois mar a dentro, ora em pé ora sentados, rumo a uma "ilha" que se avista da praia, bastante populada por sinal.
ainda demorámos um bocado a lá chegar.. a modos que está mais afastada do que parece. havia um ou outro caramelo a fazer razias para provocar ondas e mandar a malta ao mar, mas tiveram azar muhahaha ainda não foi desta :D


a tal ilha é um banco de areia enorme* onde até plantas crescem, com uma vista brutal para a serra da arrábida. é a bem dizer, uma praia exclusiva para quem tem transporte marítimo, num dos lados forma uma espécie de marina natural onde o pessoal aporta os barcos e as motas de água e abanca lá o dia todo. 

não deu para ficar lá muito tempo, que só tínhamos as pranchas por uma hora.. uma pena, por mim passava lá o resto da tarde.
also, desta vez não me apeteceu ir com o telemóvel atrás e depois arrependi-me, bah..


o regresso foi todo em pé. apesar da corrente estar um bocado mais forte, nem por isso fiquei muito cansada (o truque da alavanca do havaiano funciona w00t). 

já o homem saiu da água a lamentar-se. o gajo que nos alugou o equipamento comentou que não era de admirar, que aquilo é tipo "ginásio em cima de água". e é capaz de ter razão, à primeira vista pode não parecer mas não há musculo no corpo que não se apresente ao serviço naquela combinação de remar enquanto se tenta manter o equilíbrio. tou rendida!

* a foto tem dois anos mas não me parece que esteja muito diferente do que vimos