Spring break

por acaso até tinha planos para estas férias. queria ir largar os bofes ali prós os lados da costa vicentina, tal como fizemos no ano passado pelo gerês. acontece que este tempo asqueroso que teima em não despegar, nem mesmo com a chegada da primavera, obrigou-me a alterar os planos.. com muita pena minha, mas nem pensar em meter-nos a caminhar pelas falésias com tanto vento e chuva.. 

 

agora vem a parte irónica da coisa. o destino, fosse qual fosse, tinha forçosamente que respeitar uma condição: 

 

ter água!

 

muita água. andava há um bom par de meses para experimentar um vidro fosco que tinha ali guardado e já me tava a passar com a falta de oportunidades para isso suceder. então desse pronde desse, nestas férias eu ia fotografar água. e foi assim que fomos parar à serra da estrela.

 

cântaros

 

tão breve regresso não estava na ementa, que ainda em novembro passado demos lá um saltinho. mas de facto, a serra reunia todas as condições e mais algumas para uns diazinhos à maneira. dava para passear, fotografar, descansar, encher o bandulho com comidinha regional (tipo joelho de porco com arroz de feijão), e até ir dar umas cambalhotas na neve :D

 

not bad!

 

deixámos passar a agitação do fim-de-semana de páscoa e depois metemo-nos a caminho. podiam ter sido umas férias ainda mais tranquilas se não tivéssemos tido um daqueles vaipes, tipo... levar a gata connosco?

 

pois.. 

 

o pessoal do hotel abriu-nos uma excepção, era apenas uma questão de termos cuidado para ela não destruir nada. como era a primeira vez que a bixa ia sair de casa, havia algum receio sobre a forma como iria comportar-se, ainda por cima, ia ter que andar connosco para todo o lado. 

 

para começar, recusou completamente a transportadora. mau maria.. torcia-se toda, esgravatava e mordia o que conseguia, com uma aflição parecia que a estavam a torturar. o hóme acabou por desistir de tê-la lá fechada e sentou-se no banco de trás com ela aninhada ao lado. a viagem correu extremamente bem, sem stresses nem vocalizações. mind blown.. 

 

(à pala disso andei quatro dias com casacos à pendura em vez do hóme lol)

 

a primeira coisa que fizemos mal metemos os pés no quarto, foi scannar a área em busca de potenciais catástrofes. a cadeira com estofo em napa e o candeeiro foram logo para dentro do roupeiro, os copos de vidro guardados numa gaveta e aqueles cortinados, zomg.. o sonho húmido das garras dela..

 

a primeira noite foi tramada, por causa da agitação de sua felineza. a cabrona *teve* que explorar cada milímetro do quarto *várias vezes* e meter o focinho em TUDO antes de acalmar.. na manhã seguinte :D

 

na segunda noite ainda mandou uns miados às cinco da manhã e fez um barulho desgraçado a tentar subir para cima do móvel da tv, mas as duas noites seguintes já nos deixou dormir sem percalços. uma fofa!

 

um dos dias, quando regressámos ao quarto depois do almoço, entrei em pânico ao reparar que tinham feito a limpeza com a ela lá. até me benzi!

não estava nada à espera até porque a chave do quarto estava connosco. entretanto apanhei as raparigas e perguntei-lhes se tinha corrido tudo bem.. sucede que aquela macaca tava deitada na cama e na cama entendeu que devia ficar, ao ponto de lhes ter soprado quando a tentaram tirar de lá. resultado: não tiveram outro remédio se não fazer o trabalho com a dama lá refastelada lol

 

de resto, portou-se de forma exemplar, pelo menos cat wise. não estrebuchou muito, não se importava de andar sempre enfiada dentro dos casacos do dono, ainda andou a passear pelas próprias patas. passou grande parte das deslocações acomodada na chapeleira do carro a observar os arredores. tentou várias vezes afiar as unhas nos estofos mas conseguimos apanhá-la sempre a tempo da tragédia acontecer.. e mais uma vez o carro saiu ileso das nossas ramboiadas!

 

e como sempre, a serra não desiludiu. apesar de desnuda, estava lindíssima e jorrava água por tudo quanto era lado, exactamente como imaginava. pude finalmente experimentar o sacana do filtro e tirar umas quantas fotografias de longa-exposição, bem abusadas. 

 

poço do inferno fonte paulo luis martins covão zêzere

 

agora é aprofundar a relação com o bixo, que é como quem diz, mais um teste à minha frágil paciência he he he sei de uns quantos sítios onde quero levá-lo a passear.

 

as condições meteorológicas (e a gata) é que não deram margem para grandes explorações. andámos a matar saudades dos nossos recantos sítios favoritos, estar com o pessoal, passar umas boas horas aos saltos pelo manto branco gelado e pouco mais. por um lado até foi bom, serviu para descansar.

 

yeah!! Untitled Untitled snow frog snow frog Untitled Untitled Untitled

 

um dos pontos altos destes quatro dias foi uma caminhadazita (5km) que fizemos por manteigas. o último 1,5 km foi palmilhado debaixo de granizo. acho que nunca tinha andado tanto debaixo de chuva, e sabem que mais? soube-me *mesmo* bem, apesar de ter chegado ao hotel neste estado. a nossa sorte é o equipamento resistir razoavelmente bem à água.

 

por falar em manteigas.. já disse que estou completamente apaixonada por esta vila? não disse, pois não.. há-de ser pano para post um dia destes :)