Nas alturas II

chego a casa na sexta, uns minutos antes das nove da noite. vou directa ao quarto, enfio-me furiosamente no pijama, e salto pra cima do sofá, com intenções de não largá-lo nas 48 horas seguintes.

pego no portátil, a gata toma conta das minhas pernas. all set for the weekend!!
nisto, um colega pergunta no chat se alguém quer ir passar o fim-de-semana em tróia.. à borla!

...eh lá O.o

one does not simply desperdiça um fim-de-semana em tróia.. mékie.. mais ninguém se chega à frente? não? têm a certeza? então tamos nessa!

podíamos ir naquele momento. a reserva era de duas noites, sexta e sábado.. mas tínhamos acabado de ligar o aquecimento central - um evento que ocorre apenas uma vez por ano, já estava de pijama e com o gato acomodado confortavelmente em cima das pernas. vestir-me, aviar a bagagem, jantar, mais hora e meia de asfalto.. era coisa para chegar lá à meia noite..

é nestas alturas que uma pessoa se percebe que está a ficar velha.. se fosse há uns anos nem pensava duas vezes, metia-me na alheta em 3 segundos :P

fomos no sábado, nas calmas. o check-in foi rápido, e não houve stresses com a mudança de nome na reserva. o apartamento ficava na mesma torre da penthouse, a uns míseros metros abaixo dela. ai as memórias, as memórias!

abrimos a porta e... eix! apartamento tão épico. espaçoso, acolhedor, muito luminoso, e com uma vista fantástica. a kitchenette podia ser pequena, mas estava bem equipada. 




reconhecimento ao perímetro feito, bagagem arrumada, descemos para ir almoçar algures na marina.. para descobrir que em janeiro, está tudo fechado em tróia... fónix... mudança de planos: butes ao supermercado buscar umas cenas, e tratamos do assunto no apartamento.

comprámos o almoço... e também o lanche. e o jantar. e a ceia hi hi hi é da forma como não temos que sair para mais lado nenhum \m/

ao inicio da noite ainda passamos pelo spa. não é o melhor spa onde já estive, mas a cavalo dado não se olha o dente. 10mn no banho turco, a água da piscina interior estava demasiado fria para mim, 15 minutos no jacuzzi apinhado, apenas 5 minutos na sauna porque estava demasiado quente, mais 5 minutos no banho turco e decidimos que uma banheirada de espuma lá em cima é que era. e subimos.

jantamos, vimos um episódio de the grand tour, trabalhamos uns bocaditos, ceamos. e assim se passou a noite.

no domingo saí da cama às onze. falhámos o pequeno-almoço no hotel, mas nem sequer me importei. numa próxima, até o pequeno-almoço é no apartamento!

check-out feito, voltinha pelas redondezas, para matar saudades. cada vez gosto mais de tróia, custa-me tanto sair de lá chuif chuinf... e está deserta, nesta altura do ano, bem fixe. o dia não estava grande coisa para passeios, mas pelo menos não estava a chover. antes de regressarmos à base, ainda fomos ao carvalhal, lavar as vistas à praia do pego. já não metíamos lá os pés há uns anitos. foi a nossa praia de eleição durante umas quantas épocas, mas depois ficou na moda e começou a ser complicado ir para lá. demasiada confusão, e confusão é uma cena que não me assiste.



só sei que adorei o apartamento. alta sítio para passar uns fins-de-semana no inverno, mesmo com mau tempo \m/

Olha ela

a bela da posta de fim-de-semana, like the good ol’days :D

se há coisa que detesto, detesto mesmo, são os fins de semana de inverno! não me apetece sair de casa, não me apetece fazer nada, os dias parecem muita curtos e o tempo passa depressa, e cenas.

mas porque conseguimos reserva para ramen no bonsai à uma e meia da tarde de sábado, fomos "obrigados" a sair de casa. não foi a mais genial das ideias, visto que ao fim-de-semana nunca acordo antes do meio-dia.. mas só servem aquele prato ao almoço, e queríamos mesmo alinhar. há quase 15 anos que andávamos para ir ao bonsai (desde o tempo que tinha "novo" no nome). uma grande, graaaaaande falha no nosso currículo.

saímos com tempo de passar no mercado da ribeira e comprar as hortaliças da semana, mas.. ou é aquele mercado que não é grande coisa, ou aquela hora não era a melhor.. não havia nada de jeito. decidimos deixar o carro ali e subir a "corta-mato", desde o cais do sodré às portas do principe real, nas calmas, para abrir o apetite (e não cair pró lado da estafa) lol

a experiência do bonsai foi muito fixe, o espaço e o ambiente do restaurante são fantásticos, mas o ramen não conquistou. e não creio que tenha sido por termos almoçado à hora que costumamos tomar o pequeno almoço, acho que as expectativas estavam demasiado altas. mas ficou a vontade de voltar lá, para sushi e restantes especialidades, tudo o que passou pelos nossos olhos dava água na boca!

depois do almoço, descemos o bairro nas calmas de volta ao cais do sodré. estava estranhamente calmo, para uma tarde daquelas. passamos pelo miradouro de santa catarina, descemos até conde barão, e seguimos por caminhos muito familiares, até ao estacionamento do mercado.

o dia continuava espectacular e o homem sugeriu que fossemos até à zona da fundação champalimaud, aproveitar o sol. acabamos por ficar uma hora a fazer fotossíntese na esplanada do darwin's. depois começou a encher e achamos que estava na hora de continuar com as tarefas que tínhamos programadas para aquele dia.

dali siga para benfica, abastecer a dispensa da sôdona gata. e depois para o mediamarkt, continuar a busca por um termoventilador decente para nos tornar as manhãs invernosas mais confortáveis. 

depois fomos a casa, buscar o termoventilador que tínhamos comprado três dias antes, e por ser valente treta, era para devolver. siga pro colombo. depois da devolução, fomos à caça de colchão. aparentemente, seis anos é a data de validade dos colchões de espuma, o bultex só tem seis anos e já anda a ver se nos mata. pensei que fosse merda para durar mais tempo, humpf... also, nunca mais na vida caio na asneira de comprar um colchão feito de espumas pretensiosas. molas it it's!

como não tinham naquela loja nenhum dos modelos que queríamos experimentar, fomos a loja do dolce vita, e tomamos a decisão. mas regressamos ao colombo para fazer a compra lá. ainda no colombo aproveitamos para jantar, porque acabamos por não fazer compras e o frigorífico tava vazio.

acabou por ser um dia brutal, e muito bem aproveitado \m/

já no domingo, só saí de casa às nove da noite, para ir secar roupa à lavandaria. há que manter os pratos da balança equilibrados :D

9 de Janeiro de 2017, às 02:38link do post comentar ver comentários (1)(1)

Nas alturas

tão a ver aquelas situações que achamos que vão ser épicas, mas que acabam por ser tão épicas que ficamos com dificuldades em gerir a dimensão da coisa? assim estou eu, nas últimas 24 horas.

passei o fim-de-semana nas alturas, literal e virtualmente. aliás, acho que ainda lá estou, porque ainda não me consegui habituar à ideia que tive que descer. 

tudo começou com a ideia peregrina que um amigo teve, de fazer a festa de aniversário numa penthouse em tróia. a mim bastou-me ler "tróia" no chat do whatsapp para concordar logo. quando vi as fotos da casa sugerida, fiz uma pinguinha, aquilo tinha que acontecer!

é muito raro conseguirmos combinar algo tão em cima da hora, existem sempre incompatibilidades de agenda, e ainda por cima tão longe. mas como não ia haver outra oportunidade daquelas tão cedo, ia quem conseguisse. os planos foram ganhando forma durante a semana, e no sábado às quatro da tarde subimos até ao 16º andar, carregados de comida, bebida, gelo, e boa disposição.

o apartamento em si era minúsculo, mas a área de terraço - a parte que interessava para a festança, era duas vezes e meia maior. e a vista lá de cima era... indescritível. deixamos cair o queixo, esfregamos os olhos, ajustamos as retinas, repetimos vezes sem conta se aquilo era real, porque não parecia real. 













o resto da malta foi chegando ao longo da tarde, a patuscada foi-se preparando nas calmas, e ao por do sol demos inicio às hostilidades. a festança acabou por volta das duas da manhã, pois havia quem ainda tivesse que regressar à base nessa noite.

seriam quase três da manhã quando eu e o homem atacamos o jacuzzi. a noite estava fresca, mas os 35ºC da água estavam perfeitos. desligamos as luzes todas, até as do jacuzzi, e saltamos lá para dentro. e aqui lamento, mas não é possível descrever a sensação de estar uma hora de molho em água efervescente quentinha, num 16º andar, a céu aberto, iluminados apenas pela luz prateada da lua cheia, que pairava sobre as nossas cabeças...

e ficou ainda melhor quando desligamos também as bolhinhas... não é mesmo possivel...

e sair de lá? "isto não volta a acontecer tão cedo, pois não?" repetia eu, em modo disco riscado, enquanto ganhava coragem para deixar o caldinho. por mim tinha ficado lá dentro até ao nascer do sol, mas às tantas teve mesmo que ser, a pele já não estava a achar muita piada.

nessa noite nem sequer queria dormir.. dormir, essa monumental perda de tempo.. queria ficar acordada, para aproveitar cada segundo daquela penthouse obscena. o sono venceu-me por volta das 5 da manhã, mas às 7 estava a despertar, de propósito para ver o nascer do sol da janela do quarto, para adormecer pouco depois e voltar a acordar às 9. essa manhã dividiu-se entre o pequeno-almoço, o jacuzzi, e as espreguiçadeiras do terraço. 







entretanto chegou a hora de arrumarmos a tralha, e de nos despedirmos daquele que foi o mais perfeito dos cenários de fim-de-semana de sempre.. mas podia ser pior, o dia esta impecável e a praia estava lá em baixo a chamar por nós. teria sido criminoso desperdiçar aquele que provavelmente seria o último dia de praia do ano.

desconfio é que o design hotel ficou arruinado para mim.. nunca mais vou conseguir lá estar sem dizer, "fogo, isto comparado com a penthouse não é nada". meh! vá lá que têm o spa e os quartos a favor deles hi hi hi

Vá, já chega de falar em trabalho

bora lá retomar a programação habitual aqui do estaminé, que tenho que deixar registado o meu fim-de-semana passado para mais tarde recordar :D

 

tava complicado arranjar programa para a celebração do nosso 13º aniversário, aquela data que não pode falhar nem que o apocalipse tenha sido anunciado para o mesmo dia.

 

para ondé que vamos, para ondé que não vamos, ai tou cansada, não me apetece ter de conduzir muito, praqui já não dá que tá cheio, prali não sei se quero, mi mi mi mi meh meh meh meh….TRÓIA!

 

pode não ter sido a ideia mais criativa de sempre, mas fazia todo o sentido, já que aquele sítio foi a estrela do nosso verão.. e eu gosto muito de voltar onde já fui feliz. e o hotel tava na to do list havia uns anos, anyway :)

 

tão no sábado lá fomos, lançados ao nosso destino, debaixo de uma tempestade medonha que em nada diminuía o nosso entusiasmo de dedicar as próximas 24 horas à fina arte de não fazer ponta dum corno. isso e de nos irmos enfiar numa sala cheia de vapor sufocante e suar que nem uns cavalos, expurgar os nossos males lolão

 

é que nem perdemos tempo, foi chegar e vestir os fatos de banho. tivemos duas horas enfiados no belo do SPA, entre o banho turco e a piscina aquecida, com jacuzzi integrado. opá que maravilha, que maravilhaaaaaa.. aquilo soube-me pela vida e deixei uma boa parte stress que levava à boleia comigo naquela água.

por mim até tinha passado a noite lá dentro, mas às tantas já tinha a pele tão engelhada que achei que isso provavelmente não seria grande ideia. além disso, tinhamos patuscada marcada.

 

o nosso jantar de aniversário teve tudo a ver connosco: num tasco em comporta, a devorar ovos mexidos com farinheira e lagartos com batata-frita. mais romântico que isto é impossível muhahaha e o homem ainda conseguiu cravar o segredo dos ovos, que estavam terrivelmente gulosos!

 

domingo acordou muito bem disposto e nós com ele. dormi maravilhosamente bem, acordei num quarto a transbordar de luz, algo que a-d-o-r-o (god knows why), completamente relaxada.

 

depois do pequeno-almoço enfarta brutos, fomos enfiar-nos novamente no SPA, que eu conseguia ouvir aquela água deliciosa a uivar pelo meu nome.. mais a mais, havia que fazer render o preço da estadia, ah poizé!

 

ao meio-dia e com um tempo encantador lá fora, despedimo-nos do hotel e fomos aproveitar aquele dia de praia dado de borla (e provavelmente o último do ano). a maré tava baixa e andámos a passear pelos bancos de areia às portas do sado. quando começou a subir, a areia que estava exposta ao sol aqueceu a água e recriou ali um efeito "caraíbas" que ainda deu para tomar banho. opá.. TÃO BOM!

 

ainda nos deixamos dormir por duas vezes no areal, antes e depois do almoço, e regressámos à base ao cair da noite, completamente zen. foi um belo dum fim-de-semana, tavamos *mesmo* a precisar daquilo. deu para descansar e repôr o stock de energia para os dias que se seguiam, que iriam (e foram!) diabólicos. a repetir!

Weekend!

nos primórdios aqui do blog eu tinha um hábito que era fazer o resumo do fim-de-semana, mas depois perdeu-se no tempo. não, não vai voltar (podem respirar de alivio :D) mas por acaso este fim-de-semana que passou teve os seus momentos, acho que valem a pena o registo.

tão na sexta saímos do trabalho tarde, cansados como o raio e um bocado murchos, e como nenhum de nós tava de apetites a fazer o jantar, o homem sugeriu que fossemos aos nachos. ainda não tinha a tripa recuperada da dose da semana passada, mas vá, que se lixe, bora lá..

como de costume, o homem pediu álcool para acompanhar o petisco. uma pipa dele, para ser mais exacta. trouxeram-lhe uma margarita que dava à vontade para duas pessoas. trouxeram também dois copos e serviram, apesar de eu ter dito que não queria. bom, mas estava ali a olhar para mim e o homem convenceu-me a experimentar "faz de conta que estás a morder uma rodela de lima no japonês, vá!".

dei um tragozito naquilo e para meu espanto, até me soube bem. tava tão gelada que quase nem dava pelo álcool (ou então era porque tinha a boca toda a arder por causa dos jalapeños muhahahah). pena que não vou muito à bola com o sabor da lima (ou limão).. "tão manda vir uma de morango" sugeriu ele.

e veio um balde de granizado de morango with a twist para mim. digamos que saímos os dois de do restaurante bastante mais alegres do que entrámos. fomos o caminho todo para casa, agarrados um ao outro, e só nos riamos das conversas parvas que iam surgindo. algum efeito aquilo deve ter tido lol 

acabar a semana nos copos, quem diria. se a moda pega.. :D

os planos para sábado eram acordar cedo e ir palmilhar a serra. só que para além de já não termos acordado lá muito cedo, a manhã estava incrível e achei que devia abrir as janelas para arejar a casa durante umas horas. então só por volta das três é que nos fizemos à estrada.

iniciamos o passeio às quatro. queria fazer um percurso de 15km, mas como já era tardote e ainda íamos meter geocaching pelo caminho, havia uma grande probabilidade de nem metade disso conseguirmos fazer. a primeira cache enganou-nos logo (geocaching com um gps à séria, sem vista de satélite LOL) e fez-nos perder quase 40 minutos. a segunda perdemos montes de tempo à procura dela, a terceira já era demasiado tarde para grandes aventuras, até porque a serra tava TODA fuçada de javali. nada como no risco.. devem andar poucos por ali, devem... e a quarta não dava mesmo para fazer, que o recinto já estava fechado ao público.

resultado: apenas 8km e uma cache. bah, tamos mesmo enferrujados :P

 

i'm on the top of the world

 

ao anoitecer subimos até as antenas para observar as luzes do horizonte. parecia quase que estávamos num avião, que vista brutal, de dia ou de noite, que aquela serra tem. às tantas o marido diz "olha lá, consegue-se ver o farol da berlenga".. cafixe!

"isso lembra-me que não vamos a peniche há uma porrada de tempo" constatei.. e uns minutos depois acrescentei que "por acaso até comia um belo dum peixinho assado..." começou-me logo a saliva a escorrer, só de pensar nisso.

rota traçada no gps e uma hora depois estávamos em peniche, abancados no popular. comi um sargalhão fresquinho que me regalei e o homem uma bela  espetada de peixe e lulas :D'

depois fomos dar a volta de reconhecimento do costume, para desmoer. acabamos por andar mais uns 3km, às voltas pelo centro da cidade. not bad!

no domingo planeava exercitar os braços a esfregar as janelas, que estão completamente badalhocas, mas quando olhei para o céu

 

 

portanto, foi ronha, máquinas de roupa, tábuas de roupa, e a limpeza semanal da casa. típico domingo invernoso.

Outro daqueles...

...fins-de-semana com onda de calor devidamente instalada!
lá fomos nós mais uma vez a caminho da galé, com o termómetro do carro a marcar 40ºC no exterior, mas baixando para os 30º e poucos quando nos aproximamos da costa.

o parque tava à pinha, como seria de esperar a um sábado à tarde de julho, mas mesmo assim, o spot #2 estava vago.
depois, siga pra praia. às 4 da tarde ainda fazia um calor deveras abrasador.

nessa noite jantamos primeiro e tomamos banho depois, táctica que funciona muitíssimo bem nesta altura, primeiro porque não há filas para os balneários, depois porque a água já sai quente novamente. era meia-noite quando me apanhei lá, tavam as gajas todas a se produzirem para ir pra festa da praia :P

festa na praia significa duas coisas: primeiro, temos que dividir o agradável som da ondulação e do vento a roçar nas agulhas dos pinheiros com o puntz puntz puntz da música que vem lá de baixo da praia; segundo, é sinal que chegou altura em que temos meter uma pausa e só regressar ao parque já perto de setembro :(

no domigo tava tanto calor, mas tanto calor, que tornava-se quase desagradável estar na praia (...espera...eu escrevi mesmo isto? OMG!). às três da tarde tivemos que sair um bocado. voltamos quase as 5 e o calor continuava a dar-lhe forte e feio.

por volta das oito começamos a arrumar a tralha. 
tava uma daquelas tardes absolutamente magníficas. daquelas que explicam perfeitamente porque é que após 5 anos de visitas frequentes no verão, aquele continua a ser um dos meus lugares favoritos na costa alentejana, e por mais filas e banhos de água fria e rednecks que apanhemos (dependendo da altura, claro), não consigo deixar de adorar aquele sitio..

fez um pôr-do-sol incrível. tão incrível que não tive coragem de ir ao carro buscar a máquina para regista-lo. ficamos os dois ali, plantados à beira da falésia, maravilhados com aquele espectáculo.

foi das vezes que mais me custou a sair de lá, mas tinha que ser...
apanhamos uma fila monstruosa para entrar na A2 que arruinou os planos de irmos jantar a setubal..mas há males que vêm por bem, desviamos para alcácer do sal para jantar e esperar tranquilamente que o trânsito escoasse todo.

por sugestão do aqui perto fomos parar a um restaurante onde fomos muitíssimo bem atendidos. enchemos o bandulho com umas especialidades locais e servimos de refeição para os mosquitos do sado :P

e pronto, apesar de eu andar afanada do estômago e com pouca energia para estas andanças, pode-se dizer que este foi mais um dos nossos fins-de-semana épicos \m/

 

...e não tiramos a foto ao cascas GRRRRRRRR XP

Um fim-de-semana como mandam as regras!

a meio de abril começamos a arquitectar o plano para o primeiro fim-de-semana de maio, que andávamos malucos por uma escapadela.

mas pelos vistos, ainda não aprendemos que não é com 15 dias de antecedência que se reservam hotéis para alturas destas. tentamos todos os hotéis da nossa lista e mais alguns e nada, tudo lotado, e nem fomos esquisitos com a zona, começamos no gerês, descemos até à estrela, e continuamos até ao alentejo. nada!
então decidimos cagar altamente prós hotéis e abrir a época de campismo. era só rezar que o tempo colaborasse, é que se bem me lembro, o último maio foi uma desgraça pegada e o nosso fim-de-semana podia estar arruinado com uma facilidade incrível...
andei a consultar religiosamente o accuweather, e a coisa até parecia estar bastante favorável, só precisava que aquelas previsões se mantivessem.

em abril faz sempre um tempo merdoso, e para não variar, o ultimo dia do mês acordou horroroso, só que quase como por magia, durante a tarde as nuvens varreram-se por completo e o tempo ficou óptimo, já a deixar adivinhar como seriam os próximos dias.

na sexta realmente tava um dia brutal! não tavamos com muita pressa e preparamos tudo nas calmas. depois fomos tomar o pequeno-alomoço, e a caminho da garagem, ainda passamos pelo jardim de almada para fazer uma cache.

carro carregado, ala pro alentejo!
chegamos ao parque por volta das sete. fizemos o check-in e depois fomos plantar a tenda na nossa zona favorita. como seria de esperar, o parque estava bastante populado, mas havia um espacinho prágente :)
a tarde tava incrível, corria assim uma brisa quente, que misturava o cheio dos pinheiros com o da maresia. perfeito, perfeito!

para terminar o dia, ainda decidimos fazer mais uma cache, que por acaso não ficava muito longe do parque. chegamos lá, metemos o nariz em tudo que era moita e nada. encontramos um saco suspeito e ficamos com a sensação que a cache tinha sido gamada..ao cair da noite desistimos de procurar e voltamos para o parque.

já passava das nove e meia quando chegamos e a essa hora já não dava para jantar no restaurante do parque, então não tivemos com meias medidas e fomos experimentar o restaurante de "esquina" que até se revelou ser uma boa escolha, pelo menos as entradas eram bem boas he he

sábado acordou com um sol radioso e quente, que rapidamente transformou a tenda numa sauna sufocante. como estávamos demasiado preguiçosos para saltarmos lá para fora, abrimos a "porta" pra deixar a brisa entrar e ficamos ali na ronha até quase ao meio-dia. depois fomos tomar o pequeno-almoço e enfiamo-nos na praia até as seis da tarde. foi um belo dia de praia, pena que tava pejada de todo o tipo de insectos.. mas tava alta calor, e corria um ventinho quente que nem junto ao mar desaparecia. a agua é que tava tão gelada, que só de molhar os pés, ficava com cãibras nas solas lol

tínhamos reservado essa noite para ir a porto covo. encher o bandulho no marquês era o nosso objectivo. ainda chegamos lá de dia e a nossa intenção era reservar mesa e ir fazer uma cache que tinha ficado por fazer da ultima vez que lá fomos. só que eles não garantiam mesa praquela hora e nos cagamos altamente na cache e no geocaching, venha de lá mazé a comidinha boa!

apanhamos uma barrigada que foi por demais. para além do marisco ainda pedimos uma espetada de carne e sobremesa. tivemos lá algumas duas horas. o pessoal lá é porreiro, como a espetada tava a demorar ainda ofereceram camarão e uma jola ao marido :)
se bem que tavamos na boa, não tínhamos pressa nenhuma em sair de lá, pois fisgamos uma tomada e tinhamos os iphones a carregar he he

quando finalmente nos decidimos a sair da tenda no domingo, já metade do parque estava a arrumar a trouxa pra bazar. domingo é o meu dia favorito na galé (excepto quando o tempo se põe feio), e tava-se mesmo bem. tínhamos a praia só para nós, e já se sabe que praias desertas são sempre um convite a.. hum.. erm, pois.. muita coisa loll
ainda apanhamos um susto quando começamos a ver uma nuvem fumo bem feia demasiado perto do parque. o marido subiu e foi investigar. tinha começado um incêndio não muito longe dali, mas a coisa tava sob controlo, os bombeiros já tavam de volta dele e não durou muito..mas por momentos temi pelo parque...

saímos da praia às seis, quando começou a arrefecer. vim de lá com uma tonalidade avermelhada em varias partes do corpo, mas com a pele mais seca e luminosa. incrível como a praia me faz tanto bem (as desculpas que a malta inventa lol)!
depois veio a parte chata, arrumar a tralha e bazar. tava-se tão bem, mas tão bem naquele parque deserto que eu tava mesmo com pena de me vir embora..adoro mesmo aquilo, e o tempo continuava impecável. mas tinha mesmo que ser..
não podíamos ter tido um melhor inicio de época de campismo. fossem todos os fins-se-semana assim...mas com menos insectos lol devemos ter trazido uma batelada de passageiros clandestinos na bagagem :P

à vinda, enfio-me na A2, completamente esquecida que era dia de regresso de meio mundo que tinha invadido o algarve no fim-de-semana. apanhamos uma fila monstruosa mal entramos na auto-estrada, mas assim que pude, pirei-me e meti-me a caminho da N10, até porque tava nos planos passar por azeitão. tava com medo que essa também estivesse entupida mas foi sempre a abrir!

pena que hoje o marido acordou todo marado das tripas...tou pra saber o que raio foi aquilo, pois nos comemos praticamente o mesmo e eu tou na boa : /

...mas foi um granda fim-de-semana!

Pelos caminhos de Portugal - versão Caramulo/Estrela

acontece que tínhamos decidido há uns tempos, que fim-de-semana a meio do mês, era fim-de-semana de escapadinha.

quis fevereiro que esse fim-de-semana coincidisse com o dia dos namorados. não íamos desistir por causa disso, claro, até teve a sua piada.
 
então no sábado enfiamo-nos no carro e só paramos no caramulo. mentira, paramos numa estação de serviço na A1, onde um mitra de aspecto queimado, como quem precisava desesperadamente de uma dose, tentou vender-nos uma playstation..2!
nestas coisas somos sempre muito cuidadosos.. "epá, migo, já temos uma 3... sorry...." e pouco depois o gajo bazou, num sedan com matrícula francesa...medo :P

depois de uma longa e sinuosa subida até à vila do caramulo, ficamos assombrados com a quantidade de carros estacionados à frente do hotel..das duas uma, ou aquilo é normal aos fins-de-semana ou toda a gente teve a mesma ideia que nós...bah!
demos duas voltas ao parque de estacionamento e o único sitio vago era entre dois carros. dois mercedes grandalhões, um dos quais teve a amabilidade de deixar mais um vinco (com raspão e tudo) na porta do cascas..quanto mais ricos, mais badalhocos. é o que eu digo...

este hotel era outro dos que já andava debaixo de olho há uns valentes meses. finalmente apanhamos vaga..finalmente que é como quem diz, que a reserva foi feita umas semanas antes pa evitar chatices, que nós já aprendemos a lição.
não o conhecíamos muito bem porque não encontramos fotos na net...mas era 4 estrelas, tinha spa e ficava num sítio bem fixe. eram requisitos mais que suficientes!

chegamos lá, fizemos o check-in, e subimos para o quarto. era enoooorme, o maior onde já ficamos. dizia o marido, que era quase do tamanho a nossa casa. não andava longe lol
pena que não tinha varanda, e as janelas eram minúsculas, apesar de duas das paredes serem em tijoleira de vidro. uma pena mesmo, porque a vista...a vista, meus amores, era de morrer e ir pro céu! se alguma vez tinha ficado num sítio com tal vista!

depois fomos enfiar-nos no spa! primeiro banho turco, e depois cada um foi pra sua massagem. o marido fez uma ayurvédica e veio de lá todo estropiado, mas com um sorriso de orelha a orelha. adorou aquilo. eu fiz uma facial, que não andava de apetites a ser untada de alto a baixo. blargh...
a sala de repouso do spa tinha uma vista brutal sobre o vale. era mesmo, mesmo fixe!

seguiu-se o jantar!

uns dias antes da data, o hotel mandou-nos um email com a ementa do dia nos namorados. tínhamos que nos decidir, se queríamos reservar ou não, e que o restaurante estaria fechado nessa noite. como não conhecíamos a zona, e com medo de apanharmos uma barrigada de fome, acabamos por aceitar a sugestão do hotel.

então a ementa rezava assim:

entrada: dueto de amor
prato principal: mimo de  paixão recheado
sobremesa: ninho de prazer

deliciosa, hem? ainda mandamos um mail de volta a perguntar que raio vinham a ser aquelas "iguarias" mas era segredo..

o percurso até a sala onde se ia realizar o jantar, um longo corredor que atravessava o hotel e que tinha vista pró vale, estava iluminado apenas por velinhas no chão. muito romântico he he
uma vez no recinto ficamos parvos. aquele era, de longe, o jantar mais pirosó-lamechas que já tínhamos participado..não, a sério, só faltavam balões no tecto, que as fitinhas e os lacinhos e os anjinhos e os castiçais tavam todos lá..

a comida em si não era nada de especial..uma entrada que consistia em espargos frescos (bhlergh) enrolados em salmão fumado, salada e ovo cozido. o prato principal era naco de vitela recheado com o que eu desconfio que fosse... peixe?, acompanhado de puré de alho..perdão, de batata, e a sobremesa era uma salada de frutos silvestres, um bocado seca, na minha opinião. mas a taça de chocolate até tava boa lol

aquilo até correu bem, mas pouco depois da banda ter começado a tocar covers melosos bazamos dali para fora, que já tínhamos atingido a nossa cota de lamechice :P

no domingo o dia começou por volta das oito. acordar, pequeno-almoço, arrumar a tralha e check-out. às dez já estávamos em cima dum penedo a apreciar a vista!

fizemos duas caches na serra. o caramulo, para além de ser uma serra lindíssima, tem uma vista magnífica. a manhã estava muito clara e meio enevoada mas via-se o vale todo até as montanhas da serra da estrela, e outras tantas que eu não tenho a certeza do nome.
acabamos por não ter muito tempo para explorar a serra que eu estava maluca para ir pá estrela, que ainda tinha neve. mas ficou a promessa de voltar lá e palmilhar aquilo como deve de ser.

às duas da tarde tavamos quase nas penhas douradas, sitio que eu queria conhecer à força e que não me desiludiu. apesar da temperatura andar nos 9ºC a neve ainda resistia. na torre já tava mais frescote, cerca de 6ºC, mas para chegar lá tivemos quase duas horas numa fila. a torre é a sintra lá da zona, ao fim-de-semana é invadido pelas gentes das cidades, e é o inferno na terra pa se chegar (e estar) lá..não ficamos muito tempo. fomos comer qualquer coisa que já estávamos mortos de fome e depois bazamos com medo que nos fossem ao carro, que as pessoas pareciam baratas tontas. um qashqai que ia à nossa frente levou uma panada num gajo que estava a sair do estacionamento, a quem eu dei prioridade. uma salvajaria, i tell ya...selvaaaagens!!!

às seis já estavamos a descer a serra. despedi-me da neve porque da próxima vez que voltar lá, ela já passou a outro estado físico.

no total fizemos apenas 4 caches, duas no caramulo, duas na estrela. foram poucas, mas boas!
fui obrigada a trepar penedos, a esgueirar-me e saltar (qual cabra montanhesa) por entre calhaus enormes, e a subir (e descer) uma porrada de degraus para chegar ao miradouro do caramulinho. acho que foram as caches que mais me exigiram esforço físico. vim de lá toda partida..t-o-d-i-n-h-a!

tava entrar no túnel da gardunha quando me começou a dar o cansaço e o sono..meia dúzia de km depois eu já dizia que morria..e ainda tinha mais de 300km pela frente!
tive que por a música em altos berros, mas depois acabou-se o cd barulhento e para não estar a ouvi-lo outra vez, tive que ligar a rádio. só apanhava emissões com relatos de futebol ou música pimba. sintonizamos uma que estava a passar das piores músicas que alguma vez já ouvi. tão pimbas que me tiravam o sono. 
mas chegamos a casa são e salvos. já podemos dizer a música pimba salvou-nos a vida! loll

vinha tão estourada que aterrei no sofá e só me levantei para comer qualquer coisa. à meia-noite tava na cama!! coisa-rara-nunca-antes-vista!

o pior foi para me levantar na manhã seguinte. não tinha sono porque até tinha dormido horas suficientes, mas não havia um único músculo no meu corpo que não me doesse... consegui arrastar-me até ao chuveiro, mas tive que tomar banho sentada no poliban, que não tinha forças para aguentar-me de pé..quando voltei pro quatro meti-me na cama outra vez...não me lembro de alguma vez me sentir tão cansada...é que nem me dava mexido! :P

tou velha...velhaaaaaa!

(e tenho que voltar pró ginásio :P)

mas foi um granda, granda fim-de-semana!!!

(logo ponho as fotos, que isto sem fotos não tem piada. mas a preguiça aliada ao cansaço e à falta de tempo é uma coisa deveras fodida)

Pelos caminhos de Portugal... - versão alto alentejo!

íamos todos lampeiros por esse alentejo fora, a caminho da serra de s. mamede, para mais um fim-de-semana à maneira, mas fomos traídos pelo mau-tempo. arruinou-nos o passeio, grande FDP!

é que senti-me roubada! num sitio tão bonito como aquele, e não via um palmo à frente dos olhos por causa das nuvens, e do nevoeiro, e da chuva. não há direito!

passamos a noite numa albergaria perto de marvão que já andava debaixo de olho há pra mais de um ano, e só não foi um bocadinho melhor porque não escolhemos o quarto certo, escapou-nos o pormenor da casa de banho completa. a albergaria é muito gira porque todos os quartos são diferentes, e podemos escolher o que nos agradar mais, quer pela cor, quer pela decoração. é um sitio muito porreiro e o pessoal simpatico. havemos de lá voltar :)

foi um bocadinho dificil fazer geocahing por aquelas bandas. não sei se é por ser um sitio remoto, se é pela proximidade com espanha, mas eram raras as zonas onde apanhávamos 3G no iphone..aliás, se estivéssemos a apanhar gprs já nos podíamos considerar sortudos. levávamos o tempo todo a rezar que os mapas carregassem, que degredo. vá lá que isso não nos impediu de encontrarmos os lugares todos. fizemos 6 caches, mas podiam ter sido 9. saltámos três delas por causa da maldita da chuva.
mesmo assim o saldo foi positivo. viemos carregados de tesouros pa largar noutros sítios :)

#18 - barragem da apartadura
fizemos um pequeno desvio a caminho da estalagem e não nos arrependemos, que o sitio era lindo. e eu não costumo achar piada a barragens (tenho medo, vá!) ^^
encontramos uma moeda muita gira nesta cache. foi a primeira moeda que apanhamos :)

#19 - freixos da estrada en246-1
depois de uma bela jantarada o marido quis passar por lá. tavam 3ºC na rua, eu nem tive coragem de sair do carro :P

#20 - estação cp marvão-beirã
a estação mais parecia abandonada, mas ainda conserva traços originais, daí o seu interesse histórico. apesar disso, é por ali que passam os comboios internacionais.
vieram uns gatitos ter connosco que tornaram a coisa mais divertida

#21 calçada romana, marvão
a cache do marvão tava desactivada mas havia outra pelo caminho. a calçada é interessante, e na cache encontramos mais uma geocoin..ou geobag, ou qualquer coisa assim. não havia rede aqui, tavamos a apanhar a vodafone espanhola e não havia net pa ninguém. esta foi à base de pistas mesmo.

#22 - castelo de vide
andamos mais de meia-hora às voltas pelo castelo. tavamos mesmo, mesmo quase a desistir, quando a encontrei. tive pena que não se via nada por causa das nuvens e eu sei que aquilo é mesmo bonito.
a cena mais engraçada nesta, foi quando apareceu um casal com uma miúda quando estávamos a logar a cache, e depois tivemos que esperar que eles se pirassem. as tantas volto-me para trás, e tava o marido, na pose mais comprometida que alguma vez vi, tinha um olhar ameaçador e tudo, não tava mesmo a dar nas vistas loll..faço ideia o que é que aquela malta não deve ter pensado!

#23 - pinturas rupestres da lapa dos gaivões - arronches
não me recorda se algum vez tinha visto pinturas rupestres ao vivo, tenho quase a certeza que não. de qualquer modo, aquelas a modos que me desiludiram..tava à espera de ver mais quaquer coisita..ou então vi mal, que já era quase de noite..
lá subimos o rochedo e fomos a procura da cache. aquilo tava perigoso porque a pedra tava humida por causa da chuva e escorregava, parecia que estava untada com margarina. passamos aquilo a pente fino e nada. o gps também não tava a ser grande ajuda, para ele eu tava sempre em cima do spot.
era praticamente noite quando finalmente encontrei a caixa. o marido ficou tão contente que ao descer mandou dois bate-cus valentes em cima das rochas, apesar de 5 segundos antes lhe ter avisado para ter cuidado.
cumprimos a missão e largamos lá o espelhito que apanhamos em porto covo :)

depois dessa demos o fim-de-semana por terminado e regressamos à base.

é lógico que vamos lá voltar, para ver o que não vimos desta vez, mas vamos esperar pela primavera, quando a serra estiver florida e não estiver tempo de merda. odeio o inverno. parece que tenho que por a vida em standby enquanto essa estação estúpida não se vai embora..hibernar não era mal pensado :P

(depois logo boto aqui umas fotos das caches, pa isto não ficar tão despido)

Este fim-de-semana foi só cachar, dizia o marido!

na semana passada tínhamos planeado fazer uso do fim-de-semana para optimizar a despensa, esse antro escuro e húmido da nossa casa, atafulhado até ao tecto, que até me dá suores frios cada vez que tenho que ir lá buscar algo...

mas no sábado, a primeira coisa que disse ao marido mal abri os olhos foi:

"sabes o que é que me apetecia mesmo?"
"starbucks?"
"não... uma mariscada no marquês..."

ele não se fez de esquisito e disse: "atão, isso tem bom remédio!"

andamos a molengar um bocado, mas lá conseguimos despachar-nos e sair de casa. como o dia tava bonito, decidimos ir de ferry. ainda não tínhamos andado nos novos nem conhecíamos o percurso novo.

aquilo leva, de facto, muito mais tempo. às tantas já começa a ser secante, mas vá, a viagem é agradável. tava era cá um friozinho, fosga-se!

então, já que iamos passear, fomos às caches, claro!

a primeira foi numa praia vizinha da galé, a aberta-a-nova. nunca tínhamos ido lá, apesar de passarmos  dias e dias de praia ali mesmo ao lado. a estrada tava uma desgraça, coitado do carro..mas chegamos inteiros.

eu, ainda não tinha saído do carro, já estava aos saltos e a guinchar histéricamente, ou não tivesse na minha praia favorita. sim, que aquela ou a da galé, vai dar tudo ao mesmo. sempre pensei que só lá voltaria em maio ou junho, mas assim de repente, dei por mim ali. foi tão bom voltar, ainda que completamente fora de época. tava um frio desgraçado, mas mesmo assim fomos à procura da cache.

fui muito fácil dar com ela e foi uma barrigada de rir quando a topamos, porque era basicamente um bidão enterrado na areia cheio de coisas. logamos, tiramos fotos, e depois descemos até ao areal. estavam alguns pescadores por ali, pelos vistos faça chuva ou faça sol, há sempre alguém à pesca por aquelas bandas.

ai se eu adoro aquela praia. adoro, adoro, adoro!!

aberta-a-nova, fontainhas aberta-a-nova, fontainhas


depois seguimos caminho. já tinha caído a noite quando paramos para fazer a segunda cache, já perto de porto covo. tava escuro, mas mesmo assim subimos as dunas e andamos por entre as árvores e arbustos, de lanterna e gps na mão, a ver se davamos com a localização daquilo, que tava dificil e as condições não ajudavam nadinha...

mas encontramos, logamos, e ainda fotografamos. nesta altura, o rugido do meu estômago já ecoava pela planície alentejana.

a cena fixe do marquês é que uma pessoa mal se senta, quando dá por ela, tem a mesa cheia de coisas deliciosas!
comemos que nos alambazamos. pena que não havia nem percebes nem bruxas. isso é que tinha sido!

antes de sairmos do restaurante o marido ainda quis fazer uma última cache, "tem um travel bug", diz ele. bom, se tem um travel bug, é motivo mais do que suficiente para parar...se bem que já tou queimada, que já fui meter o nariz em não-sei-quantas caixas que prometiam travel bugs e não passavam disso, promessas.

estacionamos o carro em frente à praia. o computador de bordo indicava 3ºC lá fora. até me benzi, mas saímos do carro e fomos direitos a ela. aquilo com o mapa do iphone é mesmo alta batota, não haja dúvida.
a lua já estava alta no céu e iluminava bastante. segundo a malta no twitter, era a maior do ano. realmente, tava gordíssima e brilhante. conseguíamos ver a praia na boa. e eu que gosto tanto da praia em noites de lua cheia, por causa das cores e dos brilhos.

o marido saca a caixa de dentro de um buraco, abre, e pimbas: TB inside! YAY!

foi a primeira vez que encontramos um e ficamos todos contentes. por esta altura, já não sentia as bochechas e os lábios por causa do frio, mas noite tava tão, mas tão bonita, que ainda ficamos uns minutos a tirar longas exposições à praia e à lua. às tantas, o frio tornou-se mesmo insuportavel e fomos obrigados a procurar o abrigo do carrito.

porto covo


já não fomos capazes de fazer as de sines, já estava a ficar tarde e resolvemos regressar. mas foi um belo dum passeio!

no domingo também andamos as caches, por almada, e não fizemos mais nada, que eu depois do almoço jantar, cheguei ao sofá e apaguei.

a despensa ainda está ali, por arrumar e prestes a desabar em cima da próxima pessoa que ousar a abrir a porta...he ehe he e

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly