Praia da Bordeira

fica na carrapateira, mas chamam-lhe bordeira por causa da ribeira com o mesmo nome que contorna o areal, e desagua no extremo sul da praia. é outra das minhas praias de infância e dela guardo muitas memórias, de arraiais familiares e dias de verão intermináveis. é uma praia linda, quase selvagem, com um areal enorme, cheio de dunas, e uma paisagem incrível.

não é das melhores praias para fazer "praia". costuma ser ventosa, tem o típico mar agreste das praias do sudoeste, e a temperatura da água é pouco convidativa a mergulhos. salvo à maré cheia, quando o leito da ribeira costuma encher, e transforma-se numa espécie de piscina natural que rouba o protagonismo ao oceano.

curiosamente, é desta ribeira à maré-cheia que tenho as melhores recordações. da malta a atravessá-la a muito custo para chegar ao areal, às vezes com água a dar pela cintura, carregados de tralha e putos assustados às cavalitas :D

os surfistas adoram-na. e os pescadores também. é vê-los corajosamente à beirinha das arribas, a tirar sargos da água, uns atrás dos outros. é também raro o ano que aquelas arribas magnificas não dêem más noticias...

praia da bordeira praia da bordeira mar corvo pescadores pescadores bordeira

mas o que eu gosto mesmo, mesmo, são daqueles cinco kms de linha costeira escarpada que separam esta praia, da praia do amado, a sul. a paisagem é de suster a respiração, sobretudo durante o inverno. quando as ondas gigantescas esbarram violentamente contra as falésias e projectam-se vários metros no ar. 

existem vários miradouros onde podemos parar uns bons minutos, para apreciar a vista. para quem gosta de dar à sola, existe um percurso circular, que faz parte do trilho dos pescadores da rota vicentina. fiz parte dele, há uns anos, e não me importava de repetir.

Lost in... Pedralva

no fim-de-semana passado estive na terrinha e para aproveitar a tarde fantástica de domingo, peguei no homem e fomos ver as modas até às praias da carrapateira.

quis ir pelo caminho mais pitoresco, que é como quem diz, aquele que se faz por estradas de terra batida pelo meio dos montes, para fazer uma paragem na pedralva. já lá tinha passado há uns anos, mas foi ao início da noite e não deu para ver grande coisa desta pequena aldeia perdida na serra algarvia, recuperada há uns anos para se tornar numa espécie de complexo turístico.

de um monte de ruínas abandonadas, nasceu um conjunto de casinhas rústicas, muito castiças, e muito branquinhas. vista ao de longe, parece um oásis resplandecente na encosta do monte. para compor o retrato bucólico, não faltam gatos nem animais de quinta.

pedralva pedralva pedralvapedralva pedralva pedralvamedronhosvasogato

diria que para ser ainda mais charmosa, só lhe falta mesmo ruas mais floridas.

deu para perceber que é um sítio muito calmo, onde se vive muito devagar. a localização é brutal, ali paredes-meias com o parque natural do sudoeste alentejano e costa vicentina, e praias incríveis na vizinhança, que serviram de inspiração para o nome das casas. é atravessada com alguma frequência por forasteiros que andam a percorrer o caminho histórico da rota vicentina, e que encantados, acabam por abrandar para apreciar o casario :)

Prainha da Luz

quando era miúda frequentava bastante a praia da luz, era quase como uma segunda casa. aliás, ainda me lembra de conversas entre os meus pais sobre a possibilidade de nos mudarmos para lá, que com muita pena minha, nunca chegou a acontecer. na altura, a vila tinha metade do tamanho que tem hoje, mas já era a colónia inglesa que ainda é hoje.

naturalmente, fizemos muita praia lá. a praia da luz tem duas praias, eu preferia a praia grande, por ter um areal enorme. já os meus pais preferiam a prainha, uma praia de rochas, com apenas alguns recantos de areia. não achava muita piada na altura.. hoje compreendo o encanto,

prainha da luzreflexoondasondas ondasouriçosprainha da luzpiteiras

Isa vai à neve III

pelos vistos o briol que apanhei em londres não foi suficiente, no fim-de-semana passado fui meter-me no frigorífico da estrela.. funny thing, estava mais agradável na neve que junto ao tamisa :D

teria sido mais fixe se no sábado tão tivesse chovido o dia inteiro. desde as nove da manhã quando acordei, até as onze da noite, não parou de cair água um minuto que fosse. a serra ensopou, e as quedas de água que escorriam pelo vale glaciar eram assim pro assustadoras.

 
mas do domingo deu para tirar a barriga de misérias. mas ainda não foi desta que estreamos as correntes dos pneus. há oito anos fizeram falta, humpf!


o outono ainda anda por lá ♥ 

álbum completo no sítio do costume

Lost in... Serra da Arrábida

a primavera está em estágio e seria criminoso não dedicar um dia deste fantástico fim-de-semana para sair de casa e meter os pauzinhos ao sol. o local escolhido foi o nosso go-to favorito no quintal, a belíssima serra da arrábida, em modo de passeio preguiçoso por lugares mais que batidos (mas que adoramos revisitar).

se o dicionário tivesse imagens, esta seria da do termo "lagartar"!

Untitled

luxo de vista. apesar de ser um spot concorrido, apetece ficar lá horas sem fazer nenhum.

Untitled UntitledUntitled Untitled


o sítio mais creepy da arrábida, a lapa de santa margarida, que pelos vistos se tornou num local de peregrinação, apesar do acesso não ser nada convidativo.

UntitledUntitledUntitled

 

...e o melhor de tudo neste pedaço de paraíso, o tranquilo azul do oceano sempre no horizonte, já a aliciar a malta para a praia.

 

UntitledUntitled Untitled

 

álbum completo no sítio do costume

Estufa fria

foi dos primeiros sítios que visitei quando vim estudar para lisboa. entretanto mais anos que aqueles que se contam pelos dedos das duas mãos passaram, e quis dar lá um saltinho este domingo, para quebrar a rotina enfadonha que estava instalada dos fins-de-semana de janeiro, em que praticamente apenas saí de casa para fazer compras e pouco mais.

é um recanto muito agradável e calmo. assim que passamos a entrada, parece que entramos numa pequena selva. os olhos perdem-se facilmente na imensidão das plantas exóticas que cobrem tudo à nossa volta, e os tons de verde são mais do que aqueles que conseguimos processar.

uma rede quase labiríntica de caminhos assegura que não vamos perder pitada da visita. pequenas cascatas, lagos, regatos, grutas, pontes e degraus de pedra para os patamares superiores compõem o cenário.

em alguns canteiros espreitam pequenas e curiosas esculturas, de cores e formas orgânicas, que se diluem perfeitamente na vegetação em redor e dão um ar de graça ao espaço.

Untitled Untitled Untitled Untitled IMG_20160207_150621 Untitled Untitled

(album completo aqui)

infelizmente apanhamos a estufa quente fechada (tem estado em obras). lembro-me de ter achado interessante a transição e o contraste de ambientes entre as duas estufas, uma fresca e suave e a outra quente a abafada, mas não foi possivel reavivar essa memória. dá para mirá-la da estuda doce, e está com muito bom aspecto.

perde-se facilmente uma tarde lá, pelo que aconselho a ir de estômago cheio, calçado confortável e sem grandes pressas.

mental note: não deixar passar tanto tempo até à próxima visita.

Cinquenta tons de outono

andava de apetites a voltar à serra. não preciso de muitas desculpas para dar lá um saltinho, mas por acaso até tinha. entre elas, queria caminhar e a serra tem uma paisagem particularmente bonita nesta altura do ano. só que a meteorologia não parecia muito interessada em colaborar.. depois de semanas a adiar, o caso mudou inesperadamente de figura e parecia que o verão ia regressar por uns dias. não podíamos deixar escapar a oportunidade!

foi difícil de sair de lisboa. estava um trânsito medonho ao fim da tarde de sexta, passei uma hora metida numa fila até conseguir chegar às portagens de alverca, que dor!!! mas mesmo assim consegui chegar a manteigas a tempo de jantar uma bela duma feijoca :D’

a noite estava fresquinha, mas nem lá perto daquelas temperaturas gélidas que apanhamos em dezembro passado, e não havia vestígios de nuvens no céu. o fim-de-semana prometia.

sábado amanheceu quentinho e sem vento. jackpot!!! havia uma ou outra nuvem a dar o seu ar de graça, mas nada que ameaçasse descarregar água em cima da malta. estava perfeito para dar à corda às botas.

seguimos a rota das faias. se há passeio pitoresco em manteigas durante outono, é aquele. há uns anos descobri que o outono é absolutamente maravilhoso na serra, mas naquela ocasião estava frio e chovia, nada convidativo a passar muito tempo fora do carro. desta vez íamos tirar a barriga de misérias!

Untitled

a meio do caminho atingimos o ponto mais alto do monte, era obrigatório uma paragem mais demorada para inspirar aquelas paisagens. dali prá frente ia ser muito mais fácil, sempre a descer.. e a percorrer o ex libris do trilho, o bosque das faias.

não tardou muito até que as copas das árvores se começassem a fechar sobre o caminho. muitas nesta altura do ano já estão quase carecas, mas ainda fazem sombra. os raios de luz que ousam trespassar reflectem-se nas folhas caducas das faias e o ambiente ganha um tom quente e acolhedor.. um cenário simplesmente idílico, daqueles que nos deixam a transbordar de felicidade só por estar ali. respirar o ar puro e perfumado da floresta, caminhar sobre aquele suave manto castanho, ouvir a brisa a entrelaçar-se com os ramos das árvores e o canto das aves, e apreciar toda aquela delicada beleza natural foi das melhores experiências que já tive na serra da estrela.


UntitledUntitled Untitled UntitledUntitled

a minha mãe, que à última da hora decidiu alinhar connosco, ainda que isso significasse ter que palmilhar 12km monte acima e monte abaixo (ok, eu posso ter culpas no cartório, disse-lhe que não eram mais de 7 ou 8 :D), estava assombrada com aquele espectáculo proporcionado pela natureza. mas o que ela gostou mesmo foi dos castanheiros que íamos encontrando pelo caminho. ainda recolheu meio saco de castanhas, que lhe estava a dar pena de as deixar caídas no chão, tão boas que estavam.

Untitled Untitled

no domingo estava um bocadinho mais fresco, mas igualmente fantástico para passear. demos a volta do costume: estrada do vale glaciar, paragem na fonte paulo luis martins para encher toda e qualquer garrafa de água que existisse no carro, covão da ametade - magnifico em qualquer altura do ano, torre, e penhas douradas. sem grandes pressas.

UntitledUntitledUntitled

já foi demasiado tarde para ver cogumelos, mais ainda encontramos alguns especímenes intactos.

UntitledUntitled Untitled

às sete da tarde despedimo-nos de manteigas e da serra, com a promessa de um regresso para breve. por mais vezes que bata lá com os costados, não consigo cansar-me daquele sítio 

álbum completo da passeata aqui

Pelas terras do Guadiana

o parque natural do vale do guadiana é uma espécie de underdog dos parques portugueses, não se ouve falar muito dele. fica ali nos confins do baixo alentejo, paredes meias com o algarve e resvés com espanha. um bocado afastado da “civilização” e sem nenhuma auto-estrada que nos deixe às suas portas. é pouco habitado, e não existem grandes cidades nas redondezas, tem apenas uma vila e pequenos povoados salpicados pelo parque.. e é tremendamente bonito!

a paisagem é diversificada, a ponto de não se perceber bem se ainda estamos nas planícies alentejanas ou se já estamos com um pé na agreste serra algarvia. tem bosques e tem mato rasteiro, e apesar de ter muitos cursos de água, tem um aspecto muito árido.. e as vistas são de fazer parar a respiração.

já andamos por lá duas vezes. numa exploramos a zona da mina de s. domingos e pomarão, onde percorremos os túneis ferroviários desactivados. noutra corremos aquilo tudo numa doideira atrás de balões meteorológicos. o cascas está bastante familiarizado com as estradas de terra batida e as ribeiras secas do parque lol

só tenho um reparo a fazer a mim própria: nunca vou lá com tempo suficiente para ver tudo o que quero, aquilo é maior do que parece! já fiz saber ao homem que num futuro não muito distante quero lá voltar e bater as capelinhas todas novamente, mas com mais tempo para respirar e inspirar aquelas paisagens. além disso, todas as visitas têm acontecido sempre pela mesma altura, setembro/outubro, e apesar de vibrar com as cores douradas daqueles montes e planícies, tenho curiosidade para saber como será noutras alturas do ano.

road to somewhere

mas das várias coisas que nos tinham deixado saudades, talvez um pequeno tasco em corvos era a que mais sobressaía. fomos lá parar por obra e graça do destino. queríamos cozido de grão, e disseram-nos que lá era o melhor sitio para ir. só que o cozido de grão não parecia ser o que mais clientes atraía ao tasco, mas sim.. pizza!

nessa noite deixamos uma promessa escrita na pedra: 
“havemos de cá voltar para comer uma pizza”

e a minha surpresa ao chegar lá, 5 anos e um desvio de 60km depois, e ver o pequeno restaurante a rebentar pelas costuras, que por pouco temi que não conseguíssemos jantar. pelos vistos a internet aconteceu e a paragem está no topo das recomendações do tripadvisor para a região de mértola. not bad!

e íamos com intenções de fazer cumprir a promessa e comer pizza, a sério que íamos. mas assim que lá cheguei, fiz uma confidencia ao homem: "migo, não sei se vou conseguir resistir ao cozido de grão..." 

e não resisti... foi mais forte que eu lol e ele que ele também, que se fez às migas com secretos :D' a pizza ficou novamente adiada lol

cozido de grão

nessa noite aprendi uma valiosa lição: tu simplesmente não comes uma pratada de cozido de grão e depois vais arrochar para um hotel...

HA HA HA não vais, não senhora! 

...e foi assim que finalmente conhecemos mértola (a tal paragem "técnica" que falei no post dos figos), depois de tantas vezes a atravessá-la de raspão. primeiro à noite e depois outra vez à noite, e finalmente, de dia :)

Untitledmertola mertola
Untitled
Untitled Untitled Untitled UntitledUntitledguadiana

é um sitio lindíssimo, muito acolhedor, come-se bem. e para quem se interessa, está recheado de história.

e já que andávamos lá por perto, aproveitamos para conhecer também alcoutim, ali mesmo juntinho à margem guadiana.

alcoutim guadianaguadiana

álbum completo da coisa aqui

Salinas

sou capaz de ter desenvolvido uma estranha obcessão por salinas. não sei se foi pela calma dos imensos campos brancos, se do curioso processo de transformação, se da arte da colheita, se do ecossistema.. sempre tive curiosidade e este ano matei-a à grande!

 

Untitled Untitled Untitled UntitledUntitled

5 de Setembro de 2015, às 23:01link do post comentar

Galapinhos

não somos muito de frequentar as praias da arrábida por causa das enchentes em dias de calor, da confusão do trânsito e dos stresses com estacionamento.. our bad, são praias lindíssimas e muito agradáveis por estarem abrigadas pela serra, o mar ali parece um lago.

Untitled

mas como o dia estava ventoso, achamos que era preferível enfrentar o reboliço da arrábida do que os banhos de areia em tróia, que parecem agulhas contra a pele. a minha ideia de esfoliação corporal não é assim bem aquela lol

acabámos por assentar na praia dos galapinhos, a única nas redondezas que dava para estender a toalha sem pisar o vizinho do lado.
 

Untitled Untitled

Untitled Untitled

uma delicia :)

Untitled

... e tróia não perde pela demora \m/

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly