Down the memory lane... IRC

(porque a malta à medida que vai ficando idosa gosta cada vez mais de perder-se as avenidas da memória) há uns dias a conversa escorregou para o IRC, e a criação dos serviços da PTnet, e os tempos dourados da internet por dial-up. o IRC era um fenómeno, e talvez das coisas que mais nostalgia trazem a quem viveu a internet naquela altura. era um sítio muito fixe para se estar. a malta entrava, chamava a lista de canais, e juntava-se àqueles cujas as temáticas ou locais interessavam. aos poucos entrava-se nas conversas do canal, mandávamos umas bocas uns aos outros, e depois as conversas continuavam em privado,

oi
ddtc
m/f
idade

quantas amizades e relações não começaram assim?

depois havia as novelas. cada canal tinha as suas. principalmente por causa da "ditadura" dos OPeradores, e da sede pelo poder. o @ era a coroa, o simbolo da elite, e o fruto mais apetecido. logo a seguir vinham os +voice, (que tecnicamente não valiam de nada, a não ser que o canal fosse moderado) mas a malta não se importava de lamber o cu aos OPs só para esta mais acima na lista de nicks. quem tinha voice era sinal que tinha friends in high places, literalmente.

às vezes aconteciam rixas épicas, e a malta acabava kickada ou banida. alguns revoltavam-se, criavam novos canais, levando consigo outros dissidentes. também havia muita guerrilha. um exemplo disso eram os takeovers. a malta organizava-se, desatavam a floodar todàgente que estava no canal para fora da rede, e depois um dos atacantes tornava-se OP e concedia a graça aos compinchas. enquanto a ordem não era restaurada pelos donos do canal, eles tinham os seus 15 minutos de glória, que eram aproveitados para mudar a descrição do canal, e talvez encher aquilo com bonecada em ascii art.

haviam uns users que estavam sempre ligados, dia e noite, sempre muito quietos e pouco participativos. só respondiam se nos metêssemos com eles. eram os bots, o seu propósito era ajudar a manter o canal. alguns tinham truques porreiros.

ocasionalmente acontecia uma cena (pouco) fixe, chamada netsplit. quando a malta começava a abandonar os canais em massa, era sinal que um dos nós da rede se tinha desligado e estávamos isolados. nesta altura também havia corrida para ser OP do canal, que durava enquanto a rede não era restabelecida, o que podia durar uns minutos.. ou umas horas.. ou uns dias.

longas noitadas agarrados ao teclado, a conversar ou a kitar o cliente de IRC, com comandos e cenas, para automatizar o acesso, tipo identificar o nick e entrar nos canais habituais. entretanto começaram a aparecer uns scripts que vieram apimentar as coisas. metiam na mão de qualquer pato bravo a possibilidade de nukar e floodar aquele user que não morríamos de amores, era uma animação :D

de quando em quando, ou porque a rede estava instável ou porque a PTnet estava adormecida e estávamos simplesmente aborrecidos, íamos até lá fora, à undernet, ou à DALnet, ou à EFnet, ver as modas. mas era chato estar sempre a alternar entre servidores.

depois haviam as famosas jantas e os meets, organizados pelos canais, onde a malta tinha oportunidade de conviver fora da rede com as pessoas que estavam por trás dos nicks. muitos acabavam por descobrir que afinal a _V4n3SsA_ não tinha cabelo comprido, nem olhos azuis, nem vestia copa 34DD. era, de facto, loira e media 1.80m, mas tinha demasiado pêlo na cara  e uma corcunda pouco atraente.

grandes tempos *suspiro*

apercebi-me, de repente, que fez por estas alturas 20 anos que me liguei à net e ao IRC pela primeira vez. mais de metade da minha vida.. não vou cair no cliché de rematar isto a dizer que estou velha.. tipo ya, tá todàgente morta de saber isso.. vou cair sim no outro cliché, aquele sobre a rapidez com que o tempo passa, sem darmos por nada. 20 anos é MUITO tempo.. mas na minha cabeça, nem por isso..

o IRC ainda existe, mas já está muito distante daquele IRC que conhecíamos e amávamos, mesmo com todos os defeitos que tinha. it's true what they say, tudo tem o seu tempo :')

Talk nerdy to me II

"much foam. such silkness. so smooth. wow"

o homem agora elogia em doge speak : /

Faz hoje 40 anos

que a força está connosco!

 

 

\m/

25 de Maio de 2017, às 09:00link do post comentar(2)

Dragon Ball

z.. z.. z.. ora bem, vou já avisando que o post que se segue não vai interessar a 99% de vós. mas sendo este tasco o principal registo que mantenho da minha vida, vão ter que papar com isto anyway :D

comecei a ver dragon ball do longínquo ano de 1996, depois de estar farta de ouvir falar na série, e de ver colegas da minha idade correrem para casa depois das aulas, para não perderem um segundo. não gostava de desenhos animados, mas a curiosidade mandou-me sentar à frente da tv, e ver uns quantos episódios para tentar perceber aquele hype todo...

...e quando dei por mim, estava absurdamente agarrada. obcecada, mesmo! não via mais nada pela frente se não aquilo. foi uma fase muita marada, que ainda durou uns anos. mesmo depois da série terminar e da febre começar a arrefecer, nunca me afastei muito daquele universo. nos entretantos fiz várias maratonas, e lia fic's e doujinshi's que ajudavam a preencher os vazios deixados pela série.

até que no ano passado começou o super, uma série totalmente nova, e canon. nada como aquele cagalhão do GT. os primeiros arcs não foram muito originais porque desdobravam os dois OVA's mais recentes. mas depois a coisa começou finalmente a abrir, e OMFG!!!

quem diria que 20 anos mais tarde, voltaria a dar por mim novamente viciadona na série. em parte pelo fanservice que a toei está a dar de bandeja. o meu OTP tem estado em grande e faz-me passar horas no tumblr (e noutros sítios mais refundidos), a seguir uma fandom completamente histérica (assim como eu hi hi hi).

acompanhar dragon ball em 2016 é completamente diferente de 1996. já não é preciso amontar VHSs, nem de me lembrar a programar o vídeo e deixar a cassete certa lá dentro. agora existe uma coisa muita fixe chamada internet! um episódio novo passa no japão, e duas horas depois aparece a fumegar nos torresmos. já para não falar que todos os episódios, de todas as séries, e OVAs estão à distância de um click. outra coisa brutal é a enxurrada de memes, gifs, e opiniões e teorias que se segue a cada episódio, e que mantêm a malta entretida até ao próximo.

also finalmente vi respondida uma questão existencial que tinha, desde há duas décadas: se a mim custava-me horrores a esperar um dia por um episódio novo (especialmente durante o arc do freeza, que aquilo nunca mais desemerdava), como teria aguentado aquela malta que só via uma vez por semana? devia ser uma tortura.. 

sim, é uma tortura!!! AAAAARGH!!!

estou a escrever isto no rescaldo daquele que é capaz de ser o episódio mais épico de todas as séries juntas (o 65º), e vai ser uma looooooonga semana, à espera de outro que se adivinha ainda mais épico. ando-me sempre a queixar que o tempo passa demasiado rápido.. pois esta semana espero que corra a mil à hora!! tou aqui que nem me aguento, à espera da próxima madrugada de domingo!! XD


há 20 anos era a minha sis que me acompanhava, hoje é o meu homem que atura a berraria. btw, o meu homem só é meu homem porque eu um dia decidi começar a ver dragon ball. não sei se o teria conhecido de outra forma, até porque existiam 300km a separar-nos. a minha madrinha de casamento só a conheci pelo mesmo motivo. e também foi por causa desta série que me aventurei no web design, que mais tarde viria a ser a minha profissão. só me trouxe coisas boas, esta série ♥

no fim-de-semana em que fui à terrinha, os meus pais tinham andado em arrumações e aproveitei para organizar a minha velhinha colecção, de material que adquiri entre 1996/2000, para ver se aquilo não leva sumiço. muito dinheiro gastava eu com o vicio lol tudo o que saía para o mercado com a estampilha do DB, eu comprava muahahaha. curiosamente, o item mais precioso que lá tenho não foi comprado. é um scrap book brutal, cheio de colagens e notas que fui fazendo ao longo de um ano. tão, mas tão bom!

Dark Matter

é uma space opera, (espero não ferir susceptibilidades) muita rasca. começamos a vê-la no ano passado, num dia em que só podíamos estar realmente aborrecidos.

tal não era a fé que os produtores depositavam no projecto, que parecia ter sido financiada com restos do orçamento do ano anterior.. a começar pelo nível arrepiante de amadorismo dos actores, guião destrambelhado, diálogos de ir ao vómito, cenários pobretanas, e efeitos especiais manhosos. uma autêntica comédia, de tão má que era..

e foi com esse mindset que decidimos acompanhá-la. aliás, era a única forma de conseguir tolerá-la. passávamos os episódios inteiros às gargalhadas.

a série foca-se nas (des)aventuras de um bando de desajustados, que vagabundeiam pela galáxia ao sabor do destino, numa nave espacial toda badass. estão unidos pelas circunstâncias de um misterioso evento que lhes roubou as memórias, e o seu passado é o maior inimigo que enfrentam. está sempre ao virar da esquina, pronto a baixar-lhes as calças.

apesar de se passar no espaço, nunca se viu um ET numa das estações espaciais ou planetas onde esta malta pára.. pelos vistos a galáxia está totalmente habitada por humanos. os cenários exteriores resumem-se a bosques depenados e armazéns abandonados, do tipo daqueles que podemos encontrar nos arredores cidades. mas enquanto a risota valer a pena, manda vir!

acontece que ao longo dos episódios, coisa começou lentamente a melhorar e quando demos por nós, já não a víamos pelo gozo, mas sim porque nos dava gozo. o desempenho (de alguns) dos actores estava a melhorar, o desenvolvimento das personagens seguia a bom ritmo, e a química entre elas a funcionava muito bem. as trapalhadas do gang decorriam com mais ou menos inspiração, os clichés continuavam a ser o prato do dia, mas o mistério era sólido quanto baste para nos deixar ansiosos pelo próximo episódio. a pontos de termos receio que fosse cancelada.

contra todas as probabilidades, conseguiu conquistar uma nesga do coração dos fãs do género, e ganhou uma fanbase com dimensão suficiente para o canal decidir continuar a apostar nela. 

a segunda season, que terminou agora, saiu mais madura, mais confiante, com menos oportunidades de gargalhadas, e com (um bocadinho de) mais qualidade. e alguma coisa eles continuam a fazer bem, porque já tem terceira season confirmada. e nós vamos ficar a salivar à espera dela, resultado do cliffhanger de fim de tempor(r)ada.



não deixa de ser um guilty pleasure, mas tenho cá para mim, que ainda se vai tornar numa série de culto nas trincheiras nerds :D

19 de Setembro de 2016, às 01:07link do post comentar ver comentários (8)

Décimo sétimo

querido diário, hoje aprendi que não devo desprezar a h&m... anda por aí um monte de gajas com cuecas de star wars e eu não sou uma delas... buáááááá :'(

CONSEGUI ENCONTRAR! CONSEGUI ENCONTRAR!

YAY! 

17 de Janeiro de 2016, às 23:47link do post comentar ver comentários (1)

Great Scott! This is heavy...

há uns tempos passou-me pelos olhos um artigo científico, que falava sobre a possibilidade do tempo afinal andar para trás, e que eventos futuros podem afectar o passado. achei a teoria interessante e tentei ler aquilo. tentei.. às tantas já me estava a baralhar toda e acabei por ficar a saber o mesmo, ou seja nada. demasiada areia para a minha cámineta!

anyway, hoje aconteceu uma cena ao homem que não teria acontecido se isto não tivesse acontecido. agora estou aqui com umas dúvidas existenciais..

claro que pode tratar-se apenas de uma coincidência lol

30 de Julho de 2015, às 21:26link do post comentar ver comentários (6)

Mr Robot

eis uma série que arranca com um brutal piloto de sessenta minutos e deixa logo os nerds com os olhos colados no ecrã a salivar, do principio ao fim!

será pelo protagonista extremamente bem caracterizado e com quem facilmente a geekalhada se identifica? será pelo enredo que promete meter hacktivistas tanto a descascar corporações monopolistas, como a entalar o zé da esquina que se anda a portar mal? será porque nos faz aperceber que hoje em dia cada vez mais a nossa privacidade não passa de uma mera fantasia e acaba por abrir-nos os olhos em relação à vida na rede? será certamente uma amálgama disto tudo e mais qualquer coisinha.

tenho a dizer que gostei bastante do conceito de hacker-vigilante, uma espécie de dexter das interwebs. o primeiro episódio deixou a barra bem alta, veremos se os seguintes correspondem às expectativas criadas. convém é vê-la com um techie ao lado, por causa do jargão técnico :)

also, fiquei curiosa com a escolha do nome.. será que tem alguma relação com uma certa board do 4chan?

Mudam-se os tempos...

ainda no processo de decidir se gosto ou não deste revamp minimalista que as armaduras dos stormtrooper levaram.. need MOAR details :D


o homem acha que têm um ar cheap..

Fan service

então e aquela cena dada de bandeja no último episódio do the flash, com o mark hamill? a atentecipação histérica que foi cá em casa, os dois aos gritos:

"o gajo vai dizer, O GAJO VAI DIZER!!!"

"NÃOOOOOOO BAHAHAHAHAHHAHA"

zomg, que fartote, nem os próprios actores conseguiam parar de rir com aquilo :D

tão bom!!!

2 de Abril de 2015, às 11:21link do post comentar ver comentários (2)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly