Lost in… Albufeira do Maranhão!

o primeiro de maio foi muito bem aproveitado a passear (e cachar) pela zona de avis e da sua belíssima albufeira. era um dos "assuntos inacabados" que tínhamos, pois quando lá estivemos em 2011 não houve oportunidade de explorar a zona e ficou prometido um regresso em breve.

acabou por não ser lá muito breve - mas hey - já dizia o ditado, antes tarde que nunca!

barragem do maranhão

o sitio convida ao descanso, pena não ser mais perto de casa.. seria destino de fim-de-semana frequente :)

não podíamos ter escolhido altura melhor, que o dia estava espetacular e a paisagem alentejana vibrante, entre o verde e a cor das flores silvestres.. e era precisamente atrás das flores silvestres que eu andava!

Untitled

Olha outro fim-de-semana!

vá, só mais este :D

 

no sábado madrugámos (leia-se, acordamos às sete e meia), aviámos o farnel, pegámos na tralha de caminhada e fizemo-nos à estrada. 

 

o destino do dia era sesimbra, e o objectivo, ir conhecer o centro de cabos submarinos. ÒZANOS que queria visitar aquilo.. òzanos.. nunca se tinha proporcionado, até que há uns dias atrás, atravessou-se-me no caminho uma oportunidade para tal. não escapou!

 

acontece que tenho assim uma pequenina pancada por essa história dos cabos submarinos. a ideia de que os oceanos e mares são atravessados por milhares de quilómetros de cabos, que transportam quantidades obscenas de dados à velocidade da luz, ligando (quase) todos os continentes entre si, fascina-me de sobremaneira.

ainda mais incrível é a tecnologia que suporta aqueles cabos.. máquinas, computadores, e km e km de fiarada, a processar e encaminhar dados non stop pelos quatro cantos do mundo. foi um privilegio ter estado naquelas instalações, que são a nossa principal porta de entrada do tráfego internacional de internet e telefone. 

 

o homem já lá tinha estado, numa visita de estudo escolar, mas já nada estava como ele se lembrava. depois apercebeu-se que já tinham passado 20 anos e até lhe apareceu uma ruga nova na testa :D

 

terminada a visita, estava na hora de ir atacar a serra. estavam três opções em cima da mesa: uma caminhada de 18km pelo cabo espichel; uma caminhada de 12km pela serra do risco ou um powertrail  de 5km com 12 caches, por uma parte da serra que ainda não conhecíamos. ganhou a última opção.

 

que passeio brutal rendeu aquele curto powertrail. metade do caminho junto à falésia, e a outra metade mais para dentro, pelo matagal, mas sempre com o mar à vista. adoro, adoro, adoro!!

vertigens

 

e quero lá voltar antes de verão começar, para tratar dos dois que ficaram por fazer, apesar de já conhecer grande parte deles.

 

a única coisa chata do dia foi uma dor de cabeça que me apareceu logo de manhã, e que foi aumentando de intensidade ao longo do dia. o sol e a claridade do dia não ajudaram nada e quando cheguei a casa, já não via nada pela frente. não me dava uma destas há bastante tempo.. fónix..

 

atirei-me para cima do sofá, pedi uma toalha molhada ao homem para por na testa e arrochei durante umas horas. quando acordei o pior já tinha passado mas mesmo assim ainda me chateou o resto da noite. 

 

no domingo acordei um bocado zonza mas depois do pequeno-almoço a coisa compôs-se. mais tarde, e com o dia a pedir isso mesmo, resolvemos tirar as biclas do mofo e fomos dar ao pedal pelo quintal.

 

e pedalámos que nós fartámos - saímos de casa às três da tarde e regressámos às oito, completamente esfalfados. doía-me tudo e mais alguma coisa lol (segundo as contas do homem, andámos cerca de 19km, entre voltas e voltinhas). e mesmo assim, ainda arranjei força (e coragem) para me meter com limpezas..

 

a noite terminou comigo a dar a sentença de morte ao iphone 3G do marido. pedi-lhe roupa para lavar e não me apercebi que trazia "brinde" num dos bolsos. eu bem que tinha o feeling que ia haver água envolvida no falecimento do iphone.. só não foi o meu, nem aconteceu numa sanita LOL

 

fui-me deitar cheia de dores nos joelhos e hoje acordei toda entrevada.. a idade é uma coisa tramada :/

 

meanwhile, atingimos a meta das 200 caches. já nos tínhamos deixado esta vida, mas recentemente voltou, com o propósito inicial: servir de cenoura para tirar o cú de casa e meter-nos a andar.. não estou particularmente agradada com o cenário actual do geocaching, existem demasiadas caches e a grande maioria sem propósito nem brio na sua elaboração, parece que servem apenas para os números.. mas não vou gastar energia com o assunto, é uma causa perdida (e foi precisamente isso que provocou o nosso afastamento da actividade há uns anos atrás) :P

Weekend!

nos primórdios aqui do blog eu tinha um hábito que era fazer o resumo do fim-de-semana, mas depois perdeu-se no tempo. não, não vai voltar (podem respirar de alivio :D) mas por acaso este fim-de-semana que passou teve os seus momentos, acho que valem a pena o registo.

tão na sexta saímos do trabalho tarde, cansados como o raio e um bocado murchos, e como nenhum de nós tava de apetites a fazer o jantar, o homem sugeriu que fossemos aos nachos. ainda não tinha a tripa recuperada da dose da semana passada, mas vá, que se lixe, bora lá..

como de costume, o homem pediu álcool para acompanhar o petisco. uma pipa dele, para ser mais exacta. trouxeram-lhe uma margarita que dava à vontade para duas pessoas. trouxeram também dois copos e serviram, apesar de eu ter dito que não queria. bom, mas estava ali a olhar para mim e o homem convenceu-me a experimentar "faz de conta que estás a morder uma rodela de lima no japonês, vá!".

dei um tragozito naquilo e para meu espanto, até me soube bem. tava tão gelada que quase nem dava pelo álcool (ou então era porque tinha a boca toda a arder por causa dos jalapeños muhahahah). pena que não vou muito à bola com o sabor da lima (ou limão).. "tão manda vir uma de morango" sugeriu ele.

e veio um balde de granizado de morango with a twist para mim. digamos que saímos os dois de do restaurante bastante mais alegres do que entrámos. fomos o caminho todo para casa, agarrados um ao outro, e só nos riamos das conversas parvas que iam surgindo. algum efeito aquilo deve ter tido lol 

acabar a semana nos copos, quem diria. se a moda pega.. :D

os planos para sábado eram acordar cedo e ir palmilhar a serra. só que para além de já não termos acordado lá muito cedo, a manhã estava incrível e achei que devia abrir as janelas para arejar a casa durante umas horas. então só por volta das três é que nos fizemos à estrada.

iniciamos o passeio às quatro. queria fazer um percurso de 15km, mas como já era tardote e ainda íamos meter geocaching pelo caminho, havia uma grande probabilidade de nem metade disso conseguirmos fazer. a primeira cache enganou-nos logo (geocaching com um gps à séria, sem vista de satélite LOL) e fez-nos perder quase 40 minutos. a segunda perdemos montes de tempo à procura dela, a terceira já era demasiado tarde para grandes aventuras, até porque a serra tava TODA fuçada de javali. nada como no risco.. devem andar poucos por ali, devem... e a quarta não dava mesmo para fazer, que o recinto já estava fechado ao público.

resultado: apenas 8km e uma cache. bah, tamos mesmo enferrujados :P

 

i'm on the top of the world

 

ao anoitecer subimos até as antenas para observar as luzes do horizonte. parecia quase que estávamos num avião, que vista brutal, de dia ou de noite, que aquela serra tem. às tantas o marido diz "olha lá, consegue-se ver o farol da berlenga".. cafixe!

"isso lembra-me que não vamos a peniche há uma porrada de tempo" constatei.. e uns minutos depois acrescentei que "por acaso até comia um belo dum peixinho assado..." começou-me logo a saliva a escorrer, só de pensar nisso.

rota traçada no gps e uma hora depois estávamos em peniche, abancados no popular. comi um sargalhão fresquinho que me regalei e o homem uma bela  espetada de peixe e lulas :D'

depois fomos dar a volta de reconhecimento do costume, para desmoer. acabamos por andar mais uns 3km, às voltas pelo centro da cidade. not bad!

no domingo planeava exercitar os braços a esfregar as janelas, que estão completamente badalhocas, mas quando olhei para o céu

 

 

portanto, foi ronha, máquinas de roupa, tábuas de roupa, e a limpeza semanal da casa. típico domingo invernoso.

Gerês // dia 5

DIA DE CAMINHADA YAY

 

como combinado, às nove em ponto estávamos à porta da empresa de actividades, fresquinhos e prontos para palmilhar a serra. eis que a nós se junta o guia que nos ia fazer babysitting acompanhar o dia todo.

 

o percurso começava na pedra bela, um dos ex-líbris do gerês. subimos até lá de pick-up e antes de nos fazemos ao mato, ficámos uns minutos no miradouro a absorver a vista, que é qualquer coisa...  

 

passámos por sítios verdadeiramente belos. paisagens imensas que não cabem na vista, paisagens que nos inspiram e nos fazem sentir vivos e incrivelmente apaixonados pela natureza. apetece andar sem parar por aquela serra toda :D

Untitled 

 quando alcançámos o vale do teixeira, um sitio lindíssimo que acolhe o rio arado, fizemos uma pausa para descansar um bocadito e aproveitar para lanchar. tava a roer uma maçãzora quando ouvi uns uivos falsificados. olhei na direcção do som e comentei: 

 

"geocachers..."

 

não imaginava caminheiros em figuras daquelas.. nisto surge um par de mânfios no cume da montanha. não sei se foi por verem pessoal cá embaixo, mas ficaram excitados e desatam a esbracejar e a gritar "OI!....OOOOOOI!!".. enquanto se meteram a deslizar na nossa direcção. vinham tão desarvorados, que há um deles que tropeça e manda duas cambalhotas por cima de calhaus e arbustos. parecia uma cena à jackass. o desgraçado deve ter ficado mal-tratado, mas levantou-se rapidamente e continuou a correr encosta abaixo.

 

quando chegaram cá em baixo viram cumprimentar-nos, esbaforidos. eram de facto geocachers e não estavam sozinhos. no calor da coisa perderam-se da horda onde vinham e decidiram subir ao topo do monte para localizar os outros (ah poizé, telemóveis da montanha é para esquecer :D). os uivos estavam assim explicados.

 

mas a primeira coisa que reparei foi na farpela que ambos traziam: t-shirt e calções..

 

de calções no mato... excelente escolha :D

 

não era, portanto, de admirar o estado lastimoso em que tavam as pernas daquelas duas almas, todas esgaravatadas e ensanguentadas. fiquei na dúvida se seriam inexperientes naquelas lides.. quer dizer, eu própria já cometi essa proeza.. once!

 

entretanto o tal grupo começou a invadir no vale, não eram poucos.

vale da teixeira

 

ainda tínhamos uns quantos kms à nossa frente por isso não nos alongámos muito mais por ali. mas antes de seguirmos, o marido ainda se juntou ao grupo para assinar o logbook duma cache que eles encontraram. outra que saiu à borla!

 

o percurso terminou por volta da uma da tarde, na cascata do arado, outro dos ex-líbris da zona. o marido tentou tomar banho na cascata mas a água gelada desencorajou-o he he he
foi uma bela caminhada, curta (8km) mas com subidas e descidas generosas, ainda deu para esticar bem os músculos das pernas \m/

 

dali seguimos caminho na pick-up pela serra dentro até às cascatas do tahiti. o guia levou-nos por umas "estradas" que eu não me punha lá nem que a minha vida dependesse disso!! uma montanha russa comparada àquilo é uma voltinha num carrossel para putos. tive que escolher entre ser estrangulada pelo cinto de segurança ou andar às cabeçadas no tecto. como saí de lá sem nódoas negras permanece um mistério :D

 

a segunda metade do passeio começou às três da tarde. depois do almoço atacámos a outra parte do monte. o tipo levou-nos a dois miradouros espectaculares. não tinha coragem para meter o cascas na estrada que dá para um deles, só por isso, já valeu a pena o passeio de jipe.

por mim ficava ali sentada o resto do dia a observar aquele assombro... mas o passeio continuava.

a road with a view

 

dali seguimos para o campo do gerês, uma surpresa das boas que ficou logo marcada para uma visita mais demorada. mas o cascas não entra da aldeia, que quase tive um ataque cardíaco a atravessar aquelas ruas e nem sequer era eu que estava ao volante lol srsly, pensei que fossemos ficar ali enlatados..

 

passámos pela barragem de vilarinho das furnas, enorme e alimentada quase exclusivamente pelo rio homem. apesar do inverno seco, as ruínas da antiga aldeia ainda estavam submersas, não deu para ver. seguimos pela mata da albergaria, uma área do parque altamente protegida pela sua biodiversidade e fomos parar a espanha, aos baños, uma "piscina" de água quente...

 

AHHHHHH... então é por isso que estão sempre pessoas ali enfiadas, faça chuva ou faça sol.. e nós a pensar que os nossos manos ali do lado não regulavam bem.. realmente a água está *mesmo* a escaldar, custei a meter lá os pés!

 

...e pronto. d'os baños voltámos à vila do gerês. satisfeitíssimos pelo longo, mas excelente dia passado às voltas pela serra. 

13 de Abril de 2012, às 01:27link do post comentar

De regresso à Estrela!

já estava mais que na hora de lá voltar, e a desculpa da caça ao melhor céu estrelado em portugal era perfeita!

 

..isso e estávamos mortinhos por uma bela duma feijoca na berne hi hi hi

 

então, como tudo na nossa vida, a coisa foi planeada com dois dias de antecedência!

 

eu: "comé? vamos para onde este fim-de-semana?"

marido: "er.. para um sítio alto, mais perto do céu e com pouca luz?"

eu: "hum... sitio alto só conheço um!"

 

e não foi preciso dizer mais nada!

 

como pessoas descontraídas que somos, chega sexta à noite e não tínhamos nada preparado, excepto o material de campismo, que está estrategicamente amontoado no hall desde julho he he

 

já passava da uma da manhã quando nos fizemos à estrada.. mas tinha mesmo que ser ou então só chegávamos lá sábado à tarde, bem sei o que a "casa" gasta :P

 

por incrível que pareça não me deu sono durante a viagem. tava excitadíssima por voltar à serra e não via a hora de lá chegar. quando saí do túnel da gardunha e vi aquele vale iluminado ia-me dando uma coisa má (é das memórias que aquilo me trás he he)!

 

subir a estrada serpenteada que liga manteigas a gouveia às quatro da manhã não é para meninos (quanto mais meninas), mas eu tava determinada a passar o que restava da noite nas penhas douradas, o nosso destino.

 

não se via vivalma à hora fantástica a que chegamos lá e o parque de campismo parecia fechado, sem muito mais que pudéssemos fazer, estacionamos o carro em frente à barragem e ali ficamos.

 

apercebemo-nos logo na primeira noite que a serra da estrela, apesar de ter um céu estrelado brutalíssimo, ainda não é o sitio perfeito para as fotos nocturnas, há clarões por todos os lados. oh well.. a busca continua.

 

no dia seguinte, aproveitamos que o parque já estava aberto e fomos montar o arraial.. mas por pouco não cagamos pa tenda e ficamos num yurt!

yurts yurt yurt yurt yurt

 

por acaso já tinha lido sobre aqueles abrigos, mas pensava que era noutro parque de campismo.. só que como íamos ficar apenas uma noite, achamos que não valia a pena (mas devíamos, que eu rapei um frio valente na tenda :P).

 

por volta do meio dia fizemo-nos ao monte. já não andava a sério desde maio passado.

tínhamos planeado um percurso e contávamos fazer pelo menos seis caches, mas ainda não tínhamos chegado à primeira quando eu disse ao marido que era aquela e mais nenhuma lol

 

tava um calor do caneco, a subida inicial foi bastante tramada.

pelo caminho apanhamos um susto com um serra da estrela que estava a guardar uma ovelha que tinha acabado de parir... o sacana cão tinha cá um serrote faxavór!

e não me pareceu que o amigo tivesse receio de fazer uso dele... eu que não tenho medo nenhum de cães vi logo que a coisa podia ficar feia. pisga-te!

nem nos deixou apreciar a cria, que ainda nem se conseguia por de pé, tão fofa :')

 

(não deixou de ser uma coisa incrível de assistir.. o cão ficou para trás, junto da ovelha e da sua cria, e não deixava que ninguém se aproximasse.. respect!)

 

uns bons metros mais acima, chegamos finalmente ao sitio onde estava a cache. a vista que se tinha de lá era.. fenomenal!

barragem do rossim

 

ficamos ali um bom bocado a curtir a paisagem, até porque o marido decidiu subir ao topo do fragão. eu ainda tentei mas não tive coragem para continuar... e a dele saiu recompensada, encalhou numa cache não oficial :)

 

dali ficamos sem saber bem o que fazer.. voltar para trás não era opção porque eu não queria seguir o trilho por onde começamos por causa do cão (tenho uma capacidade de projectar mentalmente acidentes que é uma coisa parva, e conseguia imaginar perfeitamente aquelas mandíbulas cravadas na minha coxa lol), nem queria continuar na direcção das outras caches com receio de não aguentar a estafa.

decidimos então apanhar o trilho que nos levava de volta às penhas.

 

o problema é que o trilho ainda ficava longe de onde nós estavamos.. não seja por isso, corta-mato e não chora!

 

subimos e descemos e descemos e subimos, por cima das pedras e por entre os arbustos... até que finalmente encontramos o trilho e alcançamos as penhas!

 

foram alguns 10 os km percorridos naquela volta.. puf puuuuf!

 

de regresso ao parque e de banho tomado, fomos repor as energias com uma bela feijoca e umas belas migas de feijoca (é pá desgraça, é pá desgraça!).

vai de descer a manteigas, encher o bandulho e regressar, para fotografar a passagem da ISS (que falhou, bah!)

qualquer dia consigo fazer aquela estrada de olhos fechados muhahah

 

mais tarde tentamos fazer um timelapse à via lactea, mas o céu claro e o disparador a não querer colaborar fizeram-nos desistir cedo... ou se calhar foram mesmo as 3 horas de sono e a caminhada que nos deixaram KO he he

 

no domingo não nos metemos em caminhadas. fomos antes dar uma voltinha pela zona e aproveitar para fazer mais umas caches, que aquilo desde do ano passado, nasceram ali como cogumelos..

à tarde ainda demos a volta à barragem de gaivota..qualquer coisa como uma hora a pedalar sem parar.. nada mau!

 

depois arrumada a tralha e da jantarada no restaurante do ecoresort (que tem uma vista brutal sobre a barragem e o vale), tava na hora de dar o fim-se-semana por terminado.

 

de regresso ainda passamos pela torre. nunca tinha estado lá à noite e fiquei parva com aquela vista. vê-se tudo, tudinho, em redor..é incrivel!

torre

 

...mas ao mesmo tempo muito mau para longas exposições. e faz um frio do caraças à noite :P

mesmo assim ainda montamos o tripé e tiramos umas quantas fotos, que não ficaram nada de especial. mas valeu pela vista!

 

e pronto, três horas depois estavamos em casa :)

 

(kudos pro cascas, que fez aquela brincadeira toda com um deposito, e ainda sobrou qualquer coisinha =D)

Ribeira do Cavalo

mais um "cantinho secreto" descoberto graças ao geocaching, ali prós lados de sesimbra.

Ribeira do Cavalo

já tinhamos feito uma tentativa, mas desistimos porque estava demasiado vento. chegar é uma real dor de cú. o caminho é um trilho, que termina numa descida ingreme. a maioria do pessoal mete-se lá por barco.

tem a água mais azul das redondezas, e foi o local escolhido para ir matar as saudades do azul do mar das caraibas...se bem que a temperatura da água não tinha nada a ver..à vontade menos 15ºC que a outra :(

Ribeira do CavaloRibeira do Cavalo Ribeira do Cavalo

se não tivesse tanto cascalho era perfeita..

Castro Verde + SpaceBits = fim-de-semana brutal!

um grupo de pessoal lá do sapito dedicou-se, nas horas vagas, a um projecto muito interessante que consistia em mandar para a estratosfera, um balão meteorológico com uma caixinha agarrada. caixinha essa que continha, entre outras coisas, vários sensores, gps's, e máquinas fotográficas para registar o "passeio". geek q.b.!

o lançamento estava agendado para este fim de semana, e como eles aliciaram a malta para ir assistir ao lançamento e ajudar a encontrar a caixa quando esta tivesse cumprido a sua missão, o marido perguntou-me se alinhavamos e eu não vi porque não, encontrar caixinhas escondidas no meio de nenhures com gps tem sido o pão nosso de cada fim-de-semana nos últimos tempos, né?

mas fizemos a coisa com tempo, marcamos hotel e fomos para castro verde no sábado à tarde.
chegamos lá por volta das seis (ainda de dia YAY), e depois do check-in feito, fomos sondar a área onde iria ser o lançamento do balão. por acaso acho que não podiam ter escolhido sitio melhor, ali bem no meio das searas. awesome! já disse que adoro searas?
quer dizer, aquilo que ali crescia não eram propriamente dito cereais... mas pareciam searas, isso para mim já é suficiente he he 
acabamos por ficar por ali a tirar fotos até ao sol posto :)



de volta a castro verde fomos à procura de jantarito. no hotel sugeriram-nos dois sitios, o castro e o market.
indecisos, optamos pelo último e fomos muitíssimo bem servidos. eu comi um bifinho grelhado muito bom, tenrinho, tenrinho, e o marido umas gambas flambeadas que também estavam um espectáculo. para sobremesa saiu uma sericaia com ameixa, e no fim, como resultado da valente barrigada que apanhamos, tivemos que andar às voltas pela vila durante uma hora na tentativa de desmoer aquilo antes de nos deitarmos :P

domingo acordou limpinho e nem sinal do vento que estava no dia anterior.. e quente, muito quente!
pequeno-almoço, check-out do hotel, e ala pro local de lançamento. quando lá chegamos, a uns 20mn antes da hora prevista para o lançamento, já lá estava uma comitiva valente.

mas como imprevistos acontecem, uma hora depois da inicialmente marcada, eis que o balão era finalmente libertado.. e ali ficamos a vê-lo desaparecer no céu.
foi genial!



dali fomos à procura de sitio para almoçar. como éramos muitos, a coisa não foi pacifica. ainda por cima tinha que ser rápido, pois tínhamos cerca de duas horas até a caixa cósmica dizer-nos onde ia aterrar.

como resultado da complicação que foi encontrar sitio e o tempo que a comida levou a chegar à mesa, quando a SMS chegou com as coordenadas do local da aterragem, houve pessoal que nem chegou a almoçar. por acaso eu e o marido tinhamos acabado naquele preciso momento, pegamos em nós e SIGA!
(alguém ficou de pagar o almoço por nós heheh)

parecia a corrida ao ouro lol
enquanto eu tratava de nos meter à estrada, o marido pegou no iphone e determinou o percurso que nos permitia ir chegar o mais perto possível do sítio indicado pelas coordenadas. 
pelo caminho passamos um grupo de "caçadores" que tinha saído minutos antes de nós e que optou por cortar a direito pelos montes. podíamos ter feito o mesmo, mas achamos por bem continuar com o plano original. então uns km's mais à frente saímos do asfalto e enfiamo-nos por estradas de terra batida por cima daquelas serras. foi a loucura. o marido a dar indicações, eu a desviar-me das pedras e dos buracos e dos ramos..pobre carro (eu adorei, claro lol)

às tantas, chegamos a um ponto do caminho em que achei que era demasiado arriscado continuarmos montados no cascas (já aprendi a lição, há pois já :P) e parei, mesmo à má fila, a bloquear caminho e tudo (não parecia ser muito usado anyway), e a partir dali seguimos a pé, debaixo de um sol abrasador. por sorte já não faltava muito.

estávamos convencidos que não iamos ser os primeiros a alcançar o spot, já o grupo que entrou a corta-mato devia levar um belo dum avanço sobre nós... mas não se via nem ouvia vivalma naqueles montes.
às tantas o marido grita "FOUND IT" e sai disparado pelas estevas a dentro. eu segui-o mas quando ele deixou de ver o pára-quedas da caixa, voltei atrás até conseguir voltar a vê-lo e orientei-o pelo meio do mato "esquerda..não, direita! sempre em frente..sobe..direita" lol.. e que lá estava a caixinha, que minutos antes se tinha andado a passear pelo céu a cerca de 30km de altitude. AWESOME!

e sem mais ninguém aparecer..

às tantas, e preocupada com a forma irresponsável como tinha abandonado o cascas, voltei atrás para ver se estava tudo ok.. quando nem a meio do caminho encontro o resto da malta que entretanto já tinha alcançado o sitio :D

tive pena de não me ter lembrado a filmar a "caçada", tinha sido brutal: o marido agarrado ao iphone a dar indicações, "vira aqui" e "vira ali" e "ops, não era por aqui, viemos parar a uma quinta. volta pra trás, volta pra trás", e o carro aos solavancos por cima das pedras e a levar vergastadas de arbustos. foi épico lol... fica prá próxima :)

depois voltamos para castro verde, de encontro com o resto do pessoal, para assistirmos à abertura da caixa, pois tavamos todos curiosos com o conteúdo dos cartões das máquinas fotográficas, que não desiludiu!

por volta das seis da tarde batemos retirada, mas não foi rumo a casa, foi mesmo para porto covo... go west, sempre a direito até ao mar, oh yeah!
uma hora depois estávamos na praia hi hi hi

ficamos por lá uma horita e depois fomos jantar ao marquês, como de costume.
chegamos a casa por volta da meia-noite, completamente estoirados.. nem tava com energia de ir descarregar os cartões e ver as fotos, foi mesmo banho e cama..

só me resta dar os parabéns ao pessoal pela iniciativa, e que apesar dos percalços acho que correu tudo muito bem, e um grande obrigado por nos terem proporcionado este fantástico (e diferente) fim-de-semana!

p.s. gostamos bastante de castro verde =D
não chegamos a fazer nenhuma cache verdadeira #fail por aquelas bandas, mas participamos com uma geocoin no lançamento de uma nova #win

Ataque ao cabo Espichel!

hoje fizemos mais um grande dia de geocaching/caminhada.

inicialmente tínhamos planeado voltar a atacar na arrábida, mas acabamos para ir prós lados do cabo espichel.
íamos ao encontro do andré e da neuza que foram lá repor uma cache, mas houve desencontro e só os avistamos ao longe do outro lado da falésia :(
por esta altura já estávamos a seguir um percurso assinalado, com dois desvios planeados para ir meter mais umas caches ao bolso. coisa para palmilhar 6-7km.
o trilho levou-nos a um forte em ruínas num daqueles sítios que ficamos a coçar a cabeça enquanto nos perguntamos como é que raio alguém se lembrou a construir ali o que quer que fosse. a vista era linda, é claro!

...e como pelos vistos soube a pouco, e depois dos estômagos devidamente abastecidos, fizemos uma cache que nos levou mesmo mesmo à pontinha do cabo, onde tivemos que andar a subir umas paredes malinas..as pedras ali são bem lixadas, o que vale é que há muito sitio por onde agarrar e meter os pés.. foi puxado pa crl, acabei aquilo mais morta que viva :P

para terminar o dia em grande, voltamos à cabana do pescador para jantar, que ontem tínhamos ficado a salivar para cima da montra de peixe que eles lá têm. mas como eu andava de apetites a cataplana, foi isso mesmo que mandamos vir!

enquanto esperávamos pelo jantar, apanhamos um daqueles pores-do-sol mágicos. que raio de sitio mais bonito...e tão perto de casa!

a cataplana, essa, para além de ter sido uma das melhores que já comi, dava à vontade para 4 pessoas..nós devoramos a gaja quase toda..mais uma garfada e juro que me tinham que tirar de lá para fora num carrinho de mão, até as costas já me doíam lol...o pior é que tava tão boa, que parecia que não conseguia parar de comer...omg, ca granda barrigada!

mais um belo dia!

(...e doi-me os pés pa c4cete, preciso de uma massagem loll)

Mais um fim-de-semana, menos umas caches para encontrar!

no sábado passado voltamos à carga na costa vicentina.

tínhamos planeado iniciar a "limpeza" cedo, mas saímos de casa já passava do meio-dia...
o dia não estava grande coisa, muitas nuvens e uma ventania irritante. aquela historia de usar bandana em vez de chapéu é completamente WIN em dias assim (mas da próxima, faz favor de não esquecer de espalhar protector solar nas trombas :P)!

começamos pelas caches de odeceixe. a primeira, que estava já em solo alentejano, fez-nos dar uma passeata de 3km. deixamos o carro na praia e subimos o monte, em direcção à falésia.
aquele sitio traz-me sempre recordações porque era costume a famelga acampar por ali no verão, e eu gostava daquilo :)

odeceixe

depois passamos para a outra margem. tínhamos pela frente um percurso a pé que prometia vistas de cortar a respiração sobre as falésias e oceano.
e não desiludiu!

entretanto, as nuvens decidiram dar folga e o dia até se compôs...menos o vento, que continuava irritante :P

já perto da cache, demos com uma cascata que impunha um certo respeito, onde ainda perdemos uns minutos a apreciar e tirar fotografias.

waterfall waterfall

o trilho era impecável, tinha apenas um problema: tamos em época de carrapatos e os arbustos que ladeavam o caminho estavam infestados deles. cada vez que nos roçávamos nas plantinhas, tínhamos que parar para checkar as roupas e sacudir os passageiros clandestinos.
e desta vez fui eu quem ganhou o troféu carrapato-mais-nojento-da-caminhada. era gigantesco, mais parecia uma sapateira, e tava a esforçar-se para entrar meia a dentro (as pernas estavam estrategicamente protegidas por uns leggins, que nós já aprendemos a lição :P).. ca noijo blergh

dali, arrancamos para uma praia vizinha atrás de mais uma cache. ficamos um bocado assustados com o penhasco por onde tínhamos de descer.. pergunto-me como é que raio aquilo pode ser considerado praia..
andamos as voltas pelas paredes de cascalho solto, a arriscar a nossa integridade física mais que o normal, e nada da cache. n-a-d-a! ficamos mesmo lixados. o terreno era do piorio, o vento tava cada vez pior, a cache que não aparecia, o estômago a começar a chatear..mau!

desistimos e acabamos por nem tentar fazer o percurso a pé até às próximas caches, como estava planeado. passamos essas e fomos tentar a da praia de vale dos homens, mas quando o marido me disse que "esta ali naquela ponta" perdi logo a vontade..

seguimos prá amoreira, uma das nossas praias favoritas da zona e onde iria ser deixado um travelbug especial de corrida (literalmente).

pelo caminho ia atropelando uma galinha..há sempre uma vez para tudo :P

a última do dia foi feita no castelo de aljezur. é daquelas que chateia não ter feita, já que passamos por lá moooontes de vezes :P

o domingo acabou por ser uma surpresa, pois demos um salto até vilamoura (no sota-brrrr-vento algarvio), ter com o sr farrajota (FINALLY) para nos entregar umas cenas a pedido do sr gomes e nos pagou uma cafezada he he
ficamos um bocado espantados, pois tavamos a espera que vilamoura fosse diferente. acabamos por estacionar o carro e ir conhecer aquilo, que é como quem diz, fazer umas caches.

aproveitei pa experimentar a água do mar, que dizem ser mais quente praquelas bandas.. eu cá não notei diferença nenhuma lol

pronto, a modos que assim se passou mais um fim-de-semana :)

(mais fotos no sitio do costume)

É oficial, temos um novo hobby!

"porque é que raio só aos 30 é que comecei fazer caminhadas?" perguntava-se o marido ontem, quando regressávamos de mais uma cache perdida algures da arrábida.. 

i say mais vale tarde que nunca!

de facto, descobrimos que gostamos de fazer caminhadas. há que culpar o geocaching por esse achado, pois foi aquilo que nos meteu a palmilhar vales e serras como se não houvesse amanhã! 
agora acabamos quase sempre por escolher caches que nos proporcionem caminhadas jeitosas. não há nada como sair num dia bonito, para uma zona bonita, e andar uns quantos quilómetros a puxar pelas pernas e a respirar ar puro. tanto faz bem à alma como ao corpo. e as dores musculares resultantes do esforço até se digerem bem he he he

inclusive passamos a apreciar mais os sítios por onde passamos, porque, se antes fazíamos tudo de carro para ver o máximo possível no tempo que tínhamos disponível, agora já vamos assentado e preferimos dedicar mais tempo a conhecer bem determinada zona em vez de andar a correr de um lado pro outro feitos loucos.

o mais curioso é que eu nunca fui muito fã de andar à pata, e continuo a não ser, se tiver que o fazer por obrigação, tipo ir buscar/deixar o carro à garagem ou ir ao supermercado, etc etc, agora, no meio do mato, a coisa muda completamente de figura, sou capaz de andar até ter os pés e as pernas feitas num oito. é brutal!

a peneda/gerês e a estrela é do melhor que conheço para caminhadas extensas, e a arrábida é especial porque combina duas das coisas que mais gosto: montanha e mar, apesar dos trilhos serem bastante intensos e algo manhosos. 
agora há que procurar mais e conhecer outras zonas, há muitas montanhas e parques naturais por esse país fora. caramulo por exemplo, deve ser espectacular e não me pareceu difícil de palmilhar. o algarve também tem trilhos bastante interessantes que vale a pena descobrir. 

é arranjar mapas, senhor, é arranjar mapas!

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly