Nihon...go!

aulas de japonês. eis algo andava para acontecer há mais de 15 anos, ou seja, desde que vim cá para cima. só que tem sido uma daquelas coisas adiadas indefinidamente, ou porque o tempo não dá para tudo, ou porque fica fora de mão, ou porque cenas - as desculpas esfarrapadas do costume.

de um momento para o outro, o homem lembrou-se que queria começar o curso este ano. pesquisou, perguntou, e decidiu. estava mesmo determinado. já eu não tava com feeling prá coisa, mas nada que o impedisse de ir sozinho.

chateou-me até mais não para ir também, e eventualmente venceu-me pelo cansaço.. como eu sei o que a casa gasta, e sei que vai ser muito difícil (se não impossível) atinarmos com os horários para encaixar as aulas e o estudo, não quis ter nada com o assunto, ele tratou de tudo. se a coisa se falhar, não quero cá responsabilidades lol

sinceramente estou um bocado de pé atrás. não sei se tenho cabeça (ou melhor, memória) para me meter a aprender uma língua nova..

não que o japonês seja totalmente novidade para mim. ali pelos vintes, um bocado empurrada pelo anime&manga, comecei a tentar aprender por conta própria. sacava lições na net, arranjei livros de actividades e dicionários para me ajudar, e passava os intervalos das aulas a decorar as tabelas e hiragana e katakana e a tentar decifrar mangas em japonês. ainda tenho algum vocabulário na ponta da língua, e a esperança secreta que o meu cérebro consiga ir à cave e encontrar alguma coisa por baixo das camadas de pó. nunca deixei de ver anime na versão original nestes anos todos, o que ajuda a manter familiaridade com a língua (apesar de estar longe do ideal.. é como os putos passarem horas em frente ao disney channel e depois começarem a falar igual às personagens histéricas das merdas que vêem, cheios de tiques irritantes).

fast forward até à primeira aula,

apresentações feitas, malta, digam olá à tabela de hiragana! say whaaaaat...?? logo na primeira aula, assim a frio? que selvagem! pois é, temos uma semana para emborcar aqueles 46 "rabiscos"... e o FDP do meu cérebro não se lembrava de 98% daquilo... até me doeu a barriga... ainda vai ser mais desafiante do que temia.

hiragana

há malta de todas as idades na turma, e duas pessoas mais velhas que eu e o homem, vamos ver como a coisa corre para os quatro mais cotas. a professora é japonesa e fala 50/50 tuga/japonês. dá um jeito do caraças conhecer algumas das palavras que ela está sempre a usar.

daqui a 9 meses veremos se aquilo do "burro velho não aprende línguas" é verdade ou não :D

7 de Outubro de 2017, às 16:45link do post comentar ver comentários (13)(6)

Há sushi e sushi

as muitas barretadas que tenho apanhado em restaurantes de cozinha japonesa ao longo dos anos têm contribuído para a minha falta de entusiasmo em experimentar sítios novos. sempre que caio na asneira o faço, e já sabendo o que a casa gasta, ponho as expectativas bem lá no fundo. antes surpreendida que desiludida.

 

...e ainda assim fico verdadeiramente impressionada como alguns conseguem transpor a minha já baixa fasquia e revelarem-se mais maus do que ia preparada para tolerar. como uma experiência que tivemos recentemente.

 

vou omitir o nome da casa porque não me apetece confusões, mas é o exemplo perfeito para ilustrar as primeiras linhas deste post. digo apenas que se trata de um espaço com um estilo muito in, decoração sóbria e elegante, empregados de mesa fardados de preto da cabeça aos pés, generosa colecção de garrafas de gin no bar, música lounge, fashion tv a passar.. the works!

 

pelas fotos, comentários de clientes e pontuação que têm na página do facebook, parecia seguro arriscar e descobrir se servia para nos poupar umas idas a algés quando a gulodice aperta em ocasiões impróprias.

 

não ia com grande fé e cedo apercebi-me que se calhar devíamos ter jantado em casa, que tinha lá meia farinheira no frigorífico, à espera de ser combinada com uns ovinhos à maneira. tal e qual como ir ao supermercado com fome, a preguiça em fazer o jantar por vezes também nos leva a tomar más decisões lol

 

tenho a dizer que a experiência foi consistente do principio ao fim. começou logo pela ementa. no fim de uma lista pouco variada onde era tudo mais-do-mesmo, eis que os meu olhos encalharam na mais tradicional das especialidades japonesas:

 

picanha...

 

(é para quem não gosta de peixe cru ter uma alternativa, isa maria, não impliques com esses detalhes, mulher)

 

enfim.. pedido feito, eis chega um amuse-bouche que nos deixou incrédulos com o nível de sofisticação:

 

palitos de cenoura crua acompanhados por maionese de alho...

 

OK... se a cena da picanha fez soar algumas sirenes, a da cenoura disparou o alarme central... só não disparamos nós do restaurante porque não somos de fazer isso.

 

entretanto uma taça de sopa miso materializa-se debaixo das minhas narinas.. BLISS (amo sopa miso, é daquelas coisas que me aquecem o corpo e a alma)!

 

ah, sopa miso é aquela base, não há como enganar. ah ah ah i wish.. nem no pior dos restaurantes pseudo-japoneses que tive o (des)prazer de frequentar me serviram uma sopa tão meh. não que tivesse mau sabor ou estivesse estupidamente salgada, mas... salsa em vez de alho francês e/ou cebolinho? are you fucking kidding me??

 

o prato principal, um combinado de sushi-sashimi, nem por isso tardou a aparecer. a apresentação não estava era nada de especial mas já tive muito pior. o peixe é que.. bem.. ressequido e sem sabor nenhum. o meu paladar não conseguia distinguir se estava a comer salmão ou atum ou outra coisa qualquer, só lá ia pela textura (bom.. ao menos não me deu vómitos, como naquela que ficou conhecida pel'a mais vil refeição de sushi de sempre, em que tive que parar de meter comida na boca, sob a ameaça do estômago devolver ao mundo tudo o que tinha dentro). os uramakis (sushi invertido) davam dó de tão miseráveis que eram. minúsculos e tão mal amanhaditos, pobrezitos. tinha o telemovel em cima da mesa mas nem uma fotografia me apeteceu a tirar..

 

e provavelmente a coisa só não ficou pior porque nesta altura já só queríamos dar à sola :P

 

mas conta lá, ao menos safou-se o chá verde que pediste para acompanhar a refeição, certo?

 

epá, até nisso conseguiram enfiar a pata na poça. vinha morno.. MORNO, e tão concentrado que roçava o intragável.. acho que nunca bebi um chá verde japonês tão mal preparado.. às vezes tenho realmente pena de não ser uma daquelas pessoas com tomates para mandar as coisas para trás..

 

o ambiente é bastante agradável e o atendimento foi bom, mas falhou redondamente em tudo o resto.. e caro.. aliás... caríssimo para o que nos foi servido. sou levada a crer que, ou tivemos azar no dia em que escolhemos ir lá, ou nas pessoas a quem calhou o nosso pedido, ou um qualquer acidente cósmico que ocorreu naquele momento, não encontro explicação. anyway, não tenho vontade de voltar a arriscar, ficou automaticamente banido do nosso roteiro gastronómico.

Bai Bai Aya..

o nosso restaurante favorito fechou.. à segunda vez que demos com o nariz na porta, fomos até perto da entrada para ver se havia alguma justificação. num dos papeis afixadados lia-se que estava fechado para remodelações (ou coisa assim), mas vim a descobrir pelo facebook que afinal tinha encerrado..

 

fiquei cheia de pena, afinal éramos clientes e fãs daquele espaço desde 2008. aquela sala enorme e desafogada, com duas janelas panorâmicas sobre o vale, e um ambiente com pouca luz, calmo e acolhedor, que convidava à intimidade..

 

..damn, muito namoramos nós naquele restaurante!

 

e agora acabou-se.. 

claro que nem tudo está perdido, o espaço que fica nas duas torres continua aberto e apesar de ser mais movimentado e barulhento que o outro, mantém a funcionar melhor cozinha japonesa de lisboa (e provavelmente de portugal) e é isso que interessa!

tristes noticias, as que deram conta do encerramento do aya.. tivemos lá uma semana antes de fechar, e (curiosidade), no dia seguinte quisemos lá voltar porque o jantar tinha sido tão bom que não nos conseguiamos calar com o peixe e com o molho da salada e com a sopa miso.. não fomos porque dois rombos na carteira de seguida é coisa que não me assiste, mas na semana seguinte não aguentamos e fomos lá. mas era tarde demais, estava fechado com um aviso na porta "encerrado por motivos de força maior" mas jamais nos passaria pela cabeça que naquele momento, já nem cadeiras havia no restaurante :(

resta o bistrôt e a esperança que os sushiman's que lá trabalhavam voltem ao serviço. 

venha a nós o peixe crú. nham!

11 de Dezembro de 2011, às 22:03link do post comentar ver comentários (4)

Sushi overload II

tá para fazer um ano que experimentamos o aya de carnaxide pela primeira vez. na altura escrevi sobre a experiência, mas nunca mais voltei a pronunciar-me sobre o restaurante, do qual nos tornamos fãs e clientes assíduos.

ora, já se sabe que quando gosto duma coisa, farto-me de fazer publicidade e já andava a aguçar o apetite da vi, a madrinha-malvada, há muito tempo. então, ficou prometido que quando ela fizesse uma pausa lá da bifolândia, passava por aqui e íamos lá encher o bandulho.

...e isso aconteceu finalmente na quinta passada!
às nove da noite estávamos os três a caminho de carnaxide, cheios de vontade de comer peixe crú.

enquanto nos tentávamos decidir sobre que quantidade mandávamos vir, o marido sugeriu um barco médio, porque a ponte ou o barco pequeno só trazia duas sopas miso e aquele trazia três e assim e assado. eu dizia que achava muito, mas ele insistiu que conseguíamos dar conta daquilo e acabamos por pedir esse.

todas as vezes que lá fomos, nenhuma foi tão abusada como nessa noite.. só sei que quando o barco chegou à mesa, entrei em pânico! nunca tinha visto tanta quantidade de sushi/sashimi/nigiri à frente dos mes olhos (os all-u-can-eat não contam!), e a única coisa que me ocorria era como é que raio iamos comer aquilo tudo..



é que nem sabíamos por onde começar. tudo aquilo parecia estar ultra-delicioso!

e estava mesmo, o peixe estrava fresquissimo como de costume e a variedade era imensa. alambazamo-nos ali os três como se não houvesse amanhã, e no fim.. bem.. no fim, só sobrou umas fatias de gengibre hehehehe
mas comemos até mais não, principalmente eu e a madrinha, que ainda jogamos ao "pedra, papel e tesoura" para ver quem comia o nigiri de salmão em vez do de atum lol

não só ela ficou impressionada, como eu voltei, mais uma vez, a ficar impressionada com a qualidade daquele restaurante. e não somos os únicos a notar isso, pois a casa está cada vez mais frequentada. ao principio apanhávamos pouca gente por lá, chegamos a estar praticamente sozinhos na sala, e agora encontramos aquilo quase sempre cheio.

acho que não há palavras para descrever o quanto gosto daquele sitio e da comida que lá servem. excelente, excelente, excelente!

20 de Setembro de 2009, às 22:54link do post comentar ver comentários (3)

Sushi overload!

como já tinha dado a entender ali mais abaixo, o restaurante escolhido para irmos comemorar o nosso 7º aniversário foi o aya de carnaxide. ainda não tinha estado naquele, e achei que a ocasião pedia mais que uma habitual ida ao koi.

não foi difícil encontra-lo (talvez porque tínhamos o mapa mais do que bem estudado he he). é um edifício grande, moderno, e com um belo de um estacionamento à porta. não é o local mais habitual para se encontrar um restaurante deste tipo, mas foi bem escolhido, porque entramos na A5 e em menos de nada estamos à porta, sem stresses.

entramos e ficamos impressionados com o interior. muito moderno, janelas enormes, decoração minimalista que lhe dá um ambiente muito sofisticado.. se bem que não consegui evitar de acha-lo um bocado "frio", especialmente a salinha que tinha reservado para estarmos mais à vontade.

não conheço restaurante japonês com uma ementa tão diversificada e tão japonesa como a do aya, é verdade! e a qualidade, variedade e frescura do peixe então nem se fala, assim como a apresentação dos pratos, que até dá pena desmancha-los. pedimos uma ponte de sushi-sashimi, aquilo trazia, à vontade, comida para três pessoas, e estava di-vi-nal. não levei a máquina fotográfica porque íamos numa de making out, mas não aguentei e tirei umas fotos podres com o iphone.
não conseguimos devora-la toda, até porque tínhamos estado de volta dumas entradinhas bem boas (pela primeira vez gostei de sopa miso). no fim sobraram 3 fatias de peixe, mas nem eu nem o marido aguentávamos mais. só de me lembrar deste repasto, começo logo a salivar!
 

ponte sushi

 

mas para mim, o aya continua a ser uma experiência agridoce, pois aquele que considerei o seu grande problema, mantém-se neste novo espaço: o atendimento. se já da outra vez que estivemos no das twin towers achei que o atendimento não estava à altura do restaurante, então desta, ainda achei mais. os empregados nem sequer nos sabiam explicar aquilo que estava na ementa. levavam tempo e eram muito vagos nas respostas, e em alguns casos, o domínio da língua portuguesa era muito mauzinho, pelo que preferimos não arriscar e manter-nos naquilo que conhecíamos. para além disso, e talvez por teremos ficado numa salinha, para faze-los chegar lá era o cabo dos trabalhos. uma cliente na salinha ao lado chegou a ter que ir lá fora buscar um empregado e dizer-lhe que "podemos estar um bocadinho escondidos, mas estamos aqui..." depois de ter esperado montes de tempo que alguém lá fosse tirar o pedido. para pedir bebidas o a sobremesa, tínhamos que ou ir lá fora ou estar ali à espreita que algum passasse por ali.. bom, mas pelo menos não esperamos muito tempo pela comida e isso é sempre agradavel.

não vou falar no preço porque a qualidade paga-se e quando uma pessoa vai ali, já sabe que vai desembolsar forte e feio. mas a experiência compensa!

continuo a achar que o koi tem a melhor relação qualidade/preço - atendimento/conforto. se é para um jantar romântico é a melhor opção, porque o atendimento é 5 estrelas e o ambiente é definitivamente muito acolhedor. agora, se o objectivo é degustar as iguarias da cozinha japonesa da forma mais japonesa possível, então o aya é definitivamente a opção.

 

adenda: ontem (1/10) voltamos ao aya, que o mariduxo quis comemorar o seu 29º aniversário lá, e a coisa correu bem melhor. ficamos na sala, junto à janela, muito mais agradavel que na salinha, e fomos antendidos por alguém que nos soube explicar tudo o que perguntamos. menos mal :)

29 de Setembro de 2008, às 20:31link do post comentar ver comentários (6)

A forma mais gay de preparar arroz que alguma vez já viram!

Então, a pedido da gnoveva, heis como preparamos o arroz pó sushi da posta ali mais abaixo. Antes de mais, é um processo moroso e um bocado chato..


Arroz:

 

- 300gramas de arroz japonês (grão curto)

- 330ml de água


Molho de vinagre: 

 

- vinagre [doce] de arroz

- 2 colheres de sopa de açúcar [se o vinagre for doce, o açúcar não é necessário]

- 1/2 colher de chá de sal

 

Primeiro a parte mais chata: lavar o arroz, com a ajuda de uma taça e um escorredor, até que a água da lavagem fique límpida..isto implica esfregar o arroz e estar constantemente a mudar a água, é uma autêntica seca :P

 

Depois da lavagem, deixar repousar no escorredor durante meia-hora [nós não deixamos porque não havia tempo para tantos luxos lol]..

 

Depois é espetar com o arroz numa panela de fundo pesado [a panela que nós usamos era normalissima], com os 330ml de água. Tapa-la bem, deixar levantar fervura em lume médio, e deixar o arroz cozer durante 3 a 5 minutos.

Não devemos destapar a panela durante o processo [nós resistimos sempre à tentação].

 

Depois desses 3-5mn, é baixar o lume e deixa-lo cozer durante mais 8 ou 10 mn e apagar. Deixa-lo repousar tapado durante mais 10mn..

 

Depois aquece-se os ingredientes (vinagre, açúcar e sal) para o molho de vinagre, numa caçarola que não seja de alumínio. Se usarem vinagre doce [nós usamos], não juntem o açúcar. Este molho não é para deixar ferver, assim que estiver quente e o sal e o açúcar estiverem dissolvidos é apagar o lume e deixar o molho arrefecer.

 

Depois vamos buscar o arroz e metemos com ele numa saladeira ou numa tigela de madeira [nós metemos num pirex lol] e verter um pouco do molho de vinagre por cima do arroz com a ajuda de uma espátula.

 

Depois espalhamos o arroz uniformemente pela tigela e juntamos mais um pouco do molho de vinagre, que ajuda a separar os grãos.

 

Depois abanamos o arroz um bocado para arrefecer [nós usamos a tampa de um tupperware, mas o abanico das sardinhas também deve servir lol ou uma tampa dum tacho..], e continuar a molha-lo com o molho de vinagre até que ele comece a ganhar brilho e atingir a temperatura ambiente..depois disso está pronto a ser usado..entretanto passou-se uma hora lol

 

Bem, espero que tenham percebido a receita ^^ acho que no fundo, o segredo está em usar os produtos certos. Não foi a primeira vez que cozemos arroz à lá japonesa, mas foi a primeira vez que usamos os produtos certos e foi a primeira vez que ficou bom. Da outra vez ficou um desastre lol

2 de Fevereiro de 2007, às 03:07link do post comentar ver comentários (3)

EAM

Stuff

 

Na semana passada tínhamos feito tempura, mas ficou uma coisa um bocado "amadora", visto que nem sequer tínhamos alguns dos ingredientes obrigatórios, como é o caso do Tentsuyu, o molho onde se molha a tempura antes de comer, e o arroz para acompanhar ficou uma boa porcaria..

 

Não há melhor sitio na zona do que o Exotic Asia Market, para comprar produtos orientais (japoneses, chineses, tailandeses, e indianos) para culinária. Andava há que tempos para ir lá, e embalados pelo livro de receitas do wok que a mana ofereceu, e da tempura da semana passada, e também do livro de receitas de sushi que está a ganhar pó, hoje foi finalmente o dia!

 

A loja fica em Sacavém e foi muito fácil encontra-la. Uma vez lá dentro ficamos maravilhados com a quantidade de coisas que eles lá têm, e a preços muito acessíveis..não tem nada a ver com a secção de produtos orientais ou exóticos que as grandes superfícies têm.. Aquilo é lindo, tem lá de tudo e mais alguma coisa.

 

No meio de tudo o que havia lá, o que mais me surpreendeu ver foi...folhas de banana congeladas lol, mas também as havia secas..bem, a secção de coisas secas é demais, tem lá com cada coisa! Montes de chás e molhos, e enlatados, e pastas, e bebidas, e congelados, e frescos e aperitivos, e até mobília e acessórios para cozinhar, tipo woks e panelas..demais mesmo!

 

Trouxemos ingredientes para fazer uma boa tempura, agora já não há desculpa para aquilo não ficar bom, e aproveitamos e trouxemos logo ingredientes para fazer sushi. Vieram também alguns que são muito usados na preparação dos pratos orientais, tipo molho teriyaki, vinagre doce, óleo de sésamo e o glutamato. Trouxemos ainda um rabanete japonês que eu adoro!

 

O marido encontrou lá uns aperitivos que curte à brava (e que eu detesto, puá!!), wasabi peas, e para mim, trouxe umas bolachinas de arroz tufado. Muito à frente!

 

Hum...tou a ver na tvi que vai começar a dar nip/tuck (as coisas que se aprende quando a emissão da fox acaba :P)...agora que já tenho as primeiras três series quase todas a chegar :P

14 de Janeiro de 2007, às 03:53link do post comentar ver comentários (2)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly