Mid season 2017

já vai alta e este ano, por incrível que pareça, não estou a acompanhar nada de novo. o homem anda a ver legion, mas apesar dos efeitos visuais estarem geniais, ainda não me conseguir convencer.. 

..mas estou a gostar muuuuuuito de algumas estreias do ano passado, que regressaram a partir a loiça toda!

billions. foi das surpresas da mid season anterior que recebi com mais entusiasmo este ano, e não me está a deixar ficar nada mal. ainda está no início, mas já dá para adivinhar a quantidade de merda que vai voar em todas as direcções, quando ligarem a ventoinha :D

colony. a primeira temporada foi muito fixe, mas dava a sensação que se arrastava um bocado. parecia que as personagens andavam a correr em círculos, e os desenvolvimentos eram lentos. nesta redimiu-se dessas pequenas falhas. para além do ritmo ter aumentado como da noite para o dia, veio com um nível de violência inesperado, que às vezes até me dá a volta ao estômago.

lucifer. apesar de ter estreado durante a mid season, a segunda temporada recebeu um upgrade ao número de episódios, passou de 13 para 22, e estreou-se na fall season. está congelada até maio.

the expanse. se já achava inacreditável uma série de ficção cientifica tipo space opera ter aquela qualidade (ainda para mais, sendo uma produção do syfy), esta temporada está a arrasar a todos os níveis! as personagens estão mais afinadas, o enredo está cada vez mais intenso, e a qualidade dos cenários e dos efeitos especiais está soberba. passamos os episódios a apanhar o queixo ao chão.

8 de Março de 2017, às 10:00link do post comentar ver comentários (5)

Mid season

os americanos andam brutos com a séries. estamos a seguir um número insano delas.. depois admiro-me de não conseguir descolar o cagueiro do sofá o fim-de-semana inteiro, só a meter isto tudo em dia. espero sinceramente que algumas destas acabem antes de março, quando terminar o hiato de mais uma mão cheia delas...

(atenção que pode haver spoilers)

2 broke girls
ao fim de quase cinco anos, as duas malucas que dão "nome" à série mais o gang do diner mais javardo de brooklyn ainda não esgotaram o repertório de piadas brejeiras. é politicamente incorrecta até ao tutano, não se deixa intimidar pela onda de (falso) moralismo que assola a américa (e o mundo, já agora), e corre sem pudores todo o tipo de estereótipos. não consigo cansar-me dela :D


agent carter
não arrancou com tanta energia como a primeira season. além disso deixa um feeling que estão a tornar a personagem mais frágil, fazendo-a perder tempo com dilemas típicos femininos, o que não cola bem com a imagem da carter destemida a que estávamos habituados. é uma da fundadoras da S.H.I.E.L.D. for fuck's sake...

arrow
estou seriamente a perder a paciência para esta, está presa por um fio. o personagem principal tá feito num coninhas e as inconsistências tão-me a matam devagarinho. tipo, revivem uma personagem que estava morta e enterrada há seis meses, a outra coitada foi parar a uma cadeira de rodas porque os médicos não conseguiram concertá-la.. epá! 

ash vs evil dead
hollywood a espremer a vaquinha. o bruce campbell está de volta para tirar velhas glórias do túmulo. pensando bem, nunca saiu de personagem, ele é o ash. deve ser como andar de bicicleta, não se esquece. a par com os filmes que lhe deram origem, esta série é de uma idiotice macabra. se bem que, dentro do género do terror, ainda é das poucas coisas que consegui ver e achar piada.

billions
uma das grandes surpresas desta mid season. é basicamente o jogo do gato e do rato e é impossível decidir por quem torcer, porque todos parecem bons e maus ao mesmo tempo. o submundo dos esquemas da alta fiança não é temática que me desperte muito o interesse, mas as personagens são tão fortes e bem conseguidas (especialmente as femininas) que me agarraram pelo estômago. é refrescante ver uma série onde as mulheres têm papéis relevantes e não são remetidas para segundo plano, aqui jogam tão sujo como os seus counterparts masculinos.

colony
agarrou logo desde o piloto. estamos perante um cenário distópico num futuro próximo, após uma invasão sobre a qual ainda não se sabem todos os detalhes. o clima é de opressão, dum lado temos os militares e simpatizantes, cujo papel é garantir os objectivos dos invasores, do outro a resistência, que quer procurar a verdade sobre os factos e libertar as pessoas. as personagens têm que fazer uma certa ginástica para andarem na linha, se não, vão parar à "fábrica". 
promete.. mas vindo dos gajos do lost, esperemos que não embrulhem os mistérios indefinidamente a ponto de perder a piada.


dragonball super

é aquela cena que desde há quase 20 anos não deixo de ver e rever. e ver e rever. e ver e rever.. esta nova série, apesar dos desenhos não estarem a sair com grande qualidade, compensa pela dinâmica entre as personagens e o humor, que está mais afiado do que nunca. isso e fanservice over 9000!!

izombie
guilty pleasure assumido, nem sei bem porquê. se pelo humor ageekalhado, se pela versatilidade da actriz principal, se pelo balanço equilibrado entre comédia, drama e mistério, ou se pelo elenco com um aspecto muito.. saudável, apesar do tom de pele descolorado de alguns :D
espera-se sempre com alguma ansiedade a receita de cérebro da semana.

legends of tomorrow
queria gostar desta série, mas não estou a conseguir.. personagens fraquinhas, argumento fraquinho. tanto que se reflecte nos actores, quase dá para ver pela expressão deles que aquilo é uma desgraça e não vai a lado nenhum. aliás, diria até que nem se estão a esforçar muito.. ou então outra possibilidade é que são simplesmente maus..

limitless
outro caso de hollywood a espremer a vaquinha. vi o filme há uns anos e (apesar de não ir muito à bola com o bradley cooper) até gostei. a série é bem humorada, descontraída, mas muito ligeira. o mais perturbante de tudo é ver a jennifer carpenter sem ouvir caralhadas a torto e a direito a sair-lhe da boca :/

lucifer
o diabo em pela crise existencial, decide tirar umas férias do inferno e viver no reino dos humanos, na cidade dos anjos (a ironia). o misterioso e lascivo príncipe da trevas passeia-se pelo cenário com uma confiança desconcertante, entretendo-se entre outras coisas, a ridicularizar a natureza dos humanos e sacar-lhes os desejos mais profundos. até ao dia em que encontra alguém aparentemente imune ao seu charme, algo que o deixa deveras intrigado. adoro o humor desta série, com níveis muito bons de ironia, sarcasmo, e uma costela geek. also, se o diabo tiver realmente aquele aspecto, eu cá não quero ir para o céu muhahahah

new girl

quinta e última season desta jóia.. uma pena, que a jessie e os rapazes continuam cheios de genica para a palhaçada. nonsense na sua mais pura essência, nem sequer tem tema estabelecido, coisas acontecem e tudo se resolve com toneladas de amizade. vai deixar taaantas saudades, é para aproveitar até ao último pingo.

shades of blue
a jennifer lopez a vestir o papel que melhor lhe assenta: bófia. vive num intenso panorama de corrupção, por ser a única forma de manter a comunidade segura, quando é apanhada e obrigada a trair os colegas de profissão, com quem mantém um relação muito próxima, para escapar à prisão e poder continuar a cuidar da filha. este tenso jogo duplo está cheio de arestas perigosas devido complexidade da trama em que as personagens estão envolvidas.

the expanse
é uma adaptação de uma saga literária com o mesmo nome. trata-se de uma intrigante conspiração que ameaça as relações de paz entre a terra, marte e as colónias do sistema solar. fiquei de queixo caído ao primeiro episódio, está com uma produção excepcionalmente bem conseguida para uma série do syfy. no que toca a cenários, adereços e efeitos especiais diria que rivaliza ou até supera alguns filmes que vão para o cinema. as prestações do elenco também não são más de todo.


the flash
ainda só vai na segunda season mas está a tornar-se tão tediosa que já mal aguento um episódio inteiro. tudo tão politicamente correcto, tudo tão justo, tudo tão facilmente consertável, tudo tão fofinho e amoroso, tudo tão... aborrecido!!

x-files
ressuscita 14 anos mais tarde, para grande júbilo da resistente horda de fãs que nunca deixaram de acreditar (que ela voltasse ou assim), mas que muitos já não se lembram da dinâmica das personagens e do nonsense dos casos abordados, e mete defeitos. hint: quando crescemos e/ou envelhecemos, a vida altera-se e as coisas deixam de ter o mesmo sabor que tinham quando éramos mais novos. relax, enjoy, são apenas seis episódios, é um rebuçado, não tem defeitos absolutamente nenhuns!
pessoalmente sempre tive um grande problema com esta série, o fox e a scully não terem uma relação amorosa de fazer suspirar constelações por esse universo fora. actualmente sei que isso é factor para arruinar séries, e reconheço que seguiram o melhor caminho possível para manter as personagens unidas durante tantos anos (mesmo que os actores não se aturassem IRL)

puf... e o homem ainda segue mais umas quantas, mas essas recuso-me a olhar para a tv enquanto estão a passar, tipo supergirl, the shannara chronicles e mais umas quantas bodegas :P

9 de Fevereiro de 2016, às 23:48link do post comentar ver comentários (19)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly