Lost in... Monsaraz II

andava mortinha de saudades de monsaraz e do alqueva. estivemos lá pela primeira vez em 2012 e fiquei apaixonada por aquela zona. desde então que ando sempre a dizer que temos que voltar. mas é daqueles passeios que está sempre a ser adiado por razões que nem percebo.. fica apenas a duas horas de lisboa de carro, é que nem há desculpas.

depois de três fins-de-semana de bom tempo desperdiçados, decidi que este domingo era um bom dia para irmos até lá, matar saudades e aproveitar a primavera no alentejo, que é absolutamente deslumbrante.

sem grandes planos, saímos por volta das 10, e ao meio dia estávamos a chegar às margens do grande lago. o dia estava fantástico, monsaraz reluzia no alto do monte e o alqueva era um espelho. 

assim que saímos do carro, e inspiramos aquele ar puro, e absorvemos aquela calmaria das planícies alentejanas, desligamos o turbo. passamos o dia na maior das descontracções, entre a pacata vila medieval e o grande lago.




monsaraz tem das vistas mais bonitas sobre a paisagem do interior alentejano que os meus olhos já tiveram o privilégio de registar. desta vez apanhamos tudo pintado em tons de verde. gosto muito, muito do alentejo dourado, mas em verde não se fica nada atrás.



em vez de nos fecharmos no carro e conduzir a tarde toda junto ao lago, escolhemos um spot fixe para estacionar juntinho à margem, e lá ficamos o resto da tarde, até quase ao por do sol.



foi um dia simples e absolutamente perfeito. acho que pela primeira vez em muito tempo, consegui ter a sensação que um dia rendeu. passeamos nas calmas, almoçamos nas calmas, estivemos horas na ronha junto à agua. sem pressas, sem stresses, apenas a aproveitar o cenário. tão bom!!

a próxima visita é capaz de não demorar tantos anos a acontecer porque fiquei curiosa com o observatório do lago alqueva. não fazia ideia que tinham instalado um observatório astronómico na reserva dark sky.. e agora tenho que ir lá meter o bedelho :D

o resto das fotos do passeio está no sítio do costume

Dias de Vadiagem I

este ano não nos metemos com grandes planos para as férias de junho. ainda andaram uns quantos destinos além fronteiras a rodar em cima da mesa, mas não estava de apetites a confusão.. queria era fazer o mínimo possível, que de agitadas, já me bastaram as últimas! 
still, (ou não me chamasse eu isa :D) ainda demos umas voltas valentes he he he

foram surgindo ao sabor da nossa imaginação (já sabemos que as férias improvisadas são as melhores). para começar, lembrei-me que ando há que tempos para saber se aquela história do dark sky é mesmo como eles dizem ou nem por isso. era só apanhar uma noite de lua nova e céu limpo e...

 

..nem mais tarde, nem mais cedo! 

 

então, para abrir o programa de festas, demos um mergulho no alentejo profundo.

fiados nas previsões da meteorologia, marcámos duas noites num dos alojamentos recomendados pelo site (e com o aval do booking). só que.. chega o dia.. adivinhem quem decidiu estragar a festa? isso mesmo, nuvens!

 

anyway, observar o céu servia apenas a desculpa para visitar as terras do grande lago, não íamos cancelar a reserva só porque o tempo não colaborou. era zona que ainda não conhecíamos, isso só por si era motivo suficiente.

 

fizemo-nos à estrada sem pressas e chegámos a monsaraz por volta das seis da tarde. demos com o monte e depois do quarto escolhido e "check in" feito, fomos dar uma volta de reconhecimento pelas redondezas, spotar locais para fotografar o céu, e claro, conhecer monsaraz.

monsaraz 

a primeira coisa que notámos foi uma semelhança inconfundível a marvão. são ambas vilas medievais localizadas no topo de um monte, abraçadas por espessas muralhas, cujo casario bem preservado tem um charme e uma inocência cada vez mais raros de se encontrar. apesar de serem ambas pontos turísticos de referência, são respeitadas por quem as visita, as ruas estão impecavelmente limpas e até o comércio causa pouco impacto.


já a paisagem circundante é completamente diferente.. a sensação que ficámos é que as planícies e o grande lago ganham pontos à paisagem acidentada da serra de são mamede. o contraste entre o amarelo dos campos salpicado pelo verde das árvores e o azul do alqueva dá-lhe uma tranquilidade incrível. uma pessoa até fica emocionada.. tinha ficado ali a admirar o horizonte até que a noite caísse, mas chamaram-nos para jantar :)

 

depois da janta (recheada de iguarias da região), um bocado agitada por causa do jogo de portugal contra a holanda, fomos ver se essa coisa da noite escura era mesmo verdade. demos umas voltinhas por ali perto, e apesar de estar escuro (não havia lua nem iluminação pública), existiam alguns focos luminosos. disseram-nos que por volta da 1 ou 2 da manhã ficava ainda mais escuro, mas eu à meia-noite tava a cair pro lado com sono... bah!

 

o segundo dia foi dedicado ao passeio. havia duas aldeias relativamente perto dali que eu fazia questão de visitar: amareleja e luz. 

 

e, como é do meu apanágio, se estou perto de espanha, meto-me por ela adentro só porque sim.. depois dou meia-volta ao cavalo e regresso a portugal (há pancadas piores... espero!) :D

 

na amareleja ficamos parvos com a dimensão da central solar. a vila em si parece simpática, não sendo propriamente dito pequena, ainda conserva o aspecto típico das povoações alentejanas. não nos demoramos muito por lá, que estava um calor dos diabos e só apetecia estar dentro do carro com o a/c ligado. mas antes de seguirmos caminho lanchámos numa pastelaria com um nome sugestivo: banha. 

 

próxima paragem: aldeia da luz. estava deserta e silenciosa, não se via vivalma pelas ruas. na sua localização original não restou nada para contar a história, apenas podemos adivinhar pelas estradas submersas pelo lago. um bocado creepy, mas a zona é lindíssima.

Untitled 

antes de recolhermos ao monte, ainda andámos às voltas em redor do alqueva, que tem paisagens incríveis, cheias de calma. não sou fã de barragens, mas aquela é tão, mas tão imensa que esse "pequeno" pormenor passa despercebido :)

 

nessa noite jantámos num restaurante típico perto dalí, o marido alambazou-se primeiro com uma panela de açorda que dava à vontade pa 3 pessoas (entrada, diziam eles :D ainda provei mas tinha *demasiados* coentros pró meu gosto.. aliás, aquilo mais parecia um ensopado de coentros) e depois, uns belos (e deliciosos) lagartos de porco preto. eu, como não me apetecia nem carne nem bacalhau comi.. chocos grelhados. ya.. tem tudo a ver!

 

o hóme encheu-se de tal forma que quis voltar a pé para o monte, para ajudar a desmoer a barrigada lol 

não tivesse o carro ali, tinha-lhe feito companhia.. vim conduzindo devagarinho ao lado dele, para lhe iluminar o caminho que estava muito escuro.. e dar-lhe boleia, caso se acagaçasse com algum bixo muhahaha

 

no dia seguinte acordamos sem saber se ficávamos mais uma noite e ver se a meteorologia colaborava, ou se pegávamos n'agente e íamos pregar para outra freguesia.. entretanto, um sms acabou com a indecisão: a sis queria aproveitar os últimos dias de férias e decidiu juntar-se a nós no destino que se seguia: galé.

 

portanto, não vi galáxias, nublosas, estrelas e planetas.. mas vi paisagens lindas, raposas destemidas e.. furacões!

long story short, os donos da casa tinham um casalito de fedorentos.. e quando o marido me aparece no quarto com um pendurado no ombro ia-me dando uma coisa má.. não, a sério!

 

peguei nele e esfreguei-o na cara.. O-M-G! QUE SAUDADES de sentir aquele pêlo foooooofo e aquele (mau) cheiro delicioso. naquele momento quase que me caíram as defesas e quis desesperadamente voltar a ter bixos daqueles.. foram precisos dois dias para voltar a meter as ideias no lugar :P 

 

sobre onde ficámos alojados, só há uma coisa a dizer: ADORÁMOS!!

 

fica localizada entre o alqueva e monsaraz. não é muito grande (tem 5 quartos) e está decorada de uma forma muito acolhedora, com cores quentes e envolventes. descanso é a palavra de ordem: montes de sítios onde preguiçar, que nem apetece sair de lá :D
para além do quarto com um pequeno terraço, tínhamos a sala, o alpendre (onde a vista se perde até espanha), e a zona da piscina, com espreguiçadeiras, esplanada e uma lounge bastante agradável para passar lá as tardes de calor.

 

nunca antes tivémos uma experiência de alojamento assim. a sensação com que ficámos foi de que éramos tudo menos hóspedes, mas sim convidados na casa de amigos. os anfitriões (pessoal da nossa idade) deixaram-nos tão à vontade que nem trancávamos a porta do quarto.

 

ficou prometido um regresso, para conseguirmos observar o céu em condições :)

 

à vinda parámos em s. pedro do corval, atraídos pelo o reclame d"o maior centro oleiro do país". decidimos ir explorar algumas das várias olarias que lá existem e aproveitar para trazer uns recuerdos (parece que demos numa de gostar de coisas kitsch.. será a velhice kicking in? :D).
histórias interessantes, as que ouvimos de um dos comerciantes de artesanato. só por si dava um post.. havemos de voltar lá, mais cedo e com mais tempo.

Untitled 

chegámos a casa e toca de preparar o material para o resto das férias, sem sabermos ao certo como iriam ser :D

 

to be continued...

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly