Lost in... Pedralva

no fim-de-semana passado estive na terrinha e para aproveitar a tarde fantástica de domingo, peguei no homem e fomos ver as modas até às praias da carrapateira.

quis ir pelo caminho mais pitoresco, que é como quem diz, aquele que se faz por estradas de terra batida pelo meio dos montes, para fazer uma paragem na pedralva. já lá tinha passado há uns anos, mas foi ao início da noite e não deu para ver grande coisa desta pequena aldeia perdida na serra algarvia, recuperada há uns anos para se tornar numa espécie de complexo turístico.

de um monte de ruínas abandonadas, nasceu um conjunto de casinhas rústicas, muito castiças, e muito branquinhas. vista ao de longe, parece um oásis resplandecente na encosta do monte. para compor o retrato bucólico, não faltam gatos nem animais de quinta.

pedralva pedralva pedralvapedralva pedralva pedralvamedronhosvasogato

diria que para ser ainda mais charmosa, só lhe falta mesmo ruas mais floridas.

deu para perceber que é um sítio muito calmo, onde se vive muito devagar. a localização é brutal, ali paredes-meias com o parque natural do sudoeste alentejano e costa vicentina, e praias incríveis na vizinhança, que serviram de inspiração para o nome das casas. é atravessada com alguma frequência por forasteiros que andam a percorrer o caminho histórico da rota vicentina, e que encantados, acabam por abrandar para apreciar o casario :)

Prainha da Luz

quando era miúda frequentava bastante a praia da luz, era quase como uma segunda casa. aliás, ainda me lembra de conversas entre os meus pais sobre a possibilidade de nos mudarmos para lá, que com muita pena minha, nunca chegou a acontecer. na altura, a vila tinha metade do tamanho que tem hoje, mas já era a colónia inglesa que ainda é hoje.

naturalmente, fizemos muita praia lá. a praia da luz tem duas praias, eu preferia a praia grande, por ter um areal enorme. já os meus pais preferiam a prainha, uma praia de rochas, com apenas alguns recantos de areia. não achava muita piada na altura.. hoje compreendo o encanto,

prainha da luzreflexoondasondas ondasouriçosprainha da luzpiteiras

Lost in... Monsaraz II

andava mortinha de saudades de monsaraz e do alqueva. estivemos lá pela primeira vez em 2012 e fiquei apaixonada por aquela zona. desde então que ando sempre a dizer que temos que voltar. mas é daqueles passeios que está sempre a ser adiado por razões que nem percebo.. fica apenas a duas horas de lisboa de carro, é que nem há desculpas.

depois de três fins-de-semana de bom tempo desperdiçados, decidi que este domingo era um bom dia para irmos até lá, matar saudades e aproveitar a primavera no alentejo, que é absolutamente deslumbrante.

sem grandes planos, saímos por volta das 10, e ao meio dia estávamos a chegar às margens do grande lago. o dia estava fantástico, monsaraz reluzia no alto do monte e o alqueva era um espelho. 

assim que saímos do carro, e inspiramos aquele ar puro, e absorvemos aquela calmaria das planícies alentejanas, desligamos o turbo. passamos o dia na maior das descontracções, entre a pacata vila medieval e o grande lago.




monsaraz tem das vistas mais bonitas sobre a paisagem do interior alentejano que os meus olhos já tiveram o privilégio de registar. desta vez apanhamos tudo pintado em tons de verde. gosto muito, muito do alentejo dourado, mas em verde não se fica nada atrás.



em vez de nos fecharmos no carro e conduzir a tarde toda junto ao lago, escolhemos um spot fixe para estacionar juntinho à margem, e lá ficamos o resto da tarde, até quase ao por do sol.



foi um dia simples e absolutamente perfeito. acho que pela primeira vez em muito tempo, consegui ter a sensação que um dia rendeu. passeamos nas calmas, almoçamos nas calmas, estivemos horas na ronha junto à agua. sem pressas, sem stresses, apenas a aproveitar o cenário. tão bom!!

a próxima visita é capaz de não demorar tantos anos a acontecer porque fiquei curiosa com o observatório do lago alqueva. não fazia ideia que tinham instalado um observatório astronómico na reserva dark sky.. e agora tenho que ir lá meter o bedelho :D

o resto das fotos do passeio está no sítio do costume

Nas alturas II

chego a casa na sexta, uns minutos antes das nove da noite. vou directa ao quarto, enfio-me furiosamente no pijama, e salto pra cima do sofá, com intenções de não largá-lo nas 48 horas seguintes.

pego no portátil, a gata toma conta das minhas pernas. all set for the weekend!!
nisto, um colega pergunta no chat se alguém quer ir passar o fim-de-semana em tróia.. à borla!

...eh lá O.o

one does not simply desperdiça um fim-de-semana em tróia.. mékie.. mais ninguém se chega à frente? não? têm a certeza? então tamos nessa!

podíamos ir naquele momento. a reserva era de duas noites, sexta e sábado.. mas tínhamos acabado de ligar o aquecimento central - um evento que ocorre apenas uma vez por ano, já estava de pijama e com o gato acomodado confortavelmente em cima das pernas. vestir-me, aviar a bagagem, jantar, mais hora e meia de asfalto.. era coisa para chegar lá à meia noite..

é nestas alturas que uma pessoa se percebe que está a ficar velha.. se fosse há uns anos nem pensava duas vezes, metia-me na alheta em 3 segundos :P

fomos no sábado, nas calmas. o check-in foi rápido, e não houve stresses com a mudança de nome na reserva. o apartamento ficava na mesma torre da penthouse, a uns míseros metros abaixo dela. ai as memórias, as memórias!

abrimos a porta e... eix! apartamento tão épico. espaçoso, acolhedor, muito luminoso, e com uma vista fantástica. a kitchenette podia ser pequena, mas estava bem equipada. 




reconhecimento ao perímetro feito, bagagem arrumada, descemos para ir almoçar algures na marina.. para descobrir que em janeiro, está tudo fechado em tróia... fónix... mudança de planos: butes ao supermercado buscar umas cenas, e tratamos do assunto no apartamento.

comprámos o almoço... e também o lanche. e o jantar. e a ceia hi hi hi é da forma como não temos que sair para mais lado nenhum \m/

ao inicio da noite ainda passamos pelo spa. não é o melhor spa onde já estive, mas a cavalo dado não se olha o dente. 10mn no banho turco, a água da piscina interior estava demasiado fria para mim, 15 minutos no jacuzzi apinhado, apenas 5 minutos na sauna porque estava demasiado quente, mais 5 minutos no banho turco e decidimos que uma banheirada de espuma lá em cima é que era. e subimos.

jantamos, vimos um episódio de the grand tour, trabalhamos uns bocaditos, ceamos. e assim se passou a noite.

no domingo saí da cama às onze. falhámos o pequeno-almoço no hotel, mas nem sequer me importei. numa próxima, até o pequeno-almoço é no apartamento!

check-out feito, voltinha pelas redondezas, para matar saudades. cada vez gosto mais de tróia, custa-me tanto sair de lá chuif chuinf... e está deserta, nesta altura do ano, bem fixe. o dia não estava grande coisa para passeios, mas pelo menos não estava a chover. antes de regressarmos à base, ainda fomos ao carvalhal, lavar as vistas à praia do pego. já não metíamos lá os pés há uns anitos. foi a nossa praia de eleição durante umas quantas épocas, mas depois ficou na moda e começou a ser complicado ir para lá. demasiada confusão, e confusão é uma cena que não me assiste.



só sei que adorei o apartamento. alta sítio para passar uns fins-de-semana no inverno, mesmo com mau tempo \m/

Isa vai à neve III

pelos vistos o briol que apanhei em londres não foi suficiente, no fim-de-semana passado fui meter-me no frigorífico da estrela.. funny thing, estava mais agradável na neve que junto ao tamisa :D

teria sido mais fixe se no sábado tão tivesse chovido o dia inteiro. desde as nove da manhã quando acordei, até as onze da noite, não parou de cair água um minuto que fosse. a serra ensopou, e as quedas de água que escorriam pelo vale glaciar eram assim pro assustadoras.

 
mas do domingo deu para tirar a barriga de misérias. mas ainda não foi desta que estreamos as correntes dos pneus. há oito anos fizeram falta, humpf!


o outono ainda anda por lá ♥ 

álbum completo no sítio do costume

Lost in... Serra da Arrábida

a primavera está em estágio e seria criminoso não dedicar um dia deste fantástico fim-de-semana para sair de casa e meter os pauzinhos ao sol. o local escolhido foi o nosso go-to favorito no quintal, a belíssima serra da arrábida, em modo de passeio preguiçoso por lugares mais que batidos (mas que adoramos revisitar).

se o dicionário tivesse imagens, esta seria da do termo "lagartar"!

Untitled

luxo de vista. apesar de ser um spot concorrido, apetece ficar lá horas sem fazer nenhum.

Untitled UntitledUntitled Untitled


o sítio mais creepy da arrábida, a lapa de santa margarida, que pelos vistos se tornou num local de peregrinação, apesar do acesso não ser nada convidativo.

UntitledUntitledUntitled

 

...e o melhor de tudo neste pedaço de paraíso, o tranquilo azul do oceano sempre no horizonte, já a aliciar a malta para a praia.

 

UntitledUntitled Untitled

 

álbum completo no sítio do costume

Estufa fria

foi dos primeiros sítios que visitei quando vim estudar para lisboa. entretanto mais anos que aqueles que se contam pelos dedos das duas mãos passaram, e quis dar lá um saltinho este domingo, para quebrar a rotina enfadonha que estava instalada dos fins-de-semana de janeiro, em que praticamente apenas saí de casa para fazer compras e pouco mais.

é um recanto muito agradável e calmo. assim que passamos a entrada, parece que entramos numa pequena selva. os olhos perdem-se facilmente na imensidão das plantas exóticas que cobrem tudo à nossa volta, e os tons de verde são mais do que aqueles que conseguimos processar.

uma rede quase labiríntica de caminhos assegura que não vamos perder pitada da visita. pequenas cascatas, lagos, regatos, grutas, pontes e degraus de pedra para os patamares superiores compõem o cenário.

em alguns canteiros espreitam pequenas e curiosas esculturas, de cores e formas orgânicas, que se diluem perfeitamente na vegetação em redor e dão um ar de graça ao espaço.

Untitled Untitled Untitled Untitled IMG_20160207_150621 Untitled Untitled

(album completo aqui)

infelizmente apanhamos a estufa quente fechada (tem estado em obras). lembro-me de ter achado interessante a transição e o contraste de ambientes entre as duas estufas, uma fresca e suave e a outra quente a abafada, mas não foi possivel reavivar essa memória. dá para mirá-la da estuda doce, e está com muito bom aspecto.

perde-se facilmente uma tarde lá, pelo que aconselho a ir de estômago cheio, calçado confortável e sem grandes pressas.

mental note: não deixar passar tanto tempo até à próxima visita.

Pelas terras do Guadiana

o parque natural do vale do guadiana é uma espécie de underdog dos parques portugueses, não se ouve falar muito dele. fica ali nos confins do baixo alentejo, paredes meias com o algarve e resvés com espanha. um bocado afastado da “civilização” e sem nenhuma auto-estrada que nos deixe às suas portas. é pouco habitado, e não existem grandes cidades nas redondezas, tem apenas uma vila e pequenos povoados salpicados pelo parque.. e é tremendamente bonito!

a paisagem é diversificada, a ponto de não se perceber bem se ainda estamos nas planícies alentejanas ou se já estamos com um pé na agreste serra algarvia. tem bosques e tem mato rasteiro, e apesar de ter muitos cursos de água, tem um aspecto muito árido.. e as vistas são de fazer parar a respiração.

já andamos por lá duas vezes. numa exploramos a zona da mina de s. domingos e pomarão, onde percorremos os túneis ferroviários desactivados. noutra corremos aquilo tudo numa doideira atrás de balões meteorológicos. o cascas está bastante familiarizado com as estradas de terra batida e as ribeiras secas do parque lol

só tenho um reparo a fazer a mim própria: nunca vou lá com tempo suficiente para ver tudo o que quero, aquilo é maior do que parece! já fiz saber ao homem que num futuro não muito distante quero lá voltar e bater as capelinhas todas novamente, mas com mais tempo para respirar e inspirar aquelas paisagens. além disso, todas as visitas têm acontecido sempre pela mesma altura, setembro/outubro, e apesar de vibrar com as cores douradas daqueles montes e planícies, tenho curiosidade para saber como será noutras alturas do ano.

road to somewhere

mas das várias coisas que nos tinham deixado saudades, talvez um pequeno tasco em corvos era a que mais sobressaía. fomos lá parar por obra e graça do destino. queríamos cozido de grão, e disseram-nos que lá era o melhor sitio para ir. só que o cozido de grão não parecia ser o que mais clientes atraía ao tasco, mas sim.. pizza!

nessa noite deixamos uma promessa escrita na pedra: 
“havemos de cá voltar para comer uma pizza”

e a minha surpresa ao chegar lá, 5 anos e um desvio de 60km depois, e ver o pequeno restaurante a rebentar pelas costuras, que por pouco temi que não conseguíssemos jantar. pelos vistos a internet aconteceu e a paragem está no topo das recomendações do tripadvisor para a região de mértola. not bad!

e íamos com intenções de fazer cumprir a promessa e comer pizza, a sério que íamos. mas assim que lá cheguei, fiz uma confidencia ao homem: "migo, não sei se vou conseguir resistir ao cozido de grão..." 

e não resisti... foi mais forte que eu lol e ele que ele também, que se fez às migas com secretos :D' a pizza ficou novamente adiada lol

cozido de grão

nessa noite aprendi uma valiosa lição: tu simplesmente não comes uma pratada de cozido de grão e depois vais arrochar para um hotel...

HA HA HA não vais, não senhora! 

...e foi assim que finalmente conhecemos mértola (a tal paragem "técnica" que falei no post dos figos), depois de tantas vezes a atravessá-la de raspão. primeiro à noite e depois outra vez à noite, e finalmente, de dia :)

Untitledmertola mertola
Untitled
Untitled Untitled Untitled UntitledUntitledguadiana

é um sitio lindíssimo, muito acolhedor, come-se bem. e para quem se interessa, está recheado de história.

e já que andávamos lá por perto, aproveitamos para conhecer também alcoutim, ali mesmo juntinho à margem guadiana.

alcoutim guadianaguadiana

álbum completo da coisa aqui

Se provas faltassem.. III

há umas semanas fizemos uma paragem "técnica" em mértola, e no maior dos acasos, dei com o nariz num cartaz que anunciava algo que me espevitou o interesse, um concurso de figo-da-índia..

EH LAH

"ò amigue, aqui tens a tua grande oportunidade para experimentar os figos dos cactos!!" comuniquei entusiasmada ao homem

para contextualizar, sempre tive um fascínio estranho por aqueles amontoados desgovernados de cactos com ar de poucos amigos e o homem, desde que descobriu que os frutos que brotam daquilo são comestíveis, que andava curioso para prová-los.

Untitled

(nesta foto isa descobre que não é grande ideia tocar nos figos-da-índia sem luvas)

e que melhor para isso que um concurso com degustação? era garantindo que ia haver figo-da-índia de todas as maneiras possíveis e imaginárias. done deal!

então o nosso destino de sábado passado foi alcoutim martim longo. zarpamos a todo o vapor para o algarve profundo atrás do exótico fruto, sem saber bem ao que íamos.

então às 14 horas e 45 minutos, isa alcança finalmente a vila de alcoutim e pergunta-se onde terá lugar o evento. saca do telemóvel esperto, pesquisa pelo cartaz do certame, analisa-o ao pormenor e... pânico!! "FDX, NÃO É EM ALCOUTIM, É EM MARTIM LONGO!!" eeeeeeeek...

e siga que não há tempo a perder!

chegámos mesmo a tempo. à nossa espera estava uma mesa farta de iguarias confeccionadas com figo-da-índia e foi possível experimentar de tudo um pouco: gelados, bolos, sobremesas, guloseimas, compotas, licor, sumo, ao natural, etc etc não ficamos desiludidos, não senhora!

Untitled

UntitledUntitledUntitledUntitledUntitled


o homem honrou os 300km que percorremos para lá estar, e provou TUDO o que havia para provar, já eu atirei-me apenas ao que parecia mais delicioso.

o evento realizou-se no salão da junta de freguesia de martim longo e estava bastante concorrido, provavelmente só com pessoal da zona e não conseguimos evitar a sensação que crashamos na festa de alguém sem ser convidados. mal habituados com as festas de cidade, onde tudo se paga entrada, ficámos verdadeiramente surpreendidos com a intimidade do evento e acabámos por ficar contagiados com o sentido de comunidade ali presente. a dedicação e boa-disposição manteve-nos até ao final, para descobrirmos e aplaudirmos os vencedores do concurso.

o meu favorito ganhou o terceiro lugar, o homem confirmou que o primeiro lugar foi merecido :)

veredicto: imho, o fruto em si não é mau, embora não tenha um sabor particularmente intenso ou distinto. mas é impressionante a quantidade de coisas que se consegue fazer com ele. além disso, parece ser a grande aposta na área da agricultura da região, até porque tem outras aplicações para além da culinária.


Untitled

os nossos sinceros parabéns aos organizadores, concorrentes e em especial à incansável senhora dos sumos, que ainda aturou as questões todas do homem sobre os figos e as figueiras e as plantações, que nós bem que as procuramos semanas antes, mas não encontrámos.

Untitled

De volta a terra firme

quando liguei o carro, o termómetro marcava 37ºC.. OUCH!!

outro *pequeno* detalhe sobre a minha pessoa: eu gosto muito de calor, mas não me dou bem com muito calor. é a minha triste realidade.. fico mooooooole, leeeeeenta, pesadooooona, custo a respirar, pulsam-me os miolos, tenho tonturas. eu sei lá!

ainda por cima, queríamos aproveitar aquele último dia para passear, o que significava andar constantemente a entrar e sair do carro, logo não podia ter o ar condicionado ligado nuns agradáveis 22,5ºC. acumular mudanças bruscas de temperatura é coisa para me mandar ao tapete com dores de cabeça abomináveis, daquelas que até deixamos de ver, ouvir e pensar..

..e o homem ainda estava com ideias de irmos a corvos comer pizza, porque não estávamos assim tão "longe" como tudo isso. não que não fosse fixe, mas o accuweather estava a registar 40ºC em mértola. sinceramente, não estava nos meus planos ir pró alentejo cozer-me viva!

fomos a santa luzia com intenções de experimentar o polvo da zona, mas escolhemos mal o dia, os restaurantes estavam praticamente todos fechados. se bem que com aquele calor insuportável, fome não tinha quase nenhuma. ainda assim, entramos um snack bar e marchou uma saladinha bem fresca de polvo e outra de estupeta de atum (finalmente!!!), que souberam pela vida.. isso e o meio litro de água geladinha que bebi quase de penalti.

salada de polvo salada de estupeta de atum

also, aqui ouvimos pela segunda vez no mesmo dia, que a espanholada vem para cá e só faz porcaria. ai as memórias que isto me desenterra...

não me apeteceu ir ao pego do inferno, quis continuar junto da ria, andava fisgada aos flamingos. acabámos por ir refrescar o corpo na foz do gilão, e vimos mais umas salinas. flamingos é que nem a sombra..

Untitled

depois fomos até cacela velha. ouço falar tanto naquilo que seria uma falha gravíssima andar pela zona e não visitar. achei giro, muito bem preservado, e com uma vista fantástica. mas há sítios mais charmosos, tipo monsaraz. também não me parece que haja muito para fazer senão apreciar a vista e comer. por falar nisso, há lá um pequeno tasco (pelo que me apercebi, bastante concorrido), onde a brigada do mocassin gosta de ir sorver ostras frescas da ria e comer chouriço assado.

Untitled Untitled

daqui trouxemos umas histórias engrassadas, com uma gata. esta gata.

Untitled

esta gata dormitava à sombra, provavelmente tão mole devido ao calor sufocante quanto eu. tirei-lhe umas fotos, o mais sorrateiramente que consegui, para não incomodar a soneca do bicho... mas de pouco valeu, porque entretanto apareceu um bando de tiazocas, todas histéricas. viram o gato e ainda mais histéricas ficaram.

"ai... ê a puca? ê a pucaaaa? ê mesmo a puca! oh, mas está tão grande!!!"

todas a fazer festas e a querer pegar no bixo ao mesmo tempo e a fazer aquelas vozinhas estridentes e abebézadas que causam danos irreparáveis nos tímpanos. a alfa acaba por conseguir deitar o verniz à gata, arranca-a do muro e volta-se na direcção do tal tasco, berrando e abanando o bixo no ar "oh pai, ê a puca não ê? 'tá tão grande!!"

mas a puca não tardou a perder interesse e foi largada no chão. no meio da calçada. ao sol.

com o ar mais incomodado do mundo (nem sei como não as esquartejou todas, tinha sido bem feita), voltou para o muro e deitou-se novamente.. mas não tardou muito que voltasse a ter companhia. uma família de três, pai a fotografar todos os passos do petiz. "senta-te aqui", "agora senta-te ali", "agora faz umas festinhas no gatinho, faz!", e vá de sacar fotos "oh, é tão fofinho, não é?". nisto aparece outro puto, de outra família, a querer meter as mãos em cima do gato também. o pai desse, repreende-o todo enojado "deixa o gato, tomás. não vês que está todo sujo!?”

cenas...

de regresso a tavira, com passagem por cabanas para fazer tempo até à hora de jantar. estava TANTO CALOR às oito da "noite" que não. se. aguentava! a esplanada do três palmeiras parecia um forno e fazíamos viagens frequentes à casa de banho para encharcar a tromba.


para terminar em grande, gelado no centro da cidade. estava-se maravilhosamente bem na rua. amo noites quentes, é daquelas coisas que me deixa feliz só porque sim.

Untitled

estivemos sentados à beira do rio a fazer um balanço da nossa estadia por aquelas paragens. íamos para três dias, acabamos por ficar uma semana. se isso não é um bom indicador, não sei!

desde a comida deliciosa que enfardamos; das pessoas com quem nos cruzamos e conversamos (não estou habituada a gente tão simpática, descontraída, bem-disposta e comunicativa); da pacatez daquela cidade; daquelas praias areia fina e água morna; dos dias de praia absolutamente épicos; das voltas; dos passeios de barco na ria.. fiquei perdida de amores por um algarve que julgava não existir, e espero que se mantenha assim, por muitos e muitos mais anos.

gilão

saímos de tavira por volta das dez e meia da noite, com 32ºC. uma hora depois, chegávamos à terrinha, no outro extremo do algarve, com 23ºC : /

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly