Resumo da semana

em que éramos para ir laurear a pevide, mas vez disso, ficámos em casa a trabalhar remotamente. trabalhar em casa é fixe, mas tem um GRANDE problema: é IMPOSSÍVEL ter horários minimamente decentes. caio sempre naquele velho esquema de trabalhar pela noite dentro até ao amanhecer, e dormir até às duas da tarde. acho que tenho isto escrito no código genético, gosto mesmo de trabalhar de madrugada, cum caneco.. 

também são muitos dias seguidos, em que ou estou (mal) sentada, ou deitada.. se não estou deitada, estou (mal) sentada. quase que arruinei o belíssimo trabalho que o meu terapeuta me fez nas costas na sexta passada. se não fosse os esticões que fui mandar pró ginásio, aquela tortura toda tinha pró galheiro e depois levo nas orelhas..

a parte fixe é que, com o calor que está, sabe muita bem trabalhar em pelota. não convém é esquecer de vestir uma t-shirt durante as chamadas de conferência :D

e temos um gatinho fofinho para afagar o pêlo e aliviar o stress a qualquer hora do dia (gatinho esse, que em vez de aproveitar que tinha os humanos de estimação em casa a tempo inteiro, passou os dias ferrado a dormir).. 



e o melhor de tudo, não temos que andar metidos em transportes públicos, que com este calor, é crime para o olfacto.

aliás, mal saímos à rua. com o calor que tem feito, nem apetece anyway... já estamos a meio de junho, e o verão chegou a full power. já estamos a meio de junho.. daqui por uns dias estamos a contar os segundos que faltam para a meia-noite do ano novo PQP 😞

17 de Junho de 2017, às 01:30link do post comentar ver comentários (7)(2)

Olha ela

a bela da posta de fim-de-semana, like the good ol’days :D

se há coisa que detesto, detesto mesmo, são os fins de semana de inverno! não me apetece sair de casa, não me apetece fazer nada, os dias parecem muita curtos e o tempo passa depressa, e cenas.

mas porque conseguimos reserva para ramen no bonsai à uma e meia da tarde de sábado, fomos "obrigados" a sair de casa. não foi a mais genial das ideias, visto que ao fim-de-semana nunca acordo antes do meio-dia.. mas só servem aquele prato ao almoço, e queríamos mesmo alinhar. há quase 15 anos que andávamos para ir ao bonsai (desde o tempo que tinha "novo" no nome). uma grande, graaaaaande falha no nosso currículo.

saímos com tempo de passar no mercado da ribeira e comprar as hortaliças da semana, mas.. ou é aquele mercado que não é grande coisa, ou aquela hora não era a melhor.. não havia nada de jeito. decidimos deixar o carro ali e subir a "corta-mato", desde o cais do sodré às portas do principe real, nas calmas, para abrir o apetite (e não cair pró lado da estafa) lol

a experiência do bonsai foi muito fixe, o espaço e o ambiente do restaurante são fantásticos, mas o ramen não conquistou. e não creio que tenha sido por termos almoçado à hora que costumamos tomar o pequeno almoço, acho que as expectativas estavam demasiado altas. mas ficou a vontade de voltar lá, para sushi e restantes especialidades, tudo o que passou pelos nossos olhos dava água na boca!

depois do almoço, descemos o bairro nas calmas de volta ao cais do sodré. estava estranhamente calmo, para uma tarde daquelas. passamos pelo miradouro de santa catarina, descemos até conde barão, e seguimos por caminhos muito familiares, até ao estacionamento do mercado.

o dia continuava espectacular e o homem sugeriu que fossemos até à zona da fundação champalimaud, aproveitar o sol. acabamos por ficar uma hora a fazer fotossíntese na esplanada do darwin's. depois começou a encher e achamos que estava na hora de continuar com as tarefas que tínhamos programadas para aquele dia.

dali siga para benfica, abastecer a dispensa da sôdona gata. e depois para o mediamarkt, continuar a busca por um termoventilador decente para nos tornar as manhãs invernosas mais confortáveis. 

depois fomos a casa, buscar o termoventilador que tínhamos comprado três dias antes, e por ser valente treta, era para devolver. siga pro colombo. depois da devolução, fomos à caça de colchão. aparentemente, seis anos é a data de validade dos colchões de espuma, o bultex só tem seis anos e já anda a ver se nos mata. pensei que fosse merda para durar mais tempo, humpf... also, nunca mais na vida caio na asneira de comprar um colchão feito de espumas pretensiosas. molas it it's!

como não tinham naquela loja nenhum dos modelos que queríamos experimentar, fomos a loja do dolce vita, e tomamos a decisão. mas regressamos ao colombo para fazer a compra lá. ainda no colombo aproveitamos para jantar, porque acabamos por não fazer compras e o frigorífico tava vazio.

acabou por ser um dia brutal, e muito bem aproveitado \m/

já no domingo, só saí de casa às nove da noite, para ir secar roupa à lavandaria. há que manter os pratos da balança equilibrados :D

9 de Janeiro de 2017, às 02:38link do post comentar ver comentários (1)(1)

Na semana passada aprendemos que...

- aquela história que é fixe visitar londres no outono não é lá muito verdade.. pelo menos para malta friorenta, que não suporta temperaturas abaixo de 10ºC;
- afinal existe céu azul em londres, não está sempre cinzento ou a chover, apesar do clima ser completamente bipolar;
- os transportes públicos funcionam muito bem, os nossos em comparação são uma vergonha;
- wifi à borla não é tão abundante como seria de esperar numa cidade tão desenvolvida;
- há muuuuuito para ver em londres, a cidade é enorme;
- as tourist traps mais famosas são estupidamente caras;
- o mercado de portobello pode ser famoso mas não é nadinha de especial.. o borough market é bem mais interessante;
- o contraste arquitectónico entre edifícios antigos e ultra modernos é brutal;
- londres tem bairros lindíssimos, super charmosos. as fachadas são adoraveis e estão bem preservadas;
- a quantidade de ciclistas e joggers a qualquer hora do dia é impressionante, aquela malta é imune ao frio ou quê;
- a cidade é um verdadeiro melting pot, ouvem-se todas nas línguas na rua. inglês é capaz de ser a língua que menos se ouve falar na rua, e boa parte dos empregados das lojas e restaurantes não são britânicos;
- somos sempre cumprimentados nas lojas com um "hi" ou um "hello" muito caloroso, e não vêm atrás das pessoas a perguntar se podem ajudar;
- aliás, fiquei deliciada com a simpatia que encontrei por todo o lado, tinha a sensação dos ingleses serem pessoas muito reservadas e pouco simpáticas, é totalmente o contrário;
- não vale a pena ir a londres com intenções de fazer compras, quase todas as lojas (acessíveis) também existem em portugal, com preços mais em conta (já tinha descoberto esta em madrid também);
- a não ser que tenhamos um cartão de crédito sem fundo para podermos torrar em roupa e acessórios de luxo, não faltam dessas lojas em londres.. aliás muito luxo se vê por aquelas ruas, super-carros, roupa, sapatos, malas, etc;
- iphones por todo o lado, prai numa proporção de 10/1 para androids;
- os bares de ramen estão para londres as tascas de sushi chinês estão para lisboa;
- os ingleses são especialistas a fazer galões lattes, não bebi um que não gostasse;
- ninguém em londres precisa de andar muito para comprar uma bebida quente, em cada esquina existe um caffé nero, ou um costa caffee ou um starbucks;
- andar a passear um copo de papel não é só pelo estilo, com aquelas temperaturas siberianas é uma necessidade.. uma bebida quente faz maravilhas pelo corpo;
- os ingleses estão obcecados com a segurança (e com muita razão). entre câmeras de cctv espalhadas por toda a cidade, controlo apertado à lá aeroporto para entrar nalguns edifícios, torniquetes com acesso controlado à entrada das obras, lixeiros com sacos de plástico transparentes, alertas nas estações de comboios para objectos deixados ao acaso, instalações para armazenamento de bagagem com scanners de raio-x, policias armados até aos dentes, etc;
- se acham que as obras de lisboa são excessivas, vão passear até londres lol

also, já não sou a única pessoa à face da terra que ainda não visitou londres YAY

22 de Novembro de 2016, às 15:57link do post comentar ver comentários (16)(5)

Na semana passada aprendemos que...

- existe em portugal continental uma região com estradas tão ou mais lixadas como as da madeira;
- quando se olha para o mapa em trás-os-montes, por muito curto que um trajecto pareça, nunca julgar que determinado sítio fica "logo ali"..ouch!
- o nome trás-os-montes assenta que nem uma luva a trás-os-montes, tudo fica atrás de um monte;
- trás-os-montes é a região mais sexy de portugal: só curvas e protuberâncias;
- aquele sinal de perigo que avisa que veados podem atravessar a estrada não é mito, os veados (ou corsas) existem mesmo e atravessam a estrada quando menos se espera (sim, eu sei que o sinal significa animais selvagens, não só veados);
- em trás-os-montes todas, mas todas as cidades, vilas, aldeias, e povoados têm no acesso principal um pequeno altar com um santo/a e uma cruz de pedra enorme;
- as aldeias e os pequenos povoados podem não ter uma caixa multibanco, mas quase todas têm um museu;
- (esta já sabíamos mas confirmamos) a arquitectura portuguesa das casas típicas é *bem* mais pitoresca e charmosa que a espanhola;
- e por mais remota que seja a povoação, existem habitações a serem recuperadas e nota-se o esforço por manter a traça das casas o mais autêntica possível;
- aliás, o feel que fiquei é que aquela região ainda está em bruto, incrivelmente preservada, quer em natureza, história e tradições;
- existe uma desertificação brutal em algumas zonas, houve dias que não chegámos a ver crianças nem jovens;
- pombais... pombais everywhere!!
- a posta mirandesa é deliciosa mas a costeleta de vitela consegue ser ainda mais decadente;
- não sou fã da receita dos folares transmontanos (perdoem a heresia desta algarvia habituada a bolos de massa doce e densa, cujo recheio são ovos cozidos com casca e não enchidos de fumeiro);
- os transmontanos não se deixam intimidar pelo declive dos montes, aproveitam-nos até ao impossível para plantações de vinha e oliveira;
- em termos de área de cultivo, trás-os-montes rivaliza com o alentejo, acho que nunca vi tanta terra trabalhada;
- o douro é um rio pacato porque está todo estrangulado por barragens, mas aquelas escarpas e meandros que ele cavou na paisagem antes dos humanos lhe deitarem a mão denunciam um passado brutalmente selvagem;
- por falar em barragens, não conheço outra zona com TANTA barragem;
- aquela que é considerada a melhor estrada do mundo para conduzir, é de facto umas das estradas mais agradáveis onde já conduzi;
- a a24 deve ser a auto-estrada mais cénica de portugal continental;
- no que toca a morfes, o tripadvisor é teu melhor amigo, mas se te falhar sempre podes perguntar aos locais.. ou ir ao bar da estação ferroviária mais próxima;
- é impossível conhecer trás-os-montes em cinco dias :(

transmontanos, a vossa terra é lindaaaaaa!! cinco dias não foram suficientes para ver tudo o que havia para ver, deixei muitos assuntos inacabados e muitos pedacinhos de coração espalhados por esses montes. preparem-se para a enxurrada de posts :D

Na semana passada aprendemos que...

- é possível viver durante uma semana apenas com o que conseguimos enfiar numa mochila de 20l;
- e do (muito) pouco que se leva, ainda há coisas que podiam ter ficado em terra;
- roupa de algodão não serve para caminhadas longas, ensopa em menos de nada e custa a secar, especialmente meias; 
- e as meias são *só* a peça mais importante da indumentária do caminheiro;
- por mais cheia que a mochila esteja, certifica-te que arranjas espaço para um par de havaianas, vais precisar delas;
- botas e areia é tipo azeite e água, não combinam nem à lei da bala;
- se os trilhos por onde vamos andar são muito variados (areia, cascalho, lama, terra batida, asfalto) é preferível levar dois tipos de calçado, pesa na mochila mas salva-te a vida;
- se tens pés pouco calejados, a vaselina é a tua melhor amiga;
- isso e pensos para bolhas de água;
- garrafas de água de 1,5l são para esquecer, avia-te antes com três ou quatro de 0,5l e agradece aos deuses pela sua invenção;
- há sempre outra duna/monte a seguir àquela/e que acabaste de atravessar;
- os hostels rulam pa crl;
- a felicidade suprema pode ser uma coisa tão simples como entrar num quarto e avistar um aquecedor a óleo;
- ainda há tascas na costa alentejana que não venderam a alma ao diabo turismo;
- also não há tasco que não tenha a pass do wifi pespegada na parede, como eu adoro viver no futuro!!
- o tuga não deve ser grande amigo de caminhadas;
- os telemóveis são os canivetes suíços do século XXI;
- bastões de caminhada não são uma cromisse, mas sim uma necessidade;
- não vale a pena gastar energia com previsões meteorológicas, eles nunca acertam (ou então tens *muita* sorte mesmo)
- por mais nublado que esteja o dia, não de esqueças de barrar protector solar;
- se te vais meter em 4 etapas seguidas de +/- 20km diários, pelo amor da santa, PREPARA-TE FISICAMENTE para isso!!

a costa vicentina é lindíssima, mas isso não é novidade para ninguém, só que desta vez foi vivida como nunca antes. não é preciso avisar que vem aí enchente de posts, certo? :D

Madeira // dia 2

dia bonito, mesmo a pedir passeio. inauguramos as hostes em câmara de lobos e seguimos para oeste. a primeira paragem do dia foi logo ali no cabo girão - um dos principais pontos de atracção turística da ilha, mas que sem dúvida merece a visita.

os seus vertiginosos 580 metros de altura dão-nos uma vista incrível sobre a zona de câmara de lobos e funchal, e a plataforma com piso em vidro é tão assustadora como divertida. dá mesmo a sensação que estamos a andar no ar, os cámones tavam todos passados com aquilo hehehe

cabo girão

quem anda por aqui há algum tempo e conhece a minha pancada por falésias, já deve estar a imaginar que eu ali sentia-me como uma criancinha na noite de natal. confirmo :D

dali continuamos o passeio, por entre a via rápida e as estradas regionais, com passagem pela ribeira brava, ponta do sol, madalena do mar e calheta

a zona sul da ilha é um hino à exposição solar, desde que o sol nasce até que se põe. e os habitantes da ilha aproveitam muito bem essa característica, que aquelas encostas estão cheias de casas solarengas, com uma vista do caraças. que inveja!!

a paragem seguinte seria no farol da ponta do pargo. 

a ponta do pargo situa-se no extremo oeste da ilha e como tal, é visita obrigatória. especialmente o farol, que há mais de 90 anos avisa os marujos da proximidade de terra, do alto dos seus 312 metros - é o farol mais alto de portugal.

a imensidão do oceano, que no horizonte funde-se com o céu, dá aquele lugar uma atmosfera muito tranquila e pacifica, pelo menos em dias calmos como aquele que tivemos a sorte de apanhar. e a forma abrupta como a terra pintada de verde termina sobre a água, é poesia para os olhos. a beleza daquelas falésias é qualquer coisa..

ponta do pargo

algo interessante que reparei, é que a ponta parece separar às aguas do oceano, abrigando a parte sul da agitação a norte. adorei aquele sitio, suspiro só de me lembrar dele :)

also, foi ali que fizemos a primeira cache na madeira.


caching

 

o destino que se seguia era porto moniz. quando parámos no miradouro para apreciar a vista antes de descer à povoação, o carro tava a mandar um pivete a ferodo que doía.. pudera, a conduzir sempre em mudanças baixas, e a travar.. acho que nunca consegui a passar dos 50km/h naquela estrada, que tinha tantas curvas que não sei como não desatámos todos a vomitar lol

ainda por cima não havia no dashboard do carro um indicador de temperatura do motor, sempre andava mais descansada… ou então NÃO!!

cheguei a porto moniz toda amassada e já um bocado cansada de conduzir, apesar da distância percorrida não ter sido nada de especial.. mas ali iríamos parar, comer e andar um bocadinho. servia para renovar as forças para continuar o passeio.

porto moniz é uma pequena vila com muito bom aspecto. parece-me um excelente sítio para assentar arrais durante uns dias, a recarregar baterias.


piscinas naturais

 

as piscinas naturais convidam a ficar por ali umas horas, nem que seja pela beleza do cenário. não fomos ao banho, mas havia lá muito bife a marinar nas águas azuis do atlântico, protegidos das ondas pelas muralhas semi-naturais das piscinas.

ofereceu-nos também o primeiro sneak peek da imponente costa norte, que nos deixou ainda mais impacientes para conhecer o resto da ilha.

dali continuamos até s. vicente, felizmente por uma estrada *bem* melhor, e túneis.. tantos túneis.. abençoados túneis!

passámos pela serra d'agua, uma das zonas mais afectadas pelas enxurradas de há quatro anos atrás, mas a povoação pareceu-me recuperada da tragédia, pelo menos não vi sinais de destruição. andam por lá em obras pesadas, suponho que seja para evitar que volte a acontecer algo parecido.

nesse dia conduzi por um dos túneis que mais me tinha aguçado a curiosidade, quando andei a lamber o mapa da ilha, o túnel da encumeada. tem cerca de 3km de comprimento, e graças a ele, a ligação entre a zona norte e sul demora cerca de 20 minutos. MARAVILHA!! abençoados túneis :D

andei o dia todo em redor do paul da serra, um dos sítios que estava doidinha para conhecer. até me doía a alma com a vontade parva que tinha de subir até lá. mas ainda ia ter de esperar mais uns dias..

de regresso ao estreito já me sentia mais confortável naquelas estradas e já dominava o micra como se o conduzisse há anos. isto de me adaptar às coisas com facilidade às vezes dá um jeitaço do caraças \m/

Na semana passada aprendemos que...

- a geografia da madeira é avassaladora;
- o pessoal constrói casas, estradas e miradouros nos sítios mais incríveis que se possa imaginar, e cultiva-se nas encostas até aos limites do possível;

- conduzir na madeira não é para meninos;

- a madeira é uma montanha-russa gigante;
- o preço da gasosa é igual em toda à ilha;

- os túneis rodoviários são qualquer coisa de espectacular, sejam os modernos ou os antigos;

- come-se bem e barato na madeira;
- as "meias de leite" são "chinesas";

- na madeira há lagartixas em vez de pombos;

- tudo fica melhor no bolo do caco;

- apesar dos extensos campos de bananeiras, é quase impossível encontrar à venda bananas da madeira maduras;

- as batatas doces da madeira não são amarelas como as de aljezur mas são tão ou mais doces;

- todà comida confeccionada na madeira leva alho.. melhor, todo o alho confeccionado na madeira traz comida a acompanhar :D

- a poncha potente é na serra d'àgua.. also, a de maracujá é mais gulosa que a tradicional;

- os tugas não gostam de montanhas;

- continuamos em péssima forma física.. ou então aquelas montanhas são de facto, agressivas;

- a ilha pode não ser muito grande mas tem duas zonas completamente distintas, sul e norte;
- e que pode estar um dia radioso de primavera a sul e um temporal medonho a norte;

- o tempo vira com uma facilidade assustadora;

- no curral das freiras, um dos pontos de atracção turística mais famosos, não existe nada para ver ou fazer.. nem curral, nem freiras (a não ser uma de cartão para enfiar a cabeça prá fotografia).. mas sempre se pode admirar a paisagem enquanto se come umas broas de castanha;

- o pessoal esmera-se no que toca a manter a ilha limpa e muito bem cuidada (fiquei realmente impressionada com este aspecto);

- a ilha está muito bem adaptada ao turismo, e a baixa do funchal tem tantos estrangeiros por m2 como uma qualquer cidade algarvia costeira;

- a madeira tem das paisagens mais bonitas de portugal;

 

portanto, nos próximos tempos vão levar com madeira aqui no blog até a vomitarem pelos olhos, porque eu fiquei completamente rendida a esta ilha maravilhosa e os seis dias que lá estive vão ter de ser todos muito bem documentadinhos \m/

30 de Março de 2014, às 17:35link do post comentar ver comentários (4)

Na semana passada aprendemos que...

- quando se vai de férias jamais comer sandes embaladas nas estações de serviço;

- não se desce 200m numa encosta quase a pique sem levar água;

- na serra, o menu resume-se a vitela, bacalhau e enchidos;

- na serra uma dose é suficiente para nós os dois e ainda sobra;

- o gado não liga à cor dos carros (ou então ajudou o cascas estar coberto de pó);
- não se começa a subir ao topo do monte mais alto à uma da tarde;
- a figura do diabo foi inspirada nas cabras montanhesas; 

- nas aldeias a hora de ponta começa por volta das 18 horas, com o gado a provocar engarrafamentos assustadores;

- os pastores constroem autênticas "suites" na montanha;

- na montanha em cada encosta existe uma aldeia;

- na montanha em cada metro de rio existe uma cascasta ou piscina natural; 

- as gentes da montanha são desprovidas de pudor;

- os incêndios não parecem assusta-las;

- se avistarmos alguém a rebolar montanha abaixo, é muito provavelmente um geocacher desgovernado;
- se não somos fãs de parques de diversões, não deviamos fazer passeios de TT na montanha; 

- se num dia frio, estiverem pessoas enfiadas numa "piscina" pública, é porque a água é quente (o mesmo não se pode dizer da água dos rios);

- os espanhois têm terriolas com nomes bastante interessantes :D
- devia ser proibido andar de carro em algumas zonas, mas dá jeito;
- estamos em péssima forma fisica;
- esterco ressequido na barriga do carro não sai com chuva; 

muito vou escrever eu nos próximos dias :D

2 de Abril de 2012, às 00:10link do post comentar ver comentários (3)

Eeeeeeeeeeeeeeeeeeee 2011 já era..

este ano postei pouquissimo por aqui. preguiça. BUMmer!

 

(e ainda estão uns quantos por publicar, bah)

 

2011 foi um ano assim pró xoxo, muito previsível e sem grandes novidades. still, movimentado (demasiado) como é costume :)

 

let's get it on!

 

como pessoas insanas que somos, durante os primeiros seis meses do ano andamos entretidos a tentar tirar um ovo de avestruz do cú duma codorniz. umas vezes conseguimos, outras não. foi o caso.
os planos caíram em saco roto e ficamos um bocado frustrados (culpa da nossa veia de putos mimados que tudo querem :D), mas depois caí em mim e comecei a achar que foi provavelmente um real favor que o universo nos fez, há um tempo para tudo. fica adiado, siga! 

 

depois veio o verão! 

...o mais longo (e estranho) verão que há memória!

 

começou em maio e acabou em outubro. muito alentejo, muita praia, muito campo. 

o cascas não me deixa mentir: entre junho e setembro andamos quase 10 mil km por essas estradas fora... ou não fosse eu uma daquelas pessoas maluquinhas que não se importam de conduzir 260km só para ir à praia.
mas hey, isto.. 

 

algures...

 

..vale bem o esforço!

 

mas também muito vento.. claro que não é uma bezaranha daquelas que mal dá para manter o chapéu-de-sol aberto que me impede de ir enfiar os pés na areia.. no sir, enquanto existirem resguardos nenhum dia de praia será desperdiçado!

 

e pouco calor... nem sequer noites sufocantes. a única em que tive realmente problemas foi a 1 de outubro lol

 

depois da roda-viva das férias, do verão, dos casórios, dos aniversários, dos desafios profissionais, da semana frenética do codebits, a inesperada viagem à holanda.

 

foi uma aquelas coisas que caiu do céu aos trambolhões.. mas teve um sabor agridoce. parecia uma conspiração cósmica para correr connosco daqui para fora.. para levar o furas em paz. 

não foi surpresa, desde há uns tempos que esperávamos isto a qualquer momento.. só não contávamos era que tivesse acontecido precisamente numa altura em que estávamos fora. consola-me o facto de saber que estava em boas mãos e teve mimo até ao fim.
 

ainda não consegui encaixar ausência dele, afinal de contas o bixo viveu connosco durante sete anos e meio.. estou sempre à espera que ele apareça disparado do quarto, a patinhar pelo soalho flutuante, ou de andar sempre a entrar e a sair de dentro do sofá com uma palmilha roída ferrada entre os dentes, ou de sentir o pequeno terramoto que ele causava cada vez que se coçava ou espreguiçava dentro da cama.. ainda nem sequer tive coragem de ir (des)arrumar o "quarto" dele..

teve uma vida boa, apesar de um bocado solitária. foi exageradamente mimado e sempre destruiu fez tudo o que lhe apeteceu e bem entendeu. um bichito adorável, com hábitos e manias geniais, que deixa muitas saudades..

 

de resto.. 

apesar de andarmos sempre com a máquina atrás, a preguicite fez com que não tirássemos muitas fotos. não fomos muito ao cinema nem a concertos, que em termos de entretenimento este foi um ano realmente asqueroso. conhecemos sítios novos. estivemos em boa companhia. patuscadas. festa. música hipster. memes. facebook e sims muhahaha

 

... e para 2012:

não traço planos nem metas. haja energia, tempo e guito para meter em prática aqueles que estão em standby (ainda há aqui muuuuita coisa por riscar). o verdadeiro desfio para este ano é o de atinar com horários, para podermos voltar ao ginásio. isso e também quero ver se arranjo tempo para aprimorar algumas skills e desenvolver novas :)

 

entretanto decorrem as preparações para a épica noite de fim d' ano!

31 de Dezembro de 2011, às 00:01link do post comentar ver comentários (3)

Os bons momentos de 2010...

...porque também os houve :)

o fim-de-semana de geocaching em marvão.
   
a mini-maratona, que já se tornou num classico.
   
segundo o gps, tou em cima dela.. as incursões pela serra da arrábida...
   
...e pela costa algarvia, sempre com o geocaching como desculpa. hiking over the clifs
   
IMG_6403 a escapadela no alentejo...
   
..para ir à caça de caixas espaciais.
   
terraço do la brisa a semana fantastica em punta cana...
   
...e as praias selvagens que se descobrem perto de casa Ribeira do Cavalo
   
hot! as mini-épicas-férias do altentejo
   
o regresso à serra da estrela
   
da maquina apontada aos céus estrelados.
   
a escapadela à mina de s. domigos para conhecer um lago de coca-cola old mine
   
as mini-férias no vale do rossim.
   
o retiro do sapito, em beja...
   
com direito a nova caçada de caixas espaciais, no parque natural do guadiana.
   
o evento do ano, que dispensa apresentações :D espaço
   
e o retiro da passagem de ano :)


uma pessoa safa-se como pode, né?

31 de Dezembro de 2010, às 17:56link do post comentar ver comentários (10)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mirc.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e yada yada, yada... é ler o blog ;)

bucket list

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores: #11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

seguir nos blogs do sapo

Follow follow us in feedly