Pancas da serigata XII

alguém sabe.. alguém tem alguma teoria - por mais estapafúrdia que seja.. alguém me explique...

porqué que raio o gato gosta TANTO de me espetar o cu na cara?


pergunto-me se ela gostava que eu lhe fizesse o mesmo... 🤔

16 de Maio de 2018, às 01:55link do post comentar ver comentários (3)

Cró

no ano passado, quando andamos a explorar a beira baixa, íamos a passar pelo meio de nenhures, quando topamos um edifício com uma arquitectura demasiado moderna plantado naquele cenário bucólico, e ficamos com a pulga atrás da orelha.. 

cró

não tardamos muito a descobrir que era um hotel.. com termas.. opá, temos que voltar cá e experimentar isto!!

até nem demorou muito tempo. aconteceu quase por acaso, no segundo fim de semana de abril. como ficamos fãs do longroiva hotel, que pertence ao mesmo grupo, tratamos de arranjar oportunidade para conhecer o outro (este!) também.

sinal que estamos a ficar velhos: a perspectiva de passar um fim de semana numa espécie de estância termal é muito apelativa lol marcamos estadia, e marcamos logo os tratamentos, para não chegarmos lá e já não haver vagas, como de costume.

no sábado fizemos um esforço sobre-humano para sair de casa cedo, de modo a aproveitarmos bem o fim-de-semana. ao meio dia estávamos a sair de lisboa. mesmo assim conseguimos sair uma hora depois daquilo que era suposto :P e com o tempo miserável que estava, fazia apetecer ainda mais passar o fim-de-semana enfiados num hotel com spa. mesmo que demorasse três horas e meia a chegar até lá.

o check-in começava às 4 da tarde, mas não foi preciso esperar, deram-nos logo acesso à nossa suite no terceiro andar. mal entrei na suite fui directa ao wc, inspeccionar se a banheira era aquilo que me tinha sido prometido..

E ERA!!! hi hi hi hi mais uma banheira de hotel à maneira prá colecção \m/

quartosuite suite

a suite era adorável, minimalista mas bastante acolhedora, toda forrada em madeira, com uma pequena sala de estar e um terraço. mas a jóia da coroa foi mesmo o wc, em cimento envernizado, com a banheira integrada ao nível do chão, separada do quarto por um vidro. o lavatório também estava integrado na parede, e a sanita estava num compartimento à parte. fiquei apaixonadíssima pelo wc :D

fomos fazer uma buchinha, e depois siga prá piscina. as comparações com a da longroiva foram inevitáveis: a outra tinha a água mais quente, e por ser a céu aberto, era muito menos ruidosa. a cúpula daquela é brutal, mas faz muito eco. mas era muito maior, e tinha mais pontos de massagem. bem fixe para quem tem os músculos dos ombros e das costas todos faralhados.

às cinco e meia chegou a hora dos tratamentos. o homem ganhou o pedra/papel/tesoura e foi o primeiro a experimentar o duche vichy. eu fiquei 15 minutos a demolhar numa banheira de hidromassagem. quando voltei a vê-lo, vinha a queixar-se..

ele: "porque é que não experimentamos isto do duche vichy mais cedo?"
eu: "porque somos parvos?"
ele: "da próxima marco duas sessões de seguida!"

de facto, aquilo é genial. uma massagem enquanto estamos debaixo de um spray continuo de água quentinha. opá!! 12 minutos não é definitivamente tempo suficiente..

dali fomos descansar um bocadinho para o quarto antes do jantar, mas o homem tava de apetites a banana, e queria ir à procura dum supermercado. vai daí, fomos até ao sabugal a 14km dali, à caça de bananas. quando regressamos, o jantar já decorria. a má noticia é que havia música ao vivo, e a produzir demasiado barulho para uma refeição que se quer feita com sossego. mas tava incluído no pacote, lá teve que ser.

apesar do barulho (sim, aquilo não era música, era ruído), a refeição foi fixe. como era buffet, acabei por comer mais do que queria.. já não estou habituada a comer muito à noite, não gosto de me sentir empanturrada. vá lá que tive a feliz ideia de trazer água com gás do supermercado \m/

no dia seguinte tivemos que acordar demasiado cedo para tomar o pequeno-almoço, porque tínhamos cenas marcadas no SPA às 10:30. e eu não queria ir de barriga muito cheia. não gostei particularmente desta ideia, ia-me roubar hora e meia ao quarto. mas passamos na recepção e eles foram porreiros e deixaram-nos fazer late check out. yay!! off to the termas!

a bela da massagem. eu a tentar relaxar na marquesa durante uma hora, enquanto uma terapeuta me untaria toda com um óleo qualquer, e realizaria milagres pelos meus tendões ensarilhados. claro que o meu cérebro não aprovou a ideia, e deu-me uma panóplia de pensamentos encadeados muito engrassada. lembro-me de achar que tinha ali material para um post ou dois. pena que não retive nada. só me lembro que às tantas consegui distrair o cabrão, porque topei um padrão na músiquinha zen, e ele ficou encravado ali, a tentar perceber onde começava e terminava o loop da música. uma hora a ouvir exactamente o mesmo. lamento a sorte das terapeutas e têm que gramar aquilo o dia inteiro..

agora por isso.. acho que quando andar sem inspiração aqui pró tasco, vou fazer uma massagem, aquilo ajuda-me a desbloquear as ideias muhahahah

depois 15 minutos de banho turco! TÃO BOM! fdx, adoro banho turco!! e aquele, não estava muito quente e tinha aroma a eucalipto. bliss!!!!

...e porque o relógio não pára, rapidamente chegou a hora de termos que nos despedir do nosso rico quartinho. mas tínhamos muito terreno para desbravar, a começar logo ali ao lado, pelo antigo complexo termal, agora em ruínas.

termas antigas termas antigas
termas antigas ribeiro do cró

Huuuuuum...

o barulho irritante que o cascas ganhou na revisão em que lhe mudaram a correia de distribuição, e que me andava a roer os nervos há três anos, desapareceu subitamente depois desta última revisão - aquela que não lhe fizeram absolutamente nada de especial, e que foi a mais barata delas todas, mas que trouxe ali uns tubos novos que não estão relacionados com nada daquilo que supostamente fez (mudar fluidos e filtros)..

quando o fui buscar à oficina, o cabrão vinha a fazer o barulho, mas numa cadência muuuuito superior, e que era coisa para dar comigo em maluca. mas poucos dias depois calou-se, e desde há um mês que apenas voltou a fazê-lo apenas uma única vez, e apenas durante uns segundos. sempre que o levava a revisão rezava para que ouvissem finalmente aquela merda e tentassem solucionar. será que foi desta?

cá para mim encontram finalmente a raiz do problema, arranjaram e ficaram calados que nem uns ratos lol

a ver se não volta.. figas!!

12 de Maio de 2018, às 23:51link do post comentar

First world problems... XII

temos andado a remodelar a nossa tecnologia. finalmente temos uma caixinha escondida atrás da tv que substitui o mac-media-center que vivia no móvel da sala (òzanos que queria isto caneco!!!), wifi a bombar full power, e um esquema de storage digno desse nome.

para não começarmos já com o pé esquerdo, a encher os discos novinhos em folha com toneladas de lixo desnecessário, estamos a braços com a penosa tarefa de organizar pastas e eliminar ficheiros du/tri/quadri/plicados de backups antigos, feitos à parva e de mil formas diferentes.

ficheiros esses, que são na sua grande maioria fotos antigas, entre 2000 e 2011. não só é uma tarefa chata como a potassa, como está a ser um bocado deprimente constatar os efeitos da idade numa pessoa...

acho que está aqui potencial para despoletar uma crise de meia idade 😑

May the Fourth Be With You

o aeroporto de heathrow tá-se a divertir à grande no dia de star wars 😁

4 de Maio de 2018, às 13:30link do post comentar(1)

Tesourinhos deprimentes I

volta e meia chafurdo nos arquivos do blog, e acontece encalhar em merdas que escrevi, que só podia estar com a cabeça enfiada no cu. temos rubrica, uma espécie de hall of shame aqui do tasco. começo com esta, retirada da minha primeira listas das 101 coisas em 1001 dias, em meados de 2007:

"095 - Ter este mapa todo pintado..excepto o sotavento algarvio (não me desperta interesse...)"

AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH AH que piadão! 

já diziam os antigos, pela boca morre o peixe :D

A minha orquídea de estimação II

tá comigo há doze anos, e apesar de já ter estado à beira do falecimento várias vezes por negligência, a resistência dela nunca pára de me surpreender!

a última vez que me lembro dela florida foi em 2013, quando mudamos. depois ficou meio abandonada e cheira-me que deve ter entrado em depressão ou coisa parecida, que nunca mais floriu. há coisa de dois anos acabamos por trazê-la connosco, já nas últimas, a ver se ainda tinha salvação. o ambiente onde vive agora não é muito fixe para ela, mas contra todas as expectativas (e bastante desengonçada), este ano...

orquidea
tão orgulhosa da minha bixa 😍

Lost in... no Alentejo

provei e comprovei,

não há sitio mais bonito em todo o portugal para apreciar na primavera que pelo alentejo!

o final de abril e início de maio naquelas bandas, é simplesmente mágico. os campos verdes ficam cobertos de branco, amarelo, azul, roxo, cor-de-rosa, vermelho.. ou todas as cores à mistura. a brisa sopra fraca, impregnada com o aroma das flores silvestres.

campos papoilas glossopappus macrotus rosmaninho maior malmequer

o gado deleita-se com a erva viçosa que cobre os pastos, as cegonhas e as aves de rapina deslizam preguiçosamente pelos céus. os insectos andam doidos, os pássaros andam doidos. no silencio puro nas planícies, ou nas águas espelhadas das albufeiras, o tempo parece que pára.

ouguela ouguela albufeira do caia albufeira do caia

queria muito ser capaz de articular palavras que conseguissem descrever a dimensão da sensações que experimento ao perder-me pelo alentejo nesta altura do ano, mas não me é fácil.. não se explica, sente-se.

a felicidade está nas coisas mais simples. na delicadeza das pétalas de um malmequer, numa espiga de trigo embalada pela brisa numa seara infinita, na solitude da idílica paisagem, iluminada pelo sol resplandecente, na harmonia do canto dos pássaros... e nisto somos inundados por uma paz interior arrebatadora, por um calor reconfortante.. fechamos os olhos, inspiramos fundo, e deixamos tudo para trás, para apreciar aquele momento em toda a sua plenitude.

espiga de trigo searas searas olivais

álbum completo no sitio do costume

Back to Geocaching

depois de uma pausa de quatro anos, diz que voltamos (outra vez) a fazer geocaching.

já tínhamos parado entre 2012 e 14, provavelmente pelos mesmos motivos, tricas com a comunidade. não concordávamos com a aprovação de algumas caches, os reviwers deixam a malta plantar caches demasiado perto umas das outras ou nos sítios mais parvos, como paragens de transportes públicos e estações de serviço, locais sem interesse absolutamente nenhum, que só serviam para alimentar fuçanguice dos números. e claro, quando reclamávamos, nós é que estávamos mal. nunca plantamos uma precisamente por ainda não termos encontrado um local que valesse realmente a pena, e que não tivesse outra num raio de vários km. porque para nós, deve existir um bom motivo para levar as pessoas irem a determinado sitio, atrás daquilo.
também não tinha graça os comentários parvos que às vezes recebíamos dos donos das caches, quando o log não lhes agradava. e começamos a perder a pachorra.

mas quisemos recuperar a ideia fundamental desta actividade: ter desculpa para ir passear, e descobrir sítios que de outra forma, nunca iríamos lá.

nestes quatro anos em que estivemos parados, o número de caches subiu estupidamente. há que manter o foco, não ligar aos números, e saber escolher muito bem as que realmente interessam.

algum geocacher por aqui? :)

28 de Abril de 2018, às 18:40link do post comentar ver comentários (5)(1)

Se eu não fosse assim.. V

isa regressa do almoço e ao contornar a rua do escritório, sente um cheiro intenso a erva daquela que ainda não é medicinal mas um dia pode vir a ser. isa topa um colega a fumar à porta.

isa berra do fundo da rua, para o dito colega ouvir (no gozo, claro!),

"EEEEEEK QUE CHEIRO A ERVA.. Ò QUIM, ÉS TU?"

...quando topa que está a passar ao lado de um carro estacionado em cima do passeio, com a janela aberta, de onde vem aquela fumarola toda...

ooooops!

ps. o quim não se chama quim, é um nome fictício para proteger a identidade do moço, os meus colegas não têm culpa que eu seja assim :D

27 de Abril de 2018, às 23:58link do post comentar(3)

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mIRC.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e (sempre que a preguiça não a impede) gosta praticar exercício físico.

mantém uma pequena bucket list de coisas que gostava de fazer nos entretantos.

de resto, é ler o blog :D

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores:
#11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

Bloglovin  follow us in feedly  Seguir nos Blogs do SAPO

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.