Stresses com gatinhos

[aviso à navegação: isto é longo, e muito provavelmente não interessa a ninguém, mas quero guardar registo para memória futura, para não voltar a acontecer]

a gatifonga, à parte dos rins terem começado a dar sinais de alarme demasiado cedo para o meu gosto, nunca teve problemas de saúde, foram 5 anos muito tranquilos.. até que chega ao dia, que reparo que ela anda a soltar umas pinguinhas, e não parece ser urina.. e que anda a beber *demasiada* água.. e que ando a tirar do wc torrões inacreditavelmente grandes, e em quantidades industriais.. isto não pode ser boa coisa.. se calhar na segunda vamos àquele sitio que tu tanto gostas (NOT!!), ser inspeccionada.

pois que na segunda, quando ela tenta várias vezes a ir ao wc sem conseguir fazer nada, e anda pela casa a mandar uns berros aflitos, e se amocha a um canto meio mortiça e já não se mexe mais dalí, decidimos que não era coisa que pudesse esperar mais tempo, e a meio da tarde fomos directos pro vet. a coisa não estava definitivamente famosa, porque ela nem sequer fez as birras do costume para entrar na transportadora, e foi o caminho todo no carro sem abrir as goelas.

ao chegar ao vet, não parecia sequer muito incomodada por ter pessoas estranhas de volta dela, nem sequer tinha as garras em riste, prontas a afiambrar em quem ousasse tocar-lhe no pêlo, ficou-se por umas bufadelas inofensivas de aviso. acho que a descrição dos sintomas foi suficiente para perceberem o que se passava. foi sedada para fazer análises e uma ecografia, e meia hora depois, o problema estava confirmado: uma piometra (infecção uterina), e o tratamento era a esterilização - o mais rapidamente possível. caiu-me tudo..

andávamos a adiar este momento há três anos e meio, porque eu tinha uma luta interna sobre a real necessidade de tal procedimento.. fazia-me confusão ter que fazer o bixo passar pelos riscos de uma cirurgia electiva, que só me beneficiaria a mim. se ela tivesse cios como os do furão, que eram um pesadelo, era uma coisa, mas os dela até se toleravam bem. dava uns miados altos de vez em quando, e esfregava-se por todo o lado, mas não chateava muito. racionalizar demasiado as coisas, nem sempre é uma cena fixe.. não queria meter a vida do bixo em risco, e no fim acabei por fazê-lo.. foi uma chapada nas trombas a frio.

foi-nos aconselhado a não esperar mais tempo, mesmo com o risco acrescido de fazer o procedimento com uma infecção activa. ficaria internada a fazer soro e antibiótico, e seria operada no dia seguinte, ao final da manhã. ainda estava a dormir da sedação da eco, fiz-lhe uma festinha, assinei o termo de responsabilidade meio a torto, e tive que sair de lá.

as 24 horas seguintes foram tramadas, a ansiedade estava a modos que a rebentar a escala. a casa parecia estupidamente vazia sem o gato, e eu não conseguia parar de pensar no pior (tenho este "defeito", vá-se lá saber). a meio da tarde recebemos a chamada do vet, a informar que tinha corrido tudo bem, e que podíamos ir buscá-la dali a umas horas. finalmente deu para respirar de alivio. quando a fomos buscar, estava a dormir. teve que ser sedada para lhe tirarem o cateter. não foi uma paciente nada fácil, cada vez que tinham que por-lhe as mãos em cima, para fazer o que fosse, tinham que a sedar.. raio do bixo, parece que a fomos buscar à selva -_-'

agora tínhamos pela frente o recobro, com duas semanas de antibiótico 2x ao dia. e não foi pacífico,

quando chegou a casa, toda grogue, apagada, parecia que não sabia onde estava, não se aguentava direita, tinha dificuldades a comer e a usar o wc. não ajudava o cheiro horrível que trouxe agarrado ao pêlo, e a pelada gigante na barriga em pleno inverno.. naquele momento percebi porque é que tinha andado a adiar aquela história, não foi nada fácil ver o bixo naquele estado.. e ainda demorou uns dias até voltar ao normal.

duas noites após a cirurgia, vou a limpar o wc e não vejo "biscoitos".. ora, eu conheço bem o trânsito intestinal da minha gata, é bastante saudável e generoso, e não tenho "biscoitos" desde terça.. a gata está entupida sabe-se lá há quantos dias. pânico! tentei não stressar muito, porque no dia seguinte tínhamos consulta de follow up. entretanto a gata começa a tossir. não era nada de especial, mas nunca tinha ouvido a minha gata a tossir antes. mais pânico.

na consulta dizem que é normal os gatos ficarem com prisão de ventre depois daquela cirurgia, por dor ou desconforto ao fazerem esforços. mas provavelmente porque eu estava altamente stressada por não saber há quantos dias a gata não cagava, deram-lhe uma pequena dose de laxante, que fez efeito poucas horas depois.. nunca fiquei tão contente de ver um gato a usar o wc, juro!! lol quanto à tosse, o mais certo era a garganta estar irritada devido à entubação.

durante o fim-de-semana, os episódios de tosse pioram de tal forma, que voltamos com ela ao vet na segunda, para ver se não seria algo mais grave que uma irritação na garganta. deram-lhe medicação para tosse e anti-inflamatório. desta vez portou-se terrivelmente mal, à segunda das duas injecções, deixou o homem e a vet a sangrar. ao homem apanhou-lhe uma das mãos, que ficou toda arranhada. a vet teve mais azar, foi apenas um pequeno bife no pulso, mas como apanhou uma veia, havia sangue por todo o lado.. as vergonhas que o cabrão do gato nos faz passar naquele sítio.. dass!!

a tosse acalmou nos dias seguintes, apesar de não ter desaparecido totalmente.

entretanto a gata descobre que tem ali uma cena esquisita na barriga, e se até então não tinha ligado nenhuma, desatou a lamber a costura obsessivamente, e a ficar com aquilo tudo vermelho e inchado, até que às tantas rebenta um dos dos pontos, abrindo um pequeno buraco numa das extremidades.. vá toca de ir com ela ao vet para fechar aquilo. voltou de lá com um cone enfiado no pescoço, depois de uma fita monumental que foi para lhe metermos aquilo. para evitar outro massacre, teve que ser enrolada numa manta, com ela a bufar por todos os lados. trouxemos a recomendação de lhe colocar bepanthene para ajudar a cicatrizar.

tão e o ar absolutamente miserável da gatifonga, de cabeça sempre em baixo, a arrastar o cone pela casa, e a encalhar em tudo? opá, tadinha.. parecia que estava a sofrer o castigo dos deuses!

pela mesma altura, e a dois dias de terminar a tortura do antibiótico, começa com diarreia.. SRLY??

imaginemos então, um gatinho de pêlo comprido, um cone a adornar-lhe o pescoço para não se lamber, com diarreia. fixe.. SÓ QUE NÃO!! ainda por cima, ela não acha piada nenhuma quando a seguramos para fazer seja o que for - especialmente limpar-lhe o cagueiro.. FFFUUUUUUU!! a sério, podem ser muito fofos, mas às vezes tenho sérias dúvidas lol

para evitar esta situação desagradável para ambas as partes, de vez em quando tirávamos-lhe o cone para ela tratar do assunto sozinha.

a quinta ida ao vet foi porque entramos novamente em pânico.. a recomendação do bepanthene não foi lá muito feliz. pouco depois da terceira aplicação, o gato ficou completamente possuído, parecia um diabo da tasmânia.. tiramos-lhe o cone com medo que se magoasse, e ela começou a tentar lamber a costura à força, tinha aquilo tudo vermelho e inflamado, como se tivesse a ter uma reacção alérgica.. mais uma moeda, mais uma voltinha.. à uma da manhã.. foi sedada para ser examinada em segurança. não parecia ter nada de anormal, e a costura, apesar de estar ligeiramente inflamada, estava a cicatrizar bem e não havia sinais de reacção alérgica. ficamos sem saber o que causou aquele ataque desenfreado de fúria.. quanto à diarreia, era efeito secundário de estar tanto tempo a tomar antibiótico, como eu já suspeitava.

eventualmente habitou-se ao cone (andou com ele duas semanas), por fim já não parecia tão incomodada em usar aquilo, e deixava colocar na boa.

um mês depois do inicio desta provação, a costura está a terminar de cicatrizar, e está com muito bom aspecto. finalmente parou de tossir. o wc voltou a ser populado com "biscoitos" saudáveis. o pelinho rapado na barriga e na pata já começou a crescer. já voltou a ter o cheirinho delicioso dela. já não anda tão assustadiça, e não parece muito traumatizada pela experiência. do vet, tirando o detalhe do bepanthene, nada tenho a apontar, foram sempre bastante atenciosos e pacientes, com a gatifonga e com os humanos dela. eu não ganhei para o stress.. com a próxima gata que arranjar, isto não pode acontecer.

PHEW!

e pronto, assim foi a minha vida no último mês. espero que depois desta salgalhada toda, só tenha que voltar ao vet daqui a 4 meses, quando ir fazer o controlo da insuficiência renal.

e agora tenho que começar a controlar a tigela dela. já deu para reparar que o apetite está a aumentar, e eu não acho piada a gatos badochas. pesava 2,5kg há um mês atrás, e parece-me que já a sinto mais pesada. 

22 de Fevereiro de 2018, às 01:27link do post comentar