Dia 1 // de Melgaço a Campo do Gerês

desta vez não fui atestar o depósito a espanha.. ZOMG!! quem és tu, e o que fizeste com a isa?? deu-se-me a preguiça lol mas a bomba do intermarché de melgaço tinha o gásoil a 1.19, a diferença deviam ser uns míseros cêntimos. enchemos o bucho ao cascas e partimos prá aventura. o dia não estava com um ar muito feliz, mas era o que tinhamos.

a primeira paragem foi em cevide, para ir visitar o marco nº 1 de portugal, a.k.a. o ponto mais setentrional do país. depois de ter estado no ponto mais oriental (miradouro da penha das torres), ganhei a pancada de querer visitar os extremos do reino :D

não foi fácil dar com aquilo, porque nas dicas que tinha lido, não falava em nenhum portão. e o portão ao fim da "rua" cheirava a propriedade privada, e eu não me apetecia ser corrida dali com chumbo no traseiro. mas não estivemos com meias medidas, fomos à volta, praticamente a corta-mato, por uma espécie de carreiro na margem do rio minho, por cima e por baixo de troncos caídos, e a escapar as garras das silvas. eventualmente demos com o local. 

marco n1 de portugal

o rio trancoso corria marafado e quase que metia medo atravessar a pequena ponte que liga portugal a espanha. mas se existe uma fronteira no horizonte, a isa vai atravessá-la, ainda que toda arrepiada e sem grande confiança na estreita ponte artesanal de madeira. já passei a fronteira entre os dois países em vários sítios, mas este é definitivamente interessante.

rio trancoso rio trancoso

do lado de espanha existe um marco gémeo, que também mereceu visita. tenho a dizer que tanto do lado de portugal, como de espanha, este sítio é bastante agradável.

rio trancoso rio trancoso

reza a história que se fazia muito contrabando por aqui. ouro nem sinal dele, mas o homem encontrou um pescado de plástico que trouxe de recuerdo, lol.

à vinda, seguimos pelo caminho marcado. adivinhem onde demos com o nariz? 

portão portão

..no cabrão do portão!!

dali, siga para lamas de mouro, quase a "direito", por estradas muito muito secundárias. mas também muito cénicas.

de lamas de mouro fomos pela estrada que liga várias brandas. recordamos cheios de saudades, a épica caminhada que fizemos com a sylvie pela serra da peneda, e que terminou neste planalto incrível,

peneda peneda peneda

apesar do friooooooooooo que estava, a vista continua magnifica, com os picos cobertos de neve então... adoro a peneda. adoro. adoro. adoro!

paramos em são bento do cando, para visitar o tasco que nos salvou a vida, naquela que deve ter sido a caminhada mais agressiva que alguma vez fizemos (e uma das primeiras, muito inexperiente). supostamente as brandas deveriam estar desertas no inverno, mas aquela em particular estava muito animada, com êxitos de música popular portuguesa a ecoar pela aldeia.

dali fomos até ao santuário da peneda, onde aproveitamos para lanchar e relembrar os 4 dias que ali estivemos alojados em 2009, e as peripécias pelos montes, quando éramos jovens e (ainda mais) parvos. enquanto for viva, nunca me hei-de esquecer daquela centena de degraus.. e dos carrapatos lol

já passei por soajo várias vezes, mas acho que nunca tinha parado para ver os espigueiros. foi desta!

e o último salto do dia, entrar no campo do gerês pela porta das traseiras, por uma estradinha daquelas à maneira - tipo montanha russa, cheia de curvas sem visibilidade, apertada, e que nunca se sabe quando algum bicho decide atirar-se para a frente do carro, ou quando algum calhau se desprende e nos cai em cima. uma emoção!

fizemos algumas paragens pelo caminho, uma delas para trepar um afloramento granítico majestoso, plantado no topo dum monte. tava um vento e um frio do caralho, e mesmo assim arrancamos do carro todos encasacados, de gorro e luvas, para não perder aquela vista pornográfica.

havia água por todo o lado. a chuvas de março ensoparam a serra de tal modo, que a água a brotava do chão e criava pequenos regatos. era preciso *muito* cuidado para não atascar os pés na água ou na lama.

estivemos pela primeira vez no campo do gerês em 2014 e saimos de lá cheios de vontade de voltar. a pousada de juventude ficou-nos debaixo de olho, e apesar de já sabermos que não é o tipo de alojamento mais confortável do mundo, foi a nossa escolha. 

nessa noite jantamos com o recepcionista da pousada, e um alemão muito bem disposto, que andava a conhecer o gerês à pata. nós dois e o alemão éramos os únicos hospedes da pousada naquela noite. fomos a um tasco à beira da estrada, chamado café turismo, só sei que o meu bife estava altamente!

a noite estava agreste. estava um frio tão sacana que gelava a alma, e um vento tão forte, a afunilar pelo meio da montanhas, que parecia que estávamos no meio de um túnel de vento, até assustava. o alemão só fazia piadas com o frio que estava no quarto. e estava, aquele aquecimento central já levava um upgrade. o homem só dizia que da próxima vez que irmos de férias no inverno, temos que levar o termo-ventilador. não tinha sido má ideia, não senhor : /

definitivamente, adoro a peneda. pela magnificência das paisagens, pela solidão dos montes, pela natureza quase em estado bruto. mas a altura ideal para tirar o melhor partido dela, é no final da primavera, não no início. apetece mesmo palmilhar aquelas montanhas, e aqueles planaltos, e explorar os cursos de água que atravessam vales, e admirar os animais que vamos encontrando pelo caminho, entretidos na pacatez da vida deles. por falar nisso, o homem ficou cheio de pena por não ter visto nenhum lobo lol

mas pena, pena, tive eu, que o dia esteve absolutamente merdoso para tirar fotos..

 

< dia anterior ·início· dia seguinte >

Gerês // dia 6

...and last day. algum tinha que acabar, né?

 

deixámos a vila do gerês em direcção ao campo do gerês. não fomos pelo caminho mais curto, que queria passar pela barragem da caniçada e evitar a estrada que já tínhamos percorrido no dia anterior.

 

o campo do gerês é outro local mágico da serra. nasceu numa clareira no meio das montanhas, onde impera o silêncio. é calmo e desafogado e tem muito espaço para andar de um lado para o outro, e paredes meias com a mata da albergaria e a barragem da vilarinho das furnas há muito que fazer por ali.

 

interessante que, não tendo aparentemente uma natureza tão turística como a vila do gerês, é mais dedicada. tem pousada de juventude, parque de campismo, centro de actividades e museu. é um ponto de passagem obrigatório, mas talvez por não ter pensões e hotéis, acaba atrair outro tipo de turismo. 

 

normalmente não temos grande pachorra para museus, mas abrimos uma excepção para a porta do campo do gerês, que nos dá a conhecer pormenores interessantes sobre o pnpg. tem três exposições distintas, sendo uma delas bastante abrangente, conta a história do parque natural, desde a sua formação geológica, passando pela fauna e flora, até aos seus habitantes. outra mais pequena sobre a geira romana e a última focada exclusivamente em vilarinho das furnas, uma aldeia submergida quando construiram a barragem.

vilarinho das furnas 

 

andámos às voltas por ali um bocado, hipnotizados pelo canto dos pássaros que ecoa por todo o vale, cheios de pena por termos que deixar aquele sítio incrível.. mas tinha que ser. o regresso foi feito por terras do bouro, e quando demos por nós estávamos de volta à civilização.

chegámos a casa de rastos, mas muito contentes :D

(e mesmo a cair uma borrasca valentona, tivemos que ir lavar o carro.. não havia dilúvio que despegasse aquele fertilizante ressequido..) 

 

*

e para terminar a saga, aqui ficam os últimos apontamentos:

 

- (nota mental) a serra é enorme e há que planear bem a estadia. andar a fazer "piscinas" de um lado para o outro é uma perda de tempo. é decidir qual a zona que se pretende conhecer e ficar por ali (aprende, aprende, aprende);

 

- vão ser precisas umas quantas viagens lá acima para passar aquilo a pente fino (um dos objectivos da minha lista);

 

- se desconfiamos que não estamos em boa forma física, é *má ideia* armar-nos em campeões;

 

- como previsto pelo marido, fiquei picada por não ter conseguido subir até aos carris. fica a comichão e a vontade de voltar lá quando as condições físicas estiverem reunidas;

 

- ir para a montanha com um iphone como gps é como ir pra selva com um canivete rombo.. mas isso já não é novidade;

 

- campo do gerês é *bem* mais fixe que a vila do gerês;

 

- a zona da parada do outeiro / pitões das júnias / tourém é abso-fucking-lutely maravilhosa e as pessoas espectaculares;

 

- os engarrafamentos de gado são emocionantes.. mas é preciso ter cuidado.. e sorte para não vir de lá com uma decoração nova no carro;

 

- não gosto de truta (mas isso já eu adivinhava - não atino com peixe de água doce);

...e como estas férias foram do mais cansativo que se possa imaginar, as próximas hão-de ser passadas de papo pró ar, a grelhar lentamente numa qualquer praia alentejana :D    

(set da férias no sítio do costume

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mIRC.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e (sempre que a preguiça não a impede) gosta praticar exercício físico.

mantém uma pequena bucket list de coisas que gostava de fazer nos entretantos.

de resto, é ler o blog :D

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores:
#11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

Bloglovin  follow us in feedly  Seguir nos Blogs do SAPO

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.