Lost in... Aldeias Históricas II

arranjei forma de encaixar as restantes aldeias histórias na rota das últimas férias. quatro delas são "próximas", sendo possível visitá-las num dia, bastava escolher alojamento num sitio estratégico... ou achava eu! cinco aldeias, em dois dias. não há fotos delas que andei muito preguiçosa nestes dias. ficou registado na memória :)

castelo rodrigo ergue-se imponente na paisagem, cravada em penedos de xisto. ao chegar lá em cima, a primeira coisa que sobressai é a vista. a nordeste estende-se até à porta do douro internacional, vê-se perfeitamente o enorme desfiladeiro que nos dá as boas vindas ao parque. a este, os olhos alcançam facilmente espanha.

tal como todas as outras aldeias, a sua história perde-se no tempo. vários povos ali viveram desde a idade média, e cujos vestígios estão inscritos em detalhes que conseguiram resistir ao seu passado tumultuoso. o castelo fazia parte da primeira linha defensiva dos limites do reino e foi palco de inúmeras invasões e batalhas. ainda assim, sobrevive até aos dias de hoje, como se de um único e grande monumento se tratasse, para manter a memória viva.

a traça medieval da aldeia está bem preservada, tem poucas ruínas a pedir restauro, e as ruas estão impecavelmente cuidadas e limpas. à parte das hordas de visitantes que chegam de autocarro, é um sítio muito pacato. talvez por não ter muitos habitantes, acaba por tornar-se algo impessoal, sem aquele feeling castiço das aldeias portuguesas.

almeida não está tão elevada no horizonte, mas está rodeada por uma fortaleza com um formato pouco habitual, em estrela de doze pontas. nunca tinha visto tal coisa. e a sua arquitectura é algo que mais facilmente encontramos no litoral, que no interior. era um impressionante sistema defensivo, a sua proximidade a espanha assim o exigia.

resguardada dentro das muralhas, a vila não tem um ar antigo. a fachada das casas é relativamente moderna, e são poucas as casas com paredes de pedra nua. não deixa de ser um sitio muito agradável para passear.

marialva debruça-se altaneira sobre o planalto. tal como as outras, as suas raízes vêm desde a pré-história, mas quase que se perdeu no tempo. a aldeia cresceu fora das muralhas, e nos últimos anos, as casas têm sido recuperadas. passaram a fazer parte de um núcleo turístico que está aos poucos a tomar conta do sitio, mantendo-o fiel às suas origens medievais, e preservando a sua história.

a única coisa que não achei piada aqui, foi a entrada no castelo ser paga. até agora ainda não tinha visitado uma aldeia histórica que cobrasse o acesso ao castelo. e muito sinceramente, não me apeteceu a pagar para ver ruínas - por muita história que tenham para contar, quando há tanto disso para ver gratuitamente por portugal fora..

gostava de ter gostado mais de trancoso como aldeia histórica, mas não achei nada de especial. é uma vila que cresceu para fora das muralhas, e dentro delas, os edifícios novos fundem-se com os antigos. não tem aquele charme medieval das aldeias mais isoladas, mas sim de típica aldeia portuguesa. o castelo está bem preservado, e a sul, a vista é interrompida pela cordilheira da serra da estrela, coberta de neve nesta altura do ano.

apesar passar sempre por belmonte quando vou para a serra da estrela, nunca me deu para parar. confesso que a vila não me despertava muito interesse. desta vez parei para riscar a última das aldeias históricas da lista.

pode ter sido muito importante para a nossa história, não duvido nem por um segundo, mas não cai na mesma categoria da aldeias outras que compõem a selecção. diria que é mais uma vila histórica, não se percebe bem onde começa e termina o centro histórico e não tem o charme de aldeia-monumento, a resistir estoicamente à eons no topo de um monte, isolada da civilização.

*

e assim dou por terminado o circuito das aldeias históricas de portugal. a parte I está aqui, piodão aqui, e linhares da beira algures por aqui. o que começou como curiosidade, tornou-se num desafio, que não descansei enquanto não ficou concluído, por aquilo que estas aldeias significam, e por aquilo que aprendi ao pesquisar sobre elas.

hoje podem parecer apenas ruínas abandonadas à sua sorte no topo dos montes, nos cantos mais recônditos de portugal, resquícios dos tempos de batalhas e conquistas que já ninguém vivo testemunhou, mas estão imbuídas de uma história incrível. daquela que determinou as nossas fronteiras, e demonstrou a coragem e determinação do nosso povo. recomendo *vivamente* conhece-las.

como as aldeias históricas se estendem por uma área considerável, e algumas em sítios bastante remotos, como é o caso de piodão, a melhor forma de visitar as aldeias é dividi-las por etapas, agrupado-as por proximidade, por exemplo,

- marialva / trancoso / linhares da beira
- castelo rodrigo / almeida / castelo mendo
- sortelha / belmonte
- castelo novo / idanha-a-velha / monsanto
- piodão

IMHO, três aldeias por dia é o cenário mais razoável. perdemos sempre muito tempo a visitar e fotografar todos os recantos, e a conduzir entre elas, e a parar noutros sítios pelo caminho, que nos agucem a curiosidade.

aqui fica o mapa, para terem uma noção da coisa,

 

Dia 6 // Longroiva a Lisboa

só mais 5 minutos, vá láaaaaa....

quarto

seguir ao pequeno-almoço fomos dar uma voltinha para desmoer, antes de voltar a atacar a piscina. não fomos longe, apenas circundamos o complexo do hotel e das termas, meter o bedelho nas fontes de água, para descobrir donde vinha o pivete a ovos podres.

fonte fonte fonte

era desta fonte, e de outra mais acima :D o homem enfiou o dedo lá dentro e arrependeu-se... e não foi pela temperatura da água lolão

depois arrumamos a bagagem e siga demolhar, que nem dois bacalhaus secos na véspera da consoada. ficamos uma hora enfiados na piscina, só com a cabeça fora de água. aquilo não podia ser muito bom para a pele.. afinal de contas, a água é tratada com cloro e cenas.. digamos que saí de lá com a pele mais branca e luminosa do que entrei muhahha

no último dia de férias visitamos as três últimas aldeias históricas que faltavam.

mas já que estávamos ali, primeiro fomos conhecer longroiva. fizemos a primeira cache desde há quatro anos no topo da aldeia, perto do castelo. a app agora tá muito moderna, toca um sonzinho para avisar-nos que estamos perto da cache. "antigamente" tínhamos que andar a chafurdar, especialmente mau quando os telemóveis tinham uma recepção de satélite manhosa, às vezes com um desvio de 10-20 metros.

o castelo serve de cemitério, é um bocadinho creepy entrar lá dentro. a vista é porreira, though. alta sitio para ter como ultima morada :D

uns kms a sul, subimos até marialva. a segunda cache do dia meteu-nos a circundar o castelo. a aldeia é uma paz d'alma, sitio bom para passar uns dias muito descansados. não fomos visitar o castelo porque não me apeteceu a pagar a entrada.

marialva

seguia-se trancoso. terceira cache do dia também nos meteu a circular o exterior das muralhas do castelo. andava lá outro casal às caches, mas estavam do lado errado a muralha. não sei se perceberam a dica. a vista da torre de menagem para a serra da estrela é qualquer coisa.

trancoso

já de saída, passamos numa loja da casa da prisca e trouxemos um pedaço de paio de lombo fatiado TÃO BOM, e um queijo de cabra curado apimentado de meio kg TÃO BOM, levaram sumiço do frigorífico em menos de nada!

por fim, belmonte. também não visitamos o castelo, que era pago e já não estavam a deixar entrar ninguém, às cinco e pouco da tarde. demos umas voltas por belmonte atrás de caches. fizemos uma no moinho de azeite, a última do dia, que tinha uma vista soberba para a porta de acesso à serra da estrela que costumo usar, e a lembrar-me que há um ano que não ponho os pés na serra. devo estar doente, só pode lol

por esta altura já se ouviam estômagos a reclamar, e como não conseguíamos chegar a nenhuma conclusão sobre onde ir tratar do assunto, acabamos na cafetaria do intermarché lol a companhia era "interessante", e o lanche saiu muito barato lol

dali só paramos em lisboa. vinha completamente moída pelo dia inteiro passado ao volante, e mortinha para chegar a casa e encher-me de creme hidratante, que tinha a pele tão seca por causa do cloro que até sentia picadas. imagino que a minha sorte foi que tinha que me vir embora, se não passava a tarde toda dentro da água.. depois provavelmente iria precisar de vários transplantes de pele muhahaha

e assim terminou outra roadtrip épica. começou no extremo setentrional, atravessou o norte na diagonal, andou às voltas na beira interior, e ainda deu umas perninhas em espanha. as mudanças de paisagem são tão vincadas, que a cada dia de viagem pareciam férias diferentes \m/ não me canso de dizer, o nosso reino é lindo!!

deu para matar saudades de muitos dos sítios, mas a sensação que trago é que fiquei com mais saudades ainda. tou refém do nosso país, não me consigo fartar, estou sempre maluca para voltar lol com tantos países que quero conhecer, caneco...

álbum completo no sítio do costume

< dia anterior · início

Dia 5 // de Castelo Melhor a Longroiva

acordar com uma paisagem daquelas a entrar-nos pelo quarto a dentro é qualquer coisa.. e a calma daquele lugar? ficava na boa uma manhã (ou a tarde) inteira sentada na varanda, ou no sofá ao lado da janela, a ler um livro ou simplesmente a perder o olhar na paisagem.

douro

mas o melhor de acordar ali ainda estava para vir: o pequeno-almoço.. zomg.. clássico brunch de instagram, totalmente obsceno.. e delicioso!! enfardei até ao limite do estômago.. e mesmo assim sobrou mais de metade daquele banquete. podia não ser buffet, mas não faltava ali nada, o que não estava na mesa vinha da cozinha a pedido, e feito na hora (ovos, bacon, etc).

pequeno almoço banquete

aproveitamos o quarto até à hora de check-out e depois fomos dar um longo passeio pela quinta, até à beira do douro, depois pelas vinhas. a ventania era de tal forma potente que o rio parecia correr ao contrário. seria um dia impecável, se não fosse pelo vento..

casa do riodouro douro
quinta do vallado quinta do vallado
linha

a casa do rio é um daqueles sítios que não vou dizer "temos que lá voltar", vou dizer "vamos mesmo lá voltar", aquilo é um paraíso!

este é aquele dia das férias que deixo sempre em aberto, para dar margem a improvisos e surpresas. ou seja, não sabia onde e como iria acabar, se em casa, se num ponto qualquer ao calhas no mapa. opções eram mais que muitas, que ganhasse a melhor ideia!

ainda assim, queria passar por uns quantos sítios. portanto deixamos a casa do rio com destino a barca d'alva, logo ali ao lado, e pelo caminho mais curto. ainda parei para mirar o castelo de castelo melhor, mas para visitá-lo iria precisar de pelo menos uma hora, então deixei-o para a próxima visita... daquelas decisões que na hora parecem bem, mas depois uma pessoa arrepende-se e já é tarde demais, oh well..

ia tão fixada na paisagem, que deixei passar o desvio e fui parar à estação ferroviária de almendra. tipo.. de que servia uma estação no meio no nada, a km's e km's da povoação mais próxima? se calhar até se percebe porque é que aquele troço todo de linha férrea está desactivado..

douro douro

voltei para trás e lá encontrei o desvio que queria. não havia indicações, e os meus piores receios iam-se concretizar. através do google maps dava para ver que era um caminho agrícola de terra batida, mas eu tinha esperança que aquelas imagens de satélite tivessem altamente desactualizadas, e que a estrada entretanto tivesse sido asfaltada (a esperança é a ultima a morrer, certo?)... ou o google não me teria metido por lá? ou teria, à luz da minha suspeita que ele conhece o perfil de estradas onde costumo andar?

google, enquanto eu tiver o cascas não me mandes por estradas de terra batida, ouviste??? o bicho já não tem idade para essas farras.

não tinha já tido uma experiência desagradável no dia anterior, querem lá ver.. dispenso outra hoje!! mas a volta que teria que dar, era estupidamente longa e decidi arriscar.. tive sorte que não apanhei muita lama, mas apanhei um susto ou outro com derrocadas e uns ramos derrubados das árvores pelo vento. a puta da estrada parecia interminável, quando voltei a ver o asfalto agradeci ao universo por não me ter pregado nenhuma partida. puf!!

o cais de vega de terron estava bastante pacato, mas o dia não estava grande coisa, acabamos por não ficar lá muito tempo.

despedimo-nos do douro internacional, com um até muito breve, espero, e seguimos para sul, com a aldeia histórica de castelo rodrigo na mira. fiz umas quantas paragens em miradouros, para ir esticando ao máximo a despedida daquela paisagem que tanto gosto.

trás-os-montes

a parte mais interessante das viagens é notarmos a morfologia da paisagem a mudar lentamente. à medida que íamos deixando a região do douro, fomos gradualmente deixando de subir e descer montes, as curvas atenuaram, a vinhas, as amendoeiras e as oliveiras desaparecem do horizonte. blocos redondos de granito, e vegetação rasteira passa a dominar na paisagem.

não me vou alongar sobre castelo rodrigo, vou deixar isso para mais tarde. só tive pena que a tarde estava limpa, mas realmente desagradável por causa do vento e do frio. podia ter apreciado melhor a aldeia e a paisagem.

seguia-se almeida. idem idem, aspas aspas. mais uma vez fomos sabotados pelo vento, que soprava cada vez com mais força. o carro parado abanava por todos os lados, e não conseguíamos estar na rua mais de 5 minutos, por causa do frio e da ventania..

por aquela altura ainda não sabíamos como ia terminar o dia. o hotel que havíamos tentado umas horas antes estava cheio, e ainda não tínhamos tido oportunidade para abrir o booking e analisar as nossas hipóteses. entretanto, e já que estava perto de vilar formoso, aproveitei para ir atestar o carro (eu não resisto muhahahah) apesar de ainda ter 1/4 do depósito.

tava ali, e tava a começar a ficar seriamente dividida... o que é que me impedia de seguir caminho e ir acabar as férias em salamanca? era só uma horinha.. ou então era uma horinha de volta para a zona das duas aldeias históricas que não conseguimos alcançar naquele dia... decisions, decisions... mas o que é realmente fixe, é ter deixado de existir roaming na união europeia, e nós estarmos ali, no estacionamento da galp de fuentes de oñoro, agarrados aos telemóveis, a decidir se havíamos de seguir para salamanca, ou algures nas redondezas de marialva e trancoso, ou para casa.

porque eu estava com medo de rapar frio em salamanca, apesar da ideia de acabar o dia a comer churros com chocolate quente aquecer-me a alma, e porque o homem apanhou um quartinho no longroiva hotel, um dos alojamentos que por acaso considerei para a 5ª noite (mas descartei porque sou parva e liguei mais às fotos que à descrição do hotel), acabamos por voltar para portugal.

uma hora depois estávamos a chegar a longroiva. diz que havia uma piscina exterior com água naturalmente aquecida à nossa espera. e não era mentira, não senhora. eram 8 da noite, cá fora estavam 5ºC, lá dentro 38ºC. que meia hora tão maravilhosa. não há palavras...

o cenário era mais ou menos este,

snow monkey

(macacos da neve a banharem-se em fontes termais a 40ºC, copyright © jigokudani yaen kōen)


já sair da água, com uma diferença de 30 graus para a rua, é que.. FFFUUUUUUU!!!

deram-nos um quartito todo catita, no edifício principal. ficava um bocado afastado da piscina e do restaurante, mas era um preço que não me importei de pagar, pelo charme dos meus aposentos :D. o hotel é composto por um edifício clássico e um anexo ultra moderno, com quartos e bungalows. muito, muito giro, e ainda cheirava a novo. fun fact: o hotel foi desenhado pelo mesmo arquitecto das eco/tree houses do parque das pedras salgadas.

jantamos no restaurante do hotel, comi um polvo à lagareiro impecável. fiquei fã do azeite da quinta vale d'aldeia, cuja produção pertence aos proprietários do hotel.

nessa noite o homem decidiu que queria voltar a fazer geocaching, então passamos o resto da noite a instalar a app e a ver que caches podíamos fazer no dia seguinte. pena não se ter lembrado isto na primeira noite, em melgaço. a quantidade de caches fixes que deixamos escapar, baaaah!

Dia 4 // de Picote a Castelo Melhor

para compensar o dia anterior, este estava a transbordar. quis descer o douro internacional, e continuar uma tarefa muito interessante que ficou por terminar na outra volta, miradouros. tinha uma lista com seis que queria muito visitar. por azar, foi também o pior dos dias que apanhamos, com chuva, frio, e vento forte. PQP!!

vou reformular, o dia estava verdadeiramente merdoso...

acordamos para um dia cinzentão, bem foleiro. nada fixe quando o objectivo é passear, e mirar desfiladeiros com centenas de metros de altura.

descemos à cozinha para preparar o pequeno-almoço, que só não correu melhor porque estas almas não sabem operar máquinas de café domésticas, e não tinham todas as ferramentas a que estão habitadas para preparar comida, e perdeu-se tempo precioso com os improvisos. enfim, lá se fez, e terminado o pequeno-almoço, subimos para ir arrumar a tralha e metemo-nos a caminho, que se fazia tarde.

estavam previstos seis miradouros. mas como estávamos em picote, mesmo à entrada do caminho que vai dar ao miradouro da fraga do puio, e a meia dúzia de passos de lá, aproveitamos para mirá-lo. o anfitrião da casa tinha-nos dito que aquilo tinha ardido tudo, e que não estava muito bonito de se ver. de facto, até a plataforma em madeira do miradouro ardeu, e estava tudo queimado quase até à água. acho que só não pareceu pior porque o dia estava cinzento, a condizer com a paisagem :(

miradouro fraga do puio

picote tinha ainda mais casas recuperadas que há dois anos, está a ficar um sitio *muito* giro.

dali demos inicio à aventura do dia, seguindo a todo o vapor para nordeste, até aldeia nova / aldinuoba, ver as vistas a partir do miradouro de são joão das arribas.

imponente, para descrevê-lo numa palavra só. se não estou em erro, foi o mais alto dos miradouros que visitamos naquele dia. ali o douro corre numa estreita garganta, de paredes escarpadas ásperas e contornos muito acidentados, e a vista é incrível tanto a montante como a jusante. acabamos por nos demorar, que aquele sitio é de cortar a respiração, e ficamos sem forças para sair dali :D

miradouro são joão das arribas

de seguida fomos até miranda do douro, onde também passamos mais tempo do que aquilo que estava nos planos. não há nada a fazer, que as vistas ali também são impressionantes.

e ainda hoje tenho sonhos húmidos com um palmier coberto com chocolate que comi na pastelaria mirandesa, onde também tínhamos lanchado há dois anos hi hi hi

mais abaixo no mapa, passamos pelo miradouro da freixiosa. nesta altura o vento não estava a facilitar muito a vida, e aquele miradouro não é para fracos do coração lol aqui o douro corre mais à larga, e a paisagem não é tão acidentada, mas não deixa de ser brutal.

miradouro da freixiosa miradouro da freixiosa

seguia-se o miradouro de picões. este era o mais desafiante por causa do caminho até lá. tinha chovido a manhã toda, e a estrada de terra batida estava encharcada, e cheia de depressões profundas causadas por veículos pesados. eu tentei, a sério que tentei. mesmo a arriscar atascar o cascas na lama.

por acaso não me estava nada a apetecer ficar com o carro atascado ali, já vinha há umas boas dezenas de metros com o coração nas goelas por causa disso. evitei vários buracos e poças de água como se fossem minas terrestres, em que uma manobra mal feita e tinha que ir à procura dum velhote com um tractor para me tirar o carro dali pra fora... atirei a toalha ao chão quando aquilo começou a deixar de ser um estradão e transformou-se num rio, e eu falei e disse "nope nope nope.. puta que pariu, caguei!" e não andei nem mais um metro.

e agora, voltar para trás? HA HA HA HA!

o caminho era estreito e murado, só cabia um carro. até conseguirmos inverter a marcha em porto seguro foram uns metros valentes de marcha-àtrás, com uma precisão cirúrgica para o carro não ficar encalhado. isto é material para me dar ataques de pânico instantâneos... quando aquela provação terminou, podia ter deixado o carro estacionado na aberta, e ter percorrido a pé as poucas centenas de metros que faltavam até ao miradouro.. mas o estado do caminho, e a chuva a ameaçar cair, e o tempo precioso que perdemos a não cometer nenhum fuck up com o nosso estimado automóvel, desencorajaram-me de perder mais tempo ali, e quis voltar à segurança do asfalto.

anyway, foi a maior aventura do dia lol

porque já se estava a fazer tarde, também o miradouro do castro castelo dos mouros também ficou para uma próxima, com muita pena minha.

seguiu-se o miradouro do carrascalinho, já sob de uma tarde verdadeiramente desagradável. o sitio é lindíssimo, a vista é desafogada, e as aves de grande porte pairam ali preguiçosamente. interessante que parecem imunes à chuva e ao vento.

por fim, e já quase ao cair da noite, ainda consegui levar-nos ao miradouro do penedo durão. foi o miradouro mais humanizado que visitamos. o acesso é impecável, tem um parque de estacionamento enorme, e montes de espaço para merendas. e tem uma paisagem magnífica, de perder a vista.

na volta anterior, estive parada lá em baixo a contemplar a vista, e a olhar cá para cima, a imaginar como seria fixe subir aquele penhasco, pouco antes de atravessar a barragem que se vê dali, saucelle, para explorar o douro internacional do lado espanhol. diria que é naquele ponto que o douro começa a amansar, e segue um percurso mais calminho até à foz. e é também ali a recta final em que aquele magnifico rio serve de fronteira entre portugal e espanha.

a descoberta do dia é que é possível descer o douro internacional e visitar uma série de miradouros em apenas um dia. basta começar cedo. preferencialmente com colaboração da meteorologia.. fiquei absolutamente fodida pelo falhanço dos dois miradouros, e pelo tempo horroroso que não me deixou desfrutar melhor os que consegui alcançar.. não ha milagres, acontecem sempre falhas nos planos, por melhor que sejam as intenções e a nossa determinação.

dali fomos a todo o vapor para torre de moncorvo, jantar na taberna no carró, restaurante que nos tinha sido altamente recomendado. não havia menu, era sentar e esperar que a comida começasse a aterrar na mesa. e foi tanta a comida, que nós, que chegamos lá mortinhos de fome, às tantas já estávamos os dois a entrar em pânico muhahaha

começou por pão e azeitonas, uma tábua de queijo curado e enchidos, depois uma alheira de mirandela assada nas brasas, depois uma omelete de espargos, depois cogumelos recheados, e terminou com uma bruta posta mirandesa, acompanhada por arroz de grão e salada de azedas. minha nossa senhora da assunção, que puta da barrigada. não sobrou espaço para sobremesas, por mais delicioso que fosse o aspecto delas... saímos de lá a rebolar.

o último salto do dia seria prá lá de vila nova de foz côa, até à casa do rio. havia duas formas de lá chegar: 30km por curvas, ou 35km por estrada direitinha, a duração da viagem era idêntica. a parte chata foi que confiei no routing dos mapas do google, e não é que o cabrão mandou-me ir pela estrada das curvas? cá pra mim, devem ter lá no meu perfil que eu gosto de estradas "cénicas"... só pode!! e acredito que aquela estrada até seja muito agradável de conduzir, pela vista... mas de noite não se vê a ponta dum chouriço.. ainda por cima, curvas era a última coisa que me estava a apetecer depois de uma refeição daquelas, humpf!

chegar até à casa do rio também foi um desafio "interessante". uma sucessão de curvas apertadas, com um declive assustador, e escuridão total. o meu instinto dizia-me que era melhor segurar bem o carro, que o douro corria lá em baixo.. a que altura e distância, era uma incógnita. depois de dois pavorosos km, chegávamos finalmente à casa.

primeira impressão da coisa.. tinha sido mais esperta se tivesse cagado nos miradouros, e fosse directa de picote para aquele sítio. zomg... chegar lá às nove da noite foi um crime!

a melhor descrição que consigo fazer do alojamento é, a casa de campo de alguém com muito bom gosto. e papel. não se pouparam nos luxos. a decoração da sala de estar era de um tremendo bom gosto, numa combinação harmoniosa entre elementos de design moderno e rústico. os tons quentes da fraca iluminação envolviam-se com música chill out, a finalizar o ambiente perfeito. tinha um conforto intimista encantador.

o quarto, dos mais bonitos, confortáveis, e acolhedores onde já dormi. amplo, luminoso, forrado a madeira pintada de branco com um ar de casa de praia, ao fundo uma pequena sala de estar com sofás em pele e uma lareira suspensa, que não foi preciso acender porque o ar condicionado tomava conta do assunto.. e a cama.. uma nuvem autêntica. e tudo salpicado com pequenos arranjos florais silvestres frescos. acho que aquele quarto anda ali taco a taco com a casa da árvore, que só ganha porque é a casa da árvore lol

casa do rio casa do rio casa do rio

só podia ser a recompensa por aquele dia frustrante. quando reservei aquela maravilha, nunca imaginei o que me esperava, as fotos não lhe fazem justiça. 

os anfitriões, de uma simpatia desconcertante. acabamos por ficar até perto da meia noite na sala, entre conversas, chás, vinhos do porto e bolos caseiros.

again, como já vinha a ser trend, e numa rara ocasião (segundo nos foi dito), tivemos a(quele sonho de) casa só para nós :D

 

< dia anterior ·início· dia seguinte >

Dia 3 // de Pedras Salgadas a Picote

este foi de longe o dia mais preguiçoso das férias. conseguimos uma horinha extra na casa da árvore, e depois do check out demos um passeio demorado pelo parque. estivemos a inspeccionar a "nossa" faia, que infelizmente não parece ter crescido muito.. oh well, pode ser que daqui por 10 anos esteja da minha altura.

primaver hera treehouse

já não conseguimos marcar massagens para aquele dia, mas por volta das três, fomos abancar no spa. estivemos a rodar o circuito da piscina, banho turco e sauna, até começarmos a ficar com a pele das mãos a parecer uma ameixa seca. a minha pele adora aquela água, nas horas seguintes fica sequinha, macia, e luminosa que é um mimo ♥

quando achamos que já tínhamos demolhado mais do que suficiente para um dia, iniciamos lentamente a retirada, para aproveitar bem os últimos minutos ali. de caminho para o carro lanchamos na casa do chá, e despedimo-nos do parque das pedras salgadas.

dali foram duas horas até mogadouro, onde iríamos jantar. tenho a dizer que o IC5 é uma estrada à maneira, tranquila e com umas vistas do caraças. não foi a primeira vez que a cruzei, e vou sempre de queixo caído com a paisagem envolvente.

na lareira, a posta soube-me melhor da outra vez, deve ter dias... e desta não havia salada de merugem, porque o inverno demorou a aparecer.

e como não encontrei nada interessante para pernoitar em mogadouro, fomos dormir a cerca de 30km dali, em picote, aldeia já nossa conhecida do raid anterior. ficamos numa casa típica da aldeia muito, muito fixe, e toda por nossa conta :D 

o quarto era super acolhedor, decorado em tons quentes da terra, e a cama ultra confortável. andávamos a ter sorte com as camas (sim.. este é o tipo de coisa que começa a ganhar muita importância à medida que vamos ficando idosos lol), naice!

 

< dia anterior ·início· dia seguinte >

Dia 2 // de Campo do Gerês a Pedras Salgadas

depois do check out da pousada, andamos às voltas pelo campo do gerês. era difícil de acreditar que depois de uma noite daquelas, o dia estava tão bem disposto. 

não sei como é aquele sitio durante a época alta, mas nesta altura, é super calmo. não andava por ali quase ninguém, apenas um habitante ou outro. pena a placidez daquele cenário ser cortada pelo som de uma moto-serra, cujo ruído feroz ecoava pelo imenso vale. os incêndios não pouparam o parque e as limpezas estavam em curso. não ouvi a sinfonia de passarinhos que tão ansiosamente esperava - uma das melhores recordações que guardei de lá.. talvez porque ao contrário da outra visita, nesta a primavera estava atrasada. as árvores desnudas e o tempo manhoso não deve agradar à passarada.

a dada altura passamos por um rebanho de ovelhas muito conversadoras. ele era BÉÉÉÉÉÉÉ pra cá, ele era BÉÉÉÉÉÉÉ pra lá, numa chinfrineira desgraçada. não devem achar piada a estranhos lol demoramos ali uns minutos, a "conversar" com elas, mas às tantas decidiram ignorar-nos e piraram-se de volta pro estábulo.

dali seguimos para a vila do gerês, pela estrada mais curta, e mais cénica. dizem as más línguas que eu um dia maldisse aquela estrada.. como é que fui capaz de emitir tal barbaridade. a estrada é maravilhosa - dantesca, principalmente na vertente a noroeste, mas maravilhosa lol

tão e absorver esta paisagem, num dia brutal como este? devolve-nos anos de vida, garanto!!

gerês gerês 
(onde está o wally? lol)

da vila seguimos em direcção a cabril. passamos pelas cascatas do tahiti e paramos na ponte sobre o rio toco, para apreciar a água a correr pelos calhaus arredondados. acabamos por ir subindo, e subindo, porque bateu uma vontade doida de nos enfiarmos pelo monte adentro. mas não dava.. nem estávamos preparados, nem tínhamos tempo. se no dia anterior já tinha picado o bixo pelas saudades das caminhadas na peneda, ali ficamos mesmo com ganas de dar à sola. tá visto que precisamos de orientar uns dias para caminhar pelo gerês :D

rio toco rio toco

ao regresso, um pastor que estava por ali meteu conversa connosco durante uns bons minutos. estava acompanhado por dois cães muito preguiçosos, e aguardava pacientemente que a centena de cabras que tinha lá cima no monte a pastar, decidisse que estava na hora de regressar. vida mais solitária aquela.. não necessariamente má, mas solitária.

a paragem seguinte foi na ponte da misarela, que escapou no assalto ao gerês em 2012. percebe-se perfeitamente porque é que dizem a ponte foi construida pelo diabo... os tomates de aço que a malta da idade média tinha.. a ponte cravada naquele santuário natural, parece um cenário saído de um filme de fantasia, é surreal!

ponte da misarela ponte da misarela rio rabagão

infelizmente não sobrou tempo para fazer um desvio e visitar pitões das júnias e tourém. foi dos maiores desgostos das férias... mas tínhamos um SPA a chamar por nós. custou-me pa cacete deixar o gerês para trás.. aliás, custa sempre.. morro de amores por aquele parque. parava em cada curva para me despedir dele lol

gerês gerês  
de caminho para pedras salgadas, circundamos a albufeira alto rabagão a sul, para ver se a aldeia de vilarinho de negrões ainda se mantinha a tona, depois das chuvadas de março. em março de 2014, com um inverno muito seco, estava muito mais longe da água. ainda assim não estava tão cheia como esperava, ainda cabia ali uns litros valentes de água.

vilarinho de negrões

eram cinco e meia quando finalmente chegamos ao destino deste dia: o parque das pedras salgadas, onde a casa da árvore estava à nossa espera. gostei tanto, MAS TANTO de voltar àquele sítio.. ok, não tinha passado assim taaaanto tempo como tudo isso da visita anterior (dois anos e um dia, para ser exacta), mas still.. estava com umas saudades malucas... por mim ia lá todos os anos, tipo peregrinação. há quem vá a fátima, eu ia às pedras salgadas, dormir na casa da árvore e demolhar as peles na piscina do spa hi hi hi

treehouse

estava tudo tal e qual, até o menu do restaurante. quando volto a um sitio costumo ter uma sensação que me deixa um bocado baralhada, parece que não passou tempo nenhum desde desde a última vez que lá estive. acrescentou também aquela sensação quentinha e reconfortante, que às vezes até provoca arrepios pelo corpo, e nos deixa ligeiramente excitados. sinto-a sempre quando reencontro pedacinhos de coração que vou deixando espalhados por aí.

o jantar na casa de chá correu ainda melhor que na visita anterior. o homem repetiu as bochechas e eu fui no robalo. ambos os pratos estavam impecáveis. ganda repasto!! terminou assim :D''''


dessertporn

cena fixe da noite. por esta altura o meu estimado marido já estava a mandar um certo vibe a homem das cavernas. sei que ele gosta pouco de fazer a barba, mas eu cactos, só plantas. e juro pés juntos que tinha trazido uma gilete para ele, mas na bolsa das toileteries nem sinal dela... como não encontrei nenhum kit de barbear no wc, disse-lhe para ligar para a recepção a perguntar se tinham. entretanto como tínhamos reserva para jantar, não esperamos pela confirmação.

algures entre as entradas e o prato principal, a empregada aparece na nossa mesa. vinha trazer um recado - uma caixinha com o kit de barbear. se isto não é atenção ao cliente, não sei que será! eu estava apostada que quando regressássemos do jantar, aquilo ia estar pendurado na porta. mas ao que parece, como não estava ninguém na casa para receber, telefonaram para o restaurante a perguntar se estávamos lá, e foram entregar. tão bom!

 

< dia anterior ·início· dia seguinte >

Dia 1 // de Melgaço a Campo do Gerês

desta vez não fui atestar o depósito a espanha.. ZOMG!! quem és tu, e o que fizeste com a isa?? deu-se-me a preguiça lol mas a bomba do intermarché de melgaço tinha o gásoil a 1.19, a diferença deviam ser uns míseros cêntimos. enchemos o bucho ao cascas e partimos prá aventura. o dia não estava com um ar muito feliz, mas era o que tinhamos.

a primeira paragem foi em cevide, para ir visitar o marco nº 1 de portugal, a.k.a. o ponto mais setentrional do país. depois de ter estado no ponto mais oriental (miradouro da penha das torres), ganhei a pancada de querer visitar os extremos do reino :D

não foi fácil dar com aquilo, porque nas dicas que tinha lido, não falava em nenhum portão. e o portão ao fim da "rua" cheirava a propriedade privada, e eu não me apetecia ser corrida dali com chumbo no traseiro. mas não estivemos com meias medidas, fomos à volta, praticamente a corta-mato, por uma espécie de carreiro na margem do rio minho, por cima e por baixo de troncos caídos, e a escapar as garras das silvas. eventualmente demos com o local. 

marco n1 de portugal

o rio trancoso corria marafado e quase que metia medo atravessar a pequena ponte que liga portugal a espanha. mas se existe uma fronteira no horizonte, a isa vai atravessá-la, ainda que toda arrepiada e sem grande confiança na estreita ponte artesanal de madeira. já passei a fronteira entre os dois países em vários sítios, mas este é definitivamente interessante.

rio trancoso rio trancoso

do lado de espanha existe um marco gémeo, que também mereceu visita. tenho a dizer que tanto do lado de portugal, como de espanha, este sítio é bastante agradável.

rio trancoso rio trancoso

reza a história que se fazia muito contrabando por aqui. ouro nem sinal dele, mas o homem encontrou um pescado de plástico que trouxe de recuerdo, lol.

à vinda, seguimos pelo caminho marcado. adivinhem onde demos com o nariz? 

portão portão

..no cabrão do portão!!

dali, siga para lamas de mouro, quase a "direito", por estradas muito muito secundárias. mas também muito cénicas.

de lamas de mouro fomos pela estrada que liga várias brandas. recordamos cheios de saudades, a épica caminhada que fizemos com a sylvie pela serra da peneda, e que terminou neste planalto incrível,

peneda peneda peneda

apesar do friooooooooooo que estava, a vista continua magnifica, com os picos cobertos de neve então... adoro a peneda. adoro. adoro. adoro!

paramos em são bento do cando, para visitar o tasco que nos salvou a vida, naquela que deve ter sido a caminhada mais agressiva que alguma vez fizemos (e uma das primeiras, muito inexperiente). supostamente as brandas deveriam estar desertas no inverno, mas aquela em particular estava muito animada, com êxitos de música popular portuguesa a ecoar pela aldeia.

dali fomos até ao santuário da peneda, onde aproveitamos para lanchar e relembrar os 4 dias que ali estivemos alojados em 2009, e as peripécias pelos montes, quando éramos jovens e (ainda mais) parvos. enquanto for viva, nunca me hei-de esquecer daquela centena de degraus.. e dos carrapatos lol

já passei por soajo várias vezes, mas acho que nunca tinha parado para ver os espigueiros. foi desta!

e o último salto do dia, entrar no campo do gerês pela porta das traseiras, por uma estradinha daquelas à maneira - tipo montanha russa, cheia de curvas sem visibilidade, apertada, e que nunca se sabe quando algum bicho decide atirar-se para a frente do carro, ou quando algum calhau se desprende e nos cai em cima. uma emoção!

fizemos algumas paragens pelo caminho, uma delas para trepar um afloramento granítico majestoso, plantado no topo dum monte. tava um vento e um frio do caralho, e mesmo assim arrancamos do carro todos encasacados, de gorro e luvas, para não perder aquela vista pornográfica.

havia água por todo o lado. a chuvas de março ensoparam a serra de tal modo, que a água a brotava do chão e criava pequenos regatos. era preciso *muito* cuidado para não atascar os pés na água ou na lama.

estivemos pela primeira vez no campo do gerês em 2014 e saimos de lá cheios de vontade de voltar. a pousada de juventude ficou-nos debaixo de olho, e apesar de já sabermos que não é o tipo de alojamento mais confortável do mundo, foi a nossa escolha. 

nessa noite jantamos com o recepcionista da pousada, e um alemão muito bem disposto, que andava a conhecer o gerês à pata. nós dois e o alemão éramos os únicos hospedes da pousada naquela noite. fomos a um tasco à beira da estrada, chamado café turismo, só sei que o meu bife estava altamente!

a noite estava agreste. estava um frio tão sacana que gelava a alma, e um vento tão forte, a afunilar pelo meio da montanhas, que parecia que estávamos no meio de um túnel de vento, até assustava. o alemão só fazia piadas com o frio que estava no quarto. e estava, aquele aquecimento central já levava um upgrade. o homem só dizia que da próxima vez que irmos de férias no inverno, temos que levar o termo-ventilador. não tinha sido má ideia, não senhor : /

definitivamente, adoro a peneda. pela magnificência das paisagens, pela solidão dos montes, pela natureza quase em estado bruto. mas a altura ideal para tirar o melhor partido dela, é no final da primavera, não no início. apetece mesmo palmilhar aquelas montanhas, e aqueles planaltos, e explorar os cursos de água que atravessam vales, e admirar os animais que vamos encontrando pelo caminho, entretidos na pacatez da vida deles. por falar nisso, o homem ficou cheio de pena por não ter visto nenhum lobo lol

mas pena, pena, tive eu, que o dia esteve absolutamente merdoso para tirar fotos..

 

< dia anterior ·início· dia seguinte >

Dia 0 // de Lisboa a Melgaço

é matemático. quando digo que temos que sair de casa no máximo às "tantas" horas, saímos sempre 3 horas depois. tenho que começar a fazer contas com esse desfasamento, humpf!

ou seja, em vez de nos fazermos à estrada ao meio-dia, eram três da tarde quando finalmente entrámos na A1.

na verdade, para aproveitar bem o primeiro dia de férias, até porque queria visitar uma aldeia que fica lá pros lados donde judas perdeu as botas (mas que por acaso ficava numa das opções de caminho), o ideal teria sido sair de casa às 10 da manhã, não ao meio-dia.

mas sair de casa às 10 ia acontecer tanto como acertar nos 7 números do euromilhões do sorteio seguinte. não só ia sair da cama a essa hora, como ainda tinha uma porrada de coisas para fazer, tipo limpar a casa, ir a lavandaria, acabar de arrumar a tralha para a viagem, abastecer o carro e verificar a pressão dos pneus... talvez se não tivesse chegado do algarve as três e meia da manhã na noite anterior, as coisas teriam sido um bocadinho diferentes.. ou então não!

cheguei a melgaço, às oito da noite, toda rebentada. da primeira vez que fiz aquela viagem foi no chasso, pergunto-me como é que sobrevivi a tal provação lol 

a escolha do hotel monte prado não foi ao acaso. já lá tínhamos estado em 2007, para uma experiência pouco convencional (para nós), passar o natal num hotel. gostamos bastante das instalações e da zona, e andámos anos a dizer que havíamos de regressar.

infelizmente já não chegamos a horas de atacar o spa, e tão necessitada que eu estava, depois de quase cinco horas agarrada ao volante. ficamos ainda mais tristes quando soubemos que um dos melhores banhos turcos onde já cozemos ao vapor, tinha sido desactivado... ohhhhhh pá!! não se faz isto às pessoas :'(

só sei que estava tão cansada da viagem que mal consegui comer nessa noite. uma pena, que o bacalhau com broa estava realmente delicioso..

antes de encostar a cabeça nas almofadas e dar o dia por terminado, estive a confirmar a rota para o dia seguinte, a ver se por milagre, conseguia encaixar a uma passagem na tal aldeia. mas em todas as projecções, a coisa entrava sempre por caminhos que eu não queria seguir, por isso, e muito a contragosto, acabei por abandonar a ideia. há que deixar estrelas a brilhar no mapa, para futuros regressos anyway :D

não me lembra quanto pagamos pela estadia na outra vez (e como foi durante o natal deve ter sido inflacionado) mas 37€ por um quarto duplo num hotel de 4*, com pequeno incluído é uma promo do caraças!! foi a estadia mais barata das férias.

tirando o desgosto do banho turco, o hotel continua impecável, e à parte do a/c ruidoso (abençoados tampões para os ouvidos) proporcionou uma boa noite de descanso.

 

início· dia seguinte >

Lost in... Minho, Trás-os-Montes e Beira Alta

FINALMENTE FÉRIAS!! desde julho que não sabia o que isso era FFFUUUUUU... já estava a desesperar por uns diazinhos de desbunda, para meter as ideias de molho!

com o tempo armado em parvo, e com pouca vontade de sair do país, o programa de festas inspirou-se em lugares por onde já passamos, e que nos deixaram mortos de saudades mesmo antes de partir. assim como lugares que ficaram por visitar na mesma rota, e já agora porque não, descobrir locais novos onde coleccionar mais um camadão de saudades.

basicamente, revisitar lugares, reviver experiências, e sobretudo (tentar) descansar.

...embora descansar seja relativo quando conduzia uma média de 3 horas e meia por estradas que aumentam substancialmente as colónias de cabelos brancos que uma pessoa tem na cabeça... mas hey, se assim não fosse, deixava de reconhecer a minha pessoa muhahah

resultado: yet another epic road trip, que desta vez começaria lá bem no topo de portugal, contornaria o parque nacional da peneda-gerês, atravessaria trás-os-montes e o douro internacional, e circularia a beira alta. com etapas de condução planeadas para permitir passeios sem pressas e paragens imprevistas, e ainda assim, chegar a horas decentes aos destinos. contabilidade feita,

7 dias em viagem, 1795km percorridos, 24 horas ao volante

não havia de ter ficado com dores nos braços, e nas pernas, e nos joelhos, e nas costas, e no pescoço, e nos artelhos lol o caruncho que se instala com a idade é tramado -_-'

perdi alguns anos de vida em algumas "estradas", recuperei-os nos cenários incríveis por onde passamos, nos sítios fantásticos onde dormimos, na comida deliciosa que comemos, e na simpatia das pessoas com quem nos cruzámos.

ainda assim não fomos a todos os lugares que gostaríamos.. para isso seria preciso quase outra semana. o tempo ter andado manhoso foi o menos fixe, que eu tenho alergia ao frio, ao vento, à chuva. além disso, comprometeu o registo fotográfico do passeio. dias cinzentões não dão boas recordações (if it rhymes, it must be true :D), bah!

 

seguir para o dia 0 >

Mallorca // Deià - PMI

acordar com esta paisagem a entrar-nos pelo quarto a dentro é indescritível...

deìa

uma pessoa até fica emocionada :')

o pequeno-almoço não era buffet e a dona antónia serviu-nos um banquete digno da realeza. tivemos que implorar-lhe para deixar de trazer comida, que nem a mesa, nem os nossos estômagos tinham espaço para mais. várias qualidades de pão, bolos, doces, enchidos, queijo, tortilha, fruta, café, leite, sumos.. estávamos sentados perto da janela, e a vista que tínhamos sobre deìa era quase tão obscena como a do quarto, dois andares acima.

depois do pequeno-almoço estivemos um bocadito à conversa com a senhora, que apesar de ter aquele ar desconfiado, era simpática e bem humorada. desbobinou bastante sobre as dores do turismo na ilha. isto porque ficamos impressionados como a forma como ela lidou com um casal de franceses finórios, que ficaram ultrajados por não haver croissants para o pequeno-almoço. o drama, a tragédia, o horror, ui..

não são poucas as vilas rústicas, de casas de pedra dourada, empilhadas majestosamente pelas encostas da serra tramuntana. cada uma mais bonita que a anterior.. mas deìa leva a taça.

deìadeìa

é destino de malta endinheirada, nota-se logo a diferença. é tudo muito boho-chic e cheio de charme, tudo impecavelmente arranjado, florido e bem-disposto. desde as ruas, às pessoas que por ali andavam.

umas centenas de metros colina abaixo está a cala deìa, outro daqueles recantos mágicos. apesar de não ter um grão de areia, a malta acomoda-se por cima das rochas e deixa estar por ali.

cala deìa cala deìacala deìa

aqui demos numa de nerds profissionais. fomos ao c'as patro march, um barraco tosco plantado à beirinha da água, que não só faz derreter o coração de tão amoroso que é, como serviu de cenário para uma das cenas do the night manager, aquela da jantarada, onde o loki apanhou um camaçal de porrada para conseguir infiltrar-se no gang do dr house (no dia anterior tentámos passar pela mansão, mas os acessos até lá estão interditos pelos militares... bah)

cala deìa

eis a lista de locais que falhamos neste dia, só porque eu quis fazer praia em vez de passar o dia a conduzir: sa calobra (o homem não me perdoa esta lol), fornalutx, soller, estellencs, andratx, e magaluf (já que era para conhecer, era para conhecer tudo!). basicamente era acabar de circular a ilha, mas passamos por valldemossa e fomos a direitos para ses covetes, onde começa (ou acaba) es trenc. não fiquei muito melindrada com esta decisão.. afinal precisamos de deixar razões para voltar, né? :D

mais a mais, quem é que consegue resistir a isto?

praia es trec

por volta das seis da tarde, depois de termos percorrido a praia de uma ponta à outra, de mamar meio abacaxi que me soube pela vida, e de enchermos o bandulho de água salgada, iniciamos lentamente a retirada.

estávamos cobertos de areia e salitre, e não ia ser fixe passar a noite e apanhar o avião assim.. até porque com o calor e humidade, não tardaríamos a ficar impróprios para consumo he he he

ora deixa cá ver onde é que se consegue tomar banho por aqui.. umas pesquisas superficiais sobre onde tomar um duche quente nas redondezas do aeroporto não se revelaram bem sucedidas, por isso tivemos que improvisar. tão a ver aqueles duches à entrada (ou saída) das praias? foi nesses mesmo, em can pastilla. granda banhoca, ao final de tarde, em plena avenida, frente à playa de palma \m/

banho tomado, roupa fresca vestida, e bagagem arrumada, estava na hora de ir atestar e devolver o fiesta à centauro. agora sem ride, metemos as mochilas às costas e aproveitamos a boleia do shuttle de volta para o aeroporto, onde iríamos apanhar um autocarro para palma

porque gastamos uma pipa de massa em mistelas para o sol, e eu não estava a achar piada à ideia de deitar aquilo tudo fora praticamente cheio, tinha como missão encontrar um posto dos correos aberto àquela hora, para enviar aquilo para portugal. e encontrei, no el corte inglés. 

tiramos a senha, e enquanto aguardávamos pela nossa vez, o homem inteirou-se do preçário. custava alguns 30€ mandar a encomenda, tarifa fixa FFFUUUUUU.. sendo que tínhamos cerca de 50€ em produtos, era uma decisão tramada.. o homem sugeriu que por aquele preço, às tantas mais valia pagar bagagem extra no avião..

...e eis que eu me lembro que vamos voltar num charter, a bagagem de porão está incluída.. FUCK YEAH!! cagamos prós correios, e fomos ver onde se petiscava em palma. calhamos num tasco de tapas muito, muito fixe.

não nos demoramos muito mais por palma pois estávamos cansados, as mochilas pesavam nas costas, e a minha cara estava cada vez mais inchada por causa do cabrão do dente. além disso, não estava a achar o centro nada de especial. então, por volta das onze da noite, recolhemos ao aeroporto.

aeroporto de palma de maiorca

(yet another) funny story.. quando estivemos a fazer as marcações, não encontramos nada no booking para a última noite, estava tudo esgotado dentro dos nossos parâmetros. no airbnb também não havia grande coisa, e levamos nega no único que tinha aspecto. e eu disse ao homem, "cum cacete, não vou pagar mais de 100€ para dormir 4 ou 5 horas.. o check-in começa às 5h45, arroxamos no aeroporto e tá a andar de mota". o homem aceitou a sugestão, meio incrédulo e a duvidar que eu fosse achar piada a coisa.. só que achei.. e muita!

admito.. estava excitadíssima por passar a noite no aeroporto (com todo o respeito às as pessoas que ficaram presas em aeroportos por razões), é uma experiência pela qual nunca tinha passado, e que acabou por ser bastante educativa. 

estava mais calor na rua do que no edifício, mas como havia sempre carros e autocarros a passar e a descarregar pessoas, era um bocado caótico (aquele aeroporto não fecha, e há gente a (des)embarcar pela noite dentro, que colosso). então fomos lá para dentro. estiquei a toalha de praia no chão, usei a mochila como almofada, botei os tampões nos ouvidos e cá vai disto. não éramos os únicos, e topei formas muito criativas de fazer uma cama improvisada. desde os bancos almofadados do costa coffee, àquele casal que tinha cada um, um colchão insuflável. que rica ideia.

mais giro foi quando eles se foram embora, e deixaram lá os colchões encostados a um canto. o homem acordou-me da minha cama improvisada do chão e perguntou-me se estava interessada em fazer um upgrade. e foi deitadinha neles passei as últimas duas horas. maravilha. o homem não dormiu, passou a noite toda a trocar mensagens pelo whatsapp, com a mãe e a sogra (a gozar comigo, pois claro). 

e sim, conseguimos enviar a mochila minúscula cheia de frascos de cenas para o porão. botamos aquilo tudo dentro dum saco de plástico, não fossem os malões com 20kg de bagagem esmagar a nossa pobre mochila, e aquilo começar a babar creme por todos os lados. era um risco, mas antes isso que largar 30€ (lol cheap bastards).

e porque o homem não dormiu, e eu passei pelas brasas no chão do aeroporto, no domingo andámos o dia todo com a sensação estranha de estar a viver um dia suuuuuper longo.

maiorca soube a pouco, preciso de outra dose para conseguir tirá-la do sistema : /

that's all folks!

álbum completo no sítio do costume

'Le me

tem idade suficiente para ter juízo, embora nem sempre pareça. algarvia desertora, plantou-se algures na capital, e vive há uma eternidade com um gajo que conheceu pelo mIRC.

no início da vida adulta foi possuída pelo espírito da internet e entregou-lhe o corpo a alma de mão beijada. é geek até à raiz do último cabelo e orgulha-se disso.

offline gosta muito de passear por aí, tirar fotografias, ver séries e filmes, e (sempre que a preguiça não a impede) gosta praticar exercício físico.

mantém uma pequena bucket list de coisas que gostava de fazer nos entretantos.

de resto, é ler o blog :D

'Le liwl

era uma vez um blog cor-de-rosa que nasceu na manhã de 16 de janeiro, no longínquo ano de 2003, numa altura em que os blogs eram apenas registos pessoais, sem pretensões de coisa alguma. e assim se tem mantido.

muitas são as fases pelas quais tem passado, ao sabor dos humores da sua autora. para os mais curiosos, aqui ficam screenshots das versões anteriores:
#11 #10 #9 #8 #6 #5 #4

Bloglovin  follow us in feedly  Seguir nos Blogs do SAPO

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.